Novas publicações

  • Entrada

O petróleo, o Médio Oriente e a guerra civil imperialista

José Goulão

Um Médio Oriente em pé de guerra é uma alternativa cultivada para afectar regimes e governos que não sejam submissos a Washington ou que tenham a ousadia de negociar hidrocarbonetos em outras moedas que não seja o dólar.


Estimado leitor, se lhe disserem que os Estados Unidos são auto-suficientes em hidrocarbonetos e não precisam do petróleo do Médio Oriente, não acredite.

A guerra sem fim montada pelo Pentágono através de toda a região e algumas extensões geográficas tem a ver com fontes de energia, o controlo das suas reservas, produção e distribuição. Portanto, o que tem acontecido nas últimas semanas, por exemplo a simultaneidade da desestabilização do Iraque e do Irão e a nova fase da guerra na Líbia tem, e muito, a ver com isso.


Outra coisa em que o leitor não deve acreditar é nas promessas do poder globalizante de que vai reduzir o consumo de combustíveis fósseis para combater o aquecimento global e cumprir as metas da redução de emissões de dióxido de carbono. Nunca, como agora, esteve inventariada uma tão elevada quantidade de reservas de petróleo e gás natural. E serão para consumir enquanto existirem, até à última gota: o capitalismo alimenta-se delas. Quem as dominar controla o mundo – um conceito básico de qualquer geopolítica e geoestratégia bem actuais.


O que se passa no Médio Oriente tem, portanto, a ver também com hidrocarbonetos. Hoje como ontem.


A era do petróleo e do gás de xisto, caracterizada pela extracção através do método de fractura hidráulica (fracking) extremamente agressivo para o meio ambiente, alterou o ranking da produção de hidrocarbonetos e terá conduzido os Estados Unidos ao primeiro lugar entre os produtores. Segundo especialistas, porém, o período áureo dessa forma de exploração já terá sido ultrapassado na América do Norte, além de ser mais dispendiosa do que a efectuada a partir de reservas mais convencionais. Além disso, em termos norte-americanos, trata-se de mais um negócio com diferentes valências: o petróleo e o gás de xisto, mais caros, são para exportar – de preferência para os aliados europeus e de outras regiões – servindo para tentar combater produções rivais, sobretudo as russas, mesmo que através de manipulações grosseira das «leis do mercado»; e, por outro lado, os Estados Unidos importam hidrocarbonetos mais baratos de regiões onde mantêm domínio e controlo, entre elas o Médio Oriente.


Domínio e controlo não se exercem apenas sobre os...

Ler mais: O petróleo, o Médio Oriente e a guerra civil imperialista

  • Criado em .
  • Visualizações: 69
  • Ladrões de Bicicletas (José Gusmão)
  • Portugal

Quem aumentou os impostos sobre quem?

A direita e ultra-direita têm uma campanha montada há já alguns anos sobre o aumento dos impostos, que tem contado com o apoio de alguma comunicação social, poucas verdades, muitas mentiras e toda a manipulação. Há vários debates dentro dessa questão, que têm de ser feitos com dados fidedignos.
Todos os dados que aqui utilizarei são da Comissão Europeia e podem ser confirmados aqui: https://ec.europa.eu/economy_finance/ameco/user/serie/SelectSerie.cfm . Vamos, então, por partes:

1. O que é a carga fiscal?

A carga fiscal é um indicador relativo que resulta da racio entre receita fiscal e PIB. Este esclarecimento é importante porque a direita frequentemente utiliza a receita fiscal nominal para inflacionar (literalmente) o indicador. A relação com o PIB é fundamental porque a receita fiscal tem de ser obviamente relacionada com a dimensão da economia.

2. Quem aumentou a carga fiscal?
 
 
 
A carga fiscal aumentou continuamente entre 2010 e 2019 (gráfico 1), com excepção dos anos de 2012 (PSD-CDS) e 2016 (Geringonça), mas os ritmos e as causas foram muito diferentes. Em 2011, o orçamento retificativo apresentado por Passos Coelho representou o primeiro grande aumento de impostos, que veio a ser superado pelo famoso "enorme aumento de impostos" aprovado por Vítor Gaspar para 2013. Comparando os balanços gerais dos dois governos (gráfico 2), verificamos que o governo das direitas aumentou a carga fiscal em 4 pontos percentuais do PIB enquanto o governo do...

Ler mais: Quem aumentou os impostos sobre quem?

  • Criado em .
  • Visualizações: 122

A captura da ADSE pelos grandes grupos privados de saúde

A situação da ADSE, a transformação da ADSE em mútua como defende a Ministra Alexandra Leitão e a rápida captura da ADSE pelos grandes grupos privados de saúde

 

 

Respondendo o dever que sinto, como membro do Conselho diretivo da A DSE eleito pelos representantes dos beneficiários no Conselho Geral de Supervisão, de informar os beneficiários, elaborei esta informação onde analiso, por um lado, a situação atual da ADSE mostrando que as dificuldades importantes que enfrenta atualmente a ADSE, com consequências negativas para os beneficiários (elevados atrasos no pagamento dos reembolsos no Regime livre, falta de convenções com prestadores para tornar mais fácil o acesso a cuidados de saúde, etc.) não resultam da falta de dinheiro (a ADSE tem aplicados a prazo no IGCP 350 milhões €) mas sim de atos de gestão das representantes do governo no Conselho Diretivo da ADSE e do próprio governo.

E, por outro lado, procuro esclarecer o que aconteceria à ADSE se fosse transformada numa mútua como defende a ministra Alexandra Leitão do atual governo que, conjuntamente com o ministro Mário Centeno tutelam atualmente a ADSE, mostrando que ela seria rapidamente capturada pelos grandes grupos privados de saúde (LUZ, JMS, LUSÍADAS, TROFA, GRUPO HPA, SANFIL).

Mesmo que não seja trabalhador da Função Pública agradeço a sua ajuda para que esta informação chegue ao maior número de trabalhadores e aposentados das Administrações Públicas e aos seu...

Ler mais: A captura da ADSE pelos grandes grupos privados de saúde

  • Criado em .
  • Visualizações: 580

Assassínio de Soleimani: o que pode acontecer a seguir?

General Soleimani.
por The Saker

Primeiro, um rápido resumo da situação

Precisamos começar por resumir rapidamente o que acaba de acontecer:

1. O general Soleimani estava em Bagdad numa visita oficial para acompanhar o funeral dos iraquianos assassinados pelos EUA no dia 29
2. Os EUA agora assumiram oficialmente a responsabilidade por este assassinato
3. O Supremo Líder iraniano, aiatola Ali Khamenei declarou oficialmente que "Contudo, uma severa retaliação aguarda os criminosos que pintaram as suas mãos corruptas com o sangue dele e dos seus companheiros martirizados ontem à noite"

Os EUA colocam-se a si próprios – e ao Irão – em apuros

Os iranianos simplesmente não tiveram outra escolha senão declarar que haverá uma retaliação. Existem alguns problemas básicos com o que acontece a seguir. Vamos examiná-los um por um:

1. Primeiro, é bastante óbvio a partir dos disparates da agitação de bandeiras nos EUA que o Tio Shmuel [1] está "bloqueado e embriagado" por acções e reacções ainda mais machas. De facto, o secretário Esper basicamente descreveu os EUA no que eu chamaria de uma "super-reacção de encurralamento" ao declarar que "o jogo mudou" e que os EUA tomarão "acção antecipativa" sempre que se sintam ameaçados. Portanto, os iranianos têm de assumir que os EUA super-reagirão a qualquer coisas que mesmo remotamente se pareça a uma retaliação iraniana.

2. Não menos alarmante é que isto cria as condições absolutamente perfeitas para uma falsa bandeira como o "

Ler mais: Assassínio de Soleimani: o que pode acontecer a seguir?

  • Criado em .
  • Visualizações: 199

Os piratas que vestem Benetton: o Corso Liberal

A denominada crise da direita portuguesa tem possibilitado o esquecimento da crise da social-democracia em geral, designadamente da europeia e até da portuguesa. Na atualidade mediática assiste-se apenas ao folhetim das disputas de liderança no PSD/PPD e no CDS/PP quando o debate ideológico na sociedade deveria ser bem mais consistente, profundo e esclarecedor.

Teresa Gago - 29 Outubro, 2019

 

Se não quiserem falar de capitalismo,
nada terão a dizer sobre fascismo.

Horkheimer, 1938

A denominada crise da direita portuguesa tem possibilitado o esquecimento da crise da social-democracia em geral, designadamente da europeia e até da portuguesa. Na atualidade mediática assiste-se apenas ao folhetim das disputas de liderança no PSD/PPD e no CDS/PP quando o debate ideológico na sociedade deveria ser bem mais consistente, profundo e esclarecedor.

Se por um lado a eleição de André Ventura pelo Chega provocou uma perplexidade enojada que dominou as críticas dos comentadores políticos parece que, por outro lado, a eleição do deputado da Iniciativa Liberal gozou de um “branqueamento” conivente com uma “aceitação normalizadora”. Apesar de ser compreensível a exacerbação das reações ao programa da ultra-direita social protagonizada pelo Chega, é deveras preocupante que o mesmo não aconteça quando se “… franqueia[m] as portas à chegada” da ultra-direita económica da Iniciativa Liberal.

A atribuição dos lugares no Parlamento é um fait-divers...

Ler mais: Os piratas que vestem Benetton: o Corso Liberal

  • Criado em .
  • Visualizações: 1588

PPP’s custaram ao Estado 12 mil milhões entre 2011 e 2018

European Parliament / Flickr

Vitor Caldeira, presidente do Tribunal de Contas

As parcerias público-privadas (PPP) custaram ao Estado quase 12 mil milhões de euros entre 2011 e 2018, segundo o parecer do Tribunal de Contas à Conta Geral do Estado de 2018, divulgado na sexta-feira.

 

No documento, o Tribunal de Contas indica que os encargos líquidos com as PPP’s pagos pelos parceiros públicos ascenderam a 11.960 milhões de euros de 2011 a 2018 e considera ainda que há falta de informação que explique a “desproporção” entre os encargos para o Estado e o investimento dos parceiros privados, noticiou a agência Lusa.

“Subsiste a falta de dados para contextualizar e explicar a desproporção entre os encargos líquidos das PPP pagos pelos parceiros públicos (11.960 milhões de euros, de 2011 a 2018, 1.678 milhões de euros em 2018) e o investimento realizado pelos parceiros privados (3.536 milhões de euros, de 2011 a 2018, 137 milhões de euros em 2018), já incluindo o investimento realizado no setor aeroportuário desde 2013”, lê-se no parecer.

O Tribunal de Contas diz ainda que estes encargos se referem a apenas a 35 parcerias, isto “apesar de a Unidade Técnica de Acompanhamento de Projetos divulgar informação sobre mais 58 contratos de natureza concessória”. O Estado tem parcerias com privados em áreas como a saúde (hospitais), rodovias (autoestradas), ferrovias ou aeroportos.

Na conferência de imprensa de apresentação do parecer do Tribunal de Contas à Conta Geral...

Ler mais: PPP’s custaram ao Estado 12 mil milhões entre 2011 e 2018

  • Criado em .
  • Visualizações: 197

A campanha

(Daniel Oliveira, in Expresso, 13/12/2019)

Daniel Oliveira

 

Quem veja os telejornais conclui que temos o sistema de saúde do Burkina Faso. Quem leia o recente relatório da OCDE fica baralhado. Temos uma esperança de vida superior à média europeia, que aumentou, entre 2000 e 2017, cinco anos. Sobretudo por causa da redução da taxa de mortalidade por AVC e doenças cardíacas. Estamos melhor do que a média europeia na mortalidade por doenças evitáveis e tratáveis, temos uma baixa taxa de hospitalização evitável, excelentes taxas de vacinação e, ao contrário de verdades feitas, os tempos de espera para cirurgias programadas estão de novo a melhorar e continuam inferiores aos da média da OCDE.

Enquanto a economia nos deixa na cauda da Europa, temos um SNS de qualidade e com resultados acima da média e mais barato do que os outros. Fazemos melhor com menos. Mas o SNS é, com o sistema de pensões, demasiado apetitoso para se manter no público. É o último reduto do Estado social. O horizonte da campanha contra ele é o sistema que os EUA têm, onde a esperança média de vida caiu por três anos consecutivos.

As despesas de saúde per capita continuam 30% abaixo da média europeia, mas têm aumentado, o que demonstra que o sistema não é insustentável. Mas a despesa pública em saúde é menos de dois terços da média da OCDE, sendo o único país da UE em que é inferior a 2010. A comparticipação pública está abaixo da média europeia, o que tem sido compensado por...

Ler mais: A campanha

  • Criado em .
  • Visualizações: 298

Portugal | Corrupção e democracia

 
 
João Ramos de Almeida [*]
 
Temos de ser claros. A corrupção medra com:

1) o financiamento privado dos partidos;

2) a existência, permanência e manutenção defendida de uma liberalização de movimentos de capitais, nomeadamente para offshores;

3) a ausência de mecanismos de transparência eficaz das decisões políticas;

4) a promiscuidade entre reguladores e regulados, nomeadamente pela manutenção legal de portas giratórias entre eles, que, nalguns casos, se pode traduzir, por uma sintonia de opiniões (veja-se o caso do ministro Siza Vieira) ou num comportamento que se assemelha a uma defesa superstrutural de quem, na realidade, governa ;

5) a opacidade do sistema financeiro, que obrigatoriamente participa na criação de soluções que agravam a opacidade das transferências financeiras.

6) a incapacidade dos organismos públicos de fiscalização e de acesso a informação útil ou mesmo acesso aos procedimentos de decisão política;

7) enfim, a opacidade das decisões políticas, sem os devidos estudos de impactos diversificados de que as PPP são um exemplo crucial (veja-se a recente decisão política de reduzir essa avaliação quanto às PPP);

 
8) a ausência de uma Função Pública consistentemente organizada na defesa e preservação do Bem Público e colectivo, com estruturas sólidas, com técnicos conhecedores e experimentados, devidamente remunerados e com meios eficazes, cuja ausência deixa o Estado desarmado;

9) o outsourcing legislativo, entregue a escritórios de advogados, em completo conflito de interesses com a defesa dos seus clientes e que constitui uma fonte integrada de litigância de má-fé, em que o produtor da legislação conhece em exclusivo os alçapões legais que ele próprio criou , beneficiando privadamente desse conhecimento;

10) a ausência de um sistema fiscal que seja eficazmente progressivo;

11) a ausência de solidariedade de todos os organismos públicos no combate aos crimes de fraude e evasão fiscais (veja-se a falta de solidariedade do Banco de Portugal na comunicação de crimes fiscais);

12) e, finalmente, a ausência de meios concedidos a quem investiga os crimes de colarinho branco.

Isto, entre outros elementos.

Leia-se de novo o livro escrito por Maria José Morgado e José Vegar – O inimigo sem rosto – ou o mais recente livro de Eduardo Dâmaso – Corrupção .

Enfim, tudo o que já se sabe sobre corrupção ficou a milhas, ao largo, do que deveria ser decidido e, sequer, de ser uma preocupação.

E agora, prefere-se preguiçosamente a delação premiada, com muitos elementos de duvidosa constitucionalidade e de extremamente perigosa utilização do ponto de vista político e do funcionamento da democracia. Se os organismos públicos não conseguem investigar a corrupção, como vão confirmar as delações? E como vão escapar à orientação da investigação sobre a corrupção feita pelos corruptos e não pelo olhar estratégico dos defensores da democracia?

Vai correr mal, muito mal. Até para o PS! Ou para o futuro do PS.

 
10/Dezembro/2019
 
[*] Economista.

O original encontra-se em ladroesdebicicletas.blogspot.com/2019/12/corrupcao-e-democracia.html

Este artigo encontra-se em http://resistir.info

 

Ver o original em 'Página Global' na seguinte ligação:

https://paginaglobal.blogspot.com/2019/12/portugal-corrupcao-e-democracia.html

  • Criado em .
  • Visualizações: 227

Saúde.pt: O interlúdio punk da corrida ao ouro

O debate sobre o Serviço Nacional de Saúde (SNS) encontra-se num interlúdio punk: ruidoso, agressivo, atonal e atordoador. Nesta fase confundem-se justas reivindicações sociais e profissionais com interesses individuais e sectorializados; misturam-se a filosofia e os objetivos do Serviço Público com a ideologia e o modus teórico-prático do mercado e amalgamam-se descontentamentos geradores de alarme social e de irritação profissional, convenientemente amplificados pelos media.

 

 

“Consolida filho, consolida, enfia-te a horas
certas no Casarão da Gabriela que o malmequer
vai-te tratando do Serviço Nacional de Saúde.”

(José Mário Branco em FMI)

 

O debate sobre o Serviço Nacional de Saúde (SNS) encontra-se num interlúdio punk: ruidoso, agressivo, atonal e atordoador. Nesta fase confundem-se justas reivindicações sociais e profissionais com interesses individuais e sectorializados; misturam-se a filosofia e os objetivos do Serviço Público com a ideologia e o modus teórico-prático do mercado e amalgamam-se descontentamentos geradores de alarme social e de irritação profissional, convenientemente amplificados pelos media.

Este cenário de agitação sócio-política em torno do SNS foi exacerbado após a aprovação da nova Lei de Bases da Saúde (LBS) e encontra-se em fase aguda, agora, nas vésperas da discussão do Orçamento Geral de Estado (OGE) para 2020, o primeiro desta legislatura. De facto, o mero vislumbre da possibilidade de...

Ler mais: Saúde.pt: O interlúdio punk da corrida ao ouro

  • Criado em .
  • Visualizações: 702

Publicações mais recentes

Selecionar a categoria:
janeiro,23 2020

Denúncia no DIAP de Cascais, de desvio de meios públicos para financiar a campanha de Pinto Luz

in Cascais

Deu entrada ontem, dia 21 de Janeiro, no DIAP de Cascais, uma denúncia requerendo que o Ministério Público investigue se a campanha de Miguel Pinto Luz foi realizada a coberto do contrato celebrado entre a…
janeiro,23 2020

Grécia elege pela primeira vez uma mulher para a Presidência

in Mundo

Orestis Panagiotou / EPA Katerina Sakellaropoulou, a nova Presidente da Grécia O Parlamento grego elegeu, esta quarta-feira, Katerina Sakellaropoulou como Presidente da Grécia, a primeira mulher a ocupar o cargo no país.   Katerina Sakellaropoulou,…
janeiro,23 2020

Por que humanos escravizam outros humanos ontem e hoje

in Mundo

    A existência e a persistência da escravidão ou de condições análogas à escravidão constituem um desafio humanístico, filosófico, ético e teológico até os dias de hoje. Por que humanos escravizam outros humanos, seus…
janeiro,23 2020

Protestos no Iraque somam 600 mortos, diz presidente iraquiano em Davos

in Mundo

© AP Photo / Khalid Mohammed Mais de 600 iraquianos foram mortos desde o início dos protestos contra o governo no Iraque, em outubro de 2019. O dado foi revelado pelo presidente do Iraque, Barham…
janeiro,23 2020

Negócio entre Câmara de Cascais e agência de comunicação de Pinto Luz chega ao Ministério ...

in Cascais

  às 21h16 Vereador comunista apresenta queixa. Contrato entre assessores de Pinto Luz e empresa municipal de Cascais levantou suspeitas. Carlos Carreiras assume que desconhecia adjudicação mas mandou anular a operação. Miguel Pinto Luz desmente…
janeiro,23 2020

Pompeo escancara temor norte-americano em relação à China

in Mundo

  Sputnik Brasil - O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, alertou nesta quarta-feira (22) os países da América Latina para que tomem cuidado com a China. O alerta de Pompeo especifica que…
janeiro,23 2020

A DISTOPIA DOS INCÊNDIOS FLORESTAIS DA AUSTRÁLIA – UMA OUTRA ENTRADA PARA O BOLETIM NEOLIBERAL – por BILL MITCHELL

in Mundo

Por OCHA, CC BY 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=31103256 Australia’s bushfire dystopia – another entry for the neoliberal report card, por Bill Mitchell   Bill Mitchell – Modern Monetary Theory, 9 de Janeiro de 2020 Selecção e tradução…
janeiro,23 2020

“Quando o PS é oposição, os sindicalistas são valiosos. Quando é poder, empecilhos”

Manuel De Almeida / Lusa   José Abraão, do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública, deixou duras críticas ao Governo por não se sentir incluído no processo das decisões políticas.   Para José Abraão, o…
janeiro,23 2020

Oficiais de justiça começam greve parcial até ao final do ano

Paulo Novais / Lusa   O Sindicato dos Oficiais de Justiça (SOJ) inicia uma greve, esta quarta-feira, que se prolonga até 21 de dezembro e contempla as horas de almoço e após a conclusão do…
janeiro,23 2020

O Fórum Económico Mundial de Davos (WEF) está de volta - comemorando 50 anos

in Mundo

    Peter Koenig* | Global Research   Amigos, este ano o WEF está comemorando seu 50 º aniversário. Quarenta e nove (49) dos eventos insanamente pomposos - e a cada ano mais - ocorreram em Davos, na…
janeiro,23 2020

“Inaceitável”. Tribunal de Contas responde a Fernando Medina

Mário Cruz / Lusa   O Tribunal de Contas garantiu, esta terça-feira, que foi “coerente e conforme à lei” na auditoria ao património da Segurança Social e considerou “inaceitáveis” tomadas de posição públicas que não…
janeiro,23 2020

Consórcios & Consórcios de ditos jornalistas

in Mundo

Depois das revelações da wikileaks , Assange e Snowden , os Think Tanks de diversos serviços secretos viram como podiam aproveitar operações semelhantes para os seus fins .Muitos dos ditos consórcios de jornalistas são consorcios…
janeiro,23 2020

“Mulher acusa Polícia de agressões” – pequena amostra de comentários online num país sem racismo

(Isabel Moreira, in Expresso Diário, 22/01/2020) (Se calhar a outra, a dos Santos é que tem razão. Se vemos uma negra a andar de iate, sobe-nos a inveja à cabeça, e queremos-lhe ficar com o…
janeiro,23 2020

OS ATOS FUNDADORES DA CRIAÇÃO DA GUINÉ-BISSAU E DE CABO VERDE

in Mundo

  Os atos fundadores da criação dos atuais Estados-Nacionais da República da Guiné-Bissau e da República de Cabo Verde   (em homenagem a todos os Combatentes da Liberdade da Pátria Bissau-Guineenses e Cabo-Verdianos, Juntos)  …
janeiro,23 2020

Uma exposição e um livro estrangeiros

in Mundo

Nova Iorque : cidade de trabalhadores, cidade de luta (Algumas das trabalhadoras da têxtil de Nova York que entraram em greve em 1909 por uma melhor remuneração, condições de trabalho e horário mais curto. A…
janeiro,23 2020

Governo ordena inquérito sobre detenção de mulher na Amadora

Miguel Pereira Da Silva / Lusa   O ministro da Administração Interna ordenou, esta quarta-feira, a abertura de um inquérito sobre a atuação policial na detenção de uma mulher na Amadora, que envolveu “agressões” e…
janeiro,23 2020

Impasse com os EUA continua. Coreia do Norte ameaça acelerar programa de armas nucleares

in Mundo

(dv) KCNA / YONHAP Míssil balístico intercontinental norte-coreano Hwasong-14 lançado em local não divulgado na Coreia do Norte A Coreia do Norte ameaçou na terça-feira acelerar o seu programa de armamento nuclear e procurar “novos…
janeiro,23 2020

“Ninguém gosta de Bernie Sanders, nunca fez nada”, afirma Hillary Clinton

in Mundo

(Comentário: Os Clinton iguais a si próprios ou a fidelidade canina ao centrão ao serviço dos donos disto tudo. Lá como cá...)jsgraphicdesign / Flickr Hillary Clinton Hillary Clinton criticou fortemente o senador Bernie Sanders, que…
janeiro,23 2020

Bolívia: Em busca das eleições perdidas

in Mundo

Evo Morales, ex-presidente da Bolívia, sofreu um golpe de estado que se valeu de motins policiais, violência paramilitar, movimentações institucionais, sequestros. Foi um processo feito por camadas, com o apoio de organismos internacionais – que…
janeiro,23 2020

«Pediatria no Garcia faz falta noite e dia», alertam utentes

As comissões de utentes de Almada e do Seixal concentraram-se esta manhã à porta do Ministério da Saúde, em Lisboa, para exigir a reabertura da urgência pediátrica do Hospital Garcia de Orta. Créditos / AbrilAbril…
janeiro,23 2020

Perdão de dívida da Sousacamp tem de acarretar exigências sociais

Cerca de cem trabalhadores do grupo Sousacamp, em Paredes, receberam propostas de rescisão amigável. O sindicato lembra que o perdão da dívida deveria garantir a manutenção dos postos de trabalho. Créditos / CGTP-IN Depois de…
janeiro,23 2020

Governo sírio qualifica como prioridade fim da 'presença ilegal' de tropas estrangeiras

in Mundo

© AP Photo / Darko Bandic O governo sírio dá prioridade à expulsão das tropas estrangeiras que estão no território do país sem o consentimento de Damasco, disse o embaixador sírio na Rússia. "O principal…
janeiro,23 2020

Para a breve história do preconceito

Só para não ir mais atrás, registo que hoje no «Público» : - Paula Teixeira da Cruz se espraia por duas colunas a dar umas piadas a Rui Rio e a explicar-nos a honra que…
janeiro,23 2020

Namíbia e Timor-Leste pressionam Espanha

in Mundo

… a respeitar os direitos do povo saharaui na ONU. Durante a terceira Revisão Periódica Universal de Espanha na ONU, a Namíbia e Timor-Leste recomendaram que Espanha respeite o direito do povo saharaui ao consentimento…

Últimos posts

Itens com Pin
Atividades Recentes
  • Vasco Graça updated his profile
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
Aqui ainda não existem atividades
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate