• Início
  • Artigos
  • Portugal
  • Cônsul-geral português em Macau: Aproveitar o papel de Macau como plataforma e aprofundar ainda mais a cooperação nos diversos domínios
  • Ladrões de Bicicletas (João Ramos de Almeida)
  • Portugal

Arrogância e desplante

O novo deputado da Iniciativa Liberal João Cotrim de Figueiredo, formado pela London School of Economics e com um MBA na Universidade Nova de Lisboa, ex-dirigente do Turismo de Portugal convidado pelo então secretário de Estado do CDS Adolfo Mesquita Nunes, foi ao programa da RTP Prós & Contras com a arrogância dos novos partidos.

E afirmou que Portugal tem estado a crescer a um nível medíocre e que ninguém explica porquê.

Disse ele:

- O mundo mudou nestes 45 anos não tem qualquer tipo de paralelo porque os partidos não mudaram nestes 45 anos. Portanto estão a deixar passar ao lado...

- E o que os novos partidos vão trazer de novo?

- Desde logo este desassombro de dizer "não há com certeza grandes sancionamentos e grandes vitórias da Geringonça nestas eleições". Depois, dentro da nossa dimensão (...) pôr as ideias liberais na agenda política e fazer com que, à nossa pequena escala, os portugueses tenham menos medo da mudança e vontade de segurar aquilo que têm hoje. Porque aquilo que têm hoje - podem não ter noção disso - mas é medíocre. Nos últimos 20 anos, Portugal cresceu menos de 1% em termos reais, foi ultrapassado por 8 ou 9 países no PIB per capita da zona euro, somos o antepenúltimo país mais pobre. Eu não percebo por que não se faz mais a pergunta e por que é que não é respondida: os outros são melhores em quê? (...) os portugueses são tão bons como os melhores, mas têm um sistema que os abafa e que os impede de ser tão bons como deviam e mereciam ser.

E ele nem percebe - ou não sabe - que desde a década de 80 se estão a aplicar as ideias que ele diz defender. E que foram essas ideias que, precisamente, nos fizeram estar onde estamos, a crescer de forma medíocre e sendo um dos países mais pobres. Em que país é que João Cotrim de Figueiredo viveu?
Foi por causa precisamente dessas ideias, por esse consenso ideológico neoliberal - que até contaminou um Partido Socialista - que Portugal liberalizou a sua economia, privatizou aqueles que eram instrumentos públicos poderosos para mudar um país, tudo supostamente para pagar a dívida externa e reconstruir os velhos grupos económicos nacionais que, supostamente, iriam tornar o país mais moderno e competitivo; venderam-se empresas poderosas a nível internacional à pala da ideia de que libertadas do Estado iriam conceder melhores serviços e a preços mais baixos preços para os consumidores, tendo acontecido precisamente o contrário (como era expectável e já existia essa experiência); amachucou-se os trabalhadores com políticas vendidas como eficazes por organizações multilaterais (como o FMI) que visam um mais liberto mercado de Trabalho e que, na realidade, aumentaram a precariedade desses trabalhadores, diminuindo a parte dos salários no rendimento; essas medidas pretenderam igualmente esvaziar os sindicatos tidos como formas de organização de interesses corporativos; bombardearam a contratação colectiva como forma de esmifrar os salários dos trabalhadores, indo à boleia da ideia de que criavam rigidezes no funcionamento do mercado do Trabalho, de que era preciso libertá-lo; atou-se a economia à mais dura e inflexível das soluções económicas que é uma moeda única forte, que na prática favorece os interesses das economias desenvolvidas e aumenta os défices das menos desenvolvidas, à pala da ideia de que o contacto com os melhores competidores - liberto do controlo público da desvalorização cambial - aumentava o espírito empreendedor dos nossos empresários, embora no final isso tivesse torpedeado os sectores nacionais e promovido a transferência do investimento sobretudo para ramos de serviços não competitivos internacionalmente, contribuindo para o agravamento do défice externo do país que o torna mais volátil a qualquer pressão de quem detém a nossa dívida, os tais mercados internacionais. Foi a liberdade promovida que favoreceu os mais fortes e deprimiu os mais fracos. E estes novos partidos apenas parecem defender velhas ideias dominantes em Portugal, que geraram este estado medíocre. Na realidade, João Cotrim de Figueiredo ou está iludido, cego pela sua ideologia, ou visa apenas reformatar uma velha direita, ferida por ter aplicado essas mesmas ideias, como forma de as poder voltar a aplicar, como sendo novas. Mas o resultado vai ser o mesmo: a pobreza geral que, anos mais tarde, ele vai negar existir. Como agora nega que essas velhas ideias tivessem sido realmente aplicadas.

Ver original em 'Ladrões de Bicicletas' (aqui)

Artigos relacionados

Debater a financeirização aqui e ali
Debater a financeirização aqui e ali Na próxima quinta-feira terá lugar no CES, em Coimbra, um colóquio internacional sobre desenvolvimentos recentes da ... 34 views Wed, 04 Dec 2019, 01:30:44
Pode ser o momento para “equacionar a adoção do voto obrigatório”
Pode ser o momento para “equacionar a adoção do voto obrigatório” (Comentário: Quem é este senhor com ideias tão "brilhantes" ?) José Goulão / Wikimedia D. Duarte Pio, Duque de ... 20 views Mon, 02 Dec 2019, 15:17:00
Financiadores norte-americanos deram milhões a grupos de direita no Re...
Financiadores norte-americanos deram milhões a grupos de direita no Re... ChiralJon / Wikimedia   Onze doadores norte-americanos deram mais de 3,7 milhões de dólares a grupos de d... 29 views Sun, 01 Dec 2019, 14:07:23
No «Expresso» online: quando se sabe escrever mas não se sabe ler,
No «Expresso» online: quando se sabe escrever mas não se sabe ler, Quando se sabe escrever mas não se sabe ler, o resultado é este O que, no final da reunião do Comité Centr... 28 views Mon, 25 Nov 2019, 16:44:30
O fim do neoliberalismo e o renascimento da História
O fim do neoliberalismo e o renascimento da História (Joseph Stiglitz, in Expresso, 16/11/2019) No final da Guerra Fria, o cientista político Francis Fukuyama escre... 66 views Sun, 17 Nov 2019, 16:29:09
Emergência climática: esta economia, ou a nossa vida
Emergência climática: esta economia, ou a nossa vida O silêncio não é uma opção.     Snacks de economia política #13 Emergência climática: ... 39 views Tue, 12 Nov 2019, 16:26:05

Economia política, Direita

  • Criado em .
  • Visualizações: 67

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Últimos posts

Itens com Pin
Atividades Recentes
  • Vasco Graça updated his profile
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
Aqui ainda não existem atividades
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate