• Entrada
  • Artigos
  • Portugal
  • Serviços máximos: primeiro estranha-se, depois entranha-se

Serviços máximos: primeiro estranha-se, depois entranha-se

(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 21/08/2019)

 

 

Como temia, a greve cirúrgica dos enfermeiros abriu a Caixa de Pandora. A exigência de fortes serviços mínimos, primeiro, e de uma requisição civil, depois, era inevitável. Antes de tudo, porque sendo uma greve por procuração, em que a esmagadora maioria trabalhava e pagava a outros para fazerem greve, ela nunca teria de chegar ao fim. Não tinha qualquer custo. Não era realmente uma greve. Depois, porque era, pela sua natureza cirúrgica e pelo alvo, uma greve desumana que nenhum Governo, por mais de esquerda que fosse, poderia tolerar que se eternizasse.

Mas a verdade é que abriu um precedente. Os serviços mínimos deixaram de ser mínimos e a requisição civil, um gesto sempre extremo, não causaram qualquer indignação ou resistência. Ao isolar os enfermeiros do resto da sociedade, a bastonária enfraqueceu os instrumentos sindicais que, aliás, está legalmente impedida de utilizar.

Depois, veio a segunda greve dos motoristas de matérias perigosas. Fui, como sabem, crítico da liderança desta greve que tinha, à partida, reivindicações mais do que justas. O destino de uma greve por tempo indeterminado que acabou em sete dias veio confirmar a irresponsabilidade de quem levou os trabalhadores a um beco sem saída. Não chega agitar plenários e falar bem na televisão para ser um bom sindicalista. A qualidade da liderança de uma luta confirma-se na capacidade de chegar a um bom acordo. De ter uma estratégia. De ser realmente sindicalista. A verdade é que o Governo aproveitou a impopularidade da greve para ir um pouco mais longe. Os serviços mínimos já se aproximaram ainda mais dos máximos e a requisição civil, que deve ser o último recurso, foi usada ao fim de 19 horas de greve.

A greve na Ryanair não é por procuração, desumana, irresponsável ou por tempo indeterminado. Não há emergência energética ou questões humanas que justifiquem os serviços mínimos impostos. Há a sensação de que se pode

E agora, cereja em cima do bolo, vemos serviços mínimos a ser decretados em favor de uma companhia aérea multinacional low-cost, especialmente selvagem na relação com os trabalhadores e até com os países onde opera, por sinal. Esta não é uma greve por procuração, desumana, irresponsável ou por tempo indeterminado. É uma greve por cinco dias num sector que não põe, se falhar, os serviços fundamentais do país em perigo. Em que há concorrência em grande parte das rotas que os trabalhadores foram obrigados a continuar a garantir parcialmente, como as ligações de Lisboa com Londres, Paris ou Berlim.

Passo a passo, banaliza-se a redução do direito à greve a um mero ato simbólico, funcionando o Governo como protetor dos interesses económicos das empresas em causa. Considerar que uma greve de cinco dias tem uma “duração relativamente longa” é transformar a greve num ornamento. Não há emergência energética ou questões humanas que justifiquem os serviços mínimos impostos à greve na Ryanair. Há a sensação de que se pode.

Ver original em 'A Estátua de Sal' (aqui)

Artigos relacionados

Lições de Paris: a greve como forma de luta
Lições de Paris: a greve como forma de luta O movimento atual na França – e também o dos petroleiros no Brasil – reabilita o método da greve como instrumento ... 22 views Tue, 25 Feb 2020, 16:45:40
As prioridades da CGTP-IN
As prioridades da CGTP-IN Isabel Camarinha, Secretária-geral da CGTP-IN em entrevista à Rádio Renascença e ao jornal o Público. A Secretári... 16 views Fri, 21 Feb 2020, 17:41:50
A continuarem os baixos salários, a contestação é «inevitável»
A continuarem os baixos salários, a contestação é «inevitável» O secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, disse que este ano vai ser «inevitavelmente» de contestação social se o... 52 views Mon, 27 Jan 2020, 19:35:08
Trabalhadores do grupo EGF/Mota&Engil exigem negociação colectiva
Trabalhadores do grupo EGF/Mota&Engil exigem negociação colectiva Perante a recusa da empresa em sentar-se à mesa de negociações, os trabalhadores ERSUC, Resíduos Sólidos do Centro (do... 38 views Sun, 26 Jan 2020, 15:31:38
Cristina Tavares exige indemnização por assédio moral
Cristina Tavares exige indemnização por assédio moral A operária, que viu o assédio moral ser confirmado pelo tribunal, exige agora uma compensação a uma corticeira da Feir... 65 views Wed, 22 Jan 2020, 15:14:06
Professores avançam com greve nacional a 31 de janeiro
Professores avançam com greve nacional a 31 de janeiro Rodrigo Antunes / Lusa   A Fenprof convocou esta sexta-feira uma greve nacional de educadores e professor... 66 views Fri, 10 Jan 2020, 19:42:36

Trabalho, Direitos sociais

  • Criado em .
  • Visualizações: 62

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Últimos posts

Itens com Pin
Atividades Recentes
  • Vasco Graça updated his profile
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
Aqui ainda não existem atividades
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate