Portugal | O império dos algarismos

Manuel Carvalho da Silva | Jornal de Notícias | opinião

O "império dos algarismos", hoje tão atraente e poderoso, assenta na ideia de que todas as decisões se devem basear num mero cálculo de custos e benefícios baseado em estimativas quantificadas de ganhos e perdas, e manifesta-se de formas muito diversas.

O Governo do Partido Socialista(PS), quando teve de enfrentar as metas europeias do défice e da dívida para fazer vingar os acordos à esquerda e o que neles havia de reposição do rendimento e de direitos laborais e sociais, demonstrou que essa recuperação favorecia o crescimento e tornava menos difícil equilibrar o Orçamento do Estado. A partir do momento em que Portugal passou de "mau aluno" a "bom aluno" e o ministro das Finanças português foi cooptado para presidente do Eurogrupo, instalou-se de novo o império dos algarismos. Uma decisão passou a ser boa ou má conforme os algarismos (os critérios do pacto de estabilidade) o permitiam. Toda a discussão sobre a contagem do tempo de trabalho dos professores decorreu sob o domínio do império orçamental dos algarismos e foi inquinada por isso.

Entretanto, o rompante demissionário de António Costa no fim da semana passada - aproveitando oportunismos e descontrolo da direita - parece revelar que a prioridade é de novo "PS, só, só PS" desimpedido de parceiros que exijam governação à esquerda. O ato de António Costa e pronunciamentos de destacadas figuras do PS vão nesse sentido; e adotam uma estratégia orçamental e eleitoral assentes no cálculo do custo-benefício que tudo explica e justifica, acompanhada pela colocação de uns cidadãos contra outros.


Os algarismos são "O" argumento ou a arma que se aponta ao dissidente, nesta ocasião os professores. Acontece que os algarismos tendem a ser muito traiçoeiros: quando massajados, aconchegam-se aos desejos do massagista; quando torturados, confessam. Mário Centeno chega ao ridículo de afirmar "eu não pago aos professores com os impostos que os professores pagam", como se com o valor desses impostos, que seguramente entram nos cofres do Estado, não pudesse cobrir tanto essas como outras despesas.

Ao contrário do que afirmam o Governo e muitos fazedores de opinião, os professores não estão à espera de ser ressarcidos pelo que perderam durante o período da crise: como todos os outros trabalhadores dos setores público e privado perderam parte dos seus salários, vários subsídios de férias e de Natal, e cerca de 20 mil ficaram sem emprego.

Que preço vai o país pagar quando não tiver professores qualificados para garantir a qualidade da formação das futuras gerações? Em 2019, apenas 0,2% dos docentes têm menos de 30 anos de idade. Doze dos 21 cursos de formação de professores tiveram este ano menos de dez candidatos e os melhores alunos não querem seguir a via do ensino. Nos mais velhos há exaustão e vontade de abandono.

Desde que Cavaco Silva jogou com vários grupos profissionais, nomeadamente os professores, para obter uma maioria absoluta, que se acumulam problemas com este importantíssimo setor profissional e é evidente a necessidade de harmonizar e valorizar a sua carreira. Durante quatro anos o Governo nada fez para encontrar soluções e termina, desgraçadamente, a tratar os professores como grupo privilegiado e gastador.

*Sociólogo

 

Ver o original em 'Página Global' na seguinte ligação:

https://paginaglobal.blogspot.com/2019/05/portugal-o-imperio-dos-algarismos.html

Artigos relacionados

O PAPEL VAI DESPEGAR DA PAREDE...
O PAPEL VAI DESPEGAR DA PAREDE...                    Imagem: Wuhan, cujas ruas estão desertas  ... 32 views Sat, 15 Feb 2020, 23:22:40
 Globalização – Uma visão matreira
Globalização – Uma visão matreira por Naresh Jotwani [*] Considere-se o caso hipotético de uma economia com um PIB anual de 5 milhões de milhões de dó... 91 views Mon, 03 Feb 2020, 11:36:18
Quem aumentou os impostos sobre quem?
Quem aumentou os impostos sobre quem? A direita e ultra-direita têm uma campanha montada há já alguns anos sobre o aumento dos impostos, que tem contado c... 247 views Thu, 09 Jan 2020, 16:51:41
Não perguntem sobre o futuro, façam-no acontecer
Não perguntem sobre o futuro, façam-no acontecer (Ricardo Paes Mamede, Diário de Notícias, 28/12/2019) Os economistas são conhecidos por conseguirem explicar mu... 111 views Tue, 31 Dec 2019, 23:08:45
Centeno não recebeu proposta concreta de injeção única no Novo Banco
Centeno não recebeu proposta concreta de injeção única no Novo Banco Mario Cruz / Lusa O Ministro das Finanças, Mário Centeno Todos os anos, o Novo Banco tem exigido injeções de c... 124 views Tue, 31 Dec 2019, 17:50:24
Portugal | À espera de milagres
Portugal | À espera de milagres     Ricardo Paes Mamede | Diário de Notícias | opinião   A proposta de Orçamento de Estado (OE) p... 40 views Thu, 26 Dec 2019, 16:58:52

Economia política

  • Criado em .
  • Visualizações: 157

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Últimos posts

Itens com Pin
Atividades Recentes
  • Vasco Graça updated his profile
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
Aqui ainda não existem atividades
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate