• Entrada
  • Artigos
  • Portugal
  • Portugal… dos trafulhas | Berardo diz que tentou "ajudar os bancos"

Portugal… dos trafulhas | Berardo diz que tentou "ajudar os bancos"

O empresário Joe Berardo disse no parlamento que tentou "ajudar os bancos" com a prestação de garantias.

"Estou em negociações com os bancos há algum tempo e vamos ver se chegamos a uma solução a breve tempo", revelou Joe Berardo sobre o incumprimento dos créditos, durante a sua audição na segunda comissão parlamentar de inquérito à gestão e recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

O empresário afirmou também que "como português" tentou "ajudar a situação dos bancos numa altura de crise", referindo-se à prestação de garantias quando as ações que serviam como colateral desvalorizaram, gerando grandes perdas para os bancos.

Joe Berardo declarou ainda que "foi a Caixa" que sugeriu os créditos para aquisição de ações no BCP, através de José Pedro Cabral dos Santos, e acusou o banco público de não cumprir os contratos com a Fundação Berardo e Metalgest, empresa da sua esfera.

"Quando há um contrato, seja de empréstimo seja de outra coisa qualquer, está assinado", disse, acrescentando que tinha exigido nos contratos um rácio "de cobertura de 105%", e que "se descesse" a Caixa tinha de vender as ações, o que não aconteceu.


Na renegociação dos créditos, Berardo afirmou que não foi pedido o seu aval pessoal, mas que se fosse pedido também não dava.

"Nunca pediram, também não dava", declarou.

Confrontado pelo deputado Virgílio Macedo, do PSD, sobre ter dado aval pessoal em 2008 para obter um crédito de 38 milhões de euros para participar no aumento de capital do BCP, Berardo disse que não se lembrava.

O empresário afirmou que quando estava a negociar com a CGD tinha as suas condições e que essas eram 'take it or leave it' (pegar ou largar, na tradução de inglês para português), e que foi por isso que a negociação "demorou tanto tempo".

Posteriormente, Joe Berardo esclareceu que em 2006 não foi pedido nenhum aval, mas que em 2007 "foi pedido, mas não foi dado".

Na sua declaração inicial, lida pelo seu advogado, Berardo admitiu que foram os bancos que o abordaram para adquirir ações no BCP.

"Em 2005 o depoente vem a ser abordado pelas várias instituições de crédito que lhe vêm propor linhas de crédito para aquisição de ações em condições concorrenciais", segundo a declaração inicial, lida hoje pelo advogado de Berardo, André Luiz Gomes.

"Eram até ao final de 2005 o BCP e o BES, e a partir de janeiro de 2006 o banco Santander Totta começou a financiar nas mesmas exatas condições", disse.

Joe Berardo afirmou que "nunca" participou num "assalto figurado" ao BCP.

"Como é público e notório, as instituições que represento reforçaram a sua posição no poder então vigente, presidido por Paulo Teixeira Pinto", leu André Luiz Gomes na declaração.

Nas repostas aos deputados, Joe Berardo está constantemente a consultar o seu advogado. Houve mesmo um momento em que Berardo ia fazer considerações sobre os trabalhos da comissão, mas recuou após intervenção de André Luiz Gomes.

"Eu acho que esta comissão... bem, é melhor não dizer nada", afirmou Berardo, após intervenção do advogado.

Segundo a auditoria da EY à gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD) entre 2000 e 2015, o banco público tinha neste ano uma exposição a Joe Berardo e à Metalgest, empresa do seu universo, na ordem dos 321 milhões de euros.

Jornal de Notícias | Foto: António Cotrim/Lusa

 

Ver o original em 'Página Global' na seguinte ligação:

https://paginaglobal.blogspot.com/2019/05/portugal-dos-trafulhas-berardo-diz-que.html

Artigos relacionados

Moneyland | O estado máximo do ultraliberalismo
Moneyland | O estado máximo do ultraliberalismo     Jornalista britânico descreve como, por meio de sórdida rede de advogados e contadores, super-ricos ... 47 views Mon, 17 Feb 2020, 01:30:58
O sistema global a caminho do colapso financeiro e climático?
O sistema global a caminho do colapso financeiro e climático? A crescente desigualdade, bem evidente na pauperização acelerada dos assalariados, e a sobrevivência do modelo eco... 33 views Sun, 09 Feb 2020, 01:05:13
Davos e o capitalismo das “partes interessadas”
Davos e o capitalismo das “partes interessadas” A recente reunião da Conferência do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, foi marcada pelo lançamento de um... 37 views Mon, 03 Feb 2020, 11:54:14
Davos -Como salvar e tornar o capitalismo aceitável !
Davos -Como salvar e tornar o capitalismo aceitável ! Michael Roberts Según Oxfam, los 2153 multimillonarios del mundo tienen ahora más riqueza que los 4,6 mil millo... 52 views Sun, 02 Feb 2020, 14:58:54
Farsa Económica Mundial
Farsa Económica Mundial Terminada a 50.ª edição do Fórum Económico Mundial, ocasião onde anualmente se reúnem em Davos empresários, políti... 53 views Sat, 01 Feb 2020, 19:42:22
 Brazil for sale
Brazil for sale por Afonso Costa [*] O Fórum Econômico Mundial de Davos é um centro comercial às avessas:   em vez das lojas e... 46 views Sun, 26 Jan 2020, 15:00:00

Corrupção, clientelismo e lobismo, Capital

  • Criado em .
  • Visualizações: 219

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Últimos posts

Itens com Pin
Atividades Recentes
  • Vasco Graça updated his profile
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
Aqui ainda não existem atividades
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate