• Manuel Augusto Araújo in AbrilAbril
  • Portugal

A cultura nos seus labirintos

A produção de produtos ditos culturais pelas indústrias culturais e criativas faz-se em linhas tayloristas que impõem um ritmo em que deixa de existir tempo para pensar a criação artística.

A crise provocada pelo coronavírus e o consequente confinamento social deu enorme visibilidade à crise da cultura, muito anterior mas agora catalisada pela pandemia, e à grave situação laboral da esmagadora maioria dos agentes culturais em que a precariedade da intermitência sem estatuto remuneratório é sistémica, agravada pela ausência de um sistema de segurança social e contributivo compatível com esse estatuto. Foi uma imagem brutal que marcou este interregno em que foram fechados todos os palcos, dos teatros às galerias de exposições, dos museus aos cinemas, etc., onde se exibiam os eventos selados como culturais. Por força da imagem simbólica da cultura, seja o que o que for que se acoberte sobre esse guarda-chuva adquiriu o desespero dos trabalhadores das áreas culturais, muitos deles reduzidos aos mínimos da sobrevivência, uma evidência superlativa em relação aos dos milhares de trabalhadores atirados para o desemprego efectivo ou relativizado pela lay-off, o que até deve fazer questionar o estatuto especial, a notoriedade e visibilidade mediática atribuída aos trabalhadores da cultura no contexto da crise e em relação à enorme mancha de precariedade que alastra no mundo do trabalho. Um tratamento diferenciado que explora a cultura enquanto chancela de diferenciações sociais e a má consciência desta sociedade em que a cultura é cada vez mais inculta, atirada para os circuitos do entretenimento para animar a malta, o que se intensificou com a pandemia em que os tempos vazios da vida em confinamento foram invadidos por uma oferta digitalizada com um volume insuspeitado, em que se despejaram em streaming conteúdos e formatos como se não houvesse amanhã. Uma hiper-oferta que se expandiu na nuvem internética em iniciativas solidárias merecedoras de aplauso mas que também devem ser interpeladas por, consciente ou inconscientemente, serem um sinal do expansionismo da mercantilização do sector cultural, submetido às práticas do capitalismo neoliberal em que a programação cultural é a dos supermercados da cultura, determinada pelo marketing e regida pela eficiência da gestão operacional.

São sucessos que merecem reflexão profunda que acabam por demonstrar que a exigência de 1% para a cultura, reivindicação de grande justeza para que o orçamento para a cultura no Orçamento de Estado (OE) deixe de ser uma sobra, o que resta no OE, não é por si só suficiente para a definição de políticas culturais num estado da arte em que o Estado progressivamente se tem demitido de as traçar por estar capturado pelas forças do mercado, submetido à lógica das indústrias culturais e criativas, em que a única hierarquia cultural, os únicos critérios de excelência são os do que é rentável e vendável, o norte dos gestores e produtores de eventos empenhados não na formação dos públicos mas na angariação de novos públicos, porque o que interessa são os números e não as pessoas, embora se apregoe o contrário, para plantar mais árvores na floresta de enganos em que a cultura se tornou, atacada por um vírus poderosamente invasivo que tudo contamina, esvaziando-a de conteúdo para a amortalhar numa gomosa nulidade.

Progressivamente, a partir de meados dos anos 60, esses agentes culturais passaram a ser os principais intermediários do sector cultural estando sempre entre duas actividades promocionais onde a arte é, sempre e só, mercadoria, e o público se alicia com mentiras ou melhor (pior) não verdades. A cultura que começou a estar, ainda que marginalmente, submetida às leis do mercado quando a burguesia adquiriu poder político, libertando-se das tutelas mecenáticas da nobreza e do clero, entrou, a partir desses anos, abertamente nos circuitos comerciais, tornando-se objecto de estudo para muitos economistas porque «as economias da arte constituem uma espécie de terreno de experimentação da pertinência dos conceitos económicos fundamentais»1. Uma perspectiva dominada pela importância económica da cultura, do seu valor económico, do dinheiro, muito dinheiro que pode gerar, em que se anula o seu valor de uso, enquanto factor de desenvolvimento intelectual da sociedade e dos indivíduos que a compõem, em favor do seu valor de troca enquanto mercadoria, em que os produtos e os serviços culturais são bens transaccionáveis nos mesmos termos que outros bens produzidos no sistema económico, sujeitando-se à racionalidade económica do capitalismo neoliberal.

No estado actual da cultura esse é o paradigma vigente em que uma suposta excepcionalidade da cultura desaguou num albergue espanhol em que são equivalentes uma ópera como Os Dias Levantados de Pinho Vargas, com libreto de Manuel Gusmão, ou o abre as perninhas para Deixar o Pimba em Paz de Bruno Nogueira e Manuela Azevedo, os romances de José Rodrigues dos Santos ou Margarida Pinto Coelho e os de Maria Velho da Costa ou Ana Margarida de Carvalho, os musicais de Filipe la Féria ou as peças de teatro dos Artistas Unidos ou do Teatro da Rainha, dos bilhetes postais que a chamada street art planta nas cidades às exposições das galerias de arte e nos museus, uma interminável lista aqui referida aleatoriamente para tornar mais manifesta essa realidade, em que os mais alarves divertimentos ligeiros ao vivo, transmitidos pela televisão, na rádio, em streaming, que ocupam os horários com maior visibilidade. Tudo é selado como cultura, aqui e na Europa Connosco, como se pode verificar na listagem das indústrias culturais e criativas contempladas pelos programas da Europa Criativa. Nesse contexto, em que tudo é cultura para nada ser cultura, em que a cultura é um conceito flutuante, um saco em que cabem todas as indiferenciações, o Ministério da Cultura demite-se refugiando-se numa política de apoio às artes que é um pobre assistencialismo de contestáveis critérios.

Este interregno, esta paragem forçada pela pandemia deve ser um momento para profunda reflexão dos intervenientes nas áreas culturais para se pensar como inverter o estado actual em que se acelera pelas auto-estradas de um bullying cultural do excesso, excesso de actividade editorial, excesso de exposições, excesso de ruído, excesso de imagens, excesso de informação, excesso de comunicação, excesso de oferta e de consumo, todo um excesso que se sobrepõe e se intercepta contaminado pelas inúmeras formas de idiotização desta época obrigada à vertigem da velocidade e da sucessão de modas que travam ou passam ao lado de qualquer análise sustentada, profunda, em favor da estupidez, tornando mais actual que nunca o que Musil escreveu no Homem sem Qualidades: «se de dentro a estupidez não se assemelhasse tanto à inteligência, se de fora não pudesse passar por progresso, génio, esperança, aperfeiçoamento ninguém quereria ser estúpido e a estupidez não existiria. Ou pelo menos seria mais fácil, combatê-la»2.

A normalidade da anormalidade dessa cultura inculta que promove a iliteracia cultural dominante é exposta com crueza por Byung-Chul Han; «hoje, a própria percepção assume a forma de Binge Watching, (assistir a algo compulsivamente, descontroladamente) de visionamento bulímico. Oferecem-se continuamente aos consumidores o que se adapta por completo ao seu gosto— quer dizer, do que eles gostam. São alimentados de consumo como gado com qualquer coisa que acaba sempre por se tornar qualquer coisa. O Binge Watching pode ser entendido como o modo actual de percepção generalizado»3. Há excepções, mas as excepções são a confirmação da regra e a regra é o triunfo imperial do espectáculo, do inconsequente entretenimento que bordelizou a cultura, com o mercado a extrair benefícios máximos do empobrecimento moral e intelectual da sociedade. A produção de produtos ditos culturais pelas indústrias culturais e criativas faz-se em linhas tayloristas que impõem um ritmo em que deixa de existir tempo para pensar a criação artística, o que acaba por ser uma forma de censura económica pauperizando a cultura até a reduzir a uma sucessão de entretenimentos não significantes, em que tudo é idêntico, por mais e melhores artefactos que se lhe colem para maquilhar o seu estado cadavérico em que a gestão cultural, a gestão das artes é um instrumento das estruturas de dominação neoliberal, tem o objectivo de impor uma submissão pacífica que pareça espontânea. É o fim da cultura na sua relação ideológica e política com a sociedade. Cultura amarrada à perda de futuro como dimensão ontológica humana, um dos traços fundamentais da sociedade burguesa contemporânea em que se procura que a alienação global seja voluntária. Em que a cultura deixou de ser uma presença viva e em que, no melhor dos casos, como diz Blanchot, «é secretamente dramático saber que a cultura não pode fazer mais do que desdobrar-se gloriosamente no vazio contra o qual nos protege dissimulando-o»4.

Há que repensar a cultura recuperando-a desse pântano de areias movediças onde se afunda e desclassifica recuperando o seu significado original em que, sendo uma das mais complexas palavras de qualquer língua, é, na sua raiz, uma actividade que também é uma entidade. Originalmente descrevia um concreto processo material de trabalho que o homem introduziu no crescimento espontâneo da natureza para a conformar às suas necessidades, alterando-a, dominando-a e inventando uma nova disciplina, a agricultura, que o foi agarrando à terra diversificando as culturas e desenhando novos habitats, desenvolvendo agregados populacionais e uma vida colectiva onde a cultura começou a ser metaforicamente transposta para os assuntos ditos do espírito.

As sementeiras passaram a ser materiais e imateriais tal como os seus frutos enquanto, paradoxalmente, os que adubam a terra para a tornar mais fértil, mais propícia a produzir culturas, começaram a ser considerados incultos por falta de tempo para se cultivarem, em contraponto com os citadinos progressivamente mais interessados na cultura e com mais tempo para produzirem cultura não só enquanto progresso da humanidade, mas também como instrumento que marca distancias e distinções.

O labirinto semântico da palavra cultura descreve sempre uma transição entre o que existe e o que se transforma, seja na natureza ou no espírito dos homens. Transição constante, variável, entre regulação e crescimento espontâneo, por força do trabalho que a diversifica e aprofunda. É esse poder transformador da cultura que tem de ser recuperado, não como instrumento de distinções sociais, não como mercadoria em que os objectos culturais se alienam aprofundando o divórcio entre o homem e a natureza, o homem e os seus semelhantes, entre o homem individual e a sua individualidade, mas enquanto prática dinâmica e activa das sabedorias da vida e dos conhecimentos do fazer, das práticas colectivas de grupos e indivíduos.

Vive-se um tempo de catástrofe global. Aprenda-se com Walter Benjamin que «o conceito de “progresso” tem de assentar na ideia de catástrofe. Que as coisas “continuarem como estão” é isso a catástrofe. Ela não é aquilo que a cada momento temos à nossa frente, mas aquilo que já foi» e para que a luta seja substantiva «ser dialéctico é ter nas velas o vento da história. A vela são os conceitos. Mas não basta dispor das velas. Decisiva é a arte de as saber içar»5.

Reflexões e aprendizagens a fazer durante esta suspensão do correr do tempo neste mundo que era estranho e mais estranho ficou.

  • 1. Blaug, Mark , The Economics of the Arts, Martin Robertson, 1976
  • 2. Musil, Robert Musil, O Homem sem Qualidades, Publicações Dom Quixote, 2008.
  • 3. Han, Byung-Chul, A Expulsão do Outro, Relógio d’Água, 2018.
  • 4. Blanchot. Maurice, O Livro por Vir, Relógio d’Água, 2008.
  • 5. Benjamin, Walter, As Passagens de Paris, Assírio&Alvim, 2019

Ver original em "AbrilAbril" na seguinte ligação:

https://www.abrilabril.pt/cultura/cultura-nos-seus-labirintos

Tags:

Artigos relacionados

Universidade de Coimbra vence prémio europeu de património
Universidade de Coimbra vence prémio europeu de património Um projeto da Universidade de Coimbra (UC) venceu a competição internacional Copernicus Hackathon Cork, dedicada ao ... 32 views Sun, 21 Jun 2020, 23:26:37
SINAIS DE FOGO – A AULA DO MAESTRO BORGES COELHO – por Soares Novais
SINAIS DE FOGO – A AULA DO MAESTRO BORGES COELHO – por Soares Novais O maestro abandona a administração da Casa da Música em solidariedade com os “precários” (Foto JPN) &nb... 40 views Sat, 20 Jun 2020, 22:34:33
Festival dá destaque a curtas-metragens de afrodescendentes
Festival dá destaque a curtas-metragens de afrodescendentes Welket Bungué, artista luso-guineense que se tem destacado a nível internacional, assina uma curadoria de curtas-met... 38 views Sat, 20 Jun 2020, 22:24:24
A morte dos estudantes
A morte dos estudantes (António Guerreiro, in Público, 05/06/2020)António GuerreiroGiorgio Agamben, o filósofo italiano vivo mais tra... 107 views Sat, 06 Jun 2020, 11:52:45
Corpo de Maria Velho da Costa ficou 11 dias na morgue. Filho critica M...
Corpo de Maria Velho da Costa ficou 11 dias na morgue. Filho critica M... Os restos mortais da escritora Maria Velho da Costa, que faleceu a 23 de Maio, ficaram no Instituto de Medicina Lega... 68 views Sun, 07 Jun 2020, 16:12:22
Medidas urgentes para o sector das artes
Medidas urgentes para o sector das artes «Museus para a igualdade: diversidade e inclusão». Medidas urgentes para o sector das artes e da cultura em Portugal. ... 47 views Thu, 28 May 2020, 14:58:32

Cultura

  • Criado em .
  • Visualizações: 58

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Filtrar por categoria
06, julho 2020

Exceção à regra, hoje sou maledicente para com socialistas

em Portugal

por jorge rocha in 'Ventos Semeados'

  Talvez esteja errado naquela aceção muito tradicional em como se devem resolver dentro de casa as questões, que possam associar-se ao conceito de «roupa suja». Por isso não compreendo, e muito menos aceito, que…
06, julho 2020

Brasil tem mais de 1,6 milhão de infectados e quase 65 mil mortos por Covid-19

em Mundo

por Brasil24/7

  Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil Boletim divulgado neste domingo (5) pelo Ministério da Saúde, registra que até o momento o Brasil tem 1.603.055 casos da covid-19. Desses, 64.867 casos resultaram em…
06, julho 2020

O fim dos mitos e das ilusões

em Mundo

por Pelo Socialismo

Para enfrentar o presente e preparar o futuro Dimitris Koutsoumbas - Secretário-geral do CC do Partido Comunista da Grécia (KKE) O MITO QUE TEM SIDO DESFEITO durante a pandemia de coronavírus é o que afirma…
06, julho 2020

O músculo financeiro da Big Pharma distorce a ciência durante a pandemia

em Mundo

por resistir.info

Perdi toda a confiança na investigação médica por Malcolm Kendrick  A evidência de que um remédio barato e de venda livre custando £7 combate o Covid-19 foi escamoteada. Por que? Porque os gigantes farmacêuticos querem…
06, julho 2020

Escolhido por Bolsonaro, Feder recusa convite para o Ministério da Educação

em Mundo

por Lucas Rohan

Daniel Carvalho - 05/07/2020     Após dias de ataques nas redes sociais por parte de ideológicos do presidente Jair Bolsonaro, Renato Feder disse neste domingo que recusou o convite para assumir o Ministério da…
06, julho 2020

OMS vai à China investigar origem da covid-19, mas Pequim aponta o dedo a Espanha

em Mundo

por Lucas Rohan

05/07/2020   Esta semana assinalam-se os seis meses da identificação do novo coronavírus por parte das autoridades chinesas, que alegam agora que podem ser apenas um elo na correia de transmissão e defendem que a…
06, julho 2020

EUA expandem base militar no Pacífico em meio a impasse com China, diz jornal (FOTO)

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© AP Photo / Vincent Yu No final de junho, um think tank do governo chinês alertou para um possível conflito militar devido à implantação "sem precedentes" de forças militares dos EUA na região Ásia-Pacífico.…
06, julho 2020

Cascais não regista novos casos, mantêm os 1.061 infetados

em Cascais

por Portal CASCAIS

  No relatório de hoje (5), da Direcção Geral da Saúde (DGS) não se registam novos casos no número de infectados com o COVID-19 no Concelho de Cascais, mantendo o valor de 1.061 casos confirmados em Cascais.…
06, julho 2020

Seis meses de coronavírus: o pior ainda está para vir

em Mundo

por Gonçalo Lopes

José Miguel Gaspar - 05/07/2020   Seis meses de pandemia: sem vacina ainda certa, o Mundo poderá ter que conviver com a covid-19 por muito mais tempo do que o esperado. A realidade é muito…
06, julho 2020

Tiroteio em discoteca na Carolina do Sul deixa 2 mortos e 8 feridos

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© AP Photo / John Minchillo Na madrugada deste domingo (5), um tiroteio em uma discoteca no estado norte-americano da Carolina do Sul deixou ao menos 12 pessoas feridas em "várias condições", informou um oficial…
06, julho 2020

Caos no mercado de ouro afeta outros metais preciosos e causa grandes perdas aos bancos

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© Sputnik / Pavel Lisitsin O caos no mercado de ouro, causado pela pandemia de COVID-19, está atingindo outros metais preciosos, incluindo a prata e a platina, provocando grandes perdas em alguns bancos. O mercado…
06, julho 2020

Amante diz que os 65 milhões dados por Juan Carlos foram presente “de amor”

em Mundo

por Gonçalo Lopes

05/07/2020   Jornal “El Pais” teve acesso ao testemunho prestado à justiça suíça por Corinna Larsen. A ex-amante do rei emérito de Espanha fala sobre os 65 milhões dados por Juan Carlos. Corinna Larsen, ex-amante…
06, julho 2020

Encontrado com tiro na cabeça no carro junto ao Autódromo chega morto ao hospital

em Cascais

por CASCAIS24

Por Redação 04 julho 2020 Um homem, 62 anos, foi encontrado ferido, dentro de uma viatura, com um tiro de pistola na cabeça, este sábado, ao início da noite, junto ao Autódromo do Estoril, acabando…
06, julho 2020

Bombeiros travam fogo em Polima e salvam oficina de carros e habitações

em Cascais

por CASCAIS24

(Fotos Bombeiros de Carcavelos e São Domingos de Rana) Por Redação 04 julho 2020 Só a eficaz intervenção dos Bombeiros, apoiados por um meio aéreo impediu que um incêndio, que deflagrou este sábado, à tarde,…
06, julho 2020

Perseguição a ladrões de carros acaba nas falésias da Guia com dois detidos

em Cascais

por CASCAIS24

Por Redação 04 julho 2020 Uma perseguição iniciada pela GNR a um veículo, cujos ocupantes andariam a efetuar furtos em viaturas estacionadas, terminou nas falésias da Guia, junto ao mar, em Cascais, com agentes da…
06, julho 2020

Funcionário da Cascais Ambiente morre esmagado por máquina na Tratolixo

em Cascais

por CASCAIS24

Por Redação 04 julho 2020 Um funcionário, 55 anos, da empresa Cascais Ambiente, morreu esmagado por uma máquina, durante uma operação de descarga de resíduos, esta sexta-feira, de madrugada, na Tratolixo, em Trajouce.   A…
06, julho 2020

IMPÉRIO EQUIVOCADO…

em Mundo

por Página Global

    Martinho Júnior, Luanda  O Império da hegemonia unipolar tem feito sistematicamente cálculos equivocados sobre as potencialidades da revolução cultural chinesa, que perfez agora sete décadas de vida, numa altura em que, por seu…
06, julho 2020

Portugal/UE | Pólvora seca e vespeiros

em Portugal

por Página Global

    Carvalho da Silva* | Jornal de Notícias | opinião   O tempo para se adotarem políticas eficazes com vista à saída da crise escasseia e Portugal surge cada vez mais enredado em dois…
06, julho 2020

Projecto «Faz Ruído pela Igualdade»

em Portugal

por AbrilAbril

A Associação Projecto Ruído apresentou a campanha «Faz Ruído pela Igualdade», que se apresenta como «intrinsecamente ligado à vida e aspirações dos jovens». Créditos / MDM Esta associação juvenil foi criada por um grupo de…
06, julho 2020

Portugal | Jerónimo acusa Marcelo de "contribuir" para "novo bloco central"

em Portugal

por Página Global

    O secretário-geral do PCP acusou hoje o Presidente da República de estar a "contribuir" para colocar em marcha uma nova vida para um "novo bloco central de interesses políticos e económicos", e para…
06, julho 2020

Quando a capa de um jornal não bate certo com o seu editorial

em Portugal

por Ladrões de Bicicletas (Nuno Serra)

1. A 27 de junho, com a divulgação da ordenação de escolas, Manuel Carvalho defendeu, em editorial no Público, que «os rankings não servem para criar hierarquias de escolas no sistema» mas sim, «pelo contrário,…
06, julho 2020

Lisboa e Vale do Tejo com 77% das novas infeções nas últimas 24 horas

em Portugal

por Página Global

  A região de Lisboa e Vale do Tejo registou 77% das novas infeções por covid-19 nas últimas 24 horas, com 254 dos 328 novos casos hoje contabilizados pela Direção-Geral da Saúde (DGS).    …

Últimos posts (Cascais)

Itens com Pin
    Atividades Recentes
    Aqui ainda não existem atividades

    Últimos posts (País e Mundo)

    Itens com Pin
      Atividades Recentes
      • LEGALIZAÇÃO DAS CASAS DE PROSTITUIÇÃO

        Um debate que provavelmente vai ganhar dimensão.
        Legalização da prostituição - petição apresentada na A.R
        Gravação da reunião na Assembleia da República
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      • Homicidal Cops Caught On Police Radio
        #TheJimmyDoreShow
        Homicidal Cops Caught On Police Radio
        42 219 visualizações
        •05/06/2020
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      Aqui ainda não existem atividades
      LOGO4 vert01
      A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
      Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
      exceto quando expressamente assinadas por esta.
       

      SSL Certificate
      SSL Certificate