• Nuno Ivo Gonçalves in 'O TORNADO'
  • Portugal

Apoios públicos à comunicação social?

 

Marcelo Rebelo de Sousa vem, nos anos mais recentes do mandato que está a terminar, alertando para a necessidade de políticas públicas de apoio à comunicação social, em consonância com os imperativos decorrentes da Constituição da República Portuguesa[i].

 

Visto até o protagonismo que ao longo da sua vida profissional e política foi tendo junto da comunicação social, não se lhe pode negar algum conhecimento de causa, muito embora a sua intervenção não pareça ter suscitado um entusiasmo excessivo.

Com a COVID-19 o assunto voltou a ser falado, e, num contexto de generosidade para com as empresas em geral, o Governo logo anunciou que iria disponibilizar 15 milhões de euros sob a forma de pagamento antecipado de publicidade institucional, o que não deixou de suscitar reacções, sobretudo quando se percebeu que essa ajuda iria redundar em benefício de grupos económicos solidamente instalados no mercado. Muito embora na Presidência da República se tenham chegado a receber os líderes das principais empresas de comunicação[ii] não terão surgido propostas alternativas consensuais e assim o Governo avançou com a sua proposta de compra de publicidade, ficcionando que a publicidade a adquirir diria respeito à pandemia, e conseguindo a proeza de se enganar no primeiro mapa de repartição de verbas e ter de aprovar um segundo.

De algum modo, um debate inquinado, poderíamos até dizer “infectado”, deste o início.

 

Liberdade de Imprensa na Constituição da República Portuguesa (CRP)

O texto actualmente vigente, que já não é o de 1976, por ter sido profundamente revisto, sobretudo em 1982 e em 1989, dispõe o seguinte:

 

Artigo 38.º

(Liberdade de imprensa e meios de comunicação social)

  1. É garantida a liberdade de imprensa.
  2. A liberdade de imprensa implica:
    1. A liberdade de expressão e criação dos jornalistas e colaboradores, bem como a intervenção dos primeiros na orientação editorial dos respectivos órgãos de comunicação social, salvo quando tiverem natureza doutrinária ou confessional;
    2. O direito dos jornalistas, nos termos da lei, ao acesso às fontes de informação e à protecção da independência e do sigilo profissionais, bem como o direito de elegerem conselhos de redacção;
    3. O direito de fundação de jornais e de quaisquer outras publicações, independentemente de autorização administrativa, caução ou habilitação prévias.
  3. A lei assegura, com carácter genérico, a divulgação da titularidade e dos meios de financiamento dos órgãos de comunicação social.
  4. O Estado assegura a liberdade e a independência dos órgãos de comunicação social perante o poder político e o poder económico, impondo o princípio da especialidade das empresas titulares de órgãos de informação geral, tratando-as e apoiando-as de forma não discriminatória e impedindo a sua concentração, designadamente através de participações múltiplas ou cruzadas.
  5. O Estado assegura a existência e o funcionamento de um serviço público de rádio e de televisão.
  6. A estrutura e o funcionamento dos meios de comunicação social do sector público devem salvaguardar a sua independência perante o Governo, a Administração e os demais poderes públicos, bem como assegurar a possibilidade de expressão e confronto das diversas correntes de opinião.
  7. As estações emissoras de radiodifusão e de radiotelevisão só podem funcionar mediante licença, a conferir por concurso público, nos termos da lei.”

 

 
 
 

 

Não foi só o texto constitucional que sofreu alterações, mas as próprias realidades:

  • a quase totalidade dos jornais publicados em 1974 deixou de existir, por razões basicamente económicas, tendo ou não atravessado processos de nacionalização, e surgiram alguns outros títulos que nem sempre vingaram;
  • muitos estudantes se entusiasmaram com cursos superiores de jornalismo ou, em termos mais amplos, de comunicação social que entretanto abriram;

contudo,

  • a precariedade entranhou-se na comunicação social e as sucessivas crises vieram a traduzir-se em downsizings das redacções.

Note-se que desta forma um dos pilares da liberdade de imprensa e da qualidade dos seus conteúdos – o papel dos jornalistas – ficou fortemente comprometido. Quanto à criação e sustentação dos títulos, a Constituição parece criar restrições ao seu controlo pelo poder económico mas o facto é que a generalidade das empresas, ainda que se observe o princípio da especialidade, assenta na lógica pura e dura de poder económico, não havendo incentivos especiais para a criação de sociedades de redactores[iii] e não tendo vingado projectos assentes na iniciativa de grupos de jornalistas.

O Sindicato dos Jornalistas tem-se mantido como sindicato único, para o que terá contribuído a sua decisão inicial de se desfiliar da Confederação em que estava inscrito, mas perdeu a gestão da carteira profissional, e parece ter-se afundado na irrelevância. Cedendo à moda da regulação a Alta Autoridade para a Comunicação Social deu lugar, após mais uma revisão constitucional, a uma Entidade Reguladora, cujo primeiro presidente, um Professor Doutor qualquer, haveria de prosseguir uma notável carreira que o levou sucessivamente a chefe do gabinete de um presidente de câmara municipal e a ministro da defesa.

 

Economia da Comunicação Social

A Economia da Comunicação Social parece ser coisa simples. Logo que ouviu falar de eventuais apoios públicos à comunicação social o economista Rui Rio equiparou a actividade ao fabrico de sapatos. Sem afirmar que o colega está a meter os pés pelas mãos, registo no entanto que em Microeconomia a produção de comunicação social insere-se naquilo que se costuma designar por Produção Conjunta.

O exemplo académico clássico é o da criação de rebanhos de ovelhas, que proporcionam vários produtos – lã, leite, carne – todos eles susceptíveis de consumo individual, cujas procuras se manifestam em mercados diferentes, mas se adicionam e influenciam as decisões do produtor quanto a escala de produção / preços. Um exemplo que também se pode dar é o da refinação de petróleo, que gera vários produtos, todos eles susceptíveis de venda nos mercados, mas se adicionam e influenciam as decisões do produtor quanto a escala de produção / preços.

Na comunicação social, seja escrita, seja radiofónica, seja televisiva, gera-se simultâneamente

  • um bem / serviço de consumo individual, que é usufruído pelo leitor, ouvinte, telespectador, com a diferença de que para satisfazer todos os interessados na aquisição de jornais impressos é preciso aumentar a escala de produção e para a emissão radiofónica ou televisiva a escala de produção não depende da audiência;
  • um bem de consumo individual que é o espaço / tempo de publicidade, que é vendido aos anunciantes, em condições de mercado.

Com a particularidade de que o valor do espaço / tempo de publicidade tende a ser tanto maior quanto o número / qualidade dos leitores / ouvintes / telespectadores.

Por alguma coisa em tempos antigos alguns jornais diziam ser os de “maior circulação”, de “maior expansão”, os mais lidos, etc. Mesmo hoje em que as empresas concorrentes aceitam controlos de tiragem ou de audiência, há refinamentos no sentido de distinguir a circulação, da “circulação paga”, etc.

No limite está a experiência dos jornais gratuitos e de algumas rádios / televisões que vivem exclusivamente da publicidade.

Seja-me perdoada esta demora nos fundamentos microeconómicos na comunicação social, mas como o mercado não gera sapatos de forma gratuita, achei melhor não a dispensar.

Repare-se entretanto que pode haver tentativas, mais ou menos bem sucedidas, de “comprar” a comunicação social através de publicidade ou da retirada de publicidade que seria normal angariar se o anunciante estivesse unicamente virado para publicitar directamente os seus produtos ou a vender a sua própria imagem. E essa compra de publicidade, ou a retirada de publicidade em represália, pode afectar a isenção do órgão de comunicação social e a qualidade da sua informação.

Trata-se de um problema que não deixa de afectar o Estado, sobretudo quando mobiliza verbas de publicidade institucional. Para evitar que a distribuição desta possa ser vista como um condicionamento do Governo, ou como uma manifestação de favoritismo, foi aprovada em 2015 uma Lei que regula exaustivamente a matéria e cuja preocupação de rigor não pode ser negada[iv].

Em contraponto, num comunicado de imprensa de 27 de Maio ultimo, o Sindicato dos Jornalistas “alerta para conteúdos que ameaçam independência da imprensa regional”[v].

 

Políticas públicas de correcção de falhas de mercado

O mercado da comunicação social também pode ser regulado tal como outros mercados em que se registam falhas, e com remédios semelhantes:

  • não em matéria de estabelecimento, ao qual, como vimos, a Constituição quis que não existissem entraves, mas em matéria de organização empresarial e impedimento de eventual monopolização, como o texto aliás já exige;
  • possivelmente em matéria de garantia efectiva de direitos de propriedade intelectual, numa altura em que, por razões de ordem tecnológica – a revolução digital – se tem tornado mais difícil a exclusão de quem não esteja disposto a pagar um preço;
  • permitindo ao sector ser compensado pelas externalidades positivas que a sua actividade gera;
  • e, embora aqui tenhamos uma intervenção muito mais controversa, que repugna seja feito com tutela das preferências do consumidor, induzindo um consumo de informação geral com um maior grau de qualidade.

Acresce que nos últimos anos, com diferente incidência de país para país , surgiu o fenómeno avassalador das fake news, muito mais baratas de produzir e de partilhar, que coloca em cheque a comunicação social tradicional e dificulta o acesso à informação geral que a Constituição quis garantir.

Voltando aos sapatos, possivelmente Rui Rio não se lembrará que no tempo de Salazar foi a certa altura decretado ser obrigatório o uso, na via pública, de sapatos, e aplicadas multas a quem andasse por aí descalço, embora com uma salvaguarda típica na colocação de bens sob tutela: que o Estado daria sapatos a quem provasse não ter meios de os adquirir.

Será que o Estado, apesar do melindre das questões envolvidas, pode contribuir para que o cidadão ande, do ponto de vista da informação geral “melhor calçado”, ainda que não o deseje?

Derramar 15 milhões de euros sobre o sector sob a forma de pagamento antecipado de uma publicidade institucional que não será efectivamente contratada não foi certamente uma boa opção, teria sido preferível oferecer claramente um subsídio de apoio aos órgãos de comunicação social contra o compromisso de inserir informação geral sobre o coronavírus e as medidas das entidades públicas, o que de qualquer forma alguns dos órgãos tiveram a vontade e mostraram capacidade de fazer[vi].

Em termos de futuro, julgo que poderia o Estado apoiar a comunicação social num aspecto que é crucial para qualidade da informação geral e para a liberdade de imprensa no seu conjunto, sem que os poderes públicos tenham de formular juízos de valor sobre a orientação editorial dos  seus órgãos e a qualidade dos conteúdos publicados: as condições de exercício profissional dos jornalistas, como elemento de garantia de qualidade.

Ou seja, julgo que durante um período de 3 ou 4 anos o Estado deveria pagar às empresas de comunicação social um subsídio per capita em função do número de jornalistas, com carteira profissional e com contrato por tempo indeterminado (parcial ou integral) que nestas exercessem funções, com uma eventual indexação do montante do subsídio pago ao número de anos de carteira profissional: a estabilidade das redacções tem também de ser vista, no actual contexto, como elemento de garantia de qualidade.

Passado este período, veríamos se se justificava ainda um apoio ao sector, mas, a justificar-se, a modalidade teria de ser diferente da acima sugerida.

 

 

 
 

[i] Ver no site da Presidência: “Presidente da República assinala Dia Mundial da Liberdade de Imprensa”, 3 de Maio de 2020.

[ii] Em audiências separadas, com não deixou de ser enfatizado.

[iii] Como foi o do “Le Monde”, que sucedeu ao colaboracionista “Le Temps” após a libertação de França na II Guerra Mundial.

[iv] Lei nº 95/2015, de 17 de Agosto (Estabelece as regras e os deveres de transparência a que fica sujeita a realização de campanhas de publicidade institucional do Estado, bem como as regras aplicáveis à sua distribuição em território nacional, através dos órgãos de comunicação social locais e regionais, revogando o Decreto-Lei n.º 231/2004, de 13 de dezembro)

[v] SJ alerta para conteúdos que ameaçam independência da imprensa regional

[vi] Assino a edição digital do Público, por isso não tenho interesse material neste ponto, mas vejo com surpresa que se publica actualmente material sobre coronavírus em “conteúdos exclusivos…”

 

 
 
 
 
 
 

Ver original no jornal 'TORNADO' na seguinte ligação:

https://www.jornaltornado.pt/apoios-publicos-a-comunicacao-social/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=apoios-publicos-a-comunicacao-social

Artigos relacionados

Marques Mendes elogia “voz independente” de Medina (e diz que a TAP po...
Marques Mendes elogia “voz independente” de Medina (e diz que a TAP po... Mário Cruz / LusaLuís Marques MendesLuís Marques Mendes elogiou neste domingo as críticas que o presidente d... 68 views Tue, 07 Jul 2020, 01:00:07
Sempre por cima
Sempre por cima Os jogos de cintura de um editorialista »A Assembleia da República regressou ontem aos tradicionais jogos de cintu... 105 views Thu, 18 Jun 2020, 23:47:29
Portugal é dos países onde mais se confia nas notícias, mas um dos ond...
Portugal é dos países onde mais se confia nas notícias, mas um dos ond... (Comentário: Não é preocupante?!)   Portugal, a par da Finlândia, é dos países onde mais se confia... 54 views Wed, 17 Jun 2020, 14:56:10
 Julian Assange no limbo
Julian Assange no limbo – Os bons jornalistas defendem-no, os jornalistas medíocres insultam-no por Patrick Cockburn [*]  Julian Assang... 103 views Sun, 14 Jun 2020, 23:50:15
 De jornalistas comprados a cientistas comprados
De jornalistas comprados a cientistas comprados por Stephen Karganovic  Ambos vão em parceria, é claro. Quando, há vários anos, o falecido Udo Ulfkotte publicou... 106 views Fri, 12 Jun 2020, 15:58:49
Algo tem de mudar na economia
Algo tem de mudar na economia Quem conheça a história da britânica The Economist, brilhantemente esmiuçada pelo historiador Alexander Zevin, sab... 135 views Tue, 09 Jun 2020, 15:40:34

Comunicação

  • Criado em .
  • Visualizações: 68

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Filtrar por categoria
09, julho 2020

Concurso externo de docentes: 872 vinculações

em Portugal

por António Duarte

Estão publicadas no site da Direção-Geral da Administração Escolar (DGAE) as listas definitivas do concurso externo, tendo 872 docentes reunido as condições para serem contratados, o que representa a vinculação de mais 330 docentes do que no…
09, julho 2020

Uso de máscara passa a ser obrigatório na Catalunha. Até na rua e independentemente da distância social

em Mundo

por ZAP in ZAP

Fabio Frustaci / EPA   O uso de máscara passa a ser obrigatório a partir de quinta-feira na região espanhola da Catalunha em todo o momento e em todos os espaços, interiores e exteriores, mesmo…
09, julho 2020

Pedro Nuno Santos demarca-se de Costa no voto presidencial. “Nunca apoiarei um candidato da direita”

em Portugal

por ZAP in ZAP

António Cotrim / Lusa   O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, disse em entrevista à RTP que se o PS não apresentar um candidato às eleições presidenciais de 2021 votará num…
09, julho 2020

Bolsonaro adia decisão e país continua sem ministro da Educação

  247 - O Brasil segue há 20 dias sem ministro da Educação. O cargo está vago desde que Abraham Weintraub deixou o governo sob pressão. Enquanto isso, candidatos ao posto se movimentam nos bastidores…
09, julho 2020

Milícia digital implodida pelo Facebook é chefiada por Carlos Bolsonaro e deve ser investigada pela CPI e pelo STF

em Mundo

por Brasil24/7

  247 – A implosão do gabinete do ódio, milícia digital comandada pelos filhos de Jair Bolsonaro para espalhar mentiras e ataques a adversários políticos, pelo Facebook deve dar novo gás às investigações sobre fake…
09, julho 2020

Conselheiro de Estado chinês propõe três sugestões para levar relações China-EUA de volta ao caminho certo

em Mundo

por XINHUA Português

Beijing, 9 jul (Xinhua) -- O conselheiro de Estado e ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, propôs na quinta-feira três sugestões para levar as relações China-EUA de volta ao caminho certo, no discurso…
09, julho 2020

Déficit dos EUA bate recorde ao ser 100 vezes maior que no ano fiscal de 2019

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© REUTERS / Leah Millis Impulsionado pela pandemia, o déficit norte-americano nos primeiros nove meses do ano fiscal alcançou um valor recorde de US$ 2,7 trilhões (R$ 14,4 trilhões). O déficit federal dos EUA em…
09, julho 2020

Editora da Agência Pública demonstra como Deltan Dallagnol trabalhou por dinheiro para os Estados Unidos

em Mundo

por Brasil24/7

  247 - A jornalista Natalia Viana, editora da Agência Pública, explicou em detalhe as tratativas sigilosas da Lava Jato com o FBI. Segundo Viana, Deltan receberia uma recompensa financeira através dos ‘assets sharing’ baseados…
09, julho 2020

Uma análise “em contra corrente” da solidariedade na União Europeia

em Mundo

por Areia dos Dias

  O tema da solidariedade no interior da União Europeia (UE) tem vindo a ser objecto de debates intensos e acalorados. Tal vinha acontecendo, desde há bastante tempo, antes da pandemia da Coronavírus – 19,…
09, julho 2020

Ensino à distância, economia e “pedagogia chapa 1”

em Portugal

por Areia dos Dias

  Com a pandemia do COVID 19 não houve alternativa senão recorrer ao ensino à distância. Através das tecnologias da informação e da comunicação, escolas e professores desenvolveram metodologias de ensino e aprendizagem e puseram-nas…
09, julho 2020

Harvard e MIT tentam travar expulsão de estudantes internacionais

em Mundo

por Filipe Sousa

08/07/2020     A Universidade de Harvard e o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) pediram a um tribunal federal que bloqueie temporariamente uma regra do governo Trump que impede os estudantes estrangeiros de permanecerem…
09, julho 2020

A descolonização portuguesa e as feridas por sarar

em Portugal

por Carlos Esperança in 'PONTE EUROPA'

4 As descolonizações foram sempre tragédias, agravadas com o prolongamento da guerra. A portuguesa deveu-se ao ditador, leviano e sinistro, que ignorou os sinais da História e recusou negociar a autodeterminação que os africanos e…
09, julho 2020

Costa diz que situação em Portugal é estável e reuniões no Infarmed continuam

em Portugal

por Filipe Sousa

08/07/2020   O primeiro-ministro afirmou hoje que as reuniões com epidemiologistas no Infarmed, em Lisboa, vão continuar, mas não foi marcada a seguinte porque a situação pandémica no país está estabilizada e não há informação…
09, julho 2020

Primeiro caso de doente com VIH considerado curado apenas com medicação

em Mundo

por ZAP in ZAP

Alexey Kashpersky Conceito artístico do VIH criado pelo designer ucraniano Alexey Kashpersky O paciente em causa foi tratado durante anos com uma combinação de antirretrovirais e nicotinamida.   Um paciente com o vírus da imunodeficiência…
09, julho 2020

Facebook exclui páginas bolsonaristas por postagens de conteúdo falso

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© Folhapress / André Coelho A rede social Facebook informou nesta quarta-feira (8) que removeu uma série de contas e páginas consideradas falsas, com ligações com a família do presidente Jair Bolsonaro e com o…
09, julho 2020

O TERRORISTA "BOM", A NATO E O TRÁFICO DE ÓRGÃOS

em Mundo

por in 'O Lado Oculto'

O secretário-geral da NATO com o traficante de órgãos humanos: um quarto de século de aliança 2020-07-08 Hashim Thaci, “presidente” do Kosovo, ia a caminho de Washington em 24 de Junho encontrar-se com Trump quando,…
09, julho 2020

Trump pressiona reabertura de escolas apesar do crescimento de casos de covid-19 nos EUA

em Mundo

por ZAP in ZAP

Chris Kleponis / EPA   O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, prometeu exercer pressão sobre os estados para reabrir as escolas neste outono, apesar do aumento do número de casos de covid-19 em…
09, julho 2020

China tomou 'ação incrivelmente agressiva' em confronto armado com a Índia, diz Pompeo

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© AP Photo / Andy Wong O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, acusou a China nesta quarta-feira (8) de tomar "ações incrivelmente agressivas" em um recente confronto com a Índia sobre uma área…
09, julho 2020

O poeta - Atahualpa Yupanqui

em Mundo

por Voar Fora da Asa

   O poeta   Pensas que és diferente porque te chamam poeta, e vives num mundo à parte para lá das estrelas.   De tanto olhar a lua já nada sabes ver, és como um…
09, julho 2020

Xi Jinping diz que a China está pronta para se juntar à Rússia

em Mundo

por Fernanda Mira

08/07/2020   O presidente chinês, Xi Jinping, disse esta quarta-feira que o lado chinês está disposto a continuar a trabalhar com o lado russo para se apoiar firmemente e rejeitar a sabotagem e a intervenção…
09, julho 2020

Bombas de combustível passam a funcionar até às 22h (mas continuam sem vender álcool)

em Portugal

por Lusa in ZAP

Marcelo Camargo / ABr   Os postos de combustíveis na Área Metropolitana de Lisboa (AML) podem funcionar normalmente até às 22h, se o horário o permitir, e a partir dessa hora exclusivamente para efeitos de…
09, julho 2020

Marcelo anuncia fim das reuniões do Infarmed (e diz que os comboios não são a origem dos surtos)

em Portugal

por ZAP in ZAP

António Pedro Santos / Lusa   Marcelo Rebelo de Sousa anunciou, esta quarta-feira, o fim das sessões epidemiológicas para avaliar a situação epidemiológica da covid-19 em Portugal. Vários partidos criticaram a decisão, à exceção do…
09, julho 2020

Fim dos debates quinzenais. Rio diz que é o melhor para o país (e pensa em si próprio)

em Portugal

por ZAP in ZAP

Mário Cruz / Lusa O presidente do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio O líder do PSD, Rui Rio, explicou, num vídeo da PSD/TV que defende o fim dos debates quinzenais porque é o “melhor…

Últimos posts (Cascais)

Itens com Pin
    Atividades Recentes
    Aqui ainda não existem atividades

    Últimos posts (País e Mundo)

    Itens com Pin
      Atividades Recentes
      • LEGALIZAÇÃO DAS CASAS DE PROSTITUIÇÃO

        Um debate que provavelmente vai ganhar dimensão.
        Legalização da prostituição - petição apresentada na A.R
        Gravação da reunião na Assembleia da República
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      • Homicidal Cops Caught On Police Radio
        #TheJimmyDoreShow
        Homicidal Cops Caught On Police Radio
        42 219 visualizações
        •05/06/2020
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      Aqui ainda não existem atividades
      LOGO4 vert01
      A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
      Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
      exceto quando expressamente assinadas por esta.
       

      SSL Certificate
      SSL Certificate