O NEOLIBERALISMO CAVALGA O VÍRUS

 
 
Ficamos avisados: ai dos povos cujos dirigentes resolverem combater o cataclismo económico gerado pelo novo coronavírus recorrendo às bem conhecidas «ajudas» do FMI e das suas extensões troikianas.
 
José Goulão | AbrilAbril | opinião
 
A directora-geral do Fundo Monetário Internacional, Kristalina Georgieva, pronunciou uma sentença em poucas palavras que vale mais que mil imagens: «A Organização Mundial da Saúde [OMS] existe para proteger a saúde das pessoas; o FMI existe para proteger a saúde da economia mundial.»
 
Ficamos avisados: ai dos povos cujos dirigentes resolverem combater o cataclismo económico gerado pelo novo coronavírus recorrendo às bem conhecidas «ajudas» do FMI e das suas extensões troikianas para consumo interno da União Europeia!
 
Quando o Fundo Monetário Internacional fala em «proteger a saúde da economia mundial» sabemos que isso não passa de uma metáfora, porque a directora-geral de turno, que sucedeu a Christine Lagarde, entretanto transferida para a chefia do Banco Central Europeu, está realmente a pensar na acumulação dos lucros das grandes empresas e na dinâmica especulativa do casino financeiro.
 
É o saber de experiência feito, potenciado pela dimensão da hecatombe porque, para os ogres do capitalismo, os tempos de grandes crises são também os das grandes oportunidades. Era precisamente isso que o banqueiro David Rockefeller queria transmitir quando afirmava que «tudo o que precisamos é da grande crise adequada e as nações aceitarão uma nova ordem mundial».
 
Ora uma «ordem mundial» como a pretendida pela família Rockefeller só pode ser a que garanta a actuação plena do capitalismo selvagem, isto é, o estabelecimento de mecanismos firmes que mantenham o neoliberalismo cada vez mais a salvo das preocupações com as pessoas.
 
Georgieva explicou muito bem que uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Da economia trata o FMI; das pessoas que cuide a OMS, seja dos efeitos do coronavírus, da fome – que mata nove milhões anualmente – do ébola, da malária e de outras pragas decorrentes do crescimento da miséria mundial que tem no FMI um dos seus principais causadores.
 
 
A «nova ordem», o «novo normal»
 
Desenganem-se, portanto, os que vêem nestes tempos de peste uma ameaça para o capitalismo. O capitalismo não se suicida, não morre de morte natural nem de uma qualquer virose.
 
Desde 2008 que se vem debatendo com uma crise teimosa que dava sinais de explodir a todo o momento quando entrou em cena o SARS-CoV-2 e mudou radicalmente as regras do jogo. A partir daqui pode diluir-se a bolha de crise na tormenta generalizada com epicentro na saúde pública enquanto se vai talhando um «novo normal» – eventualmente uma «nova ordem» rockefelleriana – do qual sejam extirpados muitos dos obstáculos sociais que ainda tolhem a implantação da plena anarquia económica.
 
Qualquer de nós tem a noção de que se vêm agudizando, há mais de uma década, as contradições entre as necessidades do neoliberalismo económico e o funcionamento das chamadas «democracias liberais»; esta situação gerou até a cunhagem do curioso termo de «iliberalismo», isto é, a crescente inclinação da ditadura económica para a ditadura política sem disfarces.
 
A ordem mundial pré-vírus caracterizava-se cada vez mais pelo antagonismo entre o globalismo neoliberal, assente na democracia formal que emana, essencialmente, das forças que fazem mover o Partido Democrático dos Estados Unidos; e o «iliberalismo» ou «populismo» ou «nacionalismo», um «moderno» fascismo puramente neoliberal do ponto de vista económico que ganhou maior influência desde que as hordas de Trump tomaram conta do Partido Republicano dos Estados Unidos.
 
As «democracias liberais» ainda determinam as políticas oficiais de Bruxelas, mas o peso das correntes «iliberais» – sem rodeios, neofascistas – faz-se sentir sobretudo no Centro e Leste da Europa, com algumas metástases latinas.
 
Não será excessivo recordar que a ditadura política é o terreno preferido da ditadura económica como expressão plena do neoliberalismo. O pujante triunfo do neoliberalismo económico nos anos 80 do século passado arrastou e transfigurou correntes políticas que ainda mantinham referências sociais e acabaram por se converter aos mecanismos ditatoriais do mercado.
 
A geminação ideológica do Partido Trabalhista britânico de Tony Blair com o Partido Conservador de Margaret Thatcher – admiradora de Pinochet – foi a transformação mais emblemática deste processo. E deixou raízes tão profundas que ainda recentemente as correntes manobradas por Blair deram um golpe interno nos trabalhistas para acabar com a gestão de inspiração social-democrata de Jeremy Corbyn.
 
As excepções como regra
 
A pandemia de coronavírus desabou sobre a crise anunciada do neoliberalismo e a agudização do combate fratricida entre as suas correntes «democrática» globalista e neofascista.
 
E mudou muita coisa, a mais essencial das quais será a criação da oportunidade para que o neoliberalismo económico tire proveito da crise desbravando ainda mais o caminho para o autoritarismo político. É o que ressalta de muitas afirmações sobre a extensão das medidas sociais de excepção por tempo indeterminado e as elucubrações a propósito daquilo a que já chamam «o novo normal», acompanhado pelo seu cortejo de restrições sociais e cívicas – com efeitos políticos – e de intrusão na privacidade dos cidadãos.
 
«A vigilância intrusiva será um pequeno preço a pagar pela liberdade básica de estar com outras pessoas», escreveu Gideon Lichfield na edição de 17/20 de Março da Technology Review do Instituto de Tecnologia do Massachusetts (MIT).
 
«Milhões que fazem brilhar de gula os olhos de credores e especuladores e que não cairão dos céus sem pesadas contrapartidas que, como acontecia nos tempos pré-Covid-19, também no «novo normal» serão sustentadas pelos mesmos de sempre e às ordens de troikas que podem até assumir outras designações para desempenharem as mesmas missões.»
 
Regressando à sentença da directora-geral do FMI não será exagerado prever que o «novo normal» na economia, tendo como objectivo a sua «saúde», irá gerar uma concentração ainda maior de riqueza em cada vez menos empresas e pessoas; o desmoronamento do sector de pequenas e médias empresas que, uma vez falidas, cairão nas bocas insaciáveis dos tubarões; a extinção de mais direitos laborais, o aprofundamento da desregulação do mercado de trabalho e uma vaga de desemprego com dimensões trágicas; novas formas de produção, como o teletrabalho, com menos direitos; cortes salariais e dos custos de trabalho nos países desenvolvidos e o maior empobrecimento ainda dos países em vias de desenvolvimento; a escalada vertiginosa das dívidas soberanas; a imposição de mais privatizações.
 
Nos Estados Unidos e na União Europeia há promessas de milhões e milhões para fazer frente às consequências da crise económica; e o FMI, como vimos, está a postos. Milhões que fazem brilhar de gula os olhos de credores e especuladores e que não cairão dos céus sem pesadas contrapartidas que, como acontecia nos tempos pré-Covid-19, também no «novo normal» serão sustentadas pelos mesmos de sempre e às ordens de troikas que podem até assumir outras designações para desempenharem as mesmas missões.
 
A aliança entre a futurologia e a prática
 
Também nunca será excessivo recordar que a deflagração de uma pandemia está, há muitos anos, nos horizontes dos futuristas neoliberais – o que é válido tanto para os globalistas como para os «iliberais». Não surpreenderá, portanto, que as entidades competentes saibam como proceder quando se trata de cuidar da «saúde da economia», quiçá para fazer dela a «grande crise adequada» de que falava David Rockefeller.
 
No traumático ano de 2008, o Centro de Análises e Perspectivas da CIA publicou um relatório sobre as «tendências globais para 2025» no qual antecipou «a emergência de uma doença respiratória altamente transmissível e para a qual não existirá contramedida adequada e que poderá desencadear uma pandemia mundial».
 
Nove anos depois, na edição de 2017 da Conferência de Segurança de Munique, o inevitável profeta Bill Gates assegurou que «uma pandemia mundial fortemente mortal acontecerá durante as nossas vidas».
 
Entre as profecias e a realidade, entretanto, vão-se detectando misteriosas coincidências. Em 2015, a revista Nature Medicine publicou um trabalho sobre «os esforços bem-sucedidos para projectar um vírus com a proteína de base SHCO14 do coronavírus dos morcegos-ferradura da China para infectar células das vias respiratórias humanas sem necessidade de um hospedeiro intermediário».
 
A manipulação foi efectuada no principal laboratório de guerra biológica nos Estados Unidos, localizado em Forte Detrick, Maryland. O ex-vice-ministro da Defesa da Alemanha, Willy Wimer, revelou nesse mesmo ano que os Estados Unidos chegaram a patentear esta descoberta.
 
Ficaram por explicar, entretanto, muitos dos aspectos e motivações que envolveram o «exercício anti-epidémico» de divulgação «reservada» designado «Crimson Contagion», organizado já em 2019 pelo Departamento norte-americano da Saúde em 12 Estados norte-americanos, como a seu tempo noticiou o New York Times.
 
Em 22 de Março de 2020, o New York Times escreveu o seguinte: «Washington – O surto do vírus respiratório começou na China e rapidamente se espalhou pelo mundo através de passageiros aéreos com febres elevadas. Nos Estados Unidos, foi detectado pela primeira vez em Chicago e 47 dias depois a Organização Mundial da Saúde declarou uma pandemia. Mas então já era tarde demais: 110 milhões de americanos iriam ficar doentes, com 7,7 milhões de hospitalizados e 586 mil mortos. Esse cenário, com o nome de código de "Crimson Contagion" e imaginando uma pandemia de gripe, foi simulado pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanitários do governo Trump numa série de exercícios que ocorreram de Janeiro a Agosto» (de 2019).
 
Todos estes factos nos conduzem à certeza de que em termos económicos – a saúde é um caso à parte – o sistema capitalista neoliberal não foi apanhado de surpresa perante as circunstâncias em desenvolvimento, pelo que muitas das medidas que correm mundo não terão sido preparadas sobre o joelho.
 
Até os métodos principais de enfrentamento da pandemia – confinamento com distanciamento social e «imunização colectiva» com «trabalho não pára» – traduzem, grosso modo, as linhas de fractura entre globalismo e «iliberalismo».
 
Um sinal de que, entretanto, os barões neoliberais não foram apanhados desprevenidos é revelado pelo Instituto de Estados Políticos dos Estados Unidos: em 23 dias da fase inicial do surto, as elites ricas dos Estados Unidos extraíram proveitos de 282 mil milhões de dólares – um bom bocado mais do que o PIB anual português.
 
As missões dos cidadãos
 
Não sabemos se esta é a «grande crise adequada» de que falou o banqueiro David Rockfeller. Que é uma crise longa parece não haver dúvidas, basta ouvir a frequência com que nos vão preparando para «a segunda vaga» ou «a terceira» ou mesmo «a quarta».
 
A revista Science acaba de publicar um artigo produzido pela Universidade de Harvard segundo o qual o confinamento social deverá prolongar-se até 2022, por insuficiência de imunização; e a pandemia assumirá a forma de uma gripe pandémica circulando sazonalmente após a grande vaga inicial.
 
Já percebemos, porém, o caminho que as coisas estão a tomar nos domínios do condicionalismo dos comportamentos, dos ataques à privacidade e das restrições às liberdades.
 
Não há alternativa, dizem-nos. Há um preço a pagar – são sempre os mesmos a arcar com os custos mais elevados e não existe nenhuma garantia de que agora seja diferente.
 
Nada impede, porém, os cidadãos de redobrarem a vigilância sobre as crescentes tendências autoritárias, sobre a normalização do excepcionalismo nas suas várias designações técnicas.
 
O capitalismo não será vítima do vírus; pelo contrário, está preparado para tirar proveito dele enquanto as pessoas continuam a morrer. Por outro lado, o neoliberalismo debate-se numa espécie de «guerra civil» entre as suas facções – ainda que ambas convirjam cada vez mais no sentido da imposição do autoritarismo.
 
Existe, neste quadro, um imenso espaço para a acção e a mobilização anticapitalista. É missão reforçada dos cidadãos estarem atentos a cada direito social, cívico e humano que tentem por entre parêntesis, a cada passo contra a privacidade, a cada prolongamento do excepcionalismo primeiro porque tem de ser e depois porque tem sido assim.
 
Há que denunciar cada investida deste tipo, mesmo quando embrulhada nas melhores intenções, cada golpe nos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos. O direito à luta não prescreve, a vigilância democrática tem de ser à prova de vírus, o distanciamento social não pode capturar o direito à mobilização cidadã como refém.
 
O neoliberalismo quer tirar partido de um vírus que há muito guardava na cartola? Então há que inverter-lhe o jogo, por muito que as forças sejam desiguais.
 
Exclusivo O Lado Oculto / AbrilAbril

Ver o original em 'Página Global' na seguinte ligação:

https://paginaglobal.blogspot.com/2020/05/o-neoliberalismo-cavalga-o-virus.html

Artigos relacionados

DA DESTRUIÇÃO DE ESTÁTUAS AOS FOCOS DE INFECÇÃO DA COVID – UMA REFLEXÃ...
DA DESTRUIÇÃO DE ESTÁTUAS AOS FOCOS DE INFECÇÃO DA COVID – UMA REFLEXÃ...                   Yes, someone is to blame, por James K.... 37 views Tue, 07 Jul 2020, 01:50:01
[Manlio Dinucci] NÃO HÁ SOBERANIA ECONÓMICA SE NÃO EXISTIR SOBERANIA P...
[Manlio Dinucci] NÃO HÁ SOBERANIA ECONÓMICA SE NÃO EXISTIR SOBERANIA P...                                  &n... 97 views Fri, 12 Jun 2020, 16:04:43
Horóscopo da Pandemia: O Capitalismo não Morrerá de Coronavírus - Por ...
Horóscopo da Pandemia: O Capitalismo não Morrerá de Coronavírus - Por ...   Horóscopo da Pandemia: O Capitalismo não Morrerá de Coronavírus Que fizemos para mudar? Não há futuro possível... 125 views Sun, 24 May 2020, 14:30:41
FMI diz que experiência da China no combate à COVID-19 oferece lições ...
FMI diz que experiência da China no combate à COVID-19 oferece lições ... Washington, 21 mai (Xinhua) -- A China foi o primeiro país a tomar ações muito fortes e é o primeiro a sair da crise... 293 views Fri, 22 May 2020, 16:49:11
Combater o medo, agindo com prudência e em nome dos mais fracos
Combater o medo, agindo com prudência e em nome dos mais fracos A 18 de Maio mais de 500 estabelecimentos de ensino reabriram portas para receber os alunos do 11.º e 12.º anos, depoi... 148 views Fri, 22 May 2020, 16:41:02
Malabarismos numéricos
Malabarismos numéricos Pormenor dos dados fornecidos pelo MTSSSQuando o deputado Jerónimo de Sousa, sublinhou hoje no deb... 151 views Thu, 21 May 2020, 14:39:26

FMI, Crise 2020

  • Criado em .
  • Visualizações: 456

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Filtrar por categoria
08, julho 2020

Alguns de vossemecês são muito estúpidos, caramba

em Portugal

por Valupi in Aspirina B

  Pedro Marques Lopes – Uma ministra não pode vir dizer, como ela disse, "que não, isto não há problema nenhum com os transportes". Ou seja, como é que ela sabe? Portanto, o confinar foi…
08, julho 2020

Imunidade de grupo não vai travar pandemia, diz estudo espanhol

em Mundo

por ZAP in ZAP

Sebastião Moreira / Lusa   Um estudo espanhol, que abrangeu mais de 60 mil pessoas, colocou em causa a viabilidade da imunidade de grupo como forma de combater a pandemia de covid-19, estimando que apenas 5%…
08, julho 2020

DA DESTRUIÇÃO DE ESTÁTUAS AOS FOCOS DE INFECÇÃO DA COVID – UMA REFLEXÃO SOBRE AS TRAJECTÓRIAS DA NOSSA JUVENTUDE – COMO A COVID -19 IRÁ MUDAR O MUNDO, por MARTIN…

em Mundo

por joaompmachado in 'A Viagem dos Argonautas'

  How Covid 19 will change the world, por Martin Wolf Financial Times, 16 de Junho de 2020 Selecção e tradução por Júlio Marques Mota     © James Ferguson   A sociedade que irá…
08, julho 2020

OMS admite transmissão pelo ar e recomenda evitar aglomerações

em Mundo

por Filipe Sousa

07/07/2020   A Organização Mundial de Saúde (OMS) admitiu hoje haver novas provas de que o novo coronavírus se transmite pelo ar e recomendou medidas como evitar espaços fechados e uso de máscara. Depois de…
08, julho 2020

UMA CRISE ECONÓMICA, COM CONSEQUÊNCIAS SOCIAIS, QUE O GOVERNO AINDA NÃO COMPREENDEU OU QUE TENTA DISFARÇAR, MAS QUE PODE TER EFEITOS AINDA MAIS DEVASTADORES FACE AO COMPORTAMENTO GOVERNAMENTAL: o governo…

em Portugal

por joaompmachado in 'A Viagem dos Argonautas'

 Eugénio Rosa, edr2@netcabo.pt , 6/7/2020 Ver original em 'A viagem dos Argonautas' na seguinte ligação: https://aviagemdosargonautas.net/2020/07/07/uma-crise-economica-com-consequencias-sociais-que-o-governo-ainda-nao-compreendeu-ou-que-tenta-disfarcar-mas-que-pode-ter-efeitos-ainda-mais-devastadores-face-ao-comportamento-governamental-o-gove/
08, julho 2020

Salgado acusa Banco de Portugal de “deslealdade” e “desonestidade”

em Portugal

por Lusa in ZAP

José Sena Goulão / Lusa   Na contestação à coima aplicada pelo supervisor por violação de normas de prevenção de branqueamento de capitais, a defesa de Ricardo Salgado acusou o Banco de Portugal de ter…
08, julho 2020

Bloco deixa recado ao PS: voto do Suplementar não estará garantido para o OE2021

em Portugal

por ZAP in ZAP

partidosocialista / Flickr Mariana Mortágua, Bloco de Esquerda Depois de o PCP ter rompido o espírito de acordos à esquerda, foi a vez de o Bloco de Esquerda deixar avisos para 2021.   Em entrevista…
08, julho 2020

De Miguel Carvalho

em Portugal

por Vitor Dias in "O Tempo das Cerejas"

Um trabalho notável 608 páginas   Ver original em "O Tempo das Cerejas" (aqui)
08, julho 2020

Perda de habitat pode aumentar doenças que passam de animais para humanos, prevê ONU

em Mundo

por ZAP in ZAP

Um novo relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) alertou que podem surgir mais doenças que passam de animais para humanos, como a covid-19, à medida que os habitats são devastados pela exploração da vida…
08, julho 2020

“Estavam prontos para bater”. Atleta Ricardo dos Santos vai processar polícia londrina

em Mundo

por Lusa in ZAP

rdss400 / Instagram Ricardo dos Santos O atleta português Ricardo dos Santos disse na segunda-feira que não demorou mais de 20 segundos a parar o carro, quando lhe foi pedido pelas autoridades em Londres, e…
08, julho 2020

Norte-americanos estão se afastando do 1º mundo, analisa mídia

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© REUTERS / Mike Segar A sociedade norte-americana é cada vez mais desigual, e vários de seus indicadores socioeconômicos parecem cada vez mais distantes dos bons resultados obtidos pelos países europeus de alta renda. É…
08, julho 2020

Racismo, a estratégia de um troll

em Portugal

por span itemprop="author creator" itemprop="name" data-byline-name=""

Este conceito é bastante utilizado politicamente, ajudando a eleger governos um pouco por todo o mundo. Com o recurso a estas técnicas, candidatos apagados ou de baixo relevo conseguem ganhar notoriedade. Créditos / DriverMax Em…
08, julho 2020

Torpedo bipartidário contra o Acordo para o Afganistão, Manlio Dinucci

em Mundo

por Manlio Dinucci in Rede Voltaire

Centenas de milhares de vítimas civis, mais de 2.400 soldados americanos mortos (e mais um número desconhecido de feridos), cerca de 1 trilião de dólares gastos: este é, em síntese, o orçamento dos 19 anos…
08, julho 2020

“Fracasso” no combate à covid-19. Diretora de Saúde de Israel demite-se

em Mundo

por Lusa in ZAP

Gali Tibbon / Afp Pool   Siegal Sadetzki, diretora dos serviços públicos do Ministério da Saúde de Israel, denunciou o “fracasso” das autoridades em retardar a propagação da covid-19 no país, apresentando a sua demissão.…
08, julho 2020

Soleimani foi assassinado de forma “ilegal e arbitrária”, considera perita da ONU

em Mundo

por ZAP in ZAP

(h) Iranian Supreme Leader's Office / EPA   A relatora especial da ONU, Agnes Callamard, considera que os Estados Unidos não apresentaram provas suficientes para justificar o ataque.   Uma especialista da ONU concluiu que…
08, julho 2020

«Tudo mudou na escola, mas a barreira dos Exames ficou»

em Portugal

por AbrilAbril

O AbrilAbril conversou com três estudantes, activistas do movimento «Exames não», sobre as desigualdades que pautaram os últimos meses, no percurso escolar de muitos jovens. Acção de protesto contra os Exames Nacionais em Setúbal, 26…
08, julho 2020

EUA sancionam hoje 'Irã e Venezuela' e amanhã 'China, Rússia e Alemanha', afirma parlamentar

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© Sputnik / Aleksei Filippov Um político venezuelano opina que o que Washington está fazendo com países como Irã ou Venezuela poderá ser aplicado no futuro a outros países se não houver resposta às ações…
08, julho 2020

A Nova SBE não é o Welton College

em Portugal

por Ladrões de Bicicletas (Nuno Serra)

«Com questões desta magnitude em causa - que raio de faculdade pública é esta em que os contratos de patrocínio são secretos, o diretor é administrador de um dos bancos mecenas e um professor aparece…
08, julho 2020

PSP apanha assaltante de moradia escondido debaixo de cama

em Cascais

por CASCAIS24

Por Redação 07 julho 2020 Um jovem, 24 anos, foi detido este domingo, à noite, por agentes da PSP da 51ª Esquadra (Estoril), escondido debaixo de uma cama, no quarto da moradia que estava a…
08, julho 2020

Especialistas denunciam manobras do governo Bolsonaro para privatizar a Petrobrás

em Mundo

por Brasil24/7

  Rede Brasil Atual - O Supremo Tribunal Federal (STF) analisa uma liminar para impedir a venda pela estatal de duas refinarias. Segundo especialistas, o governo Bolsonaro tenta uma manobra de transformar refinarias em subsidiárias…
08, julho 2020

EUA expulsarão alunos estrangeiros que só têm aulas pela internet

em Mundo

por Brasil24/7

  Reuters - Os alunos estrangeiros nos Estados Unidos, que chegam a centenas de milhares, terão que deixar o país se suas aulas só ocorrerem pela internet durante o outono no Hemisfério Norte, disse uma…
08, julho 2020

Universidade do Minho volta a ter praxe presencial em julho

em Portugal

por ZAP in ZAP

[Comentário: Tristes 'jovens' tão serôdios a quererem 'redescobrir' uma iníqua tradição numa Universidade que nunca a teve. Precisam de inventar uma pseudo-tradição para superarem complexos? As chamadas praches baseiam-se nos piores traços de comportamento e…
08, julho 2020

Padres e ex-seminarista negros relatam racismo dentro da Igreja Católica

em Mundo

por Rute Coelho

Matheus Moreira - 07/07/2020   Pastoral Afro-Brasileira estima que apenas 2,7% dos padres no Brasil sejam negros No dia 7 dezembro de 2010, o padre Geraldo Natalino, conhecido como padre Gegê, foi selecionado para ser…

Últimos posts (Cascais)

Itens com Pin
    Atividades Recentes
    Aqui ainda não existem atividades

    Últimos posts (País e Mundo)

    Itens com Pin
      Atividades Recentes
      • LEGALIZAÇÃO DAS CASAS DE PROSTITUIÇÃO

        Um debate que provavelmente vai ganhar dimensão.
        Legalização da prostituição - petição apresentada na A.R
        Gravação da reunião na Assembleia da República
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      • Homicidal Cops Caught On Police Radio
        #TheJimmyDoreShow
        Homicidal Cops Caught On Police Radio
        42 219 visualizações
        •05/06/2020
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      Aqui ainda não existem atividades
      LOGO4 vert01
      A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
      Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
      exceto quando expressamente assinadas por esta.
       

      SSL Certificate
      SSL Certificate