O revivalismo militar e o 25 de Abril

f5dd080ca5e05c0041146
 
Car@s associad@s 
Permitam-me que comece por felicitar o meu Amigo, camarada de armas e do 25 de Abril, nosso consócio e prestigiado escritor, o Carlos Matos Gomes, por mais uma intervenção cívica, com tiro na "mouche".  
Um graaaaanndeeeee abraço de amizade e de consideração, de Abril! 
Pessoalmente, não sou frequentador das redes sociais- apesar da necessidade de conhecer bem o inimigo, ainda não consegui vencer o meu pouco jeito para navegar nessas águas -, apenas me vão chegando alguns textos aí publicados.  
Alguns, como é o caso dos que vais escrevendo, dão-me força e ânimo para fazer frente aos energúmenos que teimam em tudo falsear, ferozes adeptos das "fake news" que começaram a ser a arma dos sem vergonha que, por esse mundo fora, até têm conseguido enganar os eleitores, ascendendo ao poder nos respectivos países. (Ainda hoje lembro a minha reacção, ao ler a resposta que uma pseudo candidata à presidência dos EUA deu a quem lhe demonstrava que as suas afirmações sobre um "acontecimento" eram falsas, que nada acontecera como ela afirmara, "pois, não aconteceu  mas, ... podia ter acontecido!": Só com um pano encharcado na cara!, foi então a minha reacção, utilizando uma expressão que ouvira várias vezes, em criança). 
Felizmente, e também naturalmente, que a sua mediocridade está a pôr à prova a sua incompetência, a sua incapacidade, em agir em situações mais difíceis e complicadas, como a que vivemos. Confiemos que tudo isso tenha as normais consequências e nem o uso indiscriminado de "fake news" lhes valha! 
Por cá, alguns militares portugueses consideraram ser altura de tornar público o seu apoio  aos que já ousam proclamar que é necessário um novo regime - um regime que meteria imediatamente atrás das grades, com torturas e outros maus tratos, quem ousasse ter afirmações desse género.  
Até poderiam ter arranjado como porta voz alguém que se pudesse orgulhar pelo seu passado, enquanto militar! Coitados, não devem ter ninguém nessas condições, vêem-se obrigados a recorrer a desclassificados, por isso a sua audiência é tão escassa, nomeadamente no meio militar! 
Isso, dando-nos algum conforto, reforça a nossa convicção de que não será por aí que conseguirão fazer "um 24 de Abril"!  
Porquê? Porque para o fazerem teriam de ter a capacidade, a determinação e, acima de tudo, a coragem que a nossa geração teve, para realizar a melhor e mais conseguida operação militar que alguma vez as Forças Armadas Portuguesas inscreveram na sua História! 
Acreditamos que, apesar das inqualificáveis posições políticas que o poder tem tido para com as Forças Armadas, apesar da grande descaracterização e diminuição de capacidades que isso provocou, as nossas Forças Armadas se não deixarão iludir pelos cantos das sereias e arrastar para aventuras perseguidoras de novos 28 de Maio! 
Mas, que é necessário estar alerta, é! 
Eles, Não passarão!  
Cordiais saudações e abraços de Abril 
Vasco Lourenço 
 
 Coronel-Carlos-Matos-Gomer

O 25 de Abril e os revivalistas militares 

Dos que mordem a mão de quem lhes abriu a porta 

Muito raramente escrevo sobre assuntos militares. Evito fazê-lo porque estou há anos fora do serviço ativo e desconheço os elementos essenciais que fundamentam as decisões.

 
Escrevo desta vez porque me choca a violação do princípio do respeito pelo passado entre gerações de militares, e mistificação da História que mais uma vez e a propósito das comemorações do 25 de Abril li nas redes sociais, em textos da autoria de militares retirados do serviço, mas de uma geração que cumpriu a sua carreira já depois do fim da guerra colonial e do 25 de Abril. 

A questão não é, nem era a manifestação de opinião, se em estado de emergência o Estado devia organizar uma cerimónia, nem em que moldes, direito legítimo, nem sequer a análise mais ou menos crítica do que a sociedade portuguesa e o Estado conseguiram nestes quarenta e seis anos, outro direito essencial, o que me chocou e choca foi, é, e tem sido (porque a atitude é recorrente e agrava-se, como os ataques de asma na Primavera) que o direito de critica e análise seja ardilosamente utilizado para minar os fundamentos do Estado democrático de direito e das instituições resultantes do 25 de Abril de 74, para ofender a honra de camaradas, tanto os que estiveram envolvidos no golpe de estado, como no processo político e até para com os que, ao longo dos anos, têm assumido funções de responsabilidade na política e nas chefias militares e a adulteração da História, que não tendo uma verdade assenta em factos. 

Por esta ocasião da Primavera repetem-se e intensificam-se os argumentos clássicos desses militares, reunidos num grupo ainda de aparência inorgânica que, na essência, remetem para a velha questão do tempo de oiro perdido, os bons velhos tempos (que eles não conheceram e, pelo que se lê, não estudaram, apenas vendem à comissão): antigamente havia ordem e respeito, as forças armadas e de segurança eram um motivo de orgulho e hoje não há ordem e as forças armadas e de segurança são ofendidas e desrespeitadas; antigamente os chefes, políticos e militares, eram pessoas de respeito, respeitáveis, patriotas, competentes, e hoje os militares são uns vendidos políticos e os políticos uns corruptos que arrastam Portugal pelas ruas da amargura. Por fim e como pedra de fecho, Portugal era grande e grandioso (Portugal não é um país pequeno! — com mapa de Henrique Galvão), uma Pátria que merecia o respeito do Mundo e as Forças Armadas portuguesas um corpo militar admirado pelos seus pares. Enfim, a glorificação da política colonial e de guerra do regime chefiado, primeiro por Salazar, e depois por Marcelo Caetano. Em resumo, o 25 de Abril, o ato e o regime que dele resultou, destruíram três realidades: Ordem, Glória e Colónias! Não sendo possível reconstituir o domínio colonial, a luta destes novos patriotas militares parece ser pela imposição de um Estado de Ordem, Securitário e chorar pela Glória perdida. Uma estratégia de manipulação de opinião com claros objetivos políticos . Não há nenhuma inocência nestas “opiniões”. 

Sendo um solitário, mais próximo dos lobos que das ovelhas, reconheço a lógica dos pastores dos rebanhos. 

Este discurso da antiga grandeza imperial perdida é um argumento recorrente nos restauracionistas, eles surgem no presente com solução para tudo o que os seus antecessores não conseguiram. Estivessem eles nas Forças Armadas nas décadas de 60 e 70 e outro galo teria cantado! É um recorrente azar histórico: nunca são os donos da verdade a posteriori que estão nos lugares e nos tempos certos do presente da História! 

Este discurso demagógico remete para um Portugal que nunca existiu. Alguns exemplos, o Ultimato Inglês foi uma demonstração de dissonância entre a política e os meios. As chamadas “campanhas de pacificação” após a Conferência de Berlim foram mais uma revelação de fraqueza. A campanha em Moçambique é desastrosa. As campanhas no Sul de Angola no final do século XIX, início do século XX, são reveladoras da mais chocante incapacidade. A participação de Portugal na Grande Guerra, numa apreciação que inclui políticos e militares nas três frentes, Angola, Moçambique e Flandres não é motivo para orgulho de ninguém. 

A abordagem pelo Estado Novo, o que inclui Salazar e o alto comando das Forças Armadas, da questão colonial do pós-Segunda Guerra e do Movimento Descolonizador é um conjunto de tropeções de um bando de perdidos num mundo que não entendem, de um passado de que não sabem tirar lições e, fundamentalmente, de incompetência sobre um assunto elementar em política e na estratégia: avaliar uma situação conjugando o “ambiente operacional” (no caso a situação internacional) os meios de que dispõe e os objetivos que pretende atingir. Só o sacrifício da geração que esteve no 25 de Abril permitiu prolongar a guerra e iludir o facto de os políticos da época não saberem o que fazer dela nem com ela, continuar, aliarem-se aos sul-africanos, ou negociarem com os independentistas. 

Essa geração, que é a minha, cumpriu e bateu-se como poucas ao longo da nossa História até para além dos limites razoáveis, por vezes em situações de vexame, como na Índia, ou de desprezo por parte de aliados, os EUA e a Inglaterra, que até impediram a utilização dos meios da NATO em África, aviões F 86, navios, viaturas (GMC) rádios, p.ex. A guerra irá terminar com os limitados (mas foi o que se conseguiu) caças bombardeiros portugueses Fiat G91 a serem abatidos por mísseis Strela das guerrilhas, porque os “aliados” colocavam sérias dificuldades em venderem outros mais modernos, com as forças portuguesas acusados internacionalmente de crimes de guerra e de genocídios, como os de Wiriamu! Com a população metropolitana ativa a fugir da guerra e da política do Estado Novo, centenas de milhares de emigrantes legais e clandestinos, uma parcela brutal do orçamento atribuído a despesas de guerra, 250 mil homens na idade produtiva nas Forças Armadas, proibição de os portugueses decidirem o seu futuro e, sequer, de o discutir! 

Em 1974 as forças armadas portuguesas apenas participavam em exercícios na NATO através da Armada (onde sofriam vexames da parte dos seus aliados, nomeadamente nórdicos — noruegueses e holandeses), viviam num limbo internacional de que as participações mais ou menos encobertas de apoio aos mercenários do Congo e do Biafra não acrescentavam prestígio. Forças tão desprestigiadas e tão mal equipadas que em 1961 não conseguiram recuperar um navio mercante português, o «Santa Maria», em águas internacionais! Que em 1972/73 os seus aliados mais próximos por razões de sobrevivência, a África do Sul do apartheid e a Rodésia da independência unilateral, faziam relatórios arrasadores sobre o espírito combativo, sobre a estrutura de comando das forças portuguesas em Moçambique e Angola. Entretanto a Marinha Inglesa realizava um bloqueio ao porto da Beira! (Beira Patrol) — e Portugal era formalmente aliado de Inglaterra! 

Foi a este “Estado a que isto chegou”, nas palavras de Salgueiro Maia, que uma parte dos militares, a dos melhores, desde logo pela razão elementar de terem ganho consciência da irracionalidade criminosa de uma política de guerra sem objetivo, nem fim, nem meios, uma guerra de queimar portugueses sem sentido, deu o devido e patriótico fim a 25 de Abril de 1974. O qual não devia, segundo esta franja de militares, ser comemorado! Li que a presença dos chefes de estado-maior não “dignificava as Forças Armadas”, que as envergonhava! 

Foi o 25 de Abril que retirou Portugal do grupo dos estados-pária onde se encontrava. Que permitiu restabelecer ligações sem “vergonha” com aliados europeus e americanos, mas também com países do Terceiro Mundo, com o mundo árabe (o Egito, em particular), a África (OUA), a Ásia (China e Índia, em particular), a URSS e os seus aliados. Que abriu a porta a alguns desses militares hoje tão críticos do regime democrático e tão empenhados no ataque aos seus fundamentos para terem a oportunidade de participar em missões internacionais que, sem valorização de mérito político, os levaram à antiga Jugoslávia e ao Líbano, a Timor, a Angola, Moçambique, Guiné, Marrocos (Sara), na República Centro Africana, Bolívia, Afeganistão, entre os outros espaços de conflito internacional, em missões para as quais, durante a ditadura e a guerra colonial, os militares portugueses jamais haviam merecido serem considerados elegíveis para participarem! 

Não há para estes “neo epopeicos” frustrados um ministro do regime do Estado de Direito que não seja ou tenha sido um biltre, a maioria dos generais são uns vendido. Os militar com responsabilidades no 25 de Abril são cobardes, ou traidores! Para eles, os virtuosos, a virtude do Estado e das Forças Armadas morreu a 25 de Abril de 1974! Entretanto veneram alguns “heróis do absurdo”, incapazes de perceber a razão dos seus atos. É este o discurso sublimar deste grupo de revivalistas, manipuladores da opinião. 

Na realidade e é histórico, foi o 25 de Abril que dignificou a condição dos militares portugueses. O 25 de Abril foi obra de soldados, recorrendo a Mouzinho de Albuquerque. E foi o 25 de Abril, com os seus militares e políticos, com os seus defeitos e qualidades que colocou Portugal no concerto das nações respeitáveis. 

O discurso primariamente patrioteiro — primário porque rejeita o conhecimento resultante do estudo, da investigação, da análise e patrioteiro, um termo de Eça de Queiroz, porque se refere a um conceito adulterado de pátria, tenta confundir eventuais erros de conduta, de avaliação, cometidos durante o período pós-25 de Abril de 74 e até hoje, ou de confronto de modelos de sociedade, com o erro fundamental assente na incapacidade de um regime ditatorial não só de ler a realidade, mas de ir contra ela e contra direitos fundamentais. É um discurso que pretende confundir erro, escolha, com a essência do Mal! 

São estes militares que surgem associados de forma mais ou menos insidiosa aos que proclamam que o 25 de Abril não devia ser comemorado, porque o 25 de Abril não devia ter ocorrido, que o Estado Português, através dos seus órgãos de soberania, incluindo os chefes militares, não devia estar na Assembleia da República a 25 de Abril porque há uma epidemia! Que, por redução ao absurdo, defendem a única alternativa ao 25 de Abril que seria a continuação da política colonial e de uma ditadura — não há alternativa, não era possível um Portugal colonial integrado em qualquer espaço da comunidade internacional -, que Portugal devia continuar a sofrer mortos e a espalhá-los por África, desde que fosse na guerra, a ter mortos espalhados pelos países de emigração, sem despedidas possíveis, que Portugal devia continuar a ter milhares de portugueses confinados pelo mundo, por serem emigrantes ilegais, ou desertores e não poderem regressar para verem pais ou filhos.

 

Carlos Matos Gomes

Artigos relacionados

Fascismo em recuo: Queiroz nos destroços da República
Fascismo em recuo: Queiroz nos destroços da República Por Tarso Genro Tarso Genro é um advogado, jornalista, professor universitário, ensaísta, poeta e político brasil... 36 views Mon, 22 Jun 2020, 17:03:55
Brasil | Chegou a hora do plano de retirada dos militares
Brasil | Chegou a hora do plano de retirada dos militares     "Se os militares se acomodarem, na inércia de ficar e conferir o que acontece, correm o risco de ver... 169 views Sat, 20 Jun 2020, 13:43:39
Manifestantes voltam à Paulista contra Bolsonaro, o racismo e o fascis...
Manifestantes voltam à Paulista contra Bolsonaro, o racismo e o fascis... Procurando cumprir regras de distanciamento, o protesto deste domingo na Avenida Paulista, em São Paulo, reuniu cerca ... 138 views Mon, 15 Jun 2020, 16:48:53
"Facções bolsonaristas perderam as ruas e as redes sociais", avalia Fl...
"Facções bolsonaristas perderam as ruas e as redes sociais", avalia Fl...   247 - O governador Flávio Dino (PCdoB), do Maranhão, avaliou que o esvaziamento dos atos deste dom... 130 views Mon, 15 Jun 2020, 16:57:04
«Estes são problemas para os quais urge dar resposta, porque eles tran...
«Estes são problemas para os quais urge dar resposta, porque eles tran... «Sim, é preciso continuar a agir para salvaguardar a saúde e a vida dos portugueses. Para isso apresentámos um Plano... 132 views Mon, 08 Jun 2020, 16:36:28
“Recua fascista, recua, é o poder popular que está na rua", bradam man...
“Recua fascista, recua, é o poder popular que está na rua", bradam man...  247 - Ocorreu neste domingo (7) em Brasília um protesto forte de oposição ao governo de Jair Bolsonaro. ... 93 views Mon, 08 Jun 2020, 16:21:33

Democracia, 25Abril

  • Criado em .
  • Visualizações: 143

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Filtrar por categoria
07, julho 2020

Jair Bolsonaro diz que está com sintomas de Covid-19

em Mundo

por Filipe Sousa

Filipe Sousa - 06/07/2020     A CNN Brasil noticiou que foi o próprio presidente brasileiro que confirmou a informação e que está a tomar hidroxicloroquina. Jair Bolsonaro cancelou a agenda presidencial para o resto…
07, julho 2020

Impedir a reprivatização da Efacec

em Portugal

por AbrilAbril

A indústria transformadora continua a ser o esteio das economias mais desenvolvidas, seja a nível europeu ou mundial, como atesta a realidade económica dos últimos 150 anos. Créditos / NTech News A constatação levou o…
07, julho 2020

Mensagem aos leitores de Hong Kong

em Mundo

por resistir.info

– Como vendemos a União Soviética e a Checoslováquia por sacos de plástico por Andre Vltchek Esta foi uma história que, durante meses, quis partilhar com os jovens leitores de Hong Kong. Parece-me ser agora…
07, julho 2020

MISTÉRIO. Mulher desaparecida há mais uma semana depois de receber herança

em Cascais

por CASCAIS24

Por Valdemar Pinheiro 06 julho 2020 Uma mulher, na casa dos 60 anos, alegadamente "bafejada" por uma herança familiar, está dada como desaparecida em Cascais desde há oito dias, em circunstâncias que as autoridades estão…
07, julho 2020

Vírus pode ter estado adormecido antes de surgir na China, diz investigador de Oxford

em Mundo

por ZAP in ZAP

Massimo Percossi / EPA   O novo coronavírus pode ter estado adormecido algures no mundo antes de ter surgido na China, defendeu o investigador da Universidade de Oxford, Tom Jefferson, apontando para várias descobertas de…
07, julho 2020

Na morte de Custódia Chibante

em Portugal

por Abril de Novo Magazine

Maria Custódia Chibante, resistente antifascista do Couço e ex-presa política, morreu quinta-feira, dia 2 de Julho. Natural do Couço, concelho de Coruche, era filha de uma camponesa e um pedreiro, não conseguindo cumprir o seu…
07, julho 2020

Sem política nacional de enfrentamento, Brasil chega a 65.487 óbitos pela Covid

em Mundo

por Brasil24/7

  Reuters - O Brasil registrou nesta segunda-feira mais 620 óbitos em decorrência da Covid-19, atingindo um total de 65.487 mortes relacionadas à doença respiratória provocada pelo novo coronavírus, informou o Ministério da Saúde. O…
07, julho 2020

EUA: instabilidade política e o retorno da Guerra Fria

em Mundo

por Leonardo Igor

  Desde o início de seu governo, Donald Trump tem sido caracterizado por uma série de elementos de instabilidade e ingovernabilidade: não apenas o impeachment, mas as mudanças permanentes em seu gabinete, sua disputa com…
07, julho 2020

Com quase 700 mil casos de Covid-19, Índia é o 3º país mais afetado do mundo

em Mundo

por Brasil24/7

  Reuters - A Índia ultrapassou a Rússia ao atingir o número de 700 mil casos do novo coronavírus, o terceiro maior do mundo, de acordo com os dados mais recentes, e o surto não…
07, julho 2020

Os doutores Salgado e Mexia: fantasmas de um flirt passado do ISEG

em Portugal

por Ladrões de Bicicletas (Diogo Martins)

 A última semana trouxe a debate a crescente ingerência do dinheiro das grandes empresas privadas na universidade pública. O tema veio a discussão na sequência de uma notícia na revista Sábado, que dava nota da…
07, julho 2020

Crescimento “preocupante” de casos de covid-19 no Luxemburgo (e a “culpa” pode ser de portugueses e cabo-verdianos)

em Mundo

por ZAP in ZAP

(CC0/PD) 12019 / Pixabay   O Luxemburgo está a assistir, nas últimas semanas, a um crescimento significativo no número de novas infecções por covid-19. A ministra da Saúde fala numa subida “preocupante”. Muitas destas novas…
07, julho 2020

Agência de rating espanhola baixa perspetiva de Portugal de “estável” para “negativa”

em Portugal

por Lusa in ZAP

(Comentário: E anda o Primeiro Ministro de Portugal a falar castelhano...Com 'amigos' destes! Ou será que há espanhóis a prepararem-se para comprar o que resta da indústria lusa a preço de saldos?) (dr) Museu do…
07, julho 2020

A política económica reacionária e perigosa de Emmanuel Macron. Por Romaric Godin

em Mundo

por franciscogtavares in 'A Viagem dos Argonautas'

Seleção e tradução de Francisco Tavares  Por Romaric Godin Publicado por  em 1 de julho de 2019 (ver aqui)   Com ou sem remodelação, o curso da política económica do final do quinquénio já está…
07, julho 2020

Aprender menos e ter melhores notas

em Portugal

por António Duarte

Os professores do ensino superior alertaram esta segunda-feira para o risco de os alunos que este ano fazem os exames nacionais terem melhores resultados, mas estarem pior preparados para frequentar as universidades e institutos politécnicos. No arranque…
07, julho 2020

PIRATARIA EM LONDRES COM O OURO DA VENEZUELA

em Mundo

por in 'O Lado Oculto'

2020-07-06 Gabriela Kuenhle*, America Latina en Movimiento/O Lado Oculto O direito nacional e internacional deixou de contar. O actual espectáculo legal montado no Tribunal de Comércio de Londres sobre as reservas de 30 toneladas de…
07, julho 2020

Governo autoriza pagamento aos bombeiros e liberta verba de quatro milhões

em Portugal

por ZAP in ZAP

Nuno André Ferreira / Lusa   O Governo anunciou, esta segunda-feira à tarde, que foi libertada a verba necessária para que a ANEPC possa cumprir as suas obrigações para com os bombeiros que integram o…
07, julho 2020

Portugal Temido | Contagem decrescente?

em Portugal

por Página Global

    Júlio Machado Vaz* | Jornal de Notícias | opinião Se o primeiro-ministro puxou as orelhas à ministra da Saúde, teria certamente razão". A candura menineira e risonha de Marta Temido enternece. Há nela…
07, julho 2020

Mais de 100 bispos em todo o mundo assinam manifesto contra os abusos das empresas na era Covid

em Mundo

por Rute Coelho

06/07/2020   No documento, os líderes católicos mundiais dizem que as empresas “irresponsáveis são cúmplices de atos de violência e sofrimento” e apelam a que os Estados “ponham termo a esta situação” O manifesto assinado…
07, julho 2020

Espanha dá passo atrás: Restringe 200 mil pessoas na Catalunha e 70 mil na Galiza

em Mundo

por ZAP in ZAP

(CC0/PD) OrnaW / Pixabay   O governo da Catalunha ordenou, este sábado, um novo confinamento de uma zona com 200.000 habitantes, nas proximidades de Mérida, no nordeste espanhol. Com a identificação de um novo surto…
07, julho 2020

Trump diz que 99% dos casos de covid-19 são “inofensivos”. FDA recusa-se a apoiar a afirmação

em Mundo

por ZAP in ZAP

O chefe da autoridade do medicamento norte-americana, FDA – Food and Drug Administration, Stephen Hahn, recusou-se a apoiar a alegação do Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, de que 99% dos casos de covid-19…
07, julho 2020

Em 2019, procurador dos EUA revelou relacionamento clandestino e ilícito com Lava Jato

em Mundo

por Brasil24/7

  Em entrevista ao jornal Estadão em 11 de maio de 2019, o procurador do Departamento de Justiça dos EUA Daniel Kahn, chefe da área de investigação de corrupção fora dos EUA, revelou a existência…
07, julho 2020

Mais seis mortos e 232 casos de covid-19 em Portugal

em Portugal

por Página Global

    Portugal regista, esta segunda-feira, mais seis mortos associados à covid-19 e 232 novos casos de infeção, 195 dos quais na região de Lisboa e Vale do Tejo. Há mais 149 doentes recuperados.  …

Últimos posts (Cascais)

Itens com Pin
    Atividades Recentes
    Aqui ainda não existem atividades

    Últimos posts (País e Mundo)

    Itens com Pin
      Atividades Recentes
      • LEGALIZAÇÃO DAS CASAS DE PROSTITUIÇÃO

        Um debate que provavelmente vai ganhar dimensão.
        Legalização da prostituição - petição apresentada na A.R
        Gravação da reunião na Assembleia da República
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      • Homicidal Cops Caught On Police Radio
        #TheJimmyDoreShow
        Homicidal Cops Caught On Police Radio
        42 219 visualizações
        •05/06/2020
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      Aqui ainda não existem atividades
      LOGO4 vert01
      A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
      Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
      exceto quando expressamente assinadas por esta.
       

      SSL Certificate
      SSL Certificate