• Página Global

Angola | PATRIOTISMO NÃO TEM PREÇO!



CONDECORAR RAFAEL MARQUES DE MORAIS, DA OPEN SOCIETY E DA NATIONAL ENDOWMENT FOR DEMORACY, ESQUECENDO POR COMPLETO AQUELES QUE ESTIVERAM QUASE A PAGAR COM A VIDA O FACTO DE TEREM COMBATIDO O TRÁFICO ILÍCITO DE DIAMANTES EM 1983 E POR ISSO COMBATER A CORRUPÇÃO, NÃO É PATRIOTISMO!

É ASSIM QUE SE ESTÁ A ESQUECER DAQUELES QUE PAGARAM TÃO CARO, COM CONDENAÇÕES, VEXAMES E ARBITRARIEDADES DE TODA A ORDEM QUE SE PROLONGARAM POR MAIS DE 30 ANOS!...

PODE SER ASSIM QUE SE ESTEJA A LAVAR A HISTÓRIA!...

... NÃO É SEGURAMENTE TAMBÉM ASSIM QUE SE SEGUE O RUMO DE LÓGICA COM SENTIDO DE VIDA, CONFORME À MEMÓRIA E ENSINAMENTOS DE ANTÓNIO AGOSTINHO NETO E SEU PENSAMENTO ESTRATÉGICO!

PATRIOTISMO NADA TEM A VER COM NEOLIBERALISMO E NENHUM VALOR, DOS QUE SE PAGAM AOS CORRENTES MERCENÁRIOS DA ESCRITA, PODE-SE COMPARAR AO VALOR DUM PATRIOTISMO GERADO DESDE HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS, NA CULTURA DA FIDELIDADE DE PRINCÍPIOS E CONVICÇÕES, SEGUINDO O RUMO DO MPLA! 

RECORDO PARA QUE FIQUE CLARO E SEM EQUÍVOCOS, O QUE PUBLIQUEI A 11 DE NOVEMBRO DE 2019 E O TEXTO DE 5 DE NOVEMBRO DE 2010, SOBRE RAFAEL MARQUES DE MORAIS, “SINAIS CONTROVERSOS – VIII”! 

01- LUTA CONTRA A CORRUPÇÃO...

A luta contra a corrupção foi perdida em Março de 1976 e só retoma em 2017, com a ascensão do camarada JLO à Presidência de Angola!

... e lembrar que, para que a corrupção fermentasse durante mais de 30 anos, foi preciso colocar os justos na cadeia, conforme comigo ocorreu em Março de 1986, processo 76/86, acusado duma mentira: golpe de estado sem efusão de sangue!...

Fui condenado a 16 anos de prisão maior por que defendi Angola dos traficantes de diamantes que foram julgados no processo 105/83!...,

... De então para cá, além da condenação, fui votado ao ostracismo e à marginalização como muitos outros camaradas fieis aos ideais de António Agostinho Neto e do seu estratégico rumo, mas conforme têm provado meus próprios escritos desde finais do século XX, ainda que de forma tão dispersa, não me venceram, nem neutralizaram a minha consciência de lógica com sentido de vida, que desde jovem tenho feito individual cultura, em nome da dignidade!

Confesso que vivi e em nome do amor que se deve à humanidade, a história me absolverá!



02- CONTINUA VÁLIDO O QUE PUBLIQUEI SOBRE RAFAEL MARQUES DE MORAIS, A 5 DE NOVEMBRO DE 2012:

SINAIS CONTROVERSOS – VIII.

12 – Para Rafael Marques de Morais “lutar contra o ditador” esquecendo-se do resto é a aposta transformada num “jornalismo investigativo” por encomenda!

Para tal ele distorce o carácter do estado angolano, um estado que em grande parte espelha a formatação a que foi sujeito mas é apesar de tudo um garante de unidade e identidade nacional, tal como duma ausência de tiros que prevalece de há pouco mais de 10 anos a esta parte por todo o território nacional!...

Valoriza uns dados subvalorizando outros, de acordo com os interesses e conveniências de quem o socorre e com isso abandona qualquer hipótese de coerência, para passar a ser um instrumento de terceiros que explora as desigualdades que foram semeadas pelas próprias filosofias de que se nutre em relação às quais é incapaz de mínima crítica, muito menos de autonomia!

De entre outras coisas Rafael Marques de Morais teimosamente parece ter esquecido está o acordo de Angola com o próprio George Soros, algo “para esquecer” a nível público, mas sempre presente nas filosofias de que se nutrem as “investigações” que faz!

O artigo que nos lembra o que Rafael Marques de Morais esquece ao nível público foi publicado a 7 de Novembro de 2003 pela Voice of América e assinado pelo “expert” Luís Costa Ribas, que entre outras coisas divulgava:

“…Apesar da natureza da actividade da Open Society em Angola, tida por Angola como sendo hostíl, entre George Soros e Luanda nunca faltaram sinais de uma disponibilidade para conversar.

A aproximação entre as duas partes pareceu inevitável depois de um encontro que teria reunido o embaixador de Angola na Nações Unidas, Ismael Martins e George Soros. O diplomata angolano seria mais tarde portador de uma carta de George Soros para o presidente José Eduardo dos Santos.

Um novo passo foi dado em meados deste ano no Japão, durante consultas entre José Pedro de Morais, ministro das Finanças, e Karin Lissakes, conselheira da Open Society, e antiga colega de José Pedro de Morais no Fundo Monetário Internacional.

O acordo que deverá ser assinado na próxima quinta-feira inspira-se na iniciativa Published What You Pay, Divulge o Que Você Paga, (DVOP), lançada em Setembro de 2002 por uma coligação de 75 Organizações Não Governamentais, e apadrinhado pelo primeiro-ministro britânico Tony Blair, numa cerimónia em que esteve presente Rafael Marques”…

“…Para George Soros, observam analistas, ficaria a satisfação de ter conseguido levar Luanda a aceitar a ideia de uma reforma na sua política cambial, lançar a transparência, e fomentar o respeito pelos direitos humanos.

Este entendimento promete vir a mexer na cúpula da Open Society em Angola. Rafael Marques, seu delegado há 5 anos, deverá deixar aquela ONG. A Open Society em Nova Iorque não respondeu ao pedido de uma entrevista da Voz da América, mas fontes bem informadas garantem que o afastamento de Rafael Marques, que está actualmente em Washington, foi condição sine-qua-non levantada por Luanda.

As autoridades angolanas não perdoam a Rafael Marques um artigo intitulado, “o Batom da ditadura” no qual sugeria que o Presidentte José Eduardo dos Santos estava entre os mais astutos ditadores africanos.

Esteve detido duas vezes, liderou vários fóruns todos eles mal recebidos pelo Governo. A assinatura do contrato entre Luanda e George Soros, e o provável afastamento de Rafael Marques da Open Society, não será só coincidência admitem alguns observadores. Fontes do Governo de Angola contactadas pela Voz da América não esconderam a sua satisfação pelo pelo acordo e sobretudo pelo afastamento de Rafael Marques que citamos tornou-se numa bandeira por culpa do próprio governo. Por Angola assinaram o acordo José Pedro de Morais, ministro das Finanças, e Manuel Vicente PDG da Sonangol. A Fundação Open Society será representada pelo seu vice-presidente Stewart J. Paperin, e por Karin Lissakers, conselheira. Conselheira do Instituto Open Society”.

Quer dizer: com o fim da sua colaboração na “Open Society” o jovem de Oxford (da universidade onde o elitismo anglo-saxónico cultiva um dos tradicionais projectos) não encontrou outra alternativa senão, depois de entender-se com a Fundação Mário Soares, apoiar-se no Departamento de Estado e no National Endowment for Democracy, persistindo precisamente numa direcção cada vez mais eticamente controversa e é parte da “outra face” dum sistema feito moeda, implantado no quadro da lógica capitalista neo liberal, que se propõe às deformações, desequilíbrios e assimetrias comportados por esta “globalização que estamos com ela” também em Angola!

As trilhas que as pistas neo liberais promovem são tão nefastas para um lado como para o outro por que são conteúdo do mesmo sistema e, no caso do governo angolano, é uma forma de ele se sujeitar a todo o tipo de “nós cegos”, daqueles que estão dispostos a tudo para dividir e dividir… para melhor reinar!

De certo modo Rafael Marques de Morais parece ter algo que ver com a família Clinton, será um caso crónico, mais um, no âmbito dos negócios tão intrincados quão obscuros, típico dos circuitos dos diamantes?

Às tantas vê-lo-emos ainda lá pela Bolsa de diamantes de Nova York, ou em visita às minas do Arkansas!

George Soros, tal como Maurice Tempelsman são quase sempre financiadores dos democratas e os pontos de contacto tornam tudo possível quando há dinheiro e interesses malparados pelo meio.

Com tanto que Maurice Tempelsman tem a investigar na região, Angola incluída, por que razão o “premiado” nunca teve a ideia de o fazer?

Maurice Tempelsman é agora um “parceiro” da Endiama, tendo como referência principal a SODIAM, mas lembre-se o que foi divulgado antes pela Congressista Cynthia McKinney a propósito de Maurice Tempelsman:

“In recent years Tempelsman has been trying to use US money and support to set up Savimbi of UNITA in the diamond trade with both De Beers the US support.

On the side, he has also been setting up his own diamond cutting factory - here as in his other African cutting plants on terms that are likely to stop Africa getting a fully commercial cutting industry... a De Beers aim.

Tempelsman in 1996 persuaded the Assistant Secretary of State George E. Moose to give him a letter suggesting that the US would finance Tempelsman's plans.

On October 10th 1996 he met with Tony Lake the National Security Advisor and with Lake's deputy, Shawn McCormick - and gained their support for Tempelsman's plans. In May 1997 the US Ambassador for Angola, Steinbach met with Savimbi - to back the Tempelsman plan. This plan included UNITA keeping its diamond mines - and selling them via De Beers. Again US foreign policy was being shaped to benefit De Beers”…

A Congressista Cynthia McKinney, antropóloga Janine Farrell Roberts e o investigador Keith Harmon Snow, são três das personalidades realmente investigadoras do que se passa com o elitismo produzido no âmbito da actividade do cartel dos diamantes, bem como sobre as repercussões sócio-políticas nos Estados Unidos, em África, na África do Sul e em Angola em função dessa actividade, mas as “investigações” de Rafael Marques de Morais servem para as “apagar” revertendo o seu “depoimento” contra os angolanos que “absorveram a cultura”, sem tocar nos “fazedores de reis”, entre eles Maurice Tempelsman, ou seja, a favor precisamente daqueles que tendo tomado a iniciativa da produção da “guerra dos diamantes de sangue”, beneficiaram antes dos outros da trilha de Maurice Tempelsman!...

Rafael Marques de Morais chega mesmo a ser citado por Keith Harmos Snow, mas até hoje “não reagiu a esse estímulo”!

O homem “esmera-se” em suas “investigações” e várias das últimas são “ilustrativas” de seus “bons ofícios”, por exemplo:

É extraordinariamente fácil a ele obter dados a partir do exterior, em países como os Estados Unidos, a Grã Bretanha, Portugal, ou a França e essa é uma das razões que nesses casos ele poucas fontes cita… será por que as fontes dele indiciam não ser públicas, ou se reservem ao conhecimento público?... Se não são públicas, se cultivam “a sombra”, então que fontes serão?

Está criado com este tipo de “activistas” o ambiente facilitador, por um lado um ambiente que visa esvaziar de conteúdos o MPLA tornando-o expoente dos processos elitistas catapultados para Angola e fazer crescer por outro, com o “fermento” adequado, o “bolo” da oposição, também ela sem melhores conteúdos, em particular procurando “revitalizar” a UNITA e o seu parceiro tácito, o CASA-CE!

Rafael Marques de Morais é um “operativo” no sentido de instalar o sistema de “alternância política” em reforço da lógica capitalista neo liberal!

Está-se em pleno processo de se instalar essa “alternância democrática” que a outras latitudes, com o propositado tédio da social-democracia, está por exemplo, a arrastar para a crise a Europa!

Quando tanto há que realizar com políticas de paz com sentido de vida, quando tanto há que realizar em termos de gestão ambiental sustentada e políticas coerentes que respeitem a Mãe Terra, a opinião pública está cada vez à mercê dss ingerências e manipulações que se prendem ao carácter dum poder que até por aqueles que o criticam, cada vez menos diz respeito aos interesses históricos de unidade e identidade nacional!

Sinais controversos é o que em Angola há por demais e energia para alimentar a ampliação desses sinais, se possível adaptando a nova estratégia de tensão orientada pela administração de Barack Hussein Obama; dum lado e do outro das artificiosas “barricadas” há quem insista cada vez mais par dividir a fim de melhor reinar e há quem se apreste sempre para se deixar instrumentalizar por essas velhas opções do império!

É por essa razão que querem fazer esquecer a história!

Martinho Júnior, Luanda -- 26 de Outubro de 2012.

Imagens:
O premiado
Declaração de Liberdade

Consultas:
- Filhos de Eduardo dos Santos recebem 31 milhões – http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=517865&tm=7&layout=121&visual=49
- Maka Angola Promove Petição Contra a Publicidade do Regime de José Eduardo dos Santos na CNN – http://makaangola.org/2012/02/maka-angola-promove-peticao-contra-a-publicidade-do-regime-de-jose-eduardo-dos-santos-na-cnn/
- No âmbito da sua luta contra a corrupção em Angola – Rafael Marques recebido no Departamento de Estado dos EUA – http://www.publico.pt/Mundo/rafael-marques-recebido-no-departamento-de-estado-dos-eua-1469733
- Covert Action in Africa: A Smoking Gun in Washington, D.C. – Congresswoman Cynthia McKinney – http://muhammadfarms.com/covert_action_in_africa.htm
- Glitter and Greed – The Diamond Investigation – Janine Farrell-Roberts c2000 – http://www.sparkle.plus.com/samples.html
- Chloe's Blood Diamond – Angola Rock sold for $16 million to GUESS Jeans Founder – http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=7423

Ver o original em 'Página Global' na seguinte ligação:

https://paginaglobal.blogspot.com/2019/11/angola-patriotismo-nao-tem-preco.html

  • Criado em .

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Últimos posts

Itens com Pin
Atividades Recentes
  • Vasco Graça updated his profile
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
Aqui ainda não existem atividades
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate