• jorge rocha in 'Ventos Semeados'

Razões para reiterar a confiança

Nas últimas semanas tem sido intensa a guerra que as direitas têm movido a João Galamba tendo por marioneta circunstancial uma pseudojornalista da RTP conhecida por enviesar os argumentos, silenciar quantos poderiam contestar-lhe as teses e proclamar indícios de corrupção. Não lhe interessa que o ministério público nada venha a encontrar de ilegal no assunto, porque até lá julga ganhar curriculum, que a equipare a outras marionetas habitualmente utilizadas para os mesmos propósitos.

 

Que João Galamba é odiado intensamente por tal gente não é difícil comprová-lo: basta consultar a sua página no facebook e testemunhar o quanto as redes sociais podem comportar na sua pior faceta. Insultos vis são mais do que muitos só se estranhando como o seu titular tarda em fazer o que corresponderia a um mero exercício de higiene pública: eliminar essas mensagens e bloquear os seus autores. Pelo menos, e pela parte que me toca, não me doam as mãos por quantos biltres assim destratei.

 

A razão para esse ódio vem de longe: na última década não me lembro de tribuno parlamentar tão dotado para o uso da palavra assassinando sem apelo nem agravo algumas das intervenções mais torpes de Montenegros & Cª, que viram por ele desbaratados os parcos fundamentos com que julgariam enganar quem os ouvisse.

 

Que as direitas receiam a ação de Galamba no ministério onde viu reforçada a sua ação, sendo-lhe reconhecida a designação de secretário adjunto com responsabilidades transversais num dos quatro pilares fundamentais, definidos no programa eleitoral como determinante para o futuro da economia portuguesa - a transição energética - pressupõe a sua capacidade para agilizar uma evolução capaz de colidir com grandes interesses privados. E essas mesmas direitas sabem que ele não brinca em serviço levando a peito, e com grande determinação, os objetivos a que se propõe.

 

Explica-se assim o afã em procurar derrubá-lo ou, no mínimo, fragiliza-lo para que não cause tanto prejuízo aos que se sabem condenados a investir na adaptação ou substituição dos seus negócios por tornarem-se incompatíveis com a emergência climática em que estamos aceleradamente a entrar.

 

A campanha mediática contra o secretário de Estado ainda se torna mais esdrúxula por provir do órgão de informação público. Ora, nestes pretéritos quatro anos, têm sido muitos os portugueses inconformados com o tipo de desinformação oriunda da RTP, manifestamente orientada para prejudicar o governo e alavancar quem afinal se viu derrotado, e até mesmo humilhado, no último ato eleitoral.

 

Essa recente evidência é bem elucidativa quanto ao desfasamento entre a maioria dos portugueses e a ideologia direitista da que deveria ser a sua televisão. Daí que se encare com grande expetativa a designação de Nuno Artur Silva para tutelá-la, dado não ter surtido qualquer efeito a nomeação de Maria Flor Pedroso para a sua direção de informação. Muito contestada internamente pelos que querem manter o statu quo ela não terá podido evitar que a quinta coluna do «Observador» continuasse a aí ter injustificado ascendente. Até por ser Helena Garrido uma das suas adjuntas, sabendo-se que é, há muitos anos, figura grada desses setores mais direitistas.

 

Espera-se de Nuno Artur Silva que altere o modelo de nomeação da Administração da RTP para pôr fim à estratégia de Miguel Poiares Maduro, seu inventor, que conseguiu manter durante todos estes anos um assumido militante do PSD a em tudo nela mandar.

 

Expetativa, igualmente, para a indigitação de Mário Morgado como secretário de Estado no Ministério da Justiça, tendo em conta tratar-se de um juiz desembargador com provas dadas na contestação aos setores  mais corporativistas da sua classe, que são quantos têm contribuído para a má reputação por ela ganha, quer com casos como os de Neto Moura, quer quanto à guerra nela movida contra Ivo Rosa por não se mostrar cúmplice acrítico das conspirações encabeçadas por alguns procuradores.

 

Aguarda-se, nomeadamente, que seja firme com o sindicato do inenarrável Ventinhas, que tanto torce para que os seus associados não se sujeitem ao escrutínio de quem quer que seja para acusarem quem queiram, mesmo sem provas concretas para porem em causa a inocência de muitos dos que sob a sua alçada caem.

 

Em suma, olhando para o elenco de ministros e secretários de Estado encontramos razões sobejas para reiterarmos a confiança no quanto irão fazer.

Veja o original em 'Ventos Semeados':

https://ventossemeados.blogspot.com/2019/10/razoes-para-reiterar-confianca.html

  • Criado em .

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Últimos posts

Itens com Pin
Atividades Recentes
  • Vasco Graça updated his profile
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
Aqui ainda não existem atividades
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate