• in AbrilAbril

João José Cochofel homenageado no Museu do Neo-Realismo

O Coro Lopes-Graça da Academia de Amadores de Música e o Museu do Neo-Realismo realizam, dia 19, uma sessão de homenagem ao poeta, ensaísta, crítico literário e musical coimbrão, em ano de centenário.

Caricatura de João José Cochofel, realizada por Fernando Namora Créditos / Viral Agenda

A sessão, com início previsto para as 16h, insere-se nas Comemorações do Centenário do Nascimento de João José Cochofel e integra-se no 12.º aniversário do Museu do Neo-Realismo, segundo nota enviada à imprensa pelo Museu, sediado em Vila Franca de Xira.

A homenagem incluirá uma «mostra/pequena exposição» na Livraria do Museu, bem como a leitura de poemas de João José Cochofel, intercalados com «apontamentos musicais para coro, tenor/solista e piano». A entrada é livre, mas está limitada à lotação do espaço.

Figura destacada do neo-realismo

Nascido em Coimbra, em Julho de 1919, no seio de uma família abastada, João José de Melo Cochofel Aires de Campos cedo se interessou pela poesia e pela música, tendo desenvolvido uma actividade profícua em ambas as áreas.

Cochofel foi «o terceiro poeta, depois de Fernando Namora e Mário Dionísio, a publicar nessa modelar e mítica colecção que foi o Novo Cancioneiro», lê-se numa peça publicada no semanário Avante!, em Julho último. «Faz, portanto, parte da 1.ª geração neo-realista, a que podemos estabelecer no espaço temporal entre a Guerra Civil de Espanha e a 2.ª Guerra Mundial», informa ainda o periódico.

O poeta e crítico coimbrão aderiu ao realismo materialista, que se constituiu, no âmbito da criação artística, como «modo de resistência e oposição ao salazarismo, de renúncia às orientações que António Ferro pretendia impor às artes com a denominada "política do espírito"».

Colaborou em múltiplas publicações periódicas, como Sol Nascente, O Diabo, Gazeta Musical e de Todas as Artes, Altitude e, a partir de 1944, na revista Vértice, da qual foi secretário.

Entre as suas obras, em que se contam livros de poesia, ensaio e crónicas, figuram os títulos Sol de Agosto (1941), Descoberta (1945), Os Dias Íntimos (1950), Iniciação Estética (1958), Quatro Andamentos (1966), 46.º Aniversário (1966), Críticas e Crónicas (1982).

Director da Academia dos Amadores de Música de Lisboa e da Sociedade Portuguesa de Escritores, faleceu em Março de 1982.





Ver original em "AbrilAbril" na seguinte ligação:

https://www.abrilabril.pt/cultura/joao-jose-cochofel-homenageado-no-museu-do-neo-realismo

  • Criado em .

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Últimos posts

Itens com Pin
Atividades Recentes
  • Vasco Graça updated his profile
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
Aqui ainda não existem atividades
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate