• José Carlos Ruy, em São Paulo in 'O TORNADO'

Brasil | A Amazônia é nossa!

{SCPinterestShare href=https://plataformacascais.com/plataformacascais/artigos/mundo/66247-a-amazonia-e-nossa.html layout=standard image=http://plataformacascais.com/plataformacascais/images/obgrabber/2019-08/A-Amazonia-e-nossa-900x506.jpeg desc=O agravamento das queimadas na Amazônia causa alarme no mundo e será debatido na reunião do G7. O Estado brasileiro,... size=small}

O agravamento das queimadas na Amazônia causa alarme no mundo e será debatido na reunião do G7.

 

 

O Estado brasileiro, seu governo e suas Forças Armadas têm a obrigação legal de defender a Amazônia por uma razão muito simples: ela é parte do território brasileiro. Aliás a maior parte: são 65%, dois terços dos 8,5 milhões de quilômetros quadrados que formam o Brasil.

Existem várias razões para a defesa da Amazônia, mas esta é a principal – a proteção da integridade do território nacional, que cabe àquelas instituições e a todos os brasileiros.

“A Amazônia é nossa”: este clamor (que ecoa o slogan da grande campanha de defesa nacional nas décadas de1940 e 1950, “o petróleo é nosso”), volta a emergir com vigor nestes dias em que o governo de extrema direita do ex-capitão Jair Bolsonaro põe em risco a soberania brasileira sobre a Amazônia e também sua integridade. E, ao indicar o desrespeito à proteção ambiental, ameaça isolar ainda mais o Brasil no cenário mundial, com graves ameaças não só políticas – que decorrem do isolamento internacional do país – mas também econômicas pelo grave prejuízo ao comércio externo do país que essa marginalidade inconcebível pode acarretar.

Defender a Amazônia não se limita à grandiosa tarefa de proteger esta enorme parcela do território brasileiro contra a cobiça internacional, que é enorme e antiga, já podendo ser medida em séculos de investidas estrangeiras para ocupar a região ou partes dela.

Cobiça que, agora se manifesta novamente quando, a pretexto da agressão ambiental que resulta do enorme aumento das queimadas na floresta. A Amazônia será tema da reunião do G7 – os países mais ricos do mundo: Alemanha, Canadá, EUA, França, Itália, Japão e Reino Unido – que se realizará neste final de semana (dias 24 e 25) em Biarritz, na França.

Quem colocou o assunto na pauta foi o presidente francês Emmanuel Macron, alegando, de forma alarmista, que “Nossa casa queima. Literalmente. A Amazônia, o pulmão do nosso planeta que produz 20% do nosso oxigênio, está em chamas. É uma crise internacional. Membros do G7, vejo vocês em dois dias para falar sobre esta emergência”, escreveu no Twitter.

A alegação de Macron desrespeita a soberania brasileira, já enxovalhada pela própria ação do governo entreguista de Jair Bolsonaro que não só abre a porteira da região para a presença de empresas multinacionais, sobretudo dos EUA, mas dificulta e praticamente elimina a fiscalização das queimadas criminosas que ocorrem na região. Que aumentaram exponencialmente desde a posse de Jair Bolsonaro na presidência da República, em janeiro deste ano. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) informa o registro de 74.155 incêndios na Amazônia desde o início do ano, ou seja, 85% a mais do que entre janeiro e agosto de 2018.

É um desastre enorme contra a parcela da humanidade que reside no Brasil e nos países vizinhos na América do Sul, antes de alcançar os demais países.

O desastre é maior do que as alegações do presidente francês, e cabe ao Brasil, a suas autoridades e a seu povo lutar contra ele.

A alegação de Macron – e de outros, induzidos pela propaganda na mídia – de que a Amazônia é o “pulmão do mundo” já foi desmentida pelos cientistas faz tempo: eles compararam a absorção de gás carbônico pela floresta e sua emissão de oxigênio e concluiram que elas se equilibram – as árvores da floresta usam praticamente todo o oxigênio que emitem, reduzindo assim em muito seu papel de “pulmão do mundo “.

A Amazônia deve ser defendida por outros motivos. Em primeiro lugar os climáticos, e a nuvem de fumaça das queimadas que escureceu São Paulo e outras cidades na segunda-feira (19), nas quais “anoiteceu” às 15 horas, em pleno dia, e a água da chuva estava tomada por suas partículas nocivas, é um sinal veemente das consequências climáticas da falta de proteção da Amazônia contra as queimadas. Que resulta do descaso do governo em fazer cumprir a lei de proteção ambiental.

A fumaça que escureceu São Paulo foi o sinal alarmante da incúria do governo da extrema direita, que não fiscaliza a ação ilegal e criminosa dos que queimam a flortesta. E, para piorar, o presidente acusou – sem nenhuma prova – ONGs e ambientalistas de responsáveis pelo desastre para, disse ele de maneira leviana e irresponsável, criar problemas para seu governo.

Se as queimadas destroem fisicamente a Amazônia e ameaçam regiões vizinhas, há outros motivos para a defesa da região.

A Amazônia tem a mais rica biodiversidade do planeta, com mais da metade das espécies vegetais e animais. É uma riqueza imensa, que faz parte do patrimônio da humanidade, e sua gestão e proteção cabem aos brasileiros, que podem ser beneficiados pelas riquezas que ela gera. Mas que desperta a ganância de empresas multinacionais que buscam o lucro que seu uso pode gerar.

Há também a riqueza mineiral do subsolo amazônico – que vai do minério de ferro, cobre, petróleo, até niquel, nióbio, e mesmo ouro e diamantes. A cobiça do capital, e de estrangeiros é grande e causa problemas graves pois, muitas vezes, estes minérios estão localizados em terras indígenas.

A lei exige que a mineração em terra indígena tenha legislação própria e a comunidade indígena seja consultada. Mas nem sempre isso acontece – e no governo de extrema direita, menos ainda. Um exemplo pode ser visto anos antes, em 2006, quando a Polícia Federal apurou, na Operação Carbono, a exportação ilegal de diamantes – muitos deles vindos da maior jazida do mundo, situada nas terras dos Cinta Larga, em Rondônia.

Depois do golpe de 2016, que afastou do governo a presidenta eleita Dilma Rousseff, esta situação com certeza se agravou em atenção ao verdadeiro clamor que surgiu, na extrema direita, contra o cumprimento da lei de proteção das florestas e de respeito à integridade das terras indígenas.

Há também a água doce, um recurso vital que hoje é escasso para cerca de 20% da população no mundo (1,4 bilhão de pessoas). E que, por isso, poderá causar disputas e mesmo guerras.

O grande depósito de água doce do mundo é a Amazônia – de cada dez 10 litros despejados no oceano, dois vêm do rio Amazonas. São 175 milhões de litros de água doce por segundo, o maior volume entre todos os rios do planeta. É quase nove mil vezes o conteúdo médio de uma piscina olímpica a desaguar no oceano por segundo.

É por estas razões que os brasileiros precisam defender a integridade da Amazônia – razões climáticas, econômicas, políticas e sociais.

“A Amazônia é nossa” – este slogan deve ser bradado ao mundo e também ao governo de extrema direita de Jair Bolsonaro, cujo desprezo à lei e à ciência ameaça este patrimônio que, antes de pertencer à humanidade, é dos brasileiros.


Texto em português do Brasil


 
 
 

Ver original em 'O TORNADO' na seguinte ligação:

https://www.jornaltornado.pt/a-amazonia-e-nossa/

Artigos relacionados

A Amazónia continua a arder
A Amazónia continua a arder As notícias foram-se tornando cada vez mais escassas, mas a Amazónia não parou de arder. Poderá continuar a dizer-se que... 16 views Tue, 17 Sep 2019, 03:14:21
O VÓMITO NAZI DE BOLSONARO  – por Soares Novais
O VÓMITO NAZI DE BOLSONARO – por Soares Novais Mural dedicado a Victor Jara, no Bairro Brasil, em Santiago   Ver original em 'A viage... 20 views Mon, 09 Sep 2019, 00:26:04
Bolsonaro prepara novo golpe trabalhista
Bolsonaro prepara novo golpe trabalhista Na surdina, sem consultar as centrais sindicais, Jair Bolsonaro acaba de criar um grupo especial para elaborar uma... 14 views Sun, 08 Sep 2019, 16:25:29
Repudiamos a ofensiva de Bolsonaro contra a Venezuela na ONU
Repudiamos a ofensiva de Bolsonaro contra a Venezuela na ONU CEBRAPAZ repudia a iniciativa de Bolsonaro contra a Venezuela na ONU, que vilipendia a diplomacia, e a submissão dos i... 37 views Mon, 16 Sep 2019, 11:32:25
Esquema com Odebrecht: casal Garotinho é preso no Rio de Janeiro
Esquema com Odebrecht: casal Garotinho é preso no Rio de Janeiro Ricardo Borges/Folhapress Nesta terça-feira (3), uma operação do Ministério Público do Rio de Janeiro prendeu... 26 views Tue, 03 Sep 2019, 18:12:27
Achegas sobre a floresta amazónica Recebemos um abundante correio sobre a polémica relativa aos incêndios na Amazónia. Ninguém contesta as nossas infor... 12 views Mon, 02 Sep 2019, 18:00:58

Ambiente, Brasil

  • Criado em .

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Últimos posts

Itens com Pin
Atividades Recentes
  • Vasco Graça updated his profile
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
Aqui ainda não existem atividades
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate