• Administrador

Mais uma faculdade privada para pagarmos a qualquer preço

0016

Provavelmente o Presidente da Câmara de Cascais é um dos que pensa que Maquiavel teria dito que 'os fins justificam os meios'. Como "quer ver instaladas no concelho seis faculdades" entende que os cascalenses estão dispostos a pagar qualquer preço para satisfazer esse seu objetivo.

Nem Maquiavel disse tal frase nem é verdade que a instalação de uma  faculdade (ou seis) em Cascais justifique qualquer negócio danoso para o concelho e para os que nele pagam os seus impostos.Muito menos quando tal sanha pseudo-educativa, financiada com os dinheiros dos cascalenses, é posta ao serviço do fundamentalismo ideológico de promoção do ensino privado para minorias economicamente abastadas.

A oferta a preço de saldo do antigo Hospital de Cascais ao Grupo FOSUN, para aí instalar mais um hospital privado do Grupo Luz, aparece 'justificada', pela maioria da Câmara, com a pretensão de abrir um curso de saúde da Universidade Católica. Mas afinal qual é a verdadeira substância de mais este 'notável' empreendimento do Presidente da edilidade ?

Sabemos que em reunião de Câmara, no dia 13 de fevereiro,  foi votada a proposta de Protocolo a celebrar com a Universidade Católica. Essa proposta foi aprovado por maioria com os votos favoráveis dos vereadores do PSD/CDS , com 3 votos contra dos Vereadores Manuel Mendes e Maria Teresa Gago do PS e do Vereador Clemente Alves do PCP e com 1 abstenção da Vereadora Isabel Magalhães do Movimento Independente "Ser Cascais”, não estando presentes na sala os Vereadores  Alexandre Sargento do PS e Ricardo Baptista Leite  do PSD/CDS.

De acordo com o que foi decidido a Câmara de Cascais compromete-se a:

00141) Demolir aquele que foi o edifício dos SMAS situado em frente do antigo Hospital de Cascais.

2) Construir (e pagar) um novo edifício em conformidade com um projeto que a Universidade Católica lhe há-de fornecer.

3) Responsabilizar-se perante a Universidade Católica por algum defeito que o novo edifício possa vir  a ter e proceder à sua correção

4) Obrigar-se a arrendar o novo edifício à Universidade Católica nada sendo dito sobre se esse arrendamento é a preço simbólico ou por algum outro qualquer  valor.

 Como contrapartida a Universidade Católica compromete-se a:

1) "Realizar os seus melhores esforços para, em conjunto com a Universidade de Maastricht e o Grupo Luz Saúde, lograr obter a acreditação do curso de medicina que pretende lecionar, não podendo no entanto garantir que tal venha a suceder" (sic)
00152) Caso não venha a verificar-se a acreditação do almejado curso a Universidade Católica negociará "a possível afetação, total ou parcial, do mesmo [novo edifício] a outros fins".

3) Na vigência do protocolo atribuir, a munícipes de Cascais, cinco bolsas de estudos em cursos da Universidade Católica.

4) Participar num grupo de trabalho para "acompanhamento das obras de construção do Novo Edifício".

Este Protocolo tem como pressuposto que a Câmara de Cascais ceda à FOSUN (grupo Luz Saúde, SA) os três edifícios onde estes pretendem construir um hospital privado.

Entretanto é do conhecimento público que:

A) As Universidades hoje existentes têm capacidade suficiente para a formação dos médicos e enfermeiros necessários ao país.

B) Todas as sucessivas pretensões de Universidades privadas (entre outras a Católica, a Lusófona, a Fernando Pessoa e o Instituto Piaget) para abrirem novos cursos de medicina têm sido sempre (bem) recusadas.

C) A Universidade Nova de Lisboa estabeleceu uma parceria com o Grupo Mello Saúde (Tagus Academic Network for Knowledge - TANK) para a investigação e a formação médica.

 D) Neste momento apenas há uma provável continuidade da anterior pretensão (reprovada) da Universidade Católica para abrir uma faculdade de medicina mas que não foi sequer novamente presente para acreditação.

Neste quadro é lícito pensar que:

1) Este projeto de Protocolo com a Universidade Católica não é, pelo menos por ora, mais do que um encobrimento para o negócio privado de criação de um hospital particular à custa da venda 'muito favorável' do edifício do antigo Hospital de Cascais (e mais dois edifícios contíguos). Note-se que idêntica estratégia foi anteriormente seguida pela CMC quando pretendeu viabilizar um mega-empreendimento da Norfim 'alindando-o' com a inclusão de uma Academia Aga Khan.

 2) O Protocolo proposto para ser assinado com a Universidade Católica evidencia (tal como já aconteceu com a Nova Escola de Negócios, em Carcavelos) que a `maioria (PSD/CDS) da Câmara de Cascais está disposta a pagar qualquer preço (com o dinheiro dos cascalenses) ao serviço da sua obsessão de promover um ensino privado destinado a uma muito pequena minoria de portugueses que pode pagar a frequência de tais cursos.

Provavelmente o senhor Presidente da Câmara de Cascais até sabe que Nicolau Maquiavel nunca escreveu que os fins justificam os meios mas acredita, tal como Maquiavel, que em política  "todos veem o que você parece ser, poucos veem o que você realmente é".

 

  • Criado em .

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate

Para estar informado(a)

Registo para receber a informação da Plataforma Cascais

captcha