• Vítor Burity da Silva, Angola in 'O TORNADO'

O meu corpo jaz vivo pelo deserto

Prego no deserto a insolvência da minha voz contra as quatro paredes do nada, ninguém me ouve porque estamos já todos mortos neste calafrio do desprezo.

O meu corpo jaz vivo pelo deserto. Das ideias. Do mistério. Prego no deserto a insolvência da minha voz contra as quatro paredes do nada, ninguém me ouve porque estamos já todos mortos neste calafrio do desprezo.

Ouvir de longe o silêncio e pasmar, quem sabe um dia cantarei para contentar os meus fantasmas neste areal disperso da cor de tédios envernizados pelo cansaço que o verde das ideias planeia, um fantasma nos subúrbios dos prazeres vendidos ao desbarato para enganar a agonia que resta ainda assim nesta barriga vazia de sonhos.

Dizem ser trauma os alemães, um sonho nunca é coisa alguma, mas talvez isso mesmo e deles se aprende além das guerras que venderam às mortes dissimuladas pela ganância, ensinaram-me que ninguém sonha, tudo o mais é trauma.

Ainda assim, mesmo não sonhando, sinto-me num deserto inerte de ideias que me baralharam os passos, titubeantes e cambaleados como telhas mal colocadas nesta coluna vertebral de dinossauro. Aí sim, o sarau começará dentro de horas para que se divirtam parasitas nas colunas brancas de um jornal inventado para contentar quem sabe ou não ler.

“que importa ler o que não escrito?”

Adocicados remédios para me alimentarem de insulina nesta diabetes de verdetes plantados no coração da coragem, e como precisamos de coragem para não desistir de viagens que nesta altura apenas cansarão e fartaram tal a falta de ideias, arreigados à democracia calamo-nos como mandam os mandamentos da bíblia que todos inventam, cada um possui uma diferente para disfarçar o esgotamento das ideias e alimentarem-nos como pasmos e placebos numa lâmina da farmácia da esquina e a gente sentados à porta esperando pela nossa vez por uma morte digna como tiveram as insanas que nunca tiveram dores sequer.

Os cemitérios iluminados de paz e o deserto tão longe, esta metafísica ancestral que nos alimenta mesmo parados diante do dilúvio encarnado na essência e nos valores da humanidade, sim, valemos apenas pelo registo que deixamos como escamas nas camas de defuntos embelezados pela saudade.


 

Ver original no jornal 'TORNADO' na seguinte ligação:

https://www.jornaltornado.pt/o-meu-corpo-jaz-vivo-pelo-deserto/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=o-meu-corpo-jaz-vivo-pelo-deserto

Comentários (0)

Rated 0 out of 5 based on 0 voters
There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
Rate this post:
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location
O meu corpo jaz vivo pelo deserto
Note 0 sur 5 Pour 0 votes

Publicações mais recentes

Últimos posts (Conversando à beira-mar)

Itens com Pin
Atividades Recentes
  • LEGALIZAÇÃO DAS CASAS DE PROSTITUIÇÃO

    Um debate que provavelmente vai ganhar dimensão.
    Legalização da prostituição - petição apresentada na A.R
    Gravação da reunião na Assembleia da República
    0
    0
    0
    0
    0
    0
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
  • Homicidal Cops Caught On Police Radio
    #TheJimmyDoreShow
    Homicidal Cops Caught On Police Radio
    42 219 visualizações
    •05/06/2020
    0
    0
    0
    0
    0
    0
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
Aqui ainda não existem atividades

página no Facebook

[an error occurred while processing this directive]
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate