• Página Global

EUA | Silicon Valley viola a liberdade de expressão. Está na hora de acabar


Robert Bridge* | Strategic Culture

Em algum lugar ao longo do caminho do desenvolvimento da América, as empresas foram abençoadas não apenas com a "personalidade", mas com o poder de sancionar que tipo de mensagem era permitido entrar no domínio público. Sejamos claros: esse tipo de controle corporativo, que beira o puro fascismo, não tem lugar na democracia.

Não há necessidade de perguntar. Não há necessidade de ser educado. Não há necessidade de debater. Só é necessário apontar a Primeira Emenda da Constituição dos EUA para que esse direito humano fundamental, inscrito na lei há mais de 200 anos, seja devolvido ao povo americano.

“O Congresso não fará nenhuma lei respeitando um estabelecimento de religião ou proibindo o livre exercício do mesmo; ou abreviar a liberdade de expressão ou de imprensa; ou o direito do povo de se reunir pacificamente, e de pedir ao governo uma reparação de queixas. ”

Então, como aconteceu que um comando tão direto e inequívoco se tornou tão inatingível na realidade?

 principal fonte de nossa situação atual é que os Pais Fundadores não tinham ideia de em que grau as empresas viriam a dominar cada centímetro quadrado de nossas vidas públicas e privadas. Se eles tivessem sido avisados ​​de alguma maneira dos piratas que se aproximavam logo no horizonte com sérios eixos políticos a triturar, não há dúvida de que eles teriam ajustado as velas da Constituição para se preparar para a invasão. Infelizmente, essa clarividência estava muito além dos poderes psíquicos de qualquer indivíduo na época.


Hoje, a situação com relação ao poder corporativo ficou tão fora de controle que apenas a "pessoa" da corporação é verdadeiramente dotada por seu criador com todo o poder do discurso. Esses onipotentes 'árbitros da verdade' - ou seja, a verdade - agora são controlados por cinco reinos (abaixo dos seis anteriores graças ao casamento entre a Viacom e a CBS), conhecidos como Comcast, Walt Disney, News Corporation, Warner Media e ViacomCBS, cada um deles. dos quais tem muitas dezenas de subsidiárias obedientes sob suas asas.

Agora devemos perguntar: qual é a probabilidade de o americano médio obter alguma aparência de "liberdade de expressão" de qualquer uma dessas potências da mídia? Embora todos os consumidores tenham o 'direito inalienável' de adquirir livremente os serviços de qualquer uma dessas vastas entidades, nossa capacidade de disseminar nossas vozes individuais em um de seus centenas de canais é risível. Além da carta ocasional ao editor ou coluna de convidado, o "poder do povo" diante desses senhores da empresa é unicamente o de espectador passivo emasculado. Este é um fato da vida que políticos populares como Ron Paul e Tulsi Gabbard e seus fiéis seguidores aprenderam da maneira mais difícil.

E assim como no campo político, a variedade de mensagens disponíveis é enganosamente ampla e perigosamente rasa, enquanto o Santo Graal da "inclinação editorial" é obsessivamente protegido de todo e qualquer apóstata. Em meio a essas condições medievais, o indivíduo que espera ter sua voz ouvida no domínio público pode querer seguir o caminho da mídia social, cortesia do Google, YouTube, Facebook ou Twitter. Aqui também nosso nómada solitário - especialmente se ele é mais conservador - colidirá de frente com um muro impenetrável conhecido como censura ou sendo "proibido pelas sombras".

Por trás das muralhas dessas fortalezas do Vale do Silício, os engenheiros usam algoritmos de maneiras que nós, meros mortais, só podemos imaginar. No entanto, graças a alguns corajosos dissidentes internos (aqui e aqui), bem como a "gritadores" acidentais, conseguimos vislumbrar por trás da cortina de ferro. Em poucas palavras, fornece uma imagem menos que brilhante que nada tem em comum com os princípios democráticos. Ao mesmo tempo, o Google, como o principal 'árbitro da verdade' hoje em dia, resolveu literalmente reescrever os livros de história de acordo com o evangelho do liberalismo. Se você não acredita, basta fazer uma pesquisa no Google sobre 'inventores americanos brancos' e isso informará tudo o que você precisa saber.

Essas empresas de TI infinitamente poderosas, que se associaram a organizações notoriamente tendenciosas e anti-conservadoras, como a ADL e o Southern Poverty Law Center, não têm como censurar seus usuários. Essas plataformas, protegidas pela Seção 230 da Lei de Decência das Comunicações de 1996, são projetadas como veículos para postar ideias, por mais selvagens ou mesmo conspiratórias que possam parecer para alguns observadores. Em outras palavras, as plataformas não são editores tradicionais no sentido de que são legalmente responsáveis ​​pelo conteúdo que aparece em seus sites. No caso de proibir ou alterar o significado do conteúdo, eles podem perder as proteções que foram concedidas sob a Seção 230. Desde que o usuário da plataforma não esteja pedindo violência, seus pontos de vista, de acordo com o Primeiro Emenda, tem todo o direito de ser ouvido.

Esses privilégios usufruídos pelos titãs das mídias sociais foram questionados esta semana, quando ninguém menos que o presidente Donald Trump teve seus posts nas mídias sociais contestados pelo Twitter - duas vezes.

O líder dos EUA escreveu no Twitter para seus 80 milhões de seguidores: “Não há nenhuma maneira (ZERO!) De que as cédulas por correio sejam algo menos do que substancialmente fraudulentas. As caixas de correio serão roubadas, as cédulas serão falsificadas e até impressas ilegalmente e assinadas de forma fraudulenta.” Ao qual o Twitter anexou um memorando abaixo da mensagem, aconselhando os leitores a “obter informações sobre as cédulas por correio”, com um link que 'desmascara' o que Trump havia escrito.

Em 29 de maio, quando os protestos contra a morte de George Floyd começaram a sair do controle, Trump alertou em um tweet que "Qualquer dificuldade e assumiremos o controle, mas, quando os saques começarem, o tiroteio começará". O Twitter nesta ocasião deu o passo sem precedentes de esconder seu tweet atrás de uma mensagem que acusava Trump de "glorificar a violência".

Este deve ser um alerta para todos os americanos - especialmente porque milhões de pessoas estão lutando para obter informações precisas sobre o coronavírus, além de espalhar tumultos - que, se o presidente dos EUA estiver tendo problemas para garantir sua liberdade de expressão, as chances de a pessoa média é praticamente inexistente.

Embora Trump tenha se mudado para levantar as proteções de que os gigantes das mídias sociais agora desfrutam, resta saber se essa ação aumentará as chances de liberdade de expressão na terra da liberdade ou apenas a levará mais longe. Seja qual for o caso, as perspectivas não parecem promissoras para a Primeira Emenda, e aí está a pior crise que o povo americano enfrenta hoje.

*Robert Bridge
Escritor e jornalista americano.

Ver o original em 'Página Global' na seguinte ligação:

https://paginaglobal.blogspot.com/2020/05/eua-silicon-valley-viola-liberdade-de.html

Artigos relacionados

Hutchinson recorre ao lay-off e aumenta carga horária
Hutchinson recorre ao lay-off e aumenta carga horária Nas fábricas da Hutchinson, o surto epidémico tem sido pretexto para avançar na retirada de direi... 0 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
Cabo Verde felicita ex-ministra que vai ser conselheira de Guterres
Cabo Verde felicita ex-ministra que vai ser conselheira de Guterres O Governo cabo-verdiano felicitou "vivamente" a ex-ministra das Finanças Cristina Duarte pela escolha como nova co... 1 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
Guiné-Bissau | Comunidade internacional "falhou desde o começo"
Guiné-Bissau | Comunidade internacional "falhou desde o começo" Para o analista Diamantino Lopes, a comunidade internacional, em "função dos seus múltiplos interesses", não está ... 2 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
«Democratização» das CCDR: novo truque para adiar a regionalização
«Democratização» das CCDR: novo truque para adiar a regionalização O diploma que altera a orgânica das Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CC... 2 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
Guiné-Bissau | "É uma perda de tempo PAIGC pensar em novo Governo"
Guiné-Bissau | "É uma perda de tempo PAIGC pensar em novo Governo" Palavras são de um deputado do MADEM-G15, na véspera de um debate no Parlamento sobre a situação política e o apel... 2 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
A greve dos entregadores e a volta a um passado sem lei
A greve dos entregadores e a volta a um passado sem lei Roberto Parizotti/Fotos PúblicasO trabalho dos entregadores via aplicativos coloca em evidência precarizaç... 2 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
  • Criado em .

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Últimos posts (Cascais)

Itens com Pin
    Atividades Recentes
    Aqui ainda não existem atividades

    Últimos posts (País e Mundo)

    Itens com Pin
      Atividades Recentes
      • LEGALIZAÇÃO DAS CASAS DE PROSTITUIÇÃO

        Um debate que provavelmente vai ganhar dimensão.
        Legalização da prostituição - petição apresentada na A.R
        Gravação da reunião na Assembleia da República
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      • Homicidal Cops Caught On Police Radio
        #TheJimmyDoreShow
        Homicidal Cops Caught On Police Radio
        42 219 visualizações
        •05/06/2020
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      Aqui ainda não existem atividades
      LOGO4 vert01
      A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
      Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
      exceto quando expressamente assinadas por esta.
       

      SSL Certificate
      SSL Certificate