• Manuel Banet

PARA QUE SERVE UMA CRISE MUNDIAL?

O título deste artigo poderia prestar-se a que as pessoas sorriam. Então, uma crise mundial pode ter aspectos positivos? Não será um nunca acabar de  morte, destruição, misérias? Não será evidente que apenas servirá quem tenha interesse na redução da população mundial (caso de alguns, com muito poderio, económico, institucional e político)? 
É verdade que este título pode parecer uma provocação. 
Porém, as pessoas não são autómatos. Mesmo nos piores momentos, podem exercer o seu livre arbítrio. Podem tornar-se mais sábias, mais lúcidas e mais honestas, em relação a si próprias e à sociedade.     
A existência de momentos de grande sofrimento e provação que já começaram e - penso - irão continuar durante longos anos, é ocasião para vir à tona o que há de pior e de melhor nos humanos. O medo da morte e da falta do essencial para nós próprios e para as nossas famílias corresponde a instintos profundamente ancorados no nosso passado genético e evolutivo. Sabem disso os manipuladores que utilizam as nossas respostas instintivas a esses medos para nos induzir às respostas que lhes convêm. Mas, o nosso instinto de conservação pode nos conduzir a uma tomada de consciência mais aguda do entorno, do ambiente social, humano, não apenas natural. Neste caso, a resposta adaptativa pode conduzir-nos a melhor dosear as atitudes, os comportamentos, à medida dos desafios. 
Um dos mais importantes factores de sobrevivência, que nos acompanha desde os alvores do género Homo, é de prever as situações futuras. Mesmo os Homo habilis de há vários milhões de anos, comprovadamente faziam isso, ao esculpir um tosco instrumento de pedra que não se destinava a ser utilizado imediatamente e no local da sua confecção. Havia portanto intenção e previsão; havia um planeamento, por muito rudimentar que fosse, para utilização dos instrumentos de pedra, em situações futuras.   

A nossa visão da evolução da sociedade e do que se passa ao nível mundial é intrinsecamente parcial e fragmentária. Somos obrigados a trabalhar com dados incompletos, a temos um tempo muito limitado de pesquisa para obter informações fidedignas. Por isso, a maior parte das pessoas, tem de confiar - de dar crédito - aos órgãos de informação de massas, televisões, rádios, jornais de grande circulação...
Esta situação é completamente enganadora, induz-nos em erro e esse efeito pode ser ou não desejado pelos que veiculam essa informação, contaminada pelo ângulo de abordagem da mesma. O que passa por informação, muitas vezes não passa de uma forma de reforçar os estereótipos, os reflexos, normalmente de medo, ódio ou aversão. Outras vezes, trata-se de induzir ou reforçar uma dada visão do problema e do mundo. Nessa ocasião, o que se omite é tão fundamental como o que se informa. Assim, as meias-verdades, funcionam como perfeitas mentiras, pois as pessoas só as podem discernir, se já estiverem ao corrente do que é relatado.

Dou alguns exemplos da minha experiência pessoal:
- Os primeiros dias depois do 25 de Abril de 74, relatados dos grandes órgãos de imprensa europeia: conforme a orientação da mesma, seria um golpe de Estado militar com amplo apoio popular, ou um golpe de comunistas infiltrados no MFA. Eu estava no terreno e via como eram distorcidos os relatos, consoante a obediência ideológica dos correspondentes que cobriam os acontecimentos. 

- A greve nos Estaleiros de Gdandsk (1980), onde o sindicato Solidariedade é reconhecido como sindicato independente, obrigando o governo polaco a negociar: Este triunfo foi saudado por uns e transformado, por outros, em uma «manobra da CIA». Não só eu estava no terreno, como tinha múltiplos contactos que me permitiam ter uma visão bem mais subtil do que as pessoas que (à esquerda e à direita), nos jornais portugueses, misturavam a sua opinião com o que se estava a passar.

- O incêndio do Chiado no Verão de 1988, encontrava-me eu num estágio na Suíça. Foi anunciado como se toda a baixa lisboeta estivesse a ser o repasto das chamas: na verdade, apenas uns quarteirões foram atingidos. O efeito de choque foi explorado pelos jornalistas das televisões: quem visse suas as reportagens em directo, ficaria convencido de que se estava perante o desaparecimento de TODA a baixa pombalina. 

Estas e outras experiências, fizeram com que eu me tornasse muito céptico sobre o que se passa num determinado ponto do globo, sobretudo porque é quase sempre o caso de que não possuo informação fidedigna e não distorcida sobre o mesmo. Prefiro o relato sincero de um amigo ou pessoa não comprometida directamente com uma determinada causa, um testemunho não enviesado. Eu sei que, mesmo uma pessoa bem intencionada, está a veicular a sua versão de um acontecimento. Mas prefiro isto, à reportagem que nos pretende manipular.

No plano pessoal, uma crise mundial deve servir para vermos claramente que estamos muitas vezes a ser manipulados; portanto, não devemos cair na esparrela. Devemos ter muito cuidado ao tirar conclusões. Devemos estar alerta para a nossa tendência interna para ter mais em atenção e dar maior crédito às notícias do nosso agrado, ou as que vão ao encontro dos nossos «a priori», do que as que estejam em contradição com o que gostamos ou pensamos. 
Também serve para se distinguir o essencial do acessório. Permite-nos ver qual é a nossa verdade própria. Se formos honestos connosco próprios, podemos aproveitar a crise para nossos conhecermos. 
No plano social, uma crise serve para encontrar os pontos de confluência com os nossos semelhantes, para colocar em prática o que defendemos em teoria. Uma tal crise, por muito dolorosa que seja, será ainda pior nos mantivermos numa atitude de fechamento egoístico. Pelo contrário, na medida em que consigamos ser mais autónomos e interagirmos uns para com os outros com maior sentido de justiça, podemos aumentar a nossa experiência colectiva e podemos erguer as bases de um novo modo de vida.

Ver o original em 'Manuel Banet' (clique aqui)

Artigos relacionados

Noites de Verão arrancam esta quinta-feira em Montemor-o-Novo
Noites de Verão arrancam esta quinta-feira em Montemor-o-Novo Um cine-concerto, com a pianista Catherine Morisseau a acompanhar curtas-metragens de Charlie Chaplin e Buster Keaton,... 1 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
O fim do dinheiro físico?
O fim do dinheiro físico? (Alexandre Abreu, in Expresso Diário, 09/07/2020)Não é uma perspetiva tão presente como a generalização do teletrabal... 0 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
O insustentável peso de deixar cair
O insustentável peso de deixar cair Para quem não assistiu, vale mesmo muito a pena ver o Choque de Ideias da passada segunda-feira, na RTP3, onde Ricardo P... 0 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
Mujica: Sanções económicas têm forte impacto no povo venezuelano
Mujica: Sanções económicas têm forte impacto no povo venezuelano O embaixador venezuelano em Paris, Michel Mujica, denuncia que a cruzada dos EUA e de países da Europa contra o... 0 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
Trabalhadores protestam contra lay-off nas rodoviárias
Trabalhadores protestam contra lay-off nas rodoviárias Em vários pontos do País, estes trabalhadores rejeitam o prolongamento do lay-off, que penaliza os seus ... 1 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
EUA: Supremo Tribunal corta planeamento familiar gratuito
EUA: Supremo Tribunal corta planeamento familiar gratuito O Supremo apoiou o governo de Trump e a garantia do controlo de natalidade gratuito nos seguros de saúde desapa... 1 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
  • Criado em .

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Últimos posts (Cascais)

Itens com Pin
    Atividades Recentes
    Aqui ainda não existem atividades

    Últimos posts (País e Mundo)

    Itens com Pin
      Atividades Recentes
      • LEGALIZAÇÃO DAS CASAS DE PROSTITUIÇÃO

        Um debate que provavelmente vai ganhar dimensão.
        Legalização da prostituição - petição apresentada na A.R
        Gravação da reunião na Assembleia da República
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      • Homicidal Cops Caught On Police Radio
        #TheJimmyDoreShow
        Homicidal Cops Caught On Police Radio
        42 219 visualizações
        •05/06/2020
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      Aqui ainda não existem atividades
      LOGO4 vert01
      A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
      Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
      exceto quando expressamente assinadas por esta.
       

      SSL Certificate
      SSL Certificate