• Página Global

Sindicato dos juízes exige investigação urgente ao Tribunal da Relação de Lisboa

 
 
Ex-presidente do tribunal é suspeito de estar envolvido na viciação da distribuição de processos aos juízes, que deve ser feita por sorteio. Conselho Superior da Magistratura diz que já tinha em curso averiguação preliminar.
 
A Associação Sindical dos Juízes Portugueses quer uma sindicância urgente à distribuição de processos no Tribunal da Relação de Lisboa. Uma sindicância é um processo de averiguação administrativa sobre o funcionamento das instituições.
 
A posição surge na sequência da notícia de que o ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Luís Vaz das Neves, foi constituído arguido na Operação Lex, processo em que já figuravam como suspeitos o desembargador Rui Rangel e a sua ex-mulher e juíza Fátima Galante.
 
A informação de que Vaz das Neves é arguido na Operação Lex surgiu após a TVI ter noticiado que o ex-presidente do Tribunal da Relação estaria envolvido no viciamento da distribuição de processos. Pelas regras habituais o sorteio dos processos entre os juízes que compõem as diferentes secções dos tribunais é automático, mas há situações que permitem que seja manual.
 
“É essencial apurar se houve escolha de processos para juízes ou de juízes para processos, por razões desviadas e fora das regras que determinam a distribuição aleatória, se essa escolha, a ter ocorrido, teve influência na decisão final e, se for esse o caso, quem tomou essas decisões e porquê”, afirma a associação sindical no comunicado em que pede ao Conselho Superior da Magistratura para desencadear a sindicância. 
 
“Se nessa sindicância forem apurados indícios de infracção disciplinar ou criminal, o Conselho Superior da Magistratura deve actuar em conformidade, instaurando os procedimentos disciplinares adequados, fazendo as necessárias participações criminais ao Ministério Público e prestando informação pública completa, dentro dos limites legais, que possa tranquilizar os cidadãos sobre a confiança e transparência e integridade do sistema de justiça”, preconiza. 
 
 
Para a associação sindical, nem os juízes cumpridores dos seus deveres podem ficar “sob um manto de suspeição injusta e perturbadora do adequado desempenho da função”, nem os cidadãos "podem ter dúvidas sobre a imparcialidade dos seus tribunais” e sobre a integridade de quem neles trabalha.
 
Posição idêntica assumiu também o bastonário dos advogados, Menezes Leitão. Em declarações à TSF, este dirigente defendeu ser “muito importante que o Conselho Superior de Magistratura informe o que se está a passar com o sistema de distribuição electrónica nos tribunais e que garanta que uma situação deste género, se existiu, não se possa repetir”.
 
“Se se verificou uma situação deste tipo - isso está por apurar, mas só haver essa suspeita já é de grande gravidade -, toda a confiança dos cidadãos no sistema de justiça pode ser posta em causa”, observou o bastonário. 
 
“As investigações devem ser levadas até ao fim, independentemente de quem forem os implicados”, diz por seu turno o presidente do Sindicato de Magistrados do Ministério Público, António Ventinhas, que se recusa a debruçar-se sobre o caso concreto. Ainda assim, o magistrado recorda que, a provar-se, a viciação da distribuição de processos pode constituir crime, se se destinar a beneficiar alguém. 
 
Entretanto, o actual presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Orlando Nascimento - que a notícia da TVI também implica neste caso - fez publicar um comunicado em que assegura que a distribuição de processos se realiza “através de um programa informático, com aleatoriedade e cumprimento do quadro legal”. E que as decisões dos juízes “são elaboradas com isenção, imparcialidade e preocupação com a defesa do interesse público”. 
 
Explicando que não pode pronunciar-se publicamente sobre este caso concreto, Orlando Nascimento sempre vai adiantando que tem vindo a prestar ao Supremo Tribunal de Justiça - que investiga o caso Lex juntamente com o Departamento Central de Investigação e Acção Penal -, ao Ministério Público e ao Conselho Superior da Magistratura “as informações necessárias ao exercício das suas competências”. 
 
Entretanto, o Conselho Superior da Magistratura acabou de revelar que já tinha em curso uma averiguação preliminar sobre a regularidade dos procedimentos de distribuição no Tribunal da Relação de Lisboa, cujos primeiros resultados serão apresentados em reunião plenária deste órgão de controlo dos juízes no próximo dia 3 de Março.
 

Imagem: Manuel Ramos Soares, presidente da Associação Sindical dos Juízes Portugueses / Rui Gaudêncio
 
Leia em Público:
 

Ver o original em 'Página Global' na seguinte ligação:

https://paginaglobal.blogspot.com/2020/02/sindicato-dos-juizes-exige-investigacao.html

Artigos relacionados

Presidenciais: clivagem errada
Presidenciais: clivagem errada (Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 14/07/2020) Daniel Oliveira Pedro Nuno Santos  uma coisa escandalosa das várias ... 2 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
Brasil | As crianças que nos governam e como vencê-las
Brasil | As crianças que nos governam e como vencê-las #Escrito e publicado em português do BrasilPilhadas em crimes, reagem aos pulinhos, xingando e vociferando: “te... 3 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
Sob a bandeira tricolor que ondula em Camp Darby,  Manlio Dinucci
Sob a bandeira tricolor que ondula em Camp Darby, Manlio Dinucci O Ministro da Defesa, Lorenzo Guerini, Inspecciona o novo quartel general do COMFOSE. Se bem que muitas actividades blo... 3 views Tue, 14 Jul 2020, 11:01:19
Portugal | Justiça? Deixem-nos rir!
Portugal | Justiça? Deixem-nos rir! Hoje há Curto, amanhã não sabemos. O de hoje, apresentado seguidamente, surge a mostrar a justiça ou "justiça" lusa c... 1 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
Trocas comerciais entre Portugal e China crescem 10,6% em maio
Trocas comerciais entre Portugal e China crescem 10,6% em maio Macau, China, 14 jul 2020 (Lusa) -- As trocas comerciais entre Lisboa e Pequim aumentaram 10,6% em maio, em relaçã... 1 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
Ativistas de Hong Kong acusados de organizarem manifestação não autori...
Ativistas de Hong Kong acusados de organizarem manifestação não autori... Pequim, 13 jul 2020 (Lusa) - Treze personalidades do movimento pró-democracia de Hong Kong compareceram hoje em tr... 1 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
  • Criado em .

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Últimos posts (Cascais)

Itens com Pin
    Atividades Recentes
    Aqui ainda não existem atividades

    Últimos posts (País e Mundo)

    Itens com Pin
      Atividades Recentes
      • LEGALIZAÇÃO DAS CASAS DE PROSTITUIÇÃO

        Um debate que provavelmente vai ganhar dimensão.
        Legalização da prostituição - petição apresentada na A.R
        Gravação da reunião na Assembleia da República
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      • Homicidal Cops Caught On Police Radio
        #TheJimmyDoreShow
        Homicidal Cops Caught On Police Radio
        42 219 visualizações
        •05/06/2020
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      Aqui ainda não existem atividades
      LOGO4 vert01
      A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
      Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
      exceto quando expressamente assinadas por esta.
       

      SSL Certificate
      SSL Certificate