• Jornal Tornado in 'O TORNADO'

O dia em que perdemos Zé do Caixão e o Cinearte

A grande Mostra Internacional de Cinema de São Paulo tinha no Cinearte/Conjunto Nacional uma espécie de bunker.

Quem mora em São Paulo e gosta de cinema teve ontem, de uma tacada só, duas más notícias: o fechamento do Cinearte e a morte de José Mojica Marins, o Zé do Caixão.

Falo primeiro da segunda notícia. Embora não morra de amores pelos filmes do Zé do Caixão, aprendi a respeitar essa figura fantástica – talvez o mais original dos nossos cineastas. As “personas” do cinema brasileiro saíam de cena uma e uma. Zé do Caixão permaneceu no nosso imaginário por um tempo maior – mais de 50 anos. Muitos de nós, aliás, o conhecemos mais pela TV (no velho Cine Trash, da Band) do que no cinema.

Em 2001, numa ida ao Sintratel (Sindicato dos Trabalhadores em Telemarketing), na Rua Doutor Frederico Steidel, na Santa Cecília, uma dirigente sindical me disse: “André, sabe quem é aquela figura do outro lado da rua?”. Era ele – o próprio Zé do Caixão. Deixei de assessorar o Sintratel, mas fui muitas vezes à Frederico Steidel por outra razão: era lá que meu saudoso amigo e camarada Joel Batista estacionava o carro. Quando eu o acompanhava a fim de pegar uma carona para casa, nos idos de 2010 e 2011, volta e meia me deparava com o Zé do Caixão andando pela calçada.

A única vez em consegui vê-lo no cinema foi em 2008, na estreia de Encarnação do Demônio, um dia depois do meu aniversário. O filme não chega a ser ruim, mas é difícil dissociar ator e personagem quando o elenco conta com Jece Valadão, Zé Celso Martinez Corrêa e o próprio Zé do Caixão – só para ficarmos nos mais conhecidos. Valeu a experiência!

O Cinearte, por outro lado, sempre foi uma de minhas salas de cinema preferidas. Fica num lugar igualmente benquisto – o Conjunto Nacional, que, de quebra, abriga a Livraria Cultura. Um hábito que cultivei por muito tempo foi chegar lá meia-horinha antes de uma sessão, tomar um bom expresso duplo num dos quiosques, assistir ao filme e depois passear pela Cultura. Fiz isso dezenas de vezes – e sei que não sou o único.

A grande Mostra Internacional de Cinema de São Paulo tinha no Cinearte/Conjunto Nacional uma espécie de bunker. Ali se vendiam catálogos, ingressos, camisas, canetas e canecas da Mostra. Por muito tempo, os melhores debates de cada edição aconteciam lá. Um desses debates foi marcante para mim, a ponto de eu me lembrar até da data: 25 de outubro de 2005.

Corria a 29ª edição, quando o evento se chamava “Mostra BR de Cinema” e seu idealizador, o Leon Cakoff, ainda estava entre nós. Fernando Meireles acabara de lançar O Jardineiro Fiel e faria um bate-papo com o também saudoso Rubens Ewald Filho. Na época, minha companheira e eu morávamos, estudávamos, trabalhávamos e, claro, curtíamos cinema juntos. Só que, na noite anterior, tivemos a pior briga do mundo – aquela que deixou claro que a relação havia chegado ao fim. Cada um dormiu num canto, mas tínhamos a faculdade de jornalismo e a obrigação de terminar nosso trabalho compartilhado de conclusão de curso – um livro de entrevistas com críticos de cinema. Combinamos, então, de nos encontrar lá. Como se nada tivesse acontecido, chegamos com uma hora de antecedência, sentamos, planejamos umas entrevistas, aproveitamos o debate e conseguimos atenuar o clima ruim. O cinema faz milagre!

Vi filmes no Cinearte de manhã (lembro a cabine de Durval Discos), à tarde, à noite e até de madrugada (na pré-estreia de Tiros em Columbine). Houve uma ou duas vezes em que fui o único espectador a pagar ingresso – e, mesmo assim, não suspenderam a sessão.

Quando comecei a frequentar o Cinearte, a concorrência no circuito Avenida Paulista/Rua Augusta era brutal. Frequentei algumas salas que já se foram, como o Top Cine e o Gemini. Vi surgir a Reserva Cultural (onde eu tinha desconto por ser estudante da Faculdade Cásper Líbero). Fui à reabertura do Bristol. Acompanhei o vaivém do Belas Artes, a troca de nome do Espaço Unibanco de Cinema (agora Espaço Itaú). Tomei umas cervejas enquanto via filme no bar no CineSesc.

Mas, para ficar numa sessão memorável, volto ao dia 7 de setembro de 2002, um sábado. Vários amigos da faculdade combinamos de passar a tarde na casa do Fernando Damasceno e depois ir ao Cinearte para ver Cidade de Deus. Salvo engano, éramos dez ou mais. Vai me faltar memória, mas estavam lá o Renato Torelli, o Guilherme Felitti, a Mariana De Lucca, a Paula Andrade, a Mariana Brambilla Basso, a Karin Hetschko, a Cristina Morgado, a Ana Paula Sousa, a Tatiana Napoli Ament e não lembro mais quem. No finzinho do filme, o personagem Buscapé faz um comentário bem depreciativo às mulheres jornalistas – o que rendeu boas risadas no pós-sessão. E acho que ainda fomos comer uma pizza, ou algo do tipo, pela região.

Enquanto escrevo estas linhas, as duas salas do Cinearte exibem as últimas sessões na história desse bom e velho cinema de rua – ou, vá lá, de boulevard. Os multiplexes cinemarks da vida venceram, o que valoriza a qualidade da exibição, o conforto, etc. Mas a experiência de tomar um expresso no quiosque do Conjunto Nacional, ver um bom filme no Cinearte e depois folhear uns livros na Cultura será sempre única!


por André Cintra, Jornalista, escritor e membro da equipe do PV  |  Texto original em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Ver original no jornal 'TORNADO' na seguinte ligação:

https://www.jornaltornado.pt/o-dia-em-que-perdemos-ze-do-caixao-e-o-cinearte/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=o-dia-em-que-perdemos-ze-do-caixao-e-o-cinearte

Artigos relacionados

PCP não aprova o Orçamento Suplementar
PCP não aprova o Orçamento Suplementar Os comunistas chumbam um Orçamento que prolonga «o corte de salários a centenas de milhares de tra... 0 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
EUA criticados por açambarcamento de Remdesivir
EUA criticados por açambarcamento de Remdesivir Os Estados Unidos são alvo de críticas crescentes depois de terem anunciado a compra da quase totalidade dos próxi... 1 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
Partido Comunista da China comemorou seu 99º aniversário. 1 de julho de 2020, o Partido Comunista da China comemorou seu 99º aniversário. 99 anos da sua fundação, 71 anos no po... 1 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
A escolha que sobrava para a TAP
A escolha que sobrava para a TAP (Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 02/07/2020) Daniel OliveiraJá o escrevi demasiadas vezes para ter de desenvolv... 4 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
Empresa tenta dissuadir plenários de trabalhadores vidreiros
Empresa tenta dissuadir plenários de trabalhadores vidreiros A administração da Carl Zeiss tentou dissuadir a participação dos trabalhadores nos plen&a... 0 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
Facetas
Facetas Já que se comemoram os 100 anos do nascimento da fadista Amália Rodrigues, tão aproveitada e que se deixou aproveitar pe... 1 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
  • Criado em .

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Últimos posts (Cascais)

Itens com Pin
    Atividades Recentes
    Aqui ainda não existem atividades

    Últimos posts (País e Mundo)

    Itens com Pin
      Atividades Recentes
      • LEGALIZAÇÃO DAS CASAS DE PROSTITUIÇÃO

        Um debate que provavelmente vai ganhar dimensão.
        Legalização da prostituição - petição apresentada na A.R
        Gravação da reunião na Assembleia da República
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      • Homicidal Cops Caught On Police Radio
        #TheJimmyDoreShow
        Homicidal Cops Caught On Police Radio
        42 219 visualizações
        •05/06/2020
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      Aqui ainda não existem atividades
      LOGO4 vert01
      A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
      Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
      exceto quando expressamente assinadas por esta.
       

      SSL Certificate
      SSL Certificate