• Brasil24/7

O bolsonarismo, as milicias e a pós-verdade

 

 

“As convicções são inimigas mais perigosas da verdade do que as mentiras”.

(Friedrich Nietzsche)

O termo “pós-verdade”, com a definição adotada na última década, sobretudo na eleição de Donald Trump e o processo do Brexit, foi usado pela primeira vez em 1992, pelo dramaturgo sérvio-americano Steve Tesich, de acordo com o registro do departamento da Universidade de Oxford, responsável pela elaboração de dicionários. Uma forma razoavelmente simples de explicar o neologismo, é a prevalência da versão artificialmente construída sobre o fato, histórias fabricadas a partir de determinados contextos para parecerem verdades, com vistas a atingir objetivos específicos.

A forma de comunicação pelas chamadas redes sociais potencializa o uso do fenômeno da pós-verdade. No Brasil, o bolsonarismo elevou à enésima potência a capacidade de desvirtuar fatos, para fazer valer sua narrativa.

Nas eleições de 2018, tínhamos um candidato que é pai de cinco filhos com três mulheres diferentes, nem todos oriundos de casamentos. Esse era Jair Bolsonaro. Seu adversário principal, Fernando Haddad, é casado há mais de 30 anos com a mesma mulher, e pai de dois filhos com ela. No entanto, foi o primeiro quem se consolidou como candidato da família cristã. A explicação do evidente paradoxo pode ser encontrada na comunicação, como a informação alcançava a ponta, o eleitor. As fake News são a amostra da pós-verdade na interlocução e influência via redes sociais.

A busca do bolsonarismo pelo controle da verdade por meio da comunicação em redes continuou após a eleição e, recentemente, atingiu seu apogeu. Premidos pelo que pode ser considerado o calcanhar de Aquiles da família Bolsonaro – a ligação com as milícias –, iniciaram um processo de tentar envolver a esquerda em idêntica acusação, na evidente intenção de fazer disputa de narrativa, não a partir de fatos, mas de fantásticas criações desviantes.

 

No último dia 12 de fevereiro, durante audiência da Câmara dos Deputados, sobre a PEC que autoriza a prisão em segunda instância, o ministro e ex-juiz Sérgio Moro lançou a pérola de que o grupo de oposição que fez a redação de seu pacote – alcunhado erroneamente de “anticrime” – retirou as milícias do texto, favorecendo-as.

A fala tentou rebater a acusação de que não investiga as milícias para proteger a família do presidente, mas o fato concreto é que não cabe nominar organizações criminosas em lei, senão em um erro grotesco de técnica legislativa. Além disso, na redação sugerida pelo ministro, a pena para as milícias seria menor. Ainda assim, Moro deu a partida para a narrativa de pós-verdade que intenta unir milicianos à esquerda.

Ato contínuo, a morte de Adriano Magalhães da Nóbrega, ex-capitão da PM do Rio de Janeiro, conhecido como Capitão Adriano, vem a ser o mais incrível episódio de pós-verdade já produzida pelo bolsonarismo.

 

Foragido há um ano, acusado de comandar a mais antiga milícia do Rio, o ex-militar tem um longo histórico de ligações com Flávio Bolsonaro, senador e filho do presidente da República, e com toda a família, tendo recebido homenagem de pai e filho, em seus respectivos mandatos, como um policial exemplar, mesmo após condenações por crimes.

O fato de Adriano Nóbrega ter sido morto pela Polícia Militar da Bahia, estado governado pelo Partido dos Trabalhadores, foi o mote que o bolsonarismo precisava para criar uma versão estapafúrdia e sem qualquer base de veracidade, de ligação e interesse do partido e do Executivo local na morte do miliciano.

Em aplicação direta do comezinho ditado popular segundo o qual “a melhor defesa é o ataque”, Flávio Bolsonaro se mostra em busca de quem teria executado seu amigo miliciano, fazendo postagens de “quem matou Adriano?” e chegando ao requinte de divulgar, nesta terça-feira (18), um vídeo no twitter expondo a autópsia do ex-capitão - vídeo que em seguida se mostraria falso - e fazendo diversas afirmações sobre tortura, execução sumária, queima de arquivo. Seu pai, o presidente, em reforço, afirma que pediu uma perícia independente: “Já tomei as providências legais para que seja feita uma perícia independente. Sem isso vocês não têm como buscar até, quem sabe, quem matou a Marielle. A quem interessa não desvendar a morte da Marielle? Uma perícia independente vai dizer se ele foi torturado, se não foi, a que distância foram os tiros, e tinham dezenas de pessoas cercando a casa. A conduta não é essa, a conduta é cercar e buscar negociação para se render”.

No esforço para criar uma versão factível que os afaste das suspeitas sobre a morte do ex-capitão, os Bolsonaros, pai e filho, apostam no esquecimento coletivo de que nunca colocaram em dúvida a palavra de policiais militares em suas ações, nem mesmo as que terminam em morte de civis; que sempre foram defensores da excludente de ilicitude, que autoriza a polícia a matar sem investigação; que defendem a tortura; que são entusiastas da máxima de que “bandido bom é bandido morto”.

Esqueçamos, pois, como eles pensam de fato, porque a questão agora é virar o jogo. É saírem das cordas das suspeitas de estarem envolvidos com a morte de um ex-policial que, assim como Fabiano Queiroz, convivia de perto com a família, e possuía informações que a sociedade não sabe e não saberá. Virar o jogo implica proclamar que a esquerda é quem tem ligação com as milícias, por mais bizarra e estúpida que possa parecer – e seja de fato – a afirmação.

É uma espécie de ditadura da palavra, de quem se imagina com o poder de dizer o que são os fatos, moldá-los e modificá-los ao seu bel prazer, para que se transmutem no que lhes interessa.

Nessa guerra, não basta apenas contraditar, porque não estamos na seara da disputa democrática de ideias. A tarefa política de quem defende a adoção de critérios éticos-morais no debate público é cada dia mais desafiante e requer, sobretudo, aprendizado. A consciência de que precisamos forjar novas ferramentas para enfrentar o cinismo militante, eleito à categoria de narrativa, representado pelo bolsonarismo.

Ver o original em 'Brasil24/7' na seguinte ligação:

https://www.brasil247.com/blog/o-bolsonarismo-as-milicias-e-a-pos-verdade

Artigos relacionados

Mais de 80 milionários defendem taxar super ricos
Mais de 80 milionários defendem taxar super ricos Reprodução/Walt Disney CompanyA maioria dos signatários vem dos Estados Unidos, além de milionários alemãe... 1 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
Rock: uma autêntica expressão da sociedade industrial
Rock: uma autêntica expressão da sociedade industrial Carolina RuyO rock and roll é o grande fenômeno mundial de massas surgido em meados do século passado, e q... 1 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
Mundo em transição – os processos internacionais revelados e acelerado...
Mundo em transição – os processos internacionais revelados e acelerado... Em que mundo nos encontramos? A pandemia do novo coronavírus produziu o maior acontecimento político e ec... 1 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
Portugal | Caso BES. Salgado acusado de 65 crimes incluindo associação...
Portugal | Caso BES. Salgado acusado de 65 crimes incluindo associação... O ex-presidente do Banco Espírito Santo (BES) Ricardo Salgado foi na terça-feira acusado de 65 crimes, incluindo a... 6 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
Número de mortos em África sobe para 13.456 em quase 611 mil casos
Número de mortos em África sobe para 13.456 em quase 611 mil casos Onúmero de mortos em África devido à covid-19 subiu hoje para 13.456, mais 218 nas últimas 24 horas, em quase 611 ... 1 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
EUA com 850 mortos e mais de 63 mil infeções nas últimas 24 horas
EUA com 850 mortos e mais de 63 mil infeções nas últimas 24 horas Os Estados Unidos registaram 850 mortes causadas pela covid-19 e 63.262 novas infeções nas últimas 24 horas, indic... 2 views Mon, 30 Nov -1, 00:00:00
  • Criado em .

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Últimos posts (Cascais)

Itens com Pin
    Atividades Recentes
    Aqui ainda não existem atividades

    Últimos posts (País e Mundo)

    Itens com Pin
      Atividades Recentes
      • LEGALIZAÇÃO DAS CASAS DE PROSTITUIÇÃO

        Um debate que provavelmente vai ganhar dimensão.
        Legalização da prostituição - petição apresentada na A.R
        Gravação da reunião na Assembleia da República
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      • Homicidal Cops Caught On Police Radio
        #TheJimmyDoreShow
        Homicidal Cops Caught On Police Radio
        42 219 visualizações
        •05/06/2020
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      Aqui ainda não existem atividades
      LOGO4 vert01
      A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
      Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
      exceto quando expressamente assinadas por esta.
       

      SSL Certificate
      SSL Certificate