• MC in ZAP

Trump, Macron, Merkel. O ADN dos líderes mundiais está à venda (por uma boa razão)

 

Uma organização anónima chamada de Earnest Project está a oferecer a possibilidade de possuir amostras de ADN de líderes mundiais e celebridades. 

 

O grupo alega que colheu clandestinamente objetos descartados pelos participantes do Fórum Económico Mundial de 2018 em Davos, na Suíça, que podem conter o seu ADN. Pessoas como o presidente norte-americano Donald Trump, o presidente francês Emmanuel Macron, a chanceler alemã Angela Merkel e o músico Elton John participaram na conferência.

De acordo com o OneZero, o grupo compilou estes artefactos – guardanapos, copos de café de papel, jarras de vidro, filtros de cigarro – num catálogo online chamado “Coleção Davos”. Um fio de cabelo humano está listado entre 1.200 e 3 mil dólares e um garfo usado tem um valor estimado de até 36.500 dólares. Um copo de vinho é avaliado em até 65 mil dólares. Nenhum dos objetos é identificado com nomes, mas supõe-se que tenham sido usados por líderes ou celebridades do fórum.

O Earnest Project está a planear leiloar os objetos para aumentar a consciencialização sobre o “capitalismo da vigilância”, a prática de monetizar dados pessoais das pessoas.  “Ao colher e vender dados vitais e sensíveis das pessoas mais poderosas do planeta, esperamos incentivar uma reação visceral contra o capitalismo de vigilância entre a elite”, disse o Earnest Project, em declarações ao OneZero. “Estamos todos constantemente a depositar o nosso ADN ao nosso redor e em objetos descartados. É muito fácil colher o ADN de um alvo”.

É quase impossível saber se os objetos foram realmente colhidos dos líderes mundiais em Davos. Mesmo que seja apenas um truque publicitário, a ideia do catálogo de ADN suscita preocupações sobre o futuro da privacidade e dos dados genéticos.

Agora que os testes genéticos estão a ficar mais baratos e as empresas estão a desenvolver dispositivos portáteis de sequenciamento de ADN, a possibilidade de alguém usar o nosso ADN contra nós já não é a assim tão distante.

Nos Estados Unidos, não há leis federais que proíbam a prática de roubar o ADN de alguém. Nos Estados Unidos, se tirarmos fisicamente um “espécime biológico” de alguém, como arrancar um cabelo, isso infringiria os direitos dessa pessoa. Porém, a garrafa de água que deixamos no lixo ou fio de cabelo deixado numa casa de banho público são propriedade abandonada.

Por outro lado, o Reino Unido reconhece o roubo de ADN como crime desde 2006. O Regulamento Geral de Proteção de Dados da União Europeia coloca novas salvaguardas de privacidade em dados genéticos.

O que poderíamos fazer com o ADN de alguém?

Se tivermos acesso ao ADN de alguém, poderíamos saber todos os detalhes íntimos sobre uma pessoa – os seus riscos à saúde, relacionamentos biológicos e ancestralidade.

É possível determinar se alguém tem variantes genéticas que aumentam o risco de certas doenças. Por exemplo, algumas variantes dos genes BRCA1 e BRCA2 foram associadas a um maior risco de cancro de mama e ovário. Uma mutação no gene APOE aumenta o risco de uma pessoa para a doença de Alzheimer de início precoce.

Estas informações podem ser prejudiciais se tornadas públicas. Um CEO cujo perfil genético indique um risco aumentado de Alzheimer pode fazer com que as ações da empresa caiam. A predisposição de um candidato político a doenças cardíacas pode desencorajar os eleitores.

A estrutura em dupla-hélice do ADN

O ADN pode revelar detalhes desconfortáveis ​​sobre relacionamentos biológicos, como se alguém é adotado ou tem um filho biológico que desconhecem. Uma amostra de ADN de um líder mundial poderia revelar se teve filhos fora do casamento. Recentemente, o antigo Rei da Bélgica, Alberto II, submeteu-se a um teste de ADN, tendo os resultados mostrado que é pai de uma mulher de 51 anos, que nasceu de uma relação extraconjugal.

Com o ADN, também é possível conectar crimes aos seus autores. Recentemente, a jornalista Jean Carroll, que acusou o presidente Trump de violação na década de 1990, disse que está à procura de uma amostra de ADN para determinar se combina com o material de ADN do vestido que usava durante o suposto ataque. Se o DNA for compatível, o caso de Carroll pode ter mais peso em tribunal.

Vários casos de assassínios já foram resolvidos graças a ADN deixado em objetos descartados, como um guardanapo ou uma chiclete.

O ADN também infere com a ascendência. A candidata presidencial democrata e senadora Elizabeth Warren dizia que era Cherokee. Em 2018, Warren divulgou os resultados do teste de ADN, mostrando que tinha ascendênciaeuropeia, mas um pequeno número de variantes genéticas associadas a pessoas de ascendência nativa americana. Os críticos disseram que era uma prova de que a sua etnia não correspondia às reivindicações anteriores.

E o que se poderá fazer com o ADN no futuro?

É difícil saber como as nossas informações genéticas podem ser usadas no futuro, mas podemos pensar em alguns riscos possíveis.

Alguns temem que a recolha de ADN possa levar à vigilância de certas populações. Em janeiro, o governo dos Estados Unidos iniciou um programa para colher ADN de qualquer pessoa detida sob custódia da imigração, incluindo cidadãos dos Estados Unidos. O governo Trump disse que o esforço ajudará a combater o crime, mas os críticos dizem que aumenta os riscos de privacidade para os detidos e as suas famílias.

Num futuro próximo, talvez seja necessário enviar os resultados dos testes de ADN para fazer um seguro de vida ou apólice de seguro de assistência a longo prazo.

Se o ADN chegasse às mãos das gigantes tecnológicas, os dados genéticos, combinados com outros tipos de dados pessoais, como histórico de navegação, fotografias de família e histórico de viagens, podem fornecer a empresas como o Facebook e o Google uma visão íntima da sua vida privada, permitindo que segmentem com precisão o anúncios. À medida que as empresas ingressam no setor de saúde, é possível que tenham acesso ao código genético.

Por todas estas razões, o Earnest Project espera que o seu catálogo prenda a atenção de políticos e outras pessoas influentes e promova novas proteções de privacidade sobre como os seus dados genéticos e outras informações pessoais são colhidas e usadas.

MC, ZAP //

 
 
 

Ver original em 'ZAP aeiou' na seguinte ligação:

https://zap.aeiou.pt/trump-macron-merkel-adn-venda-privacidade-309028

  • Criado em .

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Últimos posts

Itens com Pin
Atividades Recentes
Aqui ainda não existem atividades
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate