• Entrada
  • Artigos
  • Mundo
  • QUEREMOS REALMENTE NOVAS GERAÇÕES CRIATIVAS, ORIGINAIS E CAPAZES DE AUTONOMIA?

QUEREMOS REALMENTE NOVAS GERAÇÕES CRIATIVAS, ORIGINAIS E CAPAZES DE AUTONOMIA?

Richard Wolff
O visionamento de um vídeo de entrevista com o Prof. Richard Wolff, um celebrado economista e professor universitário dos EUA, sobre o sistema classificativo/ notação, pelo qual passam inúmeros alunos em todos os graus de ensino, que os arrumam em «casas» de acordo com a «avaliação» que professores fizeram deles, dá-nos apenas um aspecto, mas um aspecto muito sintomático, de como funciona - realmente - a instituição escolar.
 
Mas - para além da instituição escolar - na sociedade também, nas empresas, na função pública, etc. o papel da classificação dos indivíduos vai muito além do trivial de «separar os competentes e os sabedores, dos menos adaptados».
O problema é que aquilo que este tipo de ensino faz, nada mais é que internalizar as desigualdades, atribuindo o «sucesso» e o «fracasso» sempre ao indivíduo, visto como uma espécie de máquina de responder a testes, ou a fazer os trabalhos mais apreciados pelos seus avaliadores.
O controlo das pessoas é assim máximo, pois a instituição no seu todo (e até as pessoas individuais que se sentam em lugares de comando e de selecção) decide quem, como e quando... Decide se determinado indivíduo vai, ou não, entrar como estudante ou empregado/a. Obviamente, as pessoas sabem que assim é: todas mimetizam os gestos, recitam as fórmulas encantatórias, etc. que passam por «saberes». No domínio da realidade nua e crua, estão de facto a mostrar até que ponto vão a extremos de absurdo para conseguirem o que pensam ser a sua «tábua de salvação».  Entregam-se nas mãos de avaliadores, entregam-se para serem avaliadas, ou seja classificadas, seleccionadas (eventualmente) para... para... serem exploradas! 
Elas sabem todas isso, de uma forma confusa, ou até de forma perfeitamente lúcida. Não importa!  - Estão convencidas de que não existe outra escolha, de que não existe outro caminho para singrar, para ter o seu pequeno quinhão, que lhes permitirá sobreviver e - talvez -constituir família! 
Elas darão ao empregador o seu trabalho, a sua energia, o melhor delas próprias, a troco de um bocado de «pão», mas tudo é virado do avesso, para que se sujeitem a fazer o que, de outra maneira, seria considerado indigno fazerem. Alguém se submeter a escravatura, a ser propriedade de outros, será algo invejável?  -
Pelos vistos sim, pois há imensa gente jovem, saída das classes médias ocidentais (e não só) que se submete voluntariamente, em troca de um diploma, de um certificado que diz (no sub-texto) «Fizeste tudo aquilo que consideramos necessário para nos garantir a tua conformidade com a norma, tua submissão,tua aceitação acrítica do sistema, tua disponibilidade infinita para seres explorado/a e agora damos-te este certificado/diploma, para que vás competir com outras pessoas como tu, por empregos em que os lugares estão disponíveis, não para os criativos, não para os originais, não para os sérios trabalhadores, mas para pessoas submissas como tu». As pessoas só se submetem, porque lhes deram uma matriz falsa (a «meritocracia») que lhes impede de VER a sua condição de exploradas, de servas ao serviço de um semi-deus qualquer, seja numa empresa, ou no Estado...».
 

É isto que esta sociedade faz, aos seus próprios filhos e filhas.  Além disso, as pessoas individualmente, sempre com óptimas autojustificações, tentam «furar» os princípios e pressupostos das tais «regras» de competição, através da cunha, da corrupção, do compadrio, do nepotismo...  A existência generalizada deste fenómeno da corrupção em todas as regiões geográficas e em todas as camadas sociais, mostra como é impossível de reformar o sistema por dentro, com «reformas» para deixar tudo o resto intacto! Qual a alternativa? Há a capacidade de auto-organização dos indivíduos, quer em associação formal ou informal. Há a possibilidade de ser membro da socidedade, de não se ser um(a) marginal, sem no entanto cair debaixo do jugo do novo feudalismo. Mas, isso implica analisar até que ponto nos baixámos vendendo-nos (e vendendo nossos filhos e filhas) ao moloch, ao deus dinheiro/deus lucro.  Se alguém reflectir bem como se chegou a este ponto, se compreender quais os mecanismos que perpetuam as nossas cadeias, talvez seja muito mais fácil do que parece, esse alguém construir alternativas, aqui e agora, que funcionem e que tenham viabilidade económica e social.  O medo de falhar é inibitório e existe muita gente que não consegue ter confiança na sua própria energia, embora saiba que tem energia suficiente para ser explorada e dar o seu trabalho por uma soma de «papel» ou de dígitos electrónicos... 
O processo de apoderamento é complexo e longo: eu assimilo-o ao tratamento de um adicto de «drogas duras», que precisa de apoio.  Mas, à diferença do que é comum com a adicção «química», o processo de libertação psíquica em relação ao sistema, pode fazer-se sem que restem sequelas no paciente. 

Ver o original em 'Manuel Banet' (clique aqui)

Artigos relacionados

Ultrapassagens para o Tribunal Constitucional, pede a Fenprof
Ultrapassagens para o Tribunal Constitucional, pede a Fenprof A Federação Nacional de Professores (Fenprof) pediu aos grupos parlamentares que requeiram ao Tribunal Constitucio... 33 views Wed, 12 Feb 2020, 16:45:52
Mais um caso residual
Mais um caso residual Uma auxiliar de Ação Educativa foi agredida por um aluno de 13 anos, no interior da Escola EB 2/3 Maria Manuela de... 27 views Wed, 12 Feb 2020, 16:12:01
Obter uma licenciatura em Portugal: de novo só para as elites?
Obter uma licenciatura em Portugal: de novo só para as elites? Os alertas são preocupantes.   Por um lado, metade dos alunos do ensino superior estarão em “burn-out académi... 54 views Sun, 23 Feb 2020, 23:36:23
Plataforma de professores lesados nos descontos para a SS
Plataforma de professores lesados nos descontos para a SS Com o PCP e o BE receptivos à resolução de um problema que, só neste ano, afecta mais de 5000 professores contrata... 34 views Mon, 10 Feb 2020, 16:42:56
Os professores de Abril
Os professores de Abril (Comentário: Um artigo bem intencionado ainda que, provavelmente, com alguns equívocos. Acrescente-se que Robe... 66 views Mon, 10 Feb 2020, 15:57:16
Na escola de cara tapada
Na escola de cara tapada O debate sobre o véu islâmico nas escolas europeias já tem anos, mas continua a travar-se nalguns países europeus.... 36 views Tue, 04 Feb 2020, 13:34:29

Educação

  • Criado em .
  • Visualizações: 75

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Últimos posts

Itens com Pin
Atividades Recentes
  • Vasco Graça updated his profile
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
Aqui ainda não existem atividades
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate