Comadres*

A crise do capitalismo está a entrar numa fase deflacionária, reconhece um alto funcionário dos EUA. O Governador do Banco de Inglaterra constata a alteração da correlação de forças económica mundial, com o rápido crescimento das economias emergentes. As velhas potências imperialistas sentem o terreno a fugir-lhes debaixo dos pés e, como velhas comadres, disputam entre si. Trava-se uma luta feroz no seio do capitalismo mundial e o principal perigo, como sempre, é para os povos.

Não passa dia sem que haja ferozes episódios de rivalidade entre potências imperialistas, ou mesmo no seu seio, como se vê nos EUA e na UE. A luta feroz no seio do capitalismo mundial é o reflexo de profundos problemas objectivos.
Por um lado, a crise do capitalismo está a entrar numa fase deflacionária, como afirmam os tweets do ex-Ministro do Tesouro dos EUA, Summers (22 Agosto).

Uma década de medidas excepcionais, de financiamentos a fundo perdido à banca e de taxas de juro quase nulas, impediram a implosão do sistema financeiro internacional, mas não relançaram o crescimento económico, nem impediram que a dívida global seja hoje maior do que em 2008. O Financial Times (13.8.19) diz que um quarto dos títulos de dívida de Estados e empresas têm hoje retorno negativo. Estão a secar as fontes de lucro para o grande capital. Por outro lado, altera-se rapidamente a correlação de forças económicas mundial. Na recente cimeira dos banqueiros de Jackson Hole (EUA), o Governador do Banco de Inglaterra lembra que nos anos 80 as economias emergentes «representavam pouco mais de um terço do PIB global». Hoje essa quota é de 60% «e estima-se que em 2030 será de cerca de três quartos». Faltam dez anos para EUA+UE+Japão serem um quarto do PIB mundial.

O discurso do Governador do Banco de Inglaterra não deixa de ser intrigante. Puxando dos galões da City de Londres, «o principal centro financeiro internacional do mundo», Carney propõe a substituição do dólar como moeda de reserva internacional. Não se trata de coisa pequena. Afirma que o principal candidato para o substituir é [a moeda chinesa] Renmibi, mas prefere outra solução: um «sistema multipolar», com a criação de uma moeda global digital. Nada de confusões: sob o comando da banca, ou seja «através duma rede de moedas digitais dos bancos centrais». Refere por nome a Libra, sem explicitar que é a moeda digital do patrão do Facebook, cujos laços ao ‘Estado Profundo’ dos EUA são bem conhecidos, e sem referir que já se reuniram em Maio (BBC, 24.5.19). Carney indica como moedas que sustentariam a divisa «o dólar dos EUA, o euro e a libra». Não menciona a China.

Entretanto, no seu estilo inconfundível, o Presidente Trump descarregou a sua ira tweeteira sobre o Presidente da Reserva Federal do seu próprio país, perguntando «quem é o nosso maior inimigo, Jay Powell ou o Presidente [chinês] Xi?» (23.8.19). William Dudley, ex-Presidente do maior dos bancos da Reserva Federal dos EUA e ex-membro da Direcção do BIS, o ‘banco dos banqueiros’, responde (Bloomberg, 27.8.19) que «a reeleição de Trump é uma ameaça para os EUA e a economia global». Pede, sem grandes rodeios, para a Reserva Federal impedir essa reeleição.

A zanga de comadres assinala que a crise do capitalismo está prestes a explodir. Talvez usem Trump como bode expiatório. Mas segundo Carney, «situações anteriores de taxas muito baixas tenderam a coincidir com acontecimentos de grande risco como guerras, crises financeiras e quebras de regime monetário». Summers lembra que «foi preciso a [Segunda Guerra Mundial] para tirar o mundo da depressão» dos anos 30 e que sem o militarismo, o capitalismo «provavelmente» não teria saído da grande Depressão. O grande capital prepara-se para tentar de novo fazer os povos pagar a crise do seu sistema. A última palavra cabe aos povos.

 

Ver o original em ODiario.info (clique aqui)

Artigos relacionados

Pobres os economistas que não sabem de política
Pobres os economistas que não sabem de política (Ricardo Paes Mamede, in Diário de Notícias, 18/02/2020)   Peçam a um economista escolhido ao acaso que v... 39 views Wed, 19 Feb 2020, 02:08:49
 Capitalismo, socialismo e super-produção
Capitalismo, socialismo e super-produção por Prabhat Patnaik [*] Estas notas destinam-se a esclarecer um ponto apresentado anteriormente ( Peoples' Democrac... 25 views Mon, 17 Feb 2020, 19:36:06
 Globalização – Uma visão matreira
Globalização – Uma visão matreira por Naresh Jotwani [*] Considere-se o caso hipotético de uma economia com um PIB anual de 5 milhões de milhões de dó... 94 views Mon, 03 Feb 2020, 11:36:18
Acontecimento nacional da década: a troika
Acontecimento nacional da década: a troika (Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 27/12/2019)   Quando a crise de 2008 rebentou a nossa divida públic... 68 views Fri, 27 Dec 2019, 22:29:47
Voltámos aos lugares onde já estivemos...
Voltámos aos lugares onde já estivemos... Estão a ver ali... aquele... o engravatado... com o logotipo ARTV estampado mesmo em cima do nariz? Pois é, sou eu... 57 views Thu, 05 Dec 2019, 00:23:53
 Falácias orçamentais
Falácias orçamentais por Prabhat Patnaik [*] A teoria económica "convencional" ("mainstream") parece não entender o funcionamento da ord... 71 views Mon, 02 Dec 2019, 15:39:30

Economia política

  • Criado em .
  • Visualizações: 98

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Últimos posts

Itens com Pin
Atividades Recentes
  • Vasco Graça updated his profile
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
Aqui ainda não existem atividades
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate