• Entrada
  • Artigos
  • Mundo
  • Reforma das Pensões: «O desejo oculto do governo é evitar um debate sobre a repartição dos frutos do trabalho». Por Jean-Marie Harribey e Christiane Marty
  • franciscogtavares in 'A Viagem dos Argonautas'
  • Mundo

Reforma das Pensões: «O desejo oculto do governo é evitar um debate sobre a repartição dos frutos do trabalho». Por Jean-Marie Harribey e Christiane Marty

 

Seleção e tradução de Francisco Tavares

Reforma das Pensões: «O desejo oculto do governo é evitar um debate sobre a repartição dos frutos do trabalho»

Harribey Jean Marie Por Jean-Marie Harribey e Christiane Marty Christiane Marty

Publicado em Europe Solidaire Sans Frontières em 23 de junho de 2019 (ver aqui)

________________________

Nota de editor: Este artigo fora já publicado em Alternatives Economiques, blog de JM Harribey em 25/06/2018

________________________

Obsessionado pelo seu desafio de «nação start-up», Emmanuel Macron persegue como único objetivo fazer baixar a parte das pensões no PIB, dizem a engenheira Christiane Marty e o economista Jean-Marie Harribey num fórum do «Monde».

 

O Governo está a preparar-se para reformar as pensões. As reformas anteriores não alcançaram o seu objetivo? A combinação de medidas (extensão contínua do período contributivo, extensão da idade de reforma para 62 anos, cálculo das pensões com base nos melhores 25 anos de salário, indexação dos preços e já não dos salários…) limitou o défice global dos fundos de pensões à custa de uma queda inexorável dos níveis futuros das pensões.

O Alto Comissário nomeado pelo governo para preparar a reforma, Jean-Paul Delevoye, acaba de enviar aos sindicatos um documento de trabalho que mostra que, cruzando os dois critérios que são o nível relativo das pensões em relação aos salários da população ativa e a parte da solidariedade no sistema, a França está na melhor posição de todos os países da OCDE. Porquê então esta reforma?

A resposta está contida nos relatórios de 2017 do Conselho de Orientação para as Reformas (COR). O sistema de pensões representa 14% do PIB anual. O que é considerado demasiado pesado. Esta quota-parte deve ser reduzida em nome de uma menor despesa pública e social. Uma vez que as anteriores reformas paramétricas não conseguiram reduzir esta percentagem, a estratégia consiste em iniciar uma reforma “estrutural”. É aqui que o cinismo faz fronteira com o absurdo.

Uma vez que as pensões são desindexadas da evolução salarial, quanto maior for o crescimento económico (e, por conseguinte, normalmente, quanto mais elevados forem os salários), mais as pensões serão dissociadas e representarão uma percentagem menor do PIB. Assim, de acordo com o COR, se o crescimento económico for, em média, de 1,8% ao ano no próximo meio século, a percentagem de pensões diminuirá de 14% para 11,7%. Mas se o crescimento for apenas de 1% em média, a percentagem de pensões aumentará para 14,5%. No entanto, as previsões de crescimento são muito moderadas. Trata-se, portanto, de pôr fim ao atual sistema de pensões.

De que forma? Substituindo-o por um sistema de pontos ou por um chamado sistema de contas nocionais. O seu elemento comum consiste em pôr termo ao período contributivo e ao seu montante conhecido antecipadamente, à idade da reforma e a uma taxa de substituição garantida (pensão em relação ao salário). Recorde-se que, até à reforma de 1993, as contribuições eram definidas antecipadamente, com uma taxa de substituição de cerca de 75% para as carreiras completas, incluindo os regimes especiais. O Presidente Macron prometeu que um euro de contribuições daria a todos o mesmo direito e que deixaria de haver desigualdades ou défices. Isto é duplamente falso.

Um sistema de contas nocionais, como na Suécia, incluirá a esperança de vida no cálculo da pensão: quanto mais cedo se reformar, mais baixa será a pensão. No entanto, as pessoas com salários baixos, os empregos mais difíceis ou mais precários serão encorajadas a trabalhar o mais tempo possível, correndo o risco de morrer prematuramente. Ao vincular estritamente a pensão à contribuição, o serviço contributivo é reforçado e a parte da solidariedade é restringida ou mesmo eliminada. Uma vez que as mulheres são as principais beneficiárias, podemos ver o risco de dupla punição para elas, que são já menos remuneradas e sofrem de trabalho a tempo parcial. O feedback da experiência sueca fala por si: o sistema mostra-se desigual, penaliza as mulheres e os trabalhadores com carreiras destroçadas [1] e, como observa o antigo primeiro-ministro, “dá pensões demasiado baixas“…

O segundo erro – ou mentira – é fazer crer que um sistema por pontos ou por contas nocionais escapa às restrições demográficas e económicas. Mas isto é absolutamente falso: não se pode esperar nenhum milagre de um sistema face a uma população envelhecida ou a uma recessão económica. Porque qualquer sistema de pensões (mesmo de capitalização!) só pode distribuir a riqueza produzida pela população trabalhadora. Daqui decorre que qualquer sociedade tem o dever de garantir, a todo o momento, a melhor distribuição dos rendimentos entre as várias necessidades sociais.

Compreendemos o desejo oculto do governo: reduzir o peso das pensões, evitar um debate sobre a distribuição dos frutos do trabalho, retirar os mecanismos de solidariedade do sistema de pensões e abrir caminho à capitalização. Já estão a surgir propostas para fundos de pensões ou poupanças-reforma.

O debate que se anuncia será feroz, de tal modo o presidente quer fazer da França uma “nação start-up” [2]. No entanto, ao contrário de seu projeto de pensões, existem possibilidades para a melhoria progressiva. Três pistas podem ser abertas.

Em primeiro lugar, unificar os vários regimes através da fixação de uma taxa mínima de substituição, indo diminuindo a partir do SMIC até “x” vezes o limite máximo da segurança social.

Em segundo lugar, aumentar gradualmente a taxa de contribuição dos idosos para acompanhar a evolução demográfica; e, melhor ainda, alargar a base contributiva para incluir a parte dos lucros que não é investida mas sim distribuída.

Em terceiro lugar, para termos um bom sistema de pensões e, para além disso, uma boa proteção social, o emprego tem de voltar a ser uma prioridade absoluta, tanto mais que já não podemos contar com o crescimento económico dado o imperativo ecológico.

Isto toca na interligação dos problemas: uma política que responda às necessidades sociais do futuro é incompatível com uma política que favoreça a finança.

 

Notas

[1] Le Monde, 18 de maio de 2018, Anne-Françoise Hivert.

[2] Ver Attac e Fondation Copernicus, L’imposture Macron, Un business model au service des puissants, Les Liens qui libèrent, 2018.

__________________________

Os autores:

 Jean-Marie Harribey é ex-professor associado de Economia e Ciências Sociais e professor principal de Economia na Universidade de Bordéus IV. Durante a primeira metade de sua vida profissional, lecionou no ensino médio, e durante a segunda metade na Universidade, onde a sua pesquisa se centra na crítica da economia política, conceitos de valor e riqueza, trabalho, proteção social e desenvolvimento sustentável. Publicou La richesse, la valeur et l’inestimable, Fondements d’une critique socio-ecologique de l’économie capitaliste (Les Liens qui libèrent, 2013) e Les feuilles mortes du capitalisme, Chroniques de fin de cycle (Le Bord de l’eau, 2014). É colunista na Politis. Ele dirige o Conselho Científico da Attac France, uma associação que co-presidiu de 2006 a 2009, co-presidiu aos Économistes atterrés de 2011 a 2014 e é membro da Fundação Copernicus.

Christiane Marty engenheira investigadora, militante altermundialista e feminista em Attac e membro da direção da fundação Copernic. É membro do conselho científico de Attac. Codirigiu a redação dos livros de Attac sobre a questão das mulheres: Quand les femmes se heurtent à la mondialisation (2003), Mondialisation de la prostitution, atteinte globale à la dignité humaine (2008), bem como do livro de Attac e da fundação Copernic, Le féminisme pour changer la société (Syllepse, 2013). Codirigiu a redação dos livros da fundação Copernic e de Attac sobre as pensões: Retraites, l’heure de vérité (Syllepse, 2010) e Retraites, l’alternative cachée (Syllepse, 2013), bem como: Un impôt juste pour une société juste (fondation Copernic, Syllepse, 2011), Dépendance, perte d’autonomie, affaire privée ou Sécurité sociale? (fondation Copernic, Syllepse, 2011), Changer vraiment! Quelles politiques économiques de gauche? Fondation Copernic, Syllepse, 2012) e é coautora do livro de Attac e da fundação Copernic, En finir avec la compétitivité (Syllepse, 2012). Em novembro de 2015 subscreve o Appel des 58.

 

 

Ver original em 'A viagem dos Argonautas' na seguinte ligação:

https://aviagemdosargonautas.net/2019/09/04/a-reforma-das-pensoes-ou-a-impossibilidade-de-transportar-patrimonio-monetario-para-o-futuro-5-reforma-das-pensoes-o-desejo-oculto-do-governo-e-evitar-um-debate-sobre-a-reparticao-dos-frutos/

Artigos relacionados

Portugal | Curados da Covid-19 continuaram internados por falta de res...
Portugal | Curados da Covid-19 continuaram internados por falta de res... (Comentário: Uma situação que devia obrigar a uma reflexão séria (que não se irá efetuar porque os interesses instala... 85 views Mon, 25 May 2020, 15:36:34
Não puxem o coelho pelas orelhas
Não puxem o coelho pelas orelhas Caros camaradas jornalistas do Correio da Manhã,O título da notícia que foi publicada na vossa newsletter não é verd... 96 views Sun, 26 Apr 2020, 21:48:18
Milhares de lares ilegais deixam 35 mil idosos em risco
Milhares de lares ilegais deixam 35 mil idosos em risco   Há cerca de 35 mil idosos em risco a residir em 3.500 lares ilegais. Estas instalações não têm planos de c... 60 views Wed, 22 Apr 2020, 14:42:55
O miserável aumento das reformas de miséria
O miserável aumento das reformas de miséria Pensões com aumentos de miséria mesmo durante o Governo PS, o aumento para 15,2% do fator de sustentabilidade em 2... 63 views Wed, 26 Feb 2020, 01:04:40
Tomás Correia quer que pensão de 14 mil euros seja aumentada
Tomás Correia quer que pensão de 14 mil euros seja aumentada   Tomás Correia, ex-presidente do Montepio, recebe 14.300 euros de pensão mensal, mas recorreu a tribunal pa... 39 views Mon, 17 Feb 2020, 01:08:45
Hoje, andei por lá...
Hoje, andei por lá... Foi assim como se vê aqui. E foi também assim por mais 11 capitais de distrito. Do lado de cá pano, os dirigentes ... 73 views Thu, 16 Jan 2020, 15:02:18

Segurança Social

  • Criado em .
  • Visualizações: 84

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Filtrar por categoria
31, maio 2020

China | Duas reuniões fora do normal

em Mundo

por Página Global

    David Chan* | Plataforma | opinião   Na passada quinta e sexta-feira tiveram lugar as «Duas Reuniões» da Assembleia Popular Nacional e da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, adiadas devido à pandemia.…
31, maio 2020

Cascais soma mais 5 novos infectados aumentando para 551 casos

em Cascais

por Portal CASCAIS

  No relatório de hoje, da Direcção Geral da Saúde (DGS) registou 5 novos casos no número de infectados com o COVID-19 no Concelho de Cascais, subindo para 551 casos confirmados em Cascais. Os dados da…
31, maio 2020

PONTO – NEWSLETTER – INFORMAÇÃO SEM RUÍDO – PARCERIA com BRASIL DE FATO

em Mundo

por joaompmachado in 'A Viagem dos Argonautas'

  Selecção de Camilo Joseph   29 de maio de 2020   Olá,   o Brasil se torna definitivamente o epicentro mundial da pandemia de coronavírus, o que poderia ser evitado se tivéssemos um governo…
31, maio 2020

Emmanuel Macron diz que é tempo de pensar o impensável. Entrevista ao Financial Times

em Mundo

por franciscogtavares in 'A Viagem dos Argonautas'

Seleção e tradução de Francisco Tavares   Emmanuel Macron diz que é tempo de pensar o impensável. Entrevista ao Financial Times O presidente da França acredita que a pandemia do coronavírus transformará o capitalismo –…
31, maio 2020

A vingança do estado contra o mercado

em Mundo

por Brasil24/7

    A ascensão do neoliberalismo foi feito às custas de desqualificar o Estado. Que seria ineficiente, burocrático, arrecadador excessivo de impostos, que gastaria mal, que seria fonte da corrupção na sociedade. O Estado teria…
31, maio 2020

O espelho da pandemia

em Portugal

por Duarte Caldeira in AbrilAbril

Apesar de há 46 anos ter ocorrido uma revolução democrática e de o país ter evoluído em diversos indicadores, a Covid-19 revelou alguns problemas na sociedade que estão a montante da pandemia. A emergência sanitária…
31, maio 2020

CARTA DE BRAGA – “relato sobre as minhas algibeiras” por António Oliveira

em Mundo

por clara castilho in 'A Viagem dos Argonautas'

  ‘Aceito lições de quem é virtuoso, mas da Holanda, transformado no maior paraíso fiscal europeu, não aceito lições, era o que faltava! As lições aceito-as em alemão, não em flamengo!’ Este ‘desabafo’ de Romano…
31, maio 2020

Trabalhadores da Autoeuropa temem perda de centenas de postos de trabalho

em Portugal

por Lusa in ZAP

  A entidade coordenadora das Comissões de Trabalhadores da Autoeuropa assumiu hoje, em comunicado, recear a perda de centenas de empregos no parque industrial, que está sem condições para trabalhar sete dias por semana, após…
31, maio 2020

Ricos, pobres e mal agradecidos

em Mundo

por in 'Estátua de Sal'

(Miguel Sousa Tavares, in Expresso, 30/05/2020) Miguel Sousa Tavares Numa sociedade decente, os pobres têm direito a esperar que os impostos sobre os ricos não os deixem cair na miséria nem no abandono: não é…
31, maio 2020

Os ignorados e os invisíveis

em Portugal

por in 'Estátua de Sal'

(José Pacheco Pereira, in Público, 30/05/2020) Pacheco Pereira A pandemia,, que poderia ter tido um efeito de revelação da realidade, acaba por não o ter, não por causa do excesso de visibilidade de alguns, mas…
31, maio 2020

BE e CDS rejeitam “paraministros”. Só negoceiam com Costa e Centeno

em Portugal

por ZAP in ZAP

  O Bloco de Esquerda e CDS rejeitam negociações com “paraministros”, sublinhando que só discutem com membros do Governo, comentando a manchete do Expresso segundo a qual um gestor petrolífero está a assumir esse papel.…
31, maio 2020

Os adoradores do cao

em Mundo

por Abril de Novo Magazine

    Ajoelhados perante a “democracia” estadunidense, persignando-se frente ao dólar-cruz, os humanistas de máscara no bestunto olham-se nesse espelho onde escorre sangue e acham-se bonitos. No reflexo desse caco repugnante encontramos o Ministro dos…
31, maio 2020

Como idoso acho repugnante

em Portugal

por Abril de Novo Magazine

    Agostinho Lopes como idoso acho repugnante   Ou a suma hipocrisia. Há coisas que fazem revolver as tripas, sem ser comida estragada. No Público de 02MAI20 vem publicada a Opinião colectiva de um…
31, maio 2020

Os salazaristas e o neofascismo português

em Portugal

por Carlos Esperança in 'PONTE EUROPA'

  Os meus leitores habituais hão de ter notado que, cada vez que acuso a ditadura fascista, surgem salazaristas a defendê-la. As datas do opróbrio são para eles facadas, os crimes meros acidentes e a…
31, maio 2020

Moro tem palestra cancelada na Argentina e critica 'intolerância' e 'polarização' no país

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© REUTERS / Agustin Marcarian Após ter palestra virtual que realizaria para Universidade de Buenos Aires cancelada, ex-ministro da Justiça Sergio Moro disse que "houve um misto de intolerância e de pressão política num cenário…
31, maio 2020

Mais 13 mortos e 257 infetados com covid-19 em Portugal

em Portugal

por Página Global

    Há mais 13 óbitos associados à covid-19, 257 novos casos diagnosticados e mais 275 doentes recuperados nas últimas 24 horas.   No total, Portugal já registou 32203 casos de infeção (dos quais, 19186…
31, maio 2020

Onde está a liberdade de imprensa nos EUA?

em Mundo

por Página Global

    Em Minneapolis, uma equipe da CNN foi presa ao noticiar sobre os protestos populares. Uma prática autoritária inaceitável, sobretudo num país que tanto ostenta sua preocupação com a liberdade, opina Carla Bleiker.  …
31, maio 2020

Série da Netflix revela falhas nas investigações sobre quem matou Malcolm X, em 1965

em Mundo

por Marcos Aurélio Ruy, em São Paulo in 'O TORNADO'

Quais as semelhanças entre as investigações dos assassinatos do importante ativista pela igualdade racial nos Estados Unidos, Malcolm X, em 1965, e da então vereadora do PSol, Marielle Franco, em 2018?     As investigações…
31, maio 2020

Trump e a censura nas redes sociais

em Mundo

por António Duarte

«Usuário assíduo do Twitter, onde conta com mais de 80 milhões de seguidores, o presidente dos EUA teve algumas de suas postagens recentes moderadas pelo microblog. Na última terça-feira (26), duas de suas publicações sobre…
31, maio 2020

União Europeia pede que EUA reconsiderem decisão de sair da OMS

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© REUTERS / Jonathan Ernst Neste sábado (30), o chefe de Relações Exteriores da União Europeia (UE), Josep Borrell e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, pediram aos Estados Unidos por meio…
31, maio 2020

Portugal | A pobreza dá menos saúde

em Portugal

por Página Global

    Inês Cardoso | Jornal de Notícias | opinião Muitos defensores de um confinamento rígido, prolongado se possível até que haja vacina para a covid-19, insistem no argumento de que a economia não pode…
30, maio 2020

Recibos verdes e sócios-gerentes já podem pedir apoio relativo a maio

em Portugal

por Lusa in ZAP

  O formulário para os trabalhadores independentes e sócios-gerentes pedirem o apoio criado no âmbito da pandemia covid-19, relativo a maio, fica hoje disponível na Segurança Social Direta, podendo ser entregue até 9 de junho.…
30, maio 2020

Brasil tem mais de 100 crianças e jovens até 19 anos mortos pela Covid-19

em Mundo

por Brasil24/7

    247 - O Brasil tem 141 crianças e jovens até 19 anos mortos por conta do coronavírus, de acordo com o último boletim do Ministério da Saúde. Foram ao menos 42 vítimas menores…

Últimos posts (Cascais)

Itens com Pin
Atividades Recentes
Aqui ainda não existem atividades

Últimos posts (País e Mundo)

Itens com Pin
Atividades Recentes
  • Plataforma Cascais juntou-se ao grupo Conversando sobre o País e o Mundo
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
Aqui ainda não existem atividades
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate