• Início
  • Artigos
  • Mundo
  • Mais de 140 presos palestinianos em greve de fome nas cadeias israelitas

Os banqueiros misantropos por detrás do «New Deal» Verde

 

Matthew Ehret    13.Ago.19

Ninguém que conheça como se comporta o capitalismo pode deixar de desconfiar do actual empenho “verde” da oligarquia, directamente ou através da promoção mediática de figuras e organizações de fachada. Uma observação documentada dos bastidores, como a que este texto faz, ajuda a esclarecer alguma coisa.


 

Uma vasta mudança radical em direção a uma “economia verde” está agora a ser impulsionada por forças que podem deixar um cidadão educado bastante desconfortável.

Evidentemente, os noticiários mostram diariamente o bravo movimento jovem de “eco-guerreiros” liderado pela sueca Greta Thunberg, de 16 anos, ou pelo norte-americano Jamie Margolin, de 17 anos, que se tornou uma força em toda a Europa e os EUA dirigindo movimentos como Extinction Rebellion, This is Zero Hour, Sunrise Movement e a eco-cruzada das Crianças. A jovem face de Alexandria Ocasio-Cortez vende diariamente a ideia de que a única maneira de substituir as forças capitalistas ultrapassadas que há décadas atormentam o mundo é impor um New Deal Verde que dê prioridade à descarbonização como uma meta para a humanidade em vez de continuar a permitir que as irresponsáveis forças dos mercados determinem nosso destino.

A presidente da UE, Ursula von der Leyen, atacou até a Iniciativa Cinturão e Estrada da China (que, ironicamente, representa um verdadeiro New Deal do século XXI) dizendo que “alguns estão a comprar influência investindo na dependência em relação a portos e estradas”… mas “que nós seguimos o caminho europeu”. O que é o “caminho europeu”? Não os planos de desenvolvimento de Charles De Gaulle ou Konrad Adenauer, que encaravam como positivos o crescimento industrial e o aumento da população, mas antes um Green New Deal. Von der Leyen disse em 17 de Julho que “eu quero que a Europa se torne o primeiro continente do mundo neutro em CO2 até 2050! Vou apresentar um New Deal Verde para a Europa nos meus primeiros 100 dias no cargo… ”

Atacando as “irresponsáveis forças do mercado” e as estruturas de poder do capitalismo não são coisas más de fazer … mas porque devemos descarbonizar? A re-regulamentação de bancos grandes demais para cais já está muito atrasada, mas porque supõem tantos que um “New Deal Verde” não irá apenas capacitar as mesmas forças que devastaram o mundo nos últimos cinquenta anos e apenas causar mais morte e fome do que já foi sofrida sob a Globalização?

Pode até pensar-se em fazer essas perguntas confrontando primeiro o desconfortável facto de que por detrás destas figuras recortadas em cartão como Thunberg, Margolin, Cortez ou o Green New Deal estão figuras que ninguém de forma alguma associaria ao humanitarismo.

Títulos verdes e oligarcas

Quando começamos a puxar a cortina rapidamente encontramos figuras como o príncipe Charles, que recentemente se reuniu com os chefes de 18 países da Commonwealth para consolidar legislação de emergência climática que foi prontamente aprovada nos parlamentos do Reino Unido e do Canadá. No final da reunião, Charles disse que “temos 18 meses para salvar o mundo da alteração climática” e apelou a “aumentar o volume de financiamento do sector privado cujo fluxo se dirige ao apoio ao desenvolvimento sustentável em toda a comunidade”.

Após o decreto real, o Banco da Inglaterra e alguns dos mais sujos bancos na rede de finanças da Rothschild-City of London promoveram “instrumentos financeiros verdes” encabeçados pelos Green Bonds para redirecionar planos de pensão e fundos mútuos para projectos verdes em que ninguém de perfeito juízo jamais investiria voluntariamente. O Índice Ecológico, Social, de Governança (ESGI) já foi implementado em 51% dos bancos da Alemanha, incluindo a bomba de derivativos à espera de explodir denominada Deutschebank. Os principais banqueiros que apoiam o ESGI como Mark Carney, do Banco da Inglaterra, disseram que mais de 6,5 milhões de milhões de euros poderiam ser mobilizados sob este novo índice (que actualmente representa cerca de US $ 160 milhares de milhões). A criação desses “títulos verdes” é acompanhada pelos mecanismos de resgate que foram implementados nos países transatlânticos a fim de roubar milhões de milhões de dólares dos fundos de pensões, RRSPs e fundos mútuos da próxima vez que for necessário um resgate para sustentar os “grandes demais para fracassar”, que actualmente estão sentados sobre uma bolha de US $ 1,2 milhões de milhões de derivativos à espera de explodir.

Além de encabeçar o Banco da Inglaterra, o ex. Goldman Sachs Carney patrocinou também a Força Tarefa do Conselho de Estabilidade Financeira sobre Revelações Financeiras Relacionadas com o Clima que foi criada em 2015 e foi usada como linha de orientação para o Livro Branco do Governo do Reino Unido de Julho de 2019, “Estratégia Financeira Verde: Transformar as Finanças para um Futuro Mais Verde ”. O Livro Branco propôs “consolidar a posição do Reino Unido como centro global para a finança verde e posicionar o Reino Unido à frente da inovação financeira verde e de dados e análises… endossados ​​por instituições que representam globalmente US $ 118 milhões de milhões de activos”. A Força-Tarefa liderada por Carney gerou também em 2016 a Iniciativa Financeira Verde, que é agora um veículo primário projectado para desviar os fluxos de capital internacional para tecnologia verde.

O ex-empregador da Carney Goldman Sachs também criou um “Índice Verde para ‘investimento virtuoso’, incluindo dois novos índices de sustentabilidade para promover investimentos pesados ​​em infraestrutura verde, chamados CDP Environment EW e CDP Eurozone EW. A sigla CDP é originária do Climate Disclosure Project - um think tank londrino que gerou o programa da Goldman Sachs. Marine Abiad, da Goldman Sachs, promoveu o índice CDP dizendo em 10 de Julho “estamos convencidos de que a finança sustentável ​​permitem que os mercados financeiros desempenhem um papel virtuoso na economia”.

Caso ache que Extinction Rebellion foi de alguma forma intocado pela mão de engenheiros sociais, uma destacada figura por detrás do movimento chamado Alex Evans foi um ex-consultor da Unidade Internacional de Sustentabilidade do Príncipe [Carlos] e coautor do livro do Global Intelligence Council Global Trends 2025: A Transformed World, que se tornou um modelo de política ambiental / externa para a administração Obama em 2008. Actualmente, Evans dirige também o Collective Psychology Project “onde a psicologia se encontra com a política”.

Outras destacadas figuras da inteligência britânica que gerem o movimento Extinction Rebellion incluíam Farhana Yamin e Sam Gaell, da Chatham House (a instituição de controlo por trás do Conselho de Relações Exteriores de Nova York).

Poderia uma “benevolente” ditadura verde ser uma Coisa Boa?

Fala o advogado do diabo: não podemos presumir que estes bancos centrais, oligarcas e gestores de hedge funds apenas se preocupam com o meio ambiente? Qual é o problema se eles estão a tentar modificar o comportamento da humanidade para salvar o meio ambiente? Afinal de contas, a própria humanidade é uma egoísta e glutona máquina de produção de poluição, e não é melhor para todos se estas elites iluminadas apenas transformam a economia mundial de forma a consumirmos menos e pensarmos mais sobre o futuro?

Se essa linha de pensamento se aproxima de algo que já sentiu dentro de si, sofreu uma lavagem cerebral.
É claro que o mundo se transformou num culto consumista ao longo das últimas décadas em que o pensamento de longo prazo foi sacrificado aos ganhos de curto prazo e, claro, precisamos de uma reorganização do sistema. Thunberg e os Green New Dealers não estão errados sobre essa matéria. Tudo bem e chique.

Mas se pensa que acompanhando os tipos de reforma que aspiram a colocar os valores do dólar na redução das pegadas de carbono ou em espalhar moinhos de vento e painéis solares de baixa qualidade (e muito caros) em todo o mundo com a expectativa de que essas fontes de energia não causem de algum modo um vasto colapso da capacidade industrial da civilização (e uma perda associada de capacidade de sustentar a vida humana), então está a enganar-se a si próprio. Um quilowatt de energia de um moinho de vento é apenas o mesmo que um quilowatt de energia nuclear quando aplicado a uma equação matemática, mas não na vida real. Quando aplicado a funções de trabalho de capital intensivo necessárias para fundir aço industrial, operar máquinas-ferramentas, alimentar um vasto complexo agroindustrial, um sistema ferroviário de alta velocidade ou construir coisas como a Belt and Road Initiative, as fontes de energia “verdes” não chegam nem perto para agir praticamente.

A questão sempre foi o controlo populacional

Os oligarcas que comandam o “grande projeto verde” desde que Sir Alexander King, do Clube de Roma, iniciou o estudo Limits to Growth em 1970, sabiam que as fontes verdes de energia de “baixa densidade de fluxo de energia” restringiriam a população global e é isso exactamente o que queriam. Sir King disse-o em 1990, quando escreveu: “Na busca de um novo inimigo que nos una, surgiu a ideia de que a poluição, a ameaça do aquecimento global, a escassez de água, a fome e afins preencheriam os requisitos … Todos esses perigos são causados ​​pela intervenção humana, e é somente através da alteração de atitudes e comportamentos que eles podem ser superados. O verdadeiro inimigo, então, é a própria humanidade ”.

Sir King estava, afinal de contas, apenas seguindo a liderança do fundador da UNESCO (e presidente da Eugenics) Sir Julian Huxley que em 1946 escreveu “A unificação política em algum tipo de governo mundial será necessária… Embora … qualquer política eugénica radical seja por muitos anos politicamente e psicologicamente impossível, será importante para a UNESCO ver que o problema eugénico é examinado com o maior cuidado, e que a opinião pública é informada das questões em jogo, de modo a que muito do que agora é impensável possa pelo menos tornar-se pensável ”.

Foi apenas alguns anos depois que Huxley seria cofundador do World Wildlife Fund ao lado do príncipe Philip Mountbatten e do príncipe Bernhardt da Holanda.
Todos os três estiveram presentes na reunião promovida por Bernhardt que fundou o grupo Bilderberg para adiantar em 1954 essa grande conversão da sociedade ao autoextermínio voluntário e, embora Huxley não estivesse presente em 1970, os outros dois oligarcas cofundaram o 1001 Nature Trust juntamente com 999 outros ricos misantropos para financiar o florescente movimento ambientalista. Estas forças estavam também por detrás do golpe de Estado nos Estados Unidos, que colocou no poder a Comissão Trilateral sob Jimmy Carter e desencadeou a “desintegração controlada da economia dos EUA” entre 1978-1982 (esse será o tópico de outro estudo). Esse agrupamento, encabeçado por Zbigniew Brzezinski, não apenas jogou a cartada do radicalismo islâmico contra a União Soviética como estabeleceu também um programa de redução da população através da promoção de fontes de energia verde muito antes de isso ser popular.

Os oligarcas que actualmente estão a tentar reformar a humanidade não se importam com o meio ambiente. O príncipe Philip e Bernhardt têm no currículo matar mais espécies ameaçadas em safári do que a maioria das pessoas matou mosquitos. Eles simplesmente não gostam de pessoas. Especialmente pessoas que pensem. Pessoas que pensam que questionam como e porque regras arbitrárias são aplicadas para justificar guerras, pobreza e oligarquismo que destroem vidas tanto agora como no futuro.

A Iniciativa do Cinturão e Estrada e a tendência para aumentar a população humana tanto quantitativa como qualitativamente que esses grandes projectos implicam, é o alvo do Green New Deal.

O legado do progresso científico e tecnológico que lançou a civilização ocidental a partir de uma idade das trevas e para um renascimento no século XV está sob ataque, porque é essa ética perdida que a oligarquia sabe que ainda pode ser despertada e que iria trazer o Ocidente para a harmonia com o programa Rússia-China para o crescimento e desenvolvimento sob uma filosofia de “cooperação win-win” tanto na Terra como no espaço.

Os efeitos das ideias do renascimento coincidiram com a maior taxa de descobertas de princípios universais, à medida que a humanidade procurava conhecer a mente de Deus através do estudo do livro da natureza com um coração de amor e uma atitude de humildade exemplificada na figura de Leonardo Da Vinci. A explosão de novas tecnologias que surgiram não apenas revolucionou a astronomia, a medicina e a engenharia, mas deu origem à moderna economia industrial, que coincidiu com o maior aumento de população da história. Este aumento exponencial tem sido durante séculos usado por malthusianos como prova de que a humanidade é “apenas mais um crescimento canceroso” na “pureza da mãe Gaia”.

Portanto, se não concorda com a filosofia seres humanos = cancro e quer algo um pouco mais optimista na sua vida, então apoie hoje um verdadeiro New Deal.

Fonte: https://www.strategic-culture.org/news/2019/08/10/misanthropic-bankers-behind-green-new-deal/

Divulga o endereço[1] deste texto e o de odiario.info[2] entre os teus amigos e conhecidos

References

  1. ^ endereço (www.odiario.info)
  2. ^ odiario.info (odiario.info)

Ver o original em ODiario.info (clique aqui)

Artigos relacionados

Desmatamento na Amazônia cresce 92,7% de janeiro a setembro
Desmatamento na Amazônia cresce 92,7% de janeiro a setembro ©André Cran/Folhapress O desmatamento na Amazônia subiu 92,7% entre janeiro e setembro desse ano em comparaçã... 29 views Fri, 11 Oct 2019, 23:53:08
Nasceu o neoliberalismo climático
Nasceu o neoliberalismo climático     Salvar o planeta de quê? Das alterações climáticas, de que mais haveria de ser? Haverá mais coisas a... 8 views Sat, 05 Oct 2019, 11:49:05
A INQUIETAÇÃO DOS JOVENS
A INQUIETAÇÃO DOS JOVENS Por desinformação ou estupidez, encolhem os ombros à realidade fatídica, e dizem: -- O futuro é muito longe!  Nes... 29 views Thu, 03 Oct 2019, 14:52:52
Ainda sobre o avanço dos transportes públicos
Ainda sobre o avanço dos transportes públicos Aquando da "Greve Climática" assinalava eu não ter havido um único protesto, reclamação, proposta, alerta ou lamento s... 16 views Thu, 03 Oct 2019, 00:01:50
COMO COZINHAR GRÁFICOS PARA A PSICOSE CLIMÁTICA?
COMO COZINHAR GRÁFICOS PARA A PSICOSE CLIMÁTICA?   O Vídeo abaixo mostra os cozinhados que os climato-histéricos utilizam para enganar as pessoas   https:/... 25 views Wed, 02 Oct 2019, 15:41:35
A comunicação social e as variações do tempo ao longo dos tempos
A comunicação social e as variações do tempo ao longo dos tempos I. Introdução Por variações do tempo entendem-se, aqui, as alterações das condições meteorológicas  nas div... 34 views Thu, 03 Oct 2019, 13:33:03

Ambiente

  • Criado em .
  • Visualizações: 169

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Últimos posts

Itens com Pin
Atividades Recentes
  • Vasco Graça updated his profile
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
Aqui ainda não existem atividades