• Entrada
  • Artigos
  • Mundo
  • “Crise do capitalismo”, pós-desenvolvimento, decrescimento: apenas variações semânticas?

“Crise do capitalismo”, pós-desenvolvimento, decrescimento: apenas variações semânticas?

A Areia dos Dias
O período de crise em que vivem as nossas sociedades está a ser particularmente fértil no aparecimento de soluções e alternativas que visam enquadrar o futuro no após crise.  A antropologia social salienta este facto quando se refere à multiplicidade dos discursos da transição (DT) e à necessidade de se proceder a um profundo esclarecimento ontológico já que são as próprias categorias em que aqueles discursos se baseiam que estão em causa[1].
Do ponto de vista da economia e, muito especialmente da economia ecológica e da sustentabilidade, parece-nos que um tal trabalho de análise ontológica e epistemológica é também da maior oportunidade. Especialmente porque, como sabemos, o ensino da economia está a ser objecto de uma análise crítica sem precedentes e a abordagem da pluralidade e do conhecimento do real, que abertamente se defendem, devem ir ao fundo das questões, esclarecendo conceitos e categorias entre distintos pontos de vista.
Não, não estamos só perante variações semânticas: o paradigma do decrescimento exige uma mudança radical de modo de vida e de pensar.
Na edição de Abril de 2018 da revista Ecological Economics, um artigo de H. Buch-Hansen chama a atenção para os quatro requisitos básicos indispensáveis para uma mudança de paradigma socio-económico no sentido do decrescimento: uma crise profunda do capitalismo, a existência de um projecto político alternativo, uma ampla coligação de forças políticas e sociais que, abraçando tal projecto, o promovam através de acções de luta e um amplo consenso social. E conclui que os dois últimos requisitos estão longe ainda de se verificar[2].
Também Escobar, no já referido contributo, insiste que a Grande Transição (GT) terá necessariamente de se fazer fora dos actuais limites epistemológicos e institucionais do modelo de produção dos últimos séculos, chamemos-lhe capitalismo, modernidade, neo-liberalismo… Outros economistas da mesma linha vão mais longe e defendem que aquela transição exige uma mudança radical de valores e de instituições socio-económicas: The GT involves an alternative global vision that replaces ‘industrial capitalism’ with a ‘civilizing globalization’ (Buch-Hansen, op. cit). “Progresso” é redefinido in terms of non-material human fulfillment, pressupõe uma separação radical entre bem-estar e crescimento e consumo material bem como o desenvolvimento e a apropriação de novos valores sociais – solidariedade, ética, sentido da vida, vivência comunitária… Não admira que muitas destas perspectivas defendam a redeslocalização da economia e dos processos de produção a favor das comunidades locais e de uma forma mais próxima de articulação entre a propriedade dos meios e recursos e o controlo dos processos de produção.
Sendo o pós-desenvolvimento uma visão mais ampla e indefinida, onde cabem diversas propostas alternativas de superação da crise do capitalismo, o decrescimento constitui-se, assim, como uma categoria mais exigente: não chega defender o regresso à economia cooperativa e solidária, uma maior justiça económica e social, políticas fiscais e redistributivas mais progressistas, é antes toda uma nova concepção de vida que não corra o risco de se limitar a promover a “economia verde” e o post-desenvolvimento deixando intactas as bases do economicismo.
Autores de inspiração neo-marxista, como L. Vergara-Camus, da SOAS da Universidade de Londres[3] são de opinião que não é o crescimento em si que tem vindo a provocar a crise do capitalismo mas a forma como esse crescimento tem vindo a ocorrer neste modo de produção: com a separação entre trabalhadores e meios de produção, com o trabalho alienante, com os imperativos da competitividade[4] e as restrições inerentes à democracia liberal. E continua: From this perspective, I argue that growth could be greened in a post-capitalist society if the institutions and dynamics that force capitalist accumulation and competition were abolish and full democracy was established [5]
Estaremos, assim, e no entanto, num exercício de pura especulação, como sugere o autor na sua introdução? Seja como for, o aprofundamento e o debate sobre o pós-capitalismo impõem-se como nunca.


[1] Ver, por exemplo, Escobar, A. (2015). Degrowth, post-development and transitions: a preliminary conversation. Sustain Sci, https://www.degrowth.org/wp-content/uploads/2015/07/ESCOBARDegrowth-postdevelopment-and-transitions_Escobar-2015.pdf
[2] Buch-Hansen, H. (2018). The Prerequisites for a Degrowth Paradigm Shift: Insights from Critical Political Economy. Ecological Economics, Volume 146, Abril 2018, Pp. 157-163, https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0921800916313726
[3]Onde se insere um dos programas do ensino da economia alternativos ao mainstream que constam da lista do Institute of New Economic Thinking (INET-Rethinking Economics), como se descreveu no estudo do GES Por Onde vai o Ensino da Economia?
[4] Que implica acumulação crescente de capital, que produz e exige nova acumulação, protegida e promovida pelos mercados e instituições do capitalismo… até que se verifique nova/a grande(?) crise despoletada pela “queda tendencial da taxa de lucro” descrita por Marx.
[5]Vergara-Camus, L. (no prelo). Capitalism, Democracy, and the De-growth Horizon. Department of Development Studies SOAS University of London. Capitalism, Nature, Socialism, Taylor and Francis online.

Ver o original em "A Areia dos Dias" (clicar aqui)

Tags:

Artigos relacionados

A grande mulher Rosa Luxemburgo de luta e coragem, por um mundo para o...
A grande mulher Rosa Luxemburgo de luta e coragem, por um mundo para o...     É por necessitarmos de exemplos que vou falar sobre Rosa Luxemburgo. É por necessitarmos aprender ... 45 views Wed, 19 Feb 2020, 16:21:58
 Capitalismo, socialismo e super-produção
Capitalismo, socialismo e super-produção por Prabhat Patnaik [*] Estas notas destinam-se a esclarecer um ponto apresentado anteriormente ( Peoples' Democrac... 25 views Mon, 17 Feb 2020, 19:36:06
Um debate político: o universal, o particular e o individual
Um debate político: o universal, o particular e o individual “O debate que opõe os historiadores do cotidiano, do particular, do individual, aos que enfatizam o universal, o g... 36 views Thu, 13 Feb 2020, 14:29:47
 Camadas dentro da oligarquia corporativa-financeira
Camadas dentro da oligarquia corporativa-financeira por Prabhat Patnaik [*] O marxismo nos ensina que toda totalidade é composta por elementos diferentes e portanto ent... 53 views Tue, 04 Feb 2020, 01:59:30
Losurdo: Marxismo e comunismo nos 200 anos do nascimento de Marx
Losurdo: Marxismo e comunismo nos 200 anos do nascimento de Marx por Domenico Losurdo | publicado na Revista Novos Rumos - Tradução de Frederico Losurdo¹, resumo, notas, colchetes ... 63 views Sat, 01 Feb 2020, 11:57:28
Género só há um. O humano e mais nenhum!
Género só há um. O humano e mais nenhum! Depois do artigo de António Santos num jornal online sobre a chamada política identitária e sobre a utilização de marc... 86 views Fri, 17 Jan 2020, 00:31:29

Teoria

  • Criado em .
  • Visualizações: 271

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Últimos posts

Itens com Pin
Atividades Recentes
  • Vasco Graça updated his profile
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
Aqui ainda não existem atividades
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate