O autismo do marxismo europeu

O autismo do marxismo europeu

A propósito do Congresso "Actuel Marx" em Paris

por Luciano Vasapollo (entrevista) [*]
Luciano Vasapollo. O Congresso "Marx Internacional IV", organizado pela Actuel Marx , decorreu entre 29 de Setembro e 2 de Outubro último. Nas páginas desta prestigiosa revista apresentou-se nestes últimos anos o debate e as contribuições marxistas europeias. O facto meritório de não haver dado o braço a torcer durante a caça às bruxas desencadeada nos anos noventa não impediu que a reflexão marxista europeia tornasse a cair naquele defeito perfeitamente identificado, já há mais de 30 anos, por Perry Anderson em "O debate no marxismo ocidental". Anderson criticava os marxistas europeus por haverem abandonado a sua relação com o conflito de classes e os movimentos reais e haverem-se refugiado nos aspectos superestruturais e académicos. A definição de Katedhersocialisten não é um anátema e sim algo mais que uma crítica.

Nesta entrevista, Luciano Vasapollo, estudioso marxistas italiano, autor de numerosos trabalhos traduzidos em várias línguas, tem contribuído para reabrir nestes últimos anos um debate sobre questões decisivas como a teoria marxista do valor, o imperialismo ou a centralidade do conflito entre capital e trabalho. Vasapollo participou no congresso de Paris com a apresentação de comunicações em várias secções e numa das sessões plenárias finais. Em mais de uma ocasião enfrentou as demais escolas do marxismo ocidental. Nesta entrevista explica como foram as discussões.


Qual era o programa de debates do Congresso marxista de Paris? Houve uma confrontação entre as diversas tendências?
LV: O tema do encontro era "Guerra imperial, guerra social" e houve doze sessões científicas, dentre as quais economia, direito, ecologia, género, história, filosofia e socialismo. O enfrentamento deve lugar em grupos fechados entre as diversas tendências e provocou um debate mais de carácter académico.

Mas quais são, em traços largos, as tendências marxistas actuais?
LV: Poderemos definir uma primeira como académica, no sentido estrito da palavra: não se coloca o problema da dialéctica com os movimentos reais e sim o de uma hipotética 'originalidade cultural'.
Depois há outras duas tendências que se exprimem numa linguagem mais radical, refiro-me aos que compartilham as reflexões de Toni Negri e aos estudiosos mais próximos à IV Internacional. Utilizam uma linguagem radical mas, em muitos aspectos, coincidem com a primeira quanto à distância a que se encontram dos movimentos sociais reais.
Finalmente, existe uma quarta, na qual me incluo, que poderemos definir como de 'estudiosos militantes' que têm uma relação mais estreita com os movimentos sociais, sindicais, etc e que se consolidou sobretudo na América Latina.

Após os anos do silêncio e da resistência cultura -- os anos noventa -- em que situação se encontra, na sua opinião, o debate e a reflexão marxista na Europa?
LV: Com a experiência de vários encontros internacionais devo admitir que a nossa posição, que após aqueles anos encontrava-se marginalizada a nível político e cultural, actualmente está a encontrar maiores oportunidades para o debate. Nestes anos reabriu-se um debate amplo e também duro sobre a actualidade da teoria do valor de Marx. A princípio o debate surgiu no âmbito marxista em que se desenvolveram trabalhos que poderemos chamar de 'sraffianos'. Eles afirmavam desejar manter uma visão marxista mas, de facto, haviam-no esvaziado de conteúdo mediante argumentos de escassa relevância no plano científico. Em alguns casos estas posições chegaram ao keynesianismo, ainda que com uma linguagem mais radical. Os próprios keynesianos estão divididos entre keynesianos 'de esquerda' e 'neokeynesianos', como posições diversas. Também há outros que se aproximaram do que chamamos pós-marxismo e que são claros partidários do abandono do marxismo, exceptuando alguns textos anteriores a O Capital, como o Grundrisse.
Há dois anos organizámos um congresso internacional da Universidade de Roma onde, em colaboração com Carchedi, Freeman, Kliman e Giusani, apresentámos uma reflexão colectiva que reafirmava a validade da colocação científica marxiana sobre o valor, enfatizando que a transformação dos valores em preços era um falso problema. Durante três dias debatemos intensa e duramente entre as diversas tendências, incluídas algumas diferentes da nossa (Mogiovi, Foley, Screpanti e outros). Mas o verdadeiro centro da divergência, na minha opinião, continua a ser a dialéctica entre a reflexão teórica e o movimento real.

Houve ausências significativas neste congresso marxista de Paris?
LV: Por paradoxal que possa parecer, houve uma menor presença das áreas que estão mais implicadas no conflito de classe e nos agitados processos de mudança como na América Latina, Ásia, Europa do Leste ou, por exemplo, na Alemanha. Escassíssimos os estudiosos gregos. Há, claramente, um risco de eurocentrismo.

Como explica que o nexo entre teoria e prática, entre a reflexão marxista e a realidade do conflito de classes, se tenha 'amortecido' assim na Europa?
LV: Há que levar em conta que os grandes partidos comunistas desapareceram na Espanha, Itália e França. Neste, o PCF está a voltar-se antes para a socialdemocracia apesar de haver resistências internas. Na Espanha, a experiência da Izquierda Unida está em crise e na Itália temos dois partidos comunistas empatados com um quarto do peso político e eleitoral do velho PCI. Mas na Itália, a inflexão de Bertinotti, que alguns definem como uma nova Bolognina, podemos dizer que foi provocada e que se inscreve precisamente neste enfraquecimento do carácter revolucionários da reflexão marxista na Europa. Não só é o problema do eclectismo como também, por exemplo, da renúncia a questionar os direitos de propriedade ou a eliminação da categoria imperialismo. Estão aplainando o caminho para o keynesianismo, inclusive o radical, como quadro teórico da acção política dos partidos que ainda se chamam comunistas.

Perry Anderson afirmava, já há muitos anos, que o marxismo ocidental havia perdido, de certo modo, a sua carga revolucionária ao passo que no Terceiro Mundo esta aumentava. O que há de certo nesta afirmação?
LV: A tese de Perry Anderson mantem a sua actualidade trinta anos depois. O problema não é o Terceiro Mundo e sim a relação entre objectividade e subjectividade que se manifesta concretamente nas situações em que o conflito de classes é mais agudo. Tão pouco é um problema de linguagem.
Também se recorre à linguagem e a categorias radicais entre os marxistas europeus mas, frequentemente, põem no mesmo plano terrorismo e resistência. Isso é a demonização da violência independentemente dos contextos no quais surge o conflito, aceitam os anátemas e as chaves de leitura imperialistas sobre os 'Estados canalhas'. Tentam constantemente condenar o século XX à fogueira, mas recorre-se sempre às categorias do século XX para definir a realidade ou criticar as diversas posições. Na Europa deu-se o comunismo como fenómeno do século XX e, no melhor dos casos, permanece como horizonte longínquo da Humanidade. É uma posição determinista que espera a queda do capitalismo devido às suas contradições implícitas, omitindo o dado decisivo da subjectividade que se move nessa direcção. Por isso, à espera de que isto aconteça, retiram-se por trás de um programa substancialmente reformista apesar da linguagem algo mais radical. Em outras palavras do mundo a luta pela transformação social coloca-se como alternativa de sobrevivência para uma parte significativa da Humanidade, na América Latina por exemplo.

Consta que tu e outros estudiosos marxistas presentes no congresso tiveram de brigar muito para debater e fazer debater questões como o exemplo de Cuba e dos movimentos na América Latina. Como foi isso?
LV: É uma consequência directa do que dissemos antes. Quando se torna necessário transferir os problemas da dimensão teórica para a prática, muitos marxistas europeus ficam histéricos. Isto se explica porque não compreendem a importância da Venezuela de Chavez, da resistência de Cuba ao projecto hegemónico estadunidense na América Latina, contrapondo a experiência de Lula às outras experiências importantes naquela área do mundo, ou acusando os movimentos sociais latino-americanos de não compreenderem o processo democrático. Os dois debates que organizámos sobre Cuba e a América Latina tiveram como protagonistas alguns estudiosos 'militantes', como Remy Herrera ou Al Campbell, mas sobretudo latino-americanos como Paulo Nakatami, Leda Paulani, Flavio Bezerra de Farias, Isabel Monal, Elena Alvarez e outros, os quais tiveram uma função decisiva de orientação da discussão sobre os problemas conexos ao conflito de classes e à resistência global.

Na sessão plenária, em que participaste junto com George Labica, Samir Amin e Isabel Monal, tu e Samir Amin discutiram acerca do papel da Europa. Quais foram os pontos de divergência?
LV: Para começar quero dizer que na minha opinião Samir Amin é um estudioso marxista honesto e que o tenho em grande estima. A discussão foi sobre as diferentes análises que fazemos sobre o imperialismo europeu e o estadunidense. Numerosos estudiosos e camaradas consideram a Europa como uma espécie de aliado táctico frente ao inimigo principal representado pelos Estados Unidos. Esta posição tem uma legitimidade própria mas leva a subestimar o processo de constituição do polo imperialista europeu. Muitos pensam que a Europa do século XXI é a mesma do século passado, quando existia o enfrentamento EUA-URSS. Creio poder afirmar que não é assim e que esse processo que esteve sujeito aos Estados Unidos durante mais de meio século já não está e não o estará nem no plano político nem no militar, dois aspectos em que o polo imperialista europeu foram débil. É um debate autêntico que exige um aprofundamento rigoroso. Nossa Rede contribuiu com diversos trabalhos como 'A doce máscara da Europa', 'O plano inclinado do capital', ou 'Eurobang'. É material para alimentar esta discussão, e é de agradecer que estudiosos como Samir Amin, que não compartilham necessariamente os nossos pontos de vista, se debrucem a debater acerca disto.

A tese da competição global que propuseste, tu e outros marxistas, reformula, actualizando-a, uma análise do imperialismo e da competição inter-imperialista que foi distorcida ou negada no debate marxista contemporâneo. Em que se diferencia a vossa tese de, por exemplo a do 'Império' ou a da globalização neoliberal.
LV: Dedicámos um livro para a resposta a essas questões, com James Petras, Mauro Casadio e eu próprio, e está a ser lançado outro intitulado "Competição global", no qual há uma colaboração de Henry Veltmeyer.
O 'Império' supõe, entre outras coisas, que no mundo contemporâneo o conflito surge entre um capital colectivo e as multidões, que os estados nação perderam sua função estratégia e que a Europa é o 'topo' (lugar) democrático para a transformação social. Nós, pelo contrário, pensamos que a centralidade do conflito situa-se hoje, mais do que nunca, entre o capital e o trabalho, e que sectores sociais bem definidos desejam recompor seus interesses dentro de um projecto de mudança radical das relações sociais e das de propriedade. A tese da competição global afirma que o Estado-nação não foi superado e sim subsumido no interior dos pólos imperialistas supranacionais que exercem suas funções e, sobretudo, que já não nos encontramos perante a presença de um capital colectivo, como pode ter sido na época da globalização e sim de pólos imperialistas que competem entre si. Para combater os mecanismos regressivos desta renovada competição inter-imperialista são decisivos os movimentos de resistência popular. À competição mundial capitalista é necessário opor hoje uma resistência global que se desenvolveu sobretudo na América Latina e na Ásia, resistência que pode influir na prática concreta, não tanto sobre o terceiromundismo romântico como sobre a luta política daqui, na Europa. Devemos salvaguardar a independência destes movimentos de resistência sabendo congregar suas peculiaridades e os elementos de recomposição mais avançados no terreno anti-imperialismo e da superação do capitalismo.

[*] Professor na Universidade La Sapienza, Roma.

O original encontra-se em
http://www.nodo50.org/cgi-bin/mailman/listinfo/diariodeurgencia

Esta entrevista encontra-se em http://resistir.info/ .

29/Nov/04
Tags:

Artigos relacionados

 O capital em coma induzido
O capital em coma induzido por José Martins [*] Daqui para a frente os capitalistas de todo o mundo sentirão mais intensamente o gosto amargo d... 80 views Wed, 06 May 2020, 15:00:21
Michael Roberts sobre Marx vs. Keynes e porque é que  Marx estava mais...
Michael Roberts sobre Marx vs. Keynes e porque é que Marx estava mais...    SCIENTIFICALLY ERRONEOUS AND WITHOUT APPLICATION TO THE MODERN WORLD, por Michael Roberts Marx2... 92 views Thu, 07 May 2020, 16:56:09
 Ao camarada Lenine, no seu 150º aniversário
Ao camarada Lenine, no seu 150º aniversário por Vijay Prashad [*]  Vladimir Ilyich Ulyanov (1870-1924) era conhecido por seu pseudônimo – Lenin. Ele era, as... 123 views Fri, 24 Apr 2020, 11:14:28
Lenine
Lenine Todos concordarão em que seria insensata e até criminosa a conduta de um exército que não esteja preparado para domi... 131 views Wed, 22 Apr 2020, 23:25:30
Leitura #7 - Outubro
Leitura #7 - Outubro Hoje, todos os trabalhadores conscientes do mundo celebram o nascimento de Lénine há exactamente 150 anos. E nele, c... 27 views Wed, 22 Apr 2020, 23:00:53
LÉNINE E AS ARTES (assinalando os 150 anos do nascimento de Lénine)
LÉNINE E AS ARTES (assinalando os 150 anos do nascimento de Lénine)   O trabalho político e revolucionário não lhe darão tempo para se ocupar das questões artísticas como poderia pre... 79 views Wed, 22 Apr 2020, 22:58:23

Teoria

  • Criado em .
  • Visualizações: 333

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Filtrar por categoria
04, junho 2020

Trabalhadores da Portway pagam os custos do prolongamento do lay-off

em Portugal

por in AbrilAbril

O grupo multinacional VINCI, que, ao longo dos últimos anos, arrecadou mais de 800 milhões em lucros, quer prolongar o regime por mais um mês, recebendo apoios públicos e mantendo os cortes salariais. A Portway…
04, junho 2020

Os antirracistas tentam tomar o céu de assalto

em Mundo

por Jornal Tornado in 'O TORNADO'

O assassinato de George Floyd, um cidadão negro, desarmado e indefeso, por um policial branco, há 11 dias (em 25 de maio), em Minneapolis (Minnesota, EUA), foi o estopim do levante que incendeia as cidades…
04, junho 2020

Brasil | A hora é agora!

em Mundo

por Tereza Cruvinel, em Brasília in 'O TORNADO'

Junho colocou-nos diante da encruzilhada entre ditadura ou democracia de forma inequívoca, mas agora um vento novo sopra, embora não seja ainda uma ventania. A hora de derrotar o projeto golpista e neofascista está soando.…
04, junho 2020

Chuva civil molha militar

em Portugal

por in AbrilAbril

Os militares que requeiram a aplicação da licença para «assistência inadiável a filho ou outro dependente a cargo menor de 12 anos» vão ser penalizados nos respectivos vencimentos. Militares da Marinha Portuguesa perfilados no desfile…
04, junho 2020

Algumas razões para ser um otimista irritante, mesmo que com algumas reservas!

em Portugal

por jorge rocha in 'Ventos Semeados'

1. Quase por certo João Pinto, antigo capitão do F.C. Porto não sabia o que afirmara Winston Churchill décadas antes, quando lhe reproduziu a mesma ideia de forma muito simplificada, mas prefiro a versão original,…
04, junho 2020

Petição ao Governo de Portugal

em Portugal

por Ladrões de Bicicletas (Jorge Bateira)

  Segurança social para todos   Petição ao Governo de Portugal     Em muito pouco tempo, a pandemia da covid-19, combinada com o colapso económico que produziu, tornou evidente que as nossas vidas dependem…
04, junho 2020

A educação e a realidade social do concelho de Cascais

em Cascais

por Portal CASCAIS

Comentário: Há quem se especialize em ver a realidade de pernas para o ar. Neste artigo, um assumido 'liberal', militante de um partido com algumas raízes iniludivelmente alimentadas pelo fascismo, sinaliza meia dúzia de verdades…
04, junho 2020

Aos que nos querem esquecidos

em Portugal

por Administração web

  Anda por aí um neo-fascismo engravatado que tenta branquear a dôr, a miséria e a repressão sofrida pelo povo português durante décadas. Como se não tivesse existido a pobreza, a repressão e a guerra…
03, junho 2020

Mulher detida por agressões à mãe recolheu à cadeia de Tires

em Cascais

por CASCAIS24

SEGURANÇA Por Redação 03 junho 2020 Uma mulher, 47 anos, detida pela PSP, em Carcavelos, por intimidações e agressões à própria mãe, viu confirmada a prisão preventiva, tendo recolhido ao Estabelecimento Prisional de Tires. A…
03, junho 2020

Portugal entre incumpridores de recomendações anti-corrupção

em Portugal

por Página Global

    Portugal integrava, no final de 2019, uma lista de 15 países com baixo nível de cumprimento das recomendações anti-corrupção dirigidas a deputados, juízes e procuradores, indica hoje o relatório GRECO, organismo do Conselho…
03, junho 2020

Rio de Janeiro tem mais de 50 mil infetados, mas já iniciou reabertura confusa e gradual

em Mundo

por ZAP in ZAP

  O Rio de Janeiro, uma das cidades mais afetadas pelo novo coronavírus no Brasil, iniciou hoje uma reabertura gradual e confusa de sua economia, com decretos a permitir algumas atividades e decisões judiciais limitando…
03, junho 2020

Mais 11 mortes e 366 novos casos. Há mais de 20 mil recuperados em Portugal

em Portugal

por ZAP in ZAP

  Nas últimas 24 horas, morreram 11 pessoas com covid-19 em Portugal e registaram-se 366 novos casos.   De acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde, divulgado esta quarta-feira, morreram 11 pessoas nas…
03, junho 2020

Xi Jinping defende construção de forte sistema de saúde pública na China

em Mundo

por Brasil24/7

    247 - Durante a realização nesta terça-feira (2), em Pequim, de um simpósio com especialistas e estudiosos, o presidente da China Xi Jinping, também secretário-geral do Comitê Central do Partido Comunista da China…
03, junho 2020

EUA têm uma «obsessão criminosa» com a Venezuela, afirma Arreaza

em Mundo

por in AbrilAbril

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Venezuela denunciou os ataques constantes dos EUA ao seu país, depois de, esta terça-feira, Pompeo ter anunciado sanções a novas empresas, para apertar o cerco. Em Maio de 2019,…
03, junho 2020

A encruzilhada da Universidade no pós-Covid. Por Isabelle Marc e Juan Varela Portas

em Mundo

por franciscogtavares in 'A Viagem dos Argonautas'

  Seleção e tradução de Francisco Tavares A encruzilhada da Universidade no pós-Covid Se, enquanto país, decidirmos combater as crises sanitárias, a dependência energética, as desigualdades e a catástrofe ambiental na perspetiva da reflexão científica…
03, junho 2020

Socialista Isabel Moreira acusa Governo de ignorar Parlamento e violar Constituição

em Portugal

por ZAP in ZAP

(Comentário: Quando um parelho partidário lida mal com a democracia acontecem estas 'fugas de informação' para queimar que ousa ter dúvidas ou criticar os chefes.Curioso (preocupante?) é ver dirigentes do PS a contrariarem uma sua…
03, junho 2020

IRC a 17%, quatro Autoeuropas e aposta no turismo nacional. O plano de retoma económica do PSD

em Portugal

por ZAP in ZAP

(Comentário: Menos impostos para o patronato, fundos públicos para apoio aos negócios privados, vender ao estrangeiro e ter uns amigos a zelar pela aplicação da austeridade. Sempre mais do mesmo...)   O PSD apresentou esta…
03, junho 2020

As últimas palavras do último discurso de Martin Luther King

em Mundo

por Abril de Novo Magazine

Discurso de Memphis, 3 de Março de 1968 As últimas palavras do último discurso de Martin Luther King: (…)Well, I don’t know what will happen now. We’ve got some difficult days ahead. But it doesn’t…
03, junho 2020

Protesto contra morte de negro na França acaba em confrontos e 18 presos

em Mundo

por Brasil24/7

    247 - Milhares de pessoas se manifestaram nesta terça-feira em Paris pelo assassinato há quatro anos de um jovem negro. A direita condenou a manifestação, proibida na véspera pela polícia. "Inadmissível", declarou o…
03, junho 2020

Bolsonaro, o “projeto secreto da cúpula militar”

em Mundo

por Brasil24/7

  “Líder!, Líder!, Líder! …”. Com esta exaltação ao estilo “Führer!, Führer!, Führer! …” da Alemanha dos anos 1930, os aspirantes-a-oficial da Academia Militar das Agulhas Negras recepcionaram o então deputado Jair Bolsonaro, recém reeleito…
03, junho 2020

Grupo de precários da Casa da Música dispensado de serviço via e-mail “meia hora depois” de uma vigília de protesto

em Portugal

por ZAP in ZAP

  Cerca de 13 trabalhadores “precários” da Casa da Música, no Porto, foram dispensados dos concertos que tinham alocados para o mês de junho.   Em declarações à Lusa, Hugo Veludo, um dos 13 assistentes…
03, junho 2020

Celebrações do 10 de junho só terão oito pessoas. “É como achei que devia ser o 25 de abril e o 1º de maio”

em Portugal

por ZAP in ZAP

(Comentário: O populismo é assim. Manipulando o medo em torno da Covid-19 alguns setores 'incomodados com a democracia' utilizaram as comemorações do 25 de abril e do 1º de maio para, com falsos pretextos, combaterem…
03, junho 2020

Forças policiais já prenderam quase 10 mil pessoas em protestos nos EUA

em Mundo

por Brasil24/7

      247 - Nos Estados Unidos as forças policiais estão prendendo em massa manifestantes que saem às ruas em protesto contra o assassinado do cidadão negro George Floyd por um policial branco na…
03, junho 2020

Mais de 100 escritores africanos solidários com protestos anti-racistas

em Mundo

por in AbrilAbril

Ondjaki, Grada Kilomba e Pepetela contam-se entre os muitos escritores que condenaram «actos de violência contra pessoas negras» nos EUA, apoiando os protestos naquele país «e em todo o mundo». Um homem passa por um…

Últimos posts (Cascais)

Itens com Pin
    Atividades Recentes
    • Artigo publicado neste site (secção Cascais) A educação e a realidade social do concelho de Cascais Comentário: Há quem se especialize em ver a...
      Artigo publicado neste site (secção Cascais) A educação e a realidade social do concelho de Cascais Comentário: Há quem se especialize em ver a realidade de pernas para o ar. Neste artigo, um assumido 'liberal', militante de um partido com algumas raízes iniludivelmente alimentadas pelo fasc...  http://tinyurl.com/y9zl8npo
      Mais
      0
      0
      0
      0
      0
      0
      Publicação sobre moderação
      Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
    Aqui ainda não existem atividades

    Últimos posts (País e Mundo)

    Itens com Pin
      Atividades Recentes
      • Plataforma Cascais juntou-se ao grupo Conversando sobre o País e o Mundo
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      Aqui ainda não existem atividades
      LOGO4 vert01
      A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
      Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
      exceto quando expressamente assinadas por esta.
       

      SSL Certificate
      SSL Certificate