• Entrada
  • Artigos
  • Mundo
  • Para que sindicato? Por que comunicação?
  • Jornal Tornado in 'O TORNADO'
  • Mundo

Para que sindicato? Por que comunicação?

O título deste breve artigo também poderia ser: “Até quando o movimento sindical vai seguir subestimando a importância da comunicação?” Ou, “Até quando o movimento sindical continuará apostando em estratégias de comunicação superadas há mais de 20 ou 30 anos?”

Há muito tempo, temos tentado chamar a atenção sobre o anacronismo que caracteriza a comunicação praticada pelas entidades sindicais. São, em geral, modelos totalmente superados, que pouco ou quase nada conseguem frente à complexa disputa simbólica que há na sociedade e, sobretudo, nas relações entre capital e trabalho.

O movimento sindical brasileiro, com raríssimas e honrosas exceções (sim! existem excelentes trabalhos de comunicação no movimento sindical, mas são pouquíssimos!), não compreende a dimensão estratégica da comunicação nas disputas sociais. Na maioria dos sindicatos, a comunicação é tratada de forma secundária e meramente instrumental – é velha, na sua gestão e execução.

Tampouco se percebe vontade política nas entidades para contribuir, de forma decisiva, na construção ou no fomento de canais alternativos de comunicação para a sociedade; ou de participação ativa na luta e nos movimentos pela democratização do sistema de comunicação altamente excludente e antidemocrático existente no país.

Os dirigentes sindicais precisam saber que não sabem

Os dirigentes sindicais ainda acreditam que a transmissão do DISCURSO DURO e a “sua verdade” são suficientes para conquistar “os corações e as mentes” da classe trabalhadora, menosprezam, assim, a FORMA e os CANAIS adequados à mensagem.

Muitos dirigentes sindicais (nem todos, mas quase todos) não valorizam a inteligência, nem os profissionais da área, e desconhecem completamente as habilidades complementares que formam o “modus-operandi” da comunicação e suas especificidades (jornalismo, publicidade e propaganda, relações públicas). Não raro, acreditam saber mais que aqueles que se formaram para trabalhar na área. Além disso, negligenciam aspectos centrais que caracterizariam uma política de comunicação avançada, moderna e capaz de superar o atraso existente no meio sindical.

Cito aqui alguns destes aspectos, absolutamente decisivos para uma política de comunicação que queira realmente fazer a diferença em uma entidade sindical, mas que raríssimas possuem:

  1. o uso de PESQUISAS de opinião qualitativas e quantitativas para conhecer melhor e com mais profundidade os trabalhadores e as trabalhadoras, seus anseios, dificuldades, necessidades e opiniões;
  2. a necessidade da gestão de IMAGEM da entidade sindical, ou seja, saber como ela é percebida pela base e pela sociedade em geral, e o que fazer para que esta imagem seja alterada positivamente;
  3. a importância fundamental da unidade entre FORMA e CONTEÚDO em um sistema de comunicação, tendo em vista a complexidade que há na relação entre estes dois elementos, e a questão estética e simbólica na comunicação;
  4. a necessidade de um SISTEMA de comunicação sindical, em cada entidade, com a definição precisa dos canais de comunicação para se atingir e dialogar de forma efetiva com a base e a sociedade (o que é crucial para a já citada gestão da imagem);
  5. as relações com a chamada “grande mídia”: como utilizar e disputar estes espaços (isto também é, em geral, fazer política);
  6. participar ativamente de uma agenda efetiva pela construção de mídias alternativas e integradas com as lutas sociais dos trabalhadores e da sociedade: portais de informação, blogs, TVs e rádios comunitárias, jornais locais, grupos de discussão, iniciativas culturais, coletivos, etc;
  7. e, JUNTO DISSO TUDO, o novo desafio que é constituir inteligência e ter políticas de comunicação para as REDES SOCIAIS, o que exige ainda mais compreensão sobre o seu funcionamento, domínio de dados, tecnologias e AINDA MAIS INVESTIMENTO por parte das entidades.

A letargia, quando vai acabar?

O movimento sindical, ainda hoje – após um ano da implementação da reforma trabalhista – está mais para “um trem desgovernado” do que para aquilo que a nova realidade impõe: a reinvenção da ação sindical, o que passa, necessariamente, por uma nova relação simbólica com as bases e a sociedade.

O problema também está ai: a comunicação faz parte daquelas ações estratégicas que dependem de clareza sobre posicionamento e rumo, perspectivas de médio e longo prazos. Se as entidades sindicais têm tido dificuldades para engendrar as mudanças que necessitam agora e para o futuro (sim, qual é o futuro?), isto tende a ser uma dificuldade adicional para a comunicação. Se você não sabe direito para onde vai, como vai saber o que e como comunicar? E o que fazer com sua imagem?

Quando o movimento sindical necessitou mais de comunicação?

Nos setores de comunicação dos sindicatos, pouco tem se percebido de iniciativas novas ou reação por parte das entidades. Não há nenhuma reinvenção à vista, embora fosse necessária em função da nova realidade que se impôs com a reforma trabalhista! O termo “disrupção” e seu conceito tão em voga hoje em dia nos mais diversos setores da sociedade tem passado longe. O que os profissionais da área estão vivendo é uma brutal diminuição nas já precárias estruturas de comunicação e nos investimentos. Muitos jornalistas e comunicadores estão sendo demitidos ou (com sorte) precarizados.

Porém, aqui reside uma evidente contradição: Quando o movimento sindical necessitou mais de comunicação do que neste momento?

Não dá para desconhecer que, segundo pesquisa divulgada pelo Ibope Inteligência, com foco no Índice de Confiança Social (ICS) das instituições brasileiras, divulgada em agosto de 2018, o nível de confiança nos sindicatos estava no menor patamar dos últimos 10 anos. Em uma escala de 0 a 100, era de apenas 35 pontos.

Outro dado importante é o que trouxe pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que apontou que, em 2015, apenas 19,5% dos trabalhadores brasileiros eram sindicalizados. O estudo mostrou que o principal motivo para a não associação era desconhecer qual sindicato representava a categoria! Somente aqui reside um brutal problema de comunicação, em escala gigante!

Dentre os trabalhadores não sindicalizados, 26,4% afirmaram que não sabiam qual era a sua entidade representativa. Outros 23,6% disseram que não se sindicalizavam porque o sindicato não oferecia serviços que lhes interessavam. Já entre aqueles que se filiaram a algum sindicato, 50,8% disseram que se associaram por acreditar que a entidade defendia os direitos dos trabalhadores e 79,1% não usavam os serviços oferecidos pelos sindicatos.

Os dois exemplos servem para reforçar a necessidade de uma política de comunicação ESTRATÉGICA, que seja capaz de enfrentar o problema do necessário reposicionamento de imagem das entidades sindicais, bem como mostrar para que serve o sindicato, o que faz pelos trabalhadores e trabalhadoras, por suas famílias.

Isto se torna ainda mais urgente agora, num momento em que as narrativas do mercado e do governo (o atual, e o que vai assumir) caminham no sentido de “vender” como positiva a ideia ultraliberal de que o trabalhador não necessita de Estado, nem de sindicato. E que as relações de trabalho podem ser resolvidas em negociação direta e individual com o patrão.

Por isso, é muito importante (muito mesmo!) o reposicionamento de imagem e da ação sindical das entidades. Os sindicatos necessitam estar fortalecidos e ter perspectivas diante das novas dificuldades e dos novos desafios. Isto passa, sobretudo, por encontrarem um novo equilíbrio para sua manutenção. Fala-se que um patamar ideal de sustentabilidade para as entidades inicia com cerca de 60% da categoria associada. E a experiência mostra que quando há confiança no sindicato, a filiação é um processo natural. Olha ai de novo a necessidade da gestão da imagem!

Ou seja, para garantir a sua sobrevivência, os sindicatos necessitam de reposicionamento estrutural e de imagem. Isto implica na urgente ampliação no número de sócios com campanhas bem estruturadas e bem resolvidas quanto às suas estratégias de comunicação.

O sucesso de uma campanha de sindicalização depende de vários fatores, mas os principais são: se o apelo e a narrativa da campanha estão bem construídos (bem sintonizados quanto às expectativas da base e em relação à conjuntura); e se a imagem da entidade e de seus dirigentes, direção executiva e de base, são boas. Para que sindicato? O que o trabalhador ganha ao ser sócio? São questões aparentemente simples, mas difíceis de serem respondidas na atualidade.

A nova cultura da comunicação e os sindicatos

Um grande desafio é atualizar os sistemas de comunicação das entidades, com investimento “pesado” na utilização das redes sociais e suas novas ferramentas, além de promover a sintonia da luta sindical com a nova cultura da comunicação.

A recente eleição presidencial mostrou o quanto as redes sociais cresceram e o grau decisivo que possuem na vida das pessoas. Mais do que processos de comunicação, elas permitem processos de organização.

O Facebook atingiu a marca de 127 milhões de usuários ativos no Brasil, segundo dados do primeiro trimestre de 2018. Destes, 90% usam a rede a partir de dispositivos móveis, principalmente smartphones.

Já o WhatsApp está com mais de 120 milhões de usuários ativos no país. O Instagram, que tem crescido muito no Brasil, já supera os 50 milhões de usuários, e o Twitter conta com cerca de 41 milhões de usuários.

Em que pese, nos últimos tempos, o Facebook e a Cambridge Analytica estarem no centro da acusação das redes sociais serem inimigas da democracia. A Cambridge Analytica teria usado informações pessoais de milhões de usuários do Facebook para configurar campanhas de propaganda política, manipulando as emoções dos eleitores, em casos como o das presidenciais de 2016 nos EUA, ganhas por Donald Trump. Ou no caso mais recente das eleições no Brasil, com a utilização massiva das redes sociais, especialmente do WhatsApp, na difusão de notícias falsas que beneficiaram a eleição de Bolsonaro, cabe destacar a urgente necessidade de o movimento sindical brasileiro dominar as novas tecnologias e utilizar as novas plataformas de maneira efetiva na relação com os trabalhadores e a sociedade. E isto necessita de investimento!

O que fazer?

Mais do que nunca, o principal desafio da luta social no momento que vivemos é buscar um “mergulho na base”. Recuperar representatividade, diálogo e força junto aos trabalhadores e à sociedade. Isto é possível, mas não se pode mais perder tempo. É preciso fazer a mudança!

No caso do movimento sindical, dois desafios imediatos se inter-relacionam: a luta de resistência diante dos ataques aos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras, e a necessidade de construir um novo modelo de atuação, representativo e sustentável frente ao fim do imposto sindical e aos ataques que visam o enfraquecimento das entidades. Existe um ponto de equilíbrio sustentável que precisa ser encontrado, isto passa pela ampliação no número de sócios e a modernização da gestão das entidades.

Só que as velhas estruturas não servem mais e, provavelmente, não sobreviverão! É necessária uma rápida reinvenção, com entidades mais modernas, representativas e ampliadas horizontalmente, com capacidade de representar e organizar não só as bases diretas e constituídas – os empregados -, mas também o precariado, os desempregados.

É necessário construir novas formas de contato com os trabalhadores e a sociedade. O velho modelo dos anos 1980, das assembleias (e somente presenciais), está superado faz tempo. Elas ainda são muito importantes, mas hoje é possível constituir outras formas, tais como: ações sociais, programas de formação, oficinas culturais, programas de solidariedade mútua, estruturas de comunicação alternativas, grupos de mães, cinema comunitário, atividades de lazer, são algumas das novas possibilidades (nem tão novas assim!).

Estamos vivendo uma era de comunicação e subestimar isso pode ser fatal. Não basta ser, tem que parecer ser! A comunicação é, portanto, elemento decisivo e estratégico para a luta social dos trabalhadores – e não um mero instrumento.

É preciso recuperar o terreno perdido. Reconectar-se com os trabalhadores, firmar e ampliar os laços do sindicato com a base e a sociedade e fazer a disputa de narrativa com os setores conservadores. Fortalecer a necessidade da luta coletiva, da solidariedade, da união, de que é preciso estar juntos – ao lado do sindicato – para resistir e defender os direitos. O modelo que querem implantar no Brasil é, cada vez mais, o da relação individual do trabalhador com seu patrão, sem a mediação e a representação do sindicato.

Atualizar a comunicação sindical e colocá-la em um novo patamar, capaz de enfrentar os desafios atuais da disputa simbólica na sociedade requer decisão política, mudança de compreensão, planejamento e investimento. Valorizar profissionais e a inteligência da comunicação. É preciso se comunicar com a sociedade de uma forma nova, criativa, organizada e estratégica e, PLENA com as novas tecnologias.

Ou será que é possível o movimento sindical enfrentar seus enormes e novos desafios sem comunicação?

Por Clomar Porto, Jornalista e especialista em gestão estratégica da comunicação  |  Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV (Reuters) / Tornado

Ver original em 'O TORNADO' na seguinte ligação:

https://www.jornaltornado.pt/para-que-sindicato-por-que-comunicacao/

Artigos relacionados

A Grande Cavalgada
A Grande Cavalgada A imagem acima, retirada hoje do Telejornal onde é acompanhada por outras, em amplas salas, pejadas de causídicos, ... 69 views Tue, 23 Jun 2020, 01:27:01
EUA fiscalizam meios de comunicação social chineses
EUA fiscalizam meios de comunicação social chineses A administração Trump afirmou hoje que Washington vai considerar como “missões externas” quatro meios de comunicaç... 39 views Tue, 23 Jun 2020, 16:12:19
Desconvocação de greve nas mãos da entidade patronal
Desconvocação de greve nas mãos da entidade patronal Em reunião negocial, a administração do grupo hoteleiro JJW (Algarve) prometeu pagar salários em atraso. Trabalhadores... 46 views Mon, 08 Jun 2020, 17:07:13
Trabalhadores exigem viabilização da Cervejaria Galiza
Trabalhadores exigem viabilização da Cervejaria Galiza O tribunal decretou a insolvência da sociedade que detém a cervejaria, mas os trabalhadores querem que o estabelecimen... 47 views Mon, 08 Jun 2020, 16:40:50
O teletrabalho e os riscos psicossociais
O teletrabalho e os riscos psicossociais A partir do momento da prestação da actividade em regime de teletrabalho, a actividade laboral, acompanhada do poder d... 75 views Mon, 01 Jun 2020, 17:39:22
Onde está a liberdade de imprensa nos EUA?
Onde está a liberdade de imprensa nos EUA?     Em Minneapolis, uma equipe da CNN foi presa ao noticiar sobre os protestos populares. Uma prática au... 190 views Sat, 30 May 2020, 23:07:05

Trabalho, Comunicação

  • Criado em .
  • Visualizações: 30

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Filtrar por categoria
07, julho 2020

Jair Bolsonaro diz que está com sintomas de Covid-19

em Mundo

por Filipe Sousa

Filipe Sousa - 06/07/2020     A CNN Brasil noticiou que foi o próprio presidente brasileiro que confirmou a informação e que está a tomar hidroxicloroquina. Jair Bolsonaro cancelou a agenda presidencial para o resto…
07, julho 2020

Impedir a reprivatização da Efacec

em Portugal

por AbrilAbril

A indústria transformadora continua a ser o esteio das economias mais desenvolvidas, seja a nível europeu ou mundial, como atesta a realidade económica dos últimos 150 anos. Créditos / NTech News A constatação levou o…
07, julho 2020

Mensagem aos leitores de Hong Kong

em Mundo

por resistir.info

– Como vendemos a União Soviética e a Checoslováquia por sacos de plástico por Andre Vltchek Esta foi uma história que, durante meses, quis partilhar com os jovens leitores de Hong Kong. Parece-me ser agora…
07, julho 2020

MISTÉRIO. Mulher desaparecida há mais uma semana depois de receber herança

em Cascais

por CASCAIS24

Por Valdemar Pinheiro 06 julho 2020 Uma mulher, na casa dos 60 anos, alegadamente "bafejada" por uma herança familiar, está dada como desaparecida em Cascais desde há oito dias, em circunstâncias que as autoridades estão…
07, julho 2020

Vírus pode ter estado adormecido antes de surgir na China, diz investigador de Oxford

em Mundo

por ZAP in ZAP

Massimo Percossi / EPA   O novo coronavírus pode ter estado adormecido algures no mundo antes de ter surgido na China, defendeu o investigador da Universidade de Oxford, Tom Jefferson, apontando para várias descobertas de…
07, julho 2020

Na morte de Custódia Chibante

em Portugal

por Abril de Novo Magazine

Maria Custódia Chibante, resistente antifascista do Couço e ex-presa política, morreu quinta-feira, dia 2 de Julho. Natural do Couço, concelho de Coruche, era filha de uma camponesa e um pedreiro, não conseguindo cumprir o seu…
07, julho 2020

Sem política nacional de enfrentamento, Brasil chega a 65.487 óbitos pela Covid

em Mundo

por Brasil24/7

  Reuters - O Brasil registrou nesta segunda-feira mais 620 óbitos em decorrência da Covid-19, atingindo um total de 65.487 mortes relacionadas à doença respiratória provocada pelo novo coronavírus, informou o Ministério da Saúde. O…
07, julho 2020

EUA: instabilidade política e o retorno da Guerra Fria

em Mundo

por Leonardo Igor

  Desde o início de seu governo, Donald Trump tem sido caracterizado por uma série de elementos de instabilidade e ingovernabilidade: não apenas o impeachment, mas as mudanças permanentes em seu gabinete, sua disputa com…
07, julho 2020

Com quase 700 mil casos de Covid-19, Índia é o 3º país mais afetado do mundo

em Mundo

por Brasil24/7

  Reuters - A Índia ultrapassou a Rússia ao atingir o número de 700 mil casos do novo coronavírus, o terceiro maior do mundo, de acordo com os dados mais recentes, e o surto não…
07, julho 2020

Os doutores Salgado e Mexia: fantasmas de um flirt passado do ISEG

em Portugal

por Ladrões de Bicicletas (Diogo Martins)

 A última semana trouxe a debate a crescente ingerência do dinheiro das grandes empresas privadas na universidade pública. O tema veio a discussão na sequência de uma notícia na revista Sábado, que dava nota da…
07, julho 2020

Crescimento “preocupante” de casos de covid-19 no Luxemburgo (e a “culpa” pode ser de portugueses e cabo-verdianos)

em Mundo

por ZAP in ZAP

(CC0/PD) 12019 / Pixabay   O Luxemburgo está a assistir, nas últimas semanas, a um crescimento significativo no número de novas infecções por covid-19. A ministra da Saúde fala numa subida “preocupante”. Muitas destas novas…
07, julho 2020

Agência de rating espanhola baixa perspetiva de Portugal de “estável” para “negativa”

em Portugal

por Lusa in ZAP

(Comentário: E anda o Primeiro Ministro de Portugal a falar castelhano...Com 'amigos' destes! Ou será que há espanhóis a prepararem-se para comprar o que resta da indústria lusa a preço de saldos?) (dr) Museu do…
07, julho 2020

A política económica reacionária e perigosa de Emmanuel Macron. Por Romaric Godin

em Mundo

por franciscogtavares in 'A Viagem dos Argonautas'

Seleção e tradução de Francisco Tavares  Por Romaric Godin Publicado por  em 1 de julho de 2019 (ver aqui)   Com ou sem remodelação, o curso da política económica do final do quinquénio já está…
07, julho 2020

Aprender menos e ter melhores notas

em Portugal

por António Duarte

Os professores do ensino superior alertaram esta segunda-feira para o risco de os alunos que este ano fazem os exames nacionais terem melhores resultados, mas estarem pior preparados para frequentar as universidades e institutos politécnicos. No arranque…
07, julho 2020

PIRATARIA EM LONDRES COM O OURO DA VENEZUELA

em Mundo

por in 'O Lado Oculto'

2020-07-06 Gabriela Kuenhle*, America Latina en Movimiento/O Lado Oculto O direito nacional e internacional deixou de contar. O actual espectáculo legal montado no Tribunal de Comércio de Londres sobre as reservas de 30 toneladas de…
07, julho 2020

Governo autoriza pagamento aos bombeiros e liberta verba de quatro milhões

em Portugal

por ZAP in ZAP

Nuno André Ferreira / Lusa   O Governo anunciou, esta segunda-feira à tarde, que foi libertada a verba necessária para que a ANEPC possa cumprir as suas obrigações para com os bombeiros que integram o…
07, julho 2020

Portugal Temido | Contagem decrescente?

em Portugal

por Página Global

    Júlio Machado Vaz* | Jornal de Notícias | opinião Se o primeiro-ministro puxou as orelhas à ministra da Saúde, teria certamente razão". A candura menineira e risonha de Marta Temido enternece. Há nela…
07, julho 2020

Mais de 100 bispos em todo o mundo assinam manifesto contra os abusos das empresas na era Covid

em Mundo

por Rute Coelho

06/07/2020   No documento, os líderes católicos mundiais dizem que as empresas “irresponsáveis são cúmplices de atos de violência e sofrimento” e apelam a que os Estados “ponham termo a esta situação” O manifesto assinado…
07, julho 2020

Espanha dá passo atrás: Restringe 200 mil pessoas na Catalunha e 70 mil na Galiza

em Mundo

por ZAP in ZAP

(CC0/PD) OrnaW / Pixabay   O governo da Catalunha ordenou, este sábado, um novo confinamento de uma zona com 200.000 habitantes, nas proximidades de Mérida, no nordeste espanhol. Com a identificação de um novo surto…
07, julho 2020

Trump diz que 99% dos casos de covid-19 são “inofensivos”. FDA recusa-se a apoiar a afirmação

em Mundo

por ZAP in ZAP

O chefe da autoridade do medicamento norte-americana, FDA – Food and Drug Administration, Stephen Hahn, recusou-se a apoiar a alegação do Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, de que 99% dos casos de covid-19…
07, julho 2020

Em 2019, procurador dos EUA revelou relacionamento clandestino e ilícito com Lava Jato

em Mundo

por Brasil24/7

  Em entrevista ao jornal Estadão em 11 de maio de 2019, o procurador do Departamento de Justiça dos EUA Daniel Kahn, chefe da área de investigação de corrupção fora dos EUA, revelou a existência…
07, julho 2020

Mais seis mortos e 232 casos de covid-19 em Portugal

em Portugal

por Página Global

    Portugal regista, esta segunda-feira, mais seis mortos associados à covid-19 e 232 novos casos de infeção, 195 dos quais na região de Lisboa e Vale do Tejo. Há mais 149 doentes recuperados.  …

Últimos posts (Cascais)

Itens com Pin
    Atividades Recentes
    Aqui ainda não existem atividades

    Últimos posts (País e Mundo)

    Itens com Pin
      Atividades Recentes
      • LEGALIZAÇÃO DAS CASAS DE PROSTITUIÇÃO

        Um debate que provavelmente vai ganhar dimensão.
        Legalização da prostituição - petição apresentada na A.R
        Gravação da reunião na Assembleia da República
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      • Homicidal Cops Caught On Police Radio
        #TheJimmyDoreShow
        Homicidal Cops Caught On Police Radio
        42 219 visualizações
        •05/06/2020
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      Aqui ainda não existem atividades
      LOGO4 vert01
      A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
      Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
      exceto quando expressamente assinadas por esta.
       

      SSL Certificate
      SSL Certificate