• Entrada
  • Artigos
  • Mundo
  • Hegemonia e miséria do “management”
  • Marco Antonio Gonsales de Oliveira in 'Outras Palavras'
  • Mundo

Hegemonia e miséria do “management”

 Um pilar oculto do domínio neoliberal sustenta: Estado, escola, família e até a vida pessoal devem orientar-se pelas lógicas e éticas das corporações. É uma prisão, mas há rotas de fuga

Por Marco Antonio G. de Oliveira | Imagem: Davide Bonazzi

É comum ouvir que o problema do Brasil é de gestão. No entanto, se há uma área em que grande parte dos seus termos, conceitos e valores foram disseminados a ponto de se incorporarem ao senso comum da sociedade contemporânea, essa área é a da gestão, dos negócios, do business. Há menos de uma semana, em um simpósio de início de semestre organizado por uma universidade de renome da capital paulista, com cursos em diversas áreas como filosofia, direito, fisioterapia, psicologia, entre tantos outros, ouvi, do atual executivo-chefe (não mais reitor), que a educação do futuro é a educação empreendedora, do aluno empreendedor, polivalente, inovador, de atitude e sem medo de assumir responsabilidades. Em suma, ele recitou o conhecido conceito pregado pelos estudiosos e profissionais de gestão de pessoas como determinante para o sucesso dos alunos de todos os cursos da universidade: o famoso conceito CHA (competência, habilidade e atitude).

A Ford Motor Company, no começo do século XX, já exigia que os trabalhadores e trabalhadoras seguissem um estilo de vida condizente com os valores da empresa e aprovado por um departamento especializado que examinaria a vida privada deles, impondo-lhes valores como estabilidade familiar e emocional, repulsa ao álcool, apego à religião e ao patriotismo.

Condicionar o comportamento, ou como diriam os profissionais da área de Gestão de Pessoas, “direcionar o comportamento” conforme os interesses das empresas é uma prática muito bem conhecida e estudada. No entanto, a questão é que o estilo de vida protagonizado pelas empresas – o management – tornou-se muito mais do que “pop” [2], passou a ser hegemônico. Ultrapassou as paredes das empresas, como apontam há mais de duas décadas grandes autores e autoras como Ana Paula Paes de Paula, Maria José Tonelli, Miguel Pinto Caldas e Thomaz Wood Jr. O management é o espírito do “novo” capitalismo, a nova subjetividade capitalista, uma matriz de referência pessoal cujos principais eixos são: uma visão gerencial de qualquer atividade organizada, o culto da excelência, um ser autônomo, autocentrado, apolítico, que cultiva a competição e o sucesso pessoal, que valoriza o aprimoramento das técnicas de gerenciamento, que se relaciona com o objetivo de obter vantagens utilitárias, uma espécie de empreendedor de si mesmo ou burguês de si mesmo [1][2] .

Para explicar esse fenômeno, característico das sociedades de classes, o conceito de hegemonia trabalhado por Antonio Gramsci (1891-1937) é essencial. A hegemonia compõe a cultura e a ideologia como um processo social que constitui a visão de mundo de uma sociedade em uma determinada época. Trata-se de um sistema de representações, normas, valores e alinhamento político das classes dominantes que visa ocultar a sua particularidade, apresentando-se como natural e único. Como afirmou recentemente o autor português Boaventura de Souza Santos, “a ideia de que os pobres são pobres por culpa própria é hegemônica quando é concebida não apenas pelos ricos, mas também pelos pobres”. Os conceitos do management, fundamentados na lógica da (ir)racionalidade econômica, como os da meritocracia, do individualismo, da competição, entre outros, tornaram-se hegemônicos também para grande parte das classes subalternas. São trabalhadores e trabalhadoras imersos na hegemonia articulada pelos intelectuais orgânicos burgueses.

O management representa o modelo ideal de comportamento humano e social proposto pelo modelo econômico e social neoliberal. É nesse perfil de trabalhador em que o capitalista se apoia há pelo menos 50 anos, em busca de maiores excedentes de trabalho e, consequentemente, de capital. Para tanto, o modelo de gestão nipônico, a escola da Administração Estratégica e o seu conceito de competências essenciais, além da abordagem da Administração Empreendedora, promovidas pelas escolas de administração, pela mídia de negócios, pelas empresas de consultoria e pelos gurus da administração, intelectuais orgânicos da classe dominante, estimularam e profissionalizaram uma vasta rede de micro e pequenos negócios, preparando-os para servirem às grandes corporações. O mundo capitalista precisa legitimar as suas despóticas relações de produção e consequentes relações sociais, e, sendo assim, amplia a sua capacidade de subjetivar, de dar sentido e influenciar ainda mais as nossas experiências sociais e culturais. Dessa maneira, os valores do management, através dos intelectuais orgânicos, penetram e se naturalizam nos mundos da ciência, da política, da administração pública, da educação, da tecnologia, da arte, da religião, da literatura, da família, entre tantas outras esferas [2] .

Depois de anos de maciça propagação e preparação, hoje vivemos a hegemonia do management. O “manageralismo” tornou-se um dogma que as pessoas levam para todo lugar, definindo o tempo, a linguagem cotidiana e a vida social de tal modo que as pessoas já não vislumbram outras formas de organização social como a gestão democrática, participativa, coletiva, colaborativa e a autogestão. As pessoas entendem que todas as instituições sociais devem operar através da mesma lógica das empresas privadas: escola é empresa, creche é empresa, hospital é empresa, instituições públicas são empresas, família é empresa e pessoas se percebem como empresa. O senso comum equivocadamente entende que essa é a maneira mais precisa, mais transparente, pragmática, mensurável e eficiente de organização social. O management tornou-se hegemônico.

Observe as atitudes dos seus (nossos) maiores representantes: eleito em 2017 pelos franceses, Emmanuel Macron afirmou diversas vezes em seus discursos de campanha que a sociedade francesa precisava de uma revolução e que, para tanto, os franceses deveriam deixar o maniqueísmo direita/esquerda para pensar e fazer da França uma startup competitiva deste novo tempo: “A França precisa se mover e pensar como uma startup”, dizia Macron durante os seus comícios. Donald Trump ficou conhecido através da famosa expressão usada nos campos de batalha, comumente utilizada pelas empresas quando não concordam ou não se interessam mais pelo nosso trabalho: “you’re fired!” Não à toa, este senhor virou presidente da maior potência econômica e nuclear do mundo e, mesmo assim, continua se comportando exatamente de forma autoritária como fazia nas suas empresas com os seus subordinados.

Na mesma toada, lembre-se do ex-prefeito da capital paulista, o nosso Trump tropical, o empresário que gosta de se fantasiar de trabalhador e brincar de política: João Doria. Este senhor colocou em prática uma política higienista de pura barbaridade, sob o nome de “Cidade Limpa”, que tratou os dependentes químicos, os moradores e as moradoras de ruas como pragas a serem expurgadas da cidade, acordando-os com jatos de água em pleno inverno, recolhendo os seus cobertores e pertences madrugadas afora. É o mesmo que agora promete, como governador, que a sua polícia vai atirar para matar e que o estado pagará os melhores advogados para policiais que matarem em serviço. Em suma, ele está promovendo e legitimando as chacinas no Estado de São Paulo.

Se reclamamos da baixa intensidade das democracias nas instituições públicas, o que dizer da democracia nas empresas privadas? Ambientes pautados apenas pela lógica da racionalidade econômica, do funcionalismo, do utilitarismo, tomados pelo medo, pela instabilidade, pela mentira e dissimulação, pela competição sem limites, pelo individualismo acerbado, nos quais não há espaço para a pluralidade e a diversidade: manda quem pode e obedece quem tem juízo e contas para pagar. O período neoliberal puro, que vivemos, de autoritarismo estatal, com forte presença policial e militar sob o mote da segurança nacional, seja interna ou externa, de políticas antirrevolucionárias mesmo sem revolução, em diversos países do mundo, encontra no management – no modelo comportamental do gestor da empresa privada – o perfil ideal de liderança para impor e legitimar as suas ações autoritárias de características fascistas.

Referências
1- Antunes, Ricardo (2018) O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo, Boitempo.
2- Caldas, Miguel Pinto; Tonelli, Maria José (2000) O homem camaleão e os modismos gerenciais: uma discussão sociopsicanalítica do comportamento modal nas organizações. In Motta, Fernando C. P.; Freitas, Maria E. Vida psíquica e organização. Rio de Janeiro: FGV. cap.7, pp.130-147.
3- Wood Jr, Thomaz; Paes de Paula, Ana Paula (2002) Pop-management: a literatura popular de gestão no Brasil. EAESP/FGV/NPP, Relatório de pesquisa nº 3.
___
Marco Antonio G. de Oliveira é professor da Universidade São Judas Tadeu

Ver o original em 'Outras Palavras' na seguinte ligação:

https://outraspalavras.net/brasil/hegemonia-e-miseria-do-management/

 

Tags:

Artigos relacionados

Em jeito de reflexão sobre a reação de um grande amigo ao meu texto “2...
Em jeito de reflexão sobre a reação de um grande amigo ao meu texto “2...    Por Francisco Tavares em 12/05/2020   Sobre o texto que escrevi “25 de Abril hoje, 2020”, diz-... 67 views Wed, 13 May 2020, 14:47:02
 O capital em coma induzido
O capital em coma induzido por José Martins [*] Daqui para a frente os capitalistas de todo o mundo sentirão mais intensamente o gosto amargo d... 79 views Wed, 06 May 2020, 15:00:21
Michael Roberts sobre Marx vs. Keynes e porque é que  Marx estava mais...
Michael Roberts sobre Marx vs. Keynes e porque é que Marx estava mais...     SCIENTIFICALLY ERRONEOUS AND WITHOUT APPLICATION TO THE MODERN WORLD, por Michael Roberts Marx2... 91 views Thu, 07 May 2020, 16:56:09
Leitura #8 - Manter o poder conquistado
Leitura #8 - Manter o poder conquistado   Os primeiros tempos da Revolução de Outubro são de uma extraordinária dureza. O Imperialismo recusa a oferta... 45 views Tue, 28 Apr 2020, 17:05:56
Lenine
Lenine Todos concordarão em que seria insensata e até criminosa a conduta de um exército que não esteja preparado para domi... 127 views Wed, 22 Apr 2020, 23:25:30
Leitura #7 - Outubro
Leitura #7 - Outubro Hoje, todos os trabalhadores conscientes do mundo celebram o nascimento de Lénine há exactamente 150 anos. E nele, c... 25 views Wed, 22 Apr 2020, 23:00:53

Teoria

  • Criado em .
  • Visualizações: 276

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Filtrar por categoria
31, maio 2020

China | Duas reuniões fora do normal

em Mundo

por Página Global

    David Chan* | Plataforma | opinião   Na passada quinta e sexta-feira tiveram lugar as «Duas Reuniões» da Assembleia Popular Nacional e da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, adiadas devido à pandemia.…
31, maio 2020

Cascais soma mais 5 novos infectados aumentando para 551 casos

em Cascais

por Portal CASCAIS

  No relatório de hoje, da Direcção Geral da Saúde (DGS) registou 5 novos casos no número de infectados com o COVID-19 no Concelho de Cascais, subindo para 551 casos confirmados em Cascais. Os dados da…
31, maio 2020

PONTO – NEWSLETTER – INFORMAÇÃO SEM RUÍDO – PARCERIA com BRASIL DE FATO

em Mundo

por joaompmachado in 'A Viagem dos Argonautas'

  Selecção de Camilo Joseph   29 de maio de 2020   Olá,   o Brasil se torna definitivamente o epicentro mundial da pandemia de coronavírus, o que poderia ser evitado se tivéssemos um governo…
31, maio 2020

Emmanuel Macron diz que é tempo de pensar o impensável. Entrevista ao Financial Times

em Mundo

por franciscogtavares in 'A Viagem dos Argonautas'

Seleção e tradução de Francisco Tavares   Emmanuel Macron diz que é tempo de pensar o impensável. Entrevista ao Financial Times O presidente da França acredita que a pandemia do coronavírus transformará o capitalismo –…
31, maio 2020

A vingança do estado contra o mercado

em Mundo

por Brasil24/7

    A ascensão do neoliberalismo foi feito às custas de desqualificar o Estado. Que seria ineficiente, burocrático, arrecadador excessivo de impostos, que gastaria mal, que seria fonte da corrupção na sociedade. O Estado teria…
31, maio 2020

O espelho da pandemia

em Portugal

por Duarte Caldeira in AbrilAbril

Apesar de há 46 anos ter ocorrido uma revolução democrática e de o país ter evoluído em diversos indicadores, a Covid-19 revelou alguns problemas na sociedade que estão a montante da pandemia. A emergência sanitária…
31, maio 2020

CARTA DE BRAGA – “relato sobre as minhas algibeiras” por António Oliveira

em Mundo

por clara castilho in 'A Viagem dos Argonautas'

  ‘Aceito lições de quem é virtuoso, mas da Holanda, transformado no maior paraíso fiscal europeu, não aceito lições, era o que faltava! As lições aceito-as em alemão, não em flamengo!’ Este ‘desabafo’ de Romano…
31, maio 2020

Trabalhadores da Autoeuropa temem perda de centenas de postos de trabalho

em Portugal

por Lusa in ZAP

  A entidade coordenadora das Comissões de Trabalhadores da Autoeuropa assumiu hoje, em comunicado, recear a perda de centenas de empregos no parque industrial, que está sem condições para trabalhar sete dias por semana, após…
31, maio 2020

Ricos, pobres e mal agradecidos

em Mundo

por in 'Estátua de Sal'

(Miguel Sousa Tavares, in Expresso, 30/05/2020) Miguel Sousa Tavares Numa sociedade decente, os pobres têm direito a esperar que os impostos sobre os ricos não os deixem cair na miséria nem no abandono: não é…
31, maio 2020

Os ignorados e os invisíveis

em Portugal

por in 'Estátua de Sal'

(José Pacheco Pereira, in Público, 30/05/2020) Pacheco Pereira A pandemia,, que poderia ter tido um efeito de revelação da realidade, acaba por não o ter, não por causa do excesso de visibilidade de alguns, mas…
31, maio 2020

BE e CDS rejeitam “paraministros”. Só negoceiam com Costa e Centeno

em Portugal

por ZAP in ZAP

  O Bloco de Esquerda e CDS rejeitam negociações com “paraministros”, sublinhando que só discutem com membros do Governo, comentando a manchete do Expresso segundo a qual um gestor petrolífero está a assumir esse papel.…
31, maio 2020

Os adoradores do cao

em Mundo

por Abril de Novo Magazine

    Ajoelhados perante a “democracia” estadunidense, persignando-se frente ao dólar-cruz, os humanistas de máscara no bestunto olham-se nesse espelho onde escorre sangue e acham-se bonitos. No reflexo desse caco repugnante encontramos o Ministro dos…
31, maio 2020

Como idoso acho repugnante

em Portugal

por Abril de Novo Magazine

    Agostinho Lopes como idoso acho repugnante   Ou a suma hipocrisia. Há coisas que fazem revolver as tripas, sem ser comida estragada. No Público de 02MAI20 vem publicada a Opinião colectiva de um…
31, maio 2020

Os salazaristas e o neofascismo português

em Portugal

por Carlos Esperança in 'PONTE EUROPA'

  Os meus leitores habituais hão de ter notado que, cada vez que acuso a ditadura fascista, surgem salazaristas a defendê-la. As datas do opróbrio são para eles facadas, os crimes meros acidentes e a…
31, maio 2020

Moro tem palestra cancelada na Argentina e critica 'intolerância' e 'polarização' no país

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© REUTERS / Agustin Marcarian Após ter palestra virtual que realizaria para Universidade de Buenos Aires cancelada, ex-ministro da Justiça Sergio Moro disse que "houve um misto de intolerância e de pressão política num cenário…
31, maio 2020

Mais 13 mortos e 257 infetados com covid-19 em Portugal

em Portugal

por Página Global

    Há mais 13 óbitos associados à covid-19, 257 novos casos diagnosticados e mais 275 doentes recuperados nas últimas 24 horas.   No total, Portugal já registou 32203 casos de infeção (dos quais, 19186…
31, maio 2020

Onde está a liberdade de imprensa nos EUA?

em Mundo

por Página Global

    Em Minneapolis, uma equipe da CNN foi presa ao noticiar sobre os protestos populares. Uma prática autoritária inaceitável, sobretudo num país que tanto ostenta sua preocupação com a liberdade, opina Carla Bleiker.  …
31, maio 2020

Série da Netflix revela falhas nas investigações sobre quem matou Malcolm X, em 1965

em Mundo

por Marcos Aurélio Ruy, em São Paulo in 'O TORNADO'

Quais as semelhanças entre as investigações dos assassinatos do importante ativista pela igualdade racial nos Estados Unidos, Malcolm X, em 1965, e da então vereadora do PSol, Marielle Franco, em 2018?     As investigações…
31, maio 2020

Trump e a censura nas redes sociais

em Mundo

por António Duarte

«Usuário assíduo do Twitter, onde conta com mais de 80 milhões de seguidores, o presidente dos EUA teve algumas de suas postagens recentes moderadas pelo microblog. Na última terça-feira (26), duas de suas publicações sobre…
31, maio 2020

União Europeia pede que EUA reconsiderem decisão de sair da OMS

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© REUTERS / Jonathan Ernst Neste sábado (30), o chefe de Relações Exteriores da União Europeia (UE), Josep Borrell e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, pediram aos Estados Unidos por meio…
31, maio 2020

Portugal | A pobreza dá menos saúde

em Portugal

por Página Global

    Inês Cardoso | Jornal de Notícias | opinião Muitos defensores de um confinamento rígido, prolongado se possível até que haja vacina para a covid-19, insistem no argumento de que a economia não pode…
30, maio 2020

Recibos verdes e sócios-gerentes já podem pedir apoio relativo a maio

em Portugal

por Lusa in ZAP

  O formulário para os trabalhadores independentes e sócios-gerentes pedirem o apoio criado no âmbito da pandemia covid-19, relativo a maio, fica hoje disponível na Segurança Social Direta, podendo ser entregue até 9 de junho.…
30, maio 2020

Brasil tem mais de 100 crianças e jovens até 19 anos mortos pela Covid-19

em Mundo

por Brasil24/7

    247 - O Brasil tem 141 crianças e jovens até 19 anos mortos por conta do coronavírus, de acordo com o último boletim do Ministério da Saúde. Foram ao menos 42 vítimas menores…

Últimos posts (Cascais)

Itens com Pin
Atividades Recentes
Aqui ainda não existem atividades

Últimos posts (País e Mundo)

Itens com Pin
Atividades Recentes
  • Plataforma Cascais juntou-se ao grupo Conversando sobre o País e o Mundo
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
Aqui ainda não existem atividades
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate