• Início
  • Artigos
  • Mundo
  • Mais de 140 presos palestinianos em greve de fome nas cadeias israelitas
  • in AS PALAVRAS SÃO ARMAS
  • Mundo

A ideologia da classe dominante

A ideologia da classe dominante
Entre a falsa consciência e a consciência do falso.
Como o capital de modo engenhoso pretende convencer-nos, além do mais, que é humano e lindo. 
É tão amplo e concreto o repertório ideológico desenvolvido pela “classe dominante” que as melhores definições têm requerido métodos dinâmicos e instrumentais e muito precisos para caracterizar as suas raízes, efeitos e perspetivas. No objetivo e no subjetivo. Marx escreveu: [30] As ideias da classe dominante são, em todas as épocas, as ideias dominantes, ou seja, a classe que é o poder materialdominante da sociedade é, ao mesmo tempo, o seu poder espiritual dominante. A classe que tem à sua disposição os meios para a produção material dispõe assim, ao mesmo tempo, dos meios para a produção espiritual, pelo que lhe estão assim, ao mesmo tempo, submetidas em média as ideias daqueles a quem faltam os meios para a produção espiritual”. [1. A classe dominante e consciência dominante. Formação da conceção de Hegel do domínio do espírito na história] Feuerbach, Oposição entre as conceções materialista e idealista (Primeiro Capítulo da Ideologia Alemã)
Com o capitalismo a “dominação” desenvolveu novidades que não se limitaram ao campo dos instrumentos tecnológicos, mas também avançaram nos territórios do controle do comportamento grupal e individual, mais além do poder do “ópio do povo”. A dupla moral refrescada. À classe dominante fazia falta um ser humano dominado, esvaziado de forças (políticas e físicas) mas também agradecido. Um ser humano dominado que reconhecesse (de pensamento, palavra e ação) a superioridade do seu dominador e lhe conferisse toda a razão pelo seu ser e modo de ser. Fazia falta um dominado, além do mais, que considerasse a sua condição como um tesouro e dele cuidasse com esmero para que a sua prole o herdasse como valor moral conquistado durante gerações. Tudo isso celebrado entre aplausos e festividades mercantis e ritos consumistas. A ideologia da classe dominante deixa tatuados no cérebro todos os seus anti valores individualistas. «Triste época a nossa! É mais fácil desintegrar um átomo que um preconceito.» Albert Einstein (1879~1955) O paraíso da dominação.
A classe dominante, adoradora do capital, ensinou aos seus subordinados a mesma adoração, mas esvaziada de possessão. Tornou invisíveis todos os truques engendrados para roubar ao trabalhador o produto do seu trabalho, enquanto o convencia de que os recursos naturais deviam estar nas mãos de privados; que o Governo é coisa corrupta que deve ser gerido por técnicos e que a ordem deve ser respeitada, porque os povos, mal-educados, são um perigo para eles mesmos. E os povos pagam (alguns até com orgulho) polícias e exércitos para que os reprimam; bancos e financeiros para que obtenham lucros disfarçados de “créditos”; empresários e mercadores para que sequestrem os seus salários; universidades e academias para que sequestrem os seus conhecimentos; indústrias “mass media” para que anestesiem a consciência do saqueado; igrejas e cultos para que sublimem a mansidão; leis e legislação para legalizar o roubo… um aparato enorme de instituições e valores fabricados para manter sob controlo qualquer intento de se sentirem com direitos ou proprietários do trabalho ou das matérias-primas. A alienação e a privação como protagonistas estelares do drama da expropriação.
No seu conjunto as ideias dominantes (com a sua dupla moral) são a expressão das relações materiais dominantes. O que serve para os submetidos, não serve aos opressores. A ideologia do que domina é um repertório amplíssimo de “falsa consciência”, de lixo intelectual para esconder, debaixo do tapete, os mortos que fabrica e as misérias que gera. Dupla moral em que tudo o que é proibido para o submetido se permite para quem o submete. Aqueles que formam a classe dominante sabem bem o que, como e quando, dominam numa determinada época histórica específica e como devem atualizar os “mecanismos” materiais e simbólicos para perpetuar a sua dominação. Essa classe atua permanentemente como produtora de ideias, ainda que sejam ideias repetitivas e irracionais, porque delas necessitam para regular a produção e a distribuição das ideias dominantes da época. E, claro que, no repertório das lutas inter-burguesas, cada fação organiza as suas cadeias de produção de ideias para competir no mercado dos pensamentos subordinados.
Há “grandes maestros” na arte do engano, capazes de garantir a invisibilidade da exploração do trabalho, divisão do trabalho espiritual e material, para criarem a ilusão de que são muito ativos no desenvolvimento da força produtiva, quando, na realidade, são subalternos com pouco tempo para se educarem e precaver-se dos enganos e dominar ideias sobre si mesmos ou dominar uma situação da qual se conhece pouco ou nada. O cúmulo é quando os dominados creem que as ideias dominantes lhes pertencem e devem defende-las com a própria vida.
Mentiras, medo e consumismo, com todos os seus derivados concomitantes, são os nós nevrálgicos nas ideias e na prática de classe dominante sobre as condições de produção impostas como verdades universais. A submissão como princípio. A classe dominante impõe os seus gostos e os seus gestos, as suas amizades [fílias] e fobias, para perseguir os seus objetivos, apresentando como coletivo o seu próprio interesse e imprimir em todos as suas ideias. Como alimentar, vestir, distrair e educar as crianças desde o berço; como se beijar, amar e reproduzir-se… desde a cama; como andar, saudar, sorrir, abraçar e ate insultar; como sonhar, como entender, como disfrutar… como acreditar e confiar. Minuto a minuto, sob uma barragem permanente de estereótipos exibidos pela ditadura cultural e comunicacional dominantes, a titulo de modelo de sucesso que, se não for seguido, virá a maldição por não se adaptar, ser vulgar… pobre.
Elucidar, desmontar, desacreditar e superar a fraude descomunal da “ideologia da classe dominante” (ou seja, que o capital não predomine sobre os seres humanos) é um trabalho que deve ser assumido de maneira científica e, por isso, sistemática. O debate contra a ideologia da classe dominante, não é um “desporto” escolástico, nem uma atitude rebelde só para contrariar, por simples oposição, a uma classe que representa a parte mais odiosa da sociedade: a sua abjeção. Há que refutá-la no âmago das suas contradições realmente existentes, para que os povos tenham condições de se erguerem para se libertarem da classe dominante. E não derrota-la para a imitar. A dominação da classe não é só a dominação com as (suas) ideias, há que derrotar os seus métodos de exploração do trabalho e o saque dos recursos naturais. Uma luta sem a outra (económica e ideológica) é uma história extenuante que leva a frustrações e retrocessos enormes. Já vimos isso muitas vezes.
Uma vez que as ideias dominantes se combatem conjuntamente com as relações de produção, o que surge de maneira perfeitamente natural, são as ideias para mudar as relações existentes, ideias que proliferam na relação sobre os seres humanos, a essência da humanidade, sua filosofia, o seu desenvolvimento na história, a verdadeira que concluirá que não devemos contentar-nos só com a análise das ideias dominantes ou as ilusões induzidas pela classe dominante. Que não nos devemos contentar com reduzir o império das ideias hegemónicas à sua substância mística ou a capricho do próprio pensamento. Não nos contentarmos com explicações mecanicistas nem lineares, puramente economicistas nem puramente religiosas, que nos levariam ao erro de eliminar da história as condições materiais e repetir o modelo escapista especulativo. Ilusões, sonhos e ideias distorcidas para mentir, assustar e vender enquanto se escondem os negócios e a exploração do trabalho existente.
A nossa batalha pela supremacia dos seres humanos sobre o capital, contra a ideologia da classe dominante, deve servir para aprender a distinguir e atuar, com toda a clareza, o momento de explicar e derrotar as armadilhas entre o que parece ser e o que realmente é. É urgente contar com um instrumental de luta que consiga penetrar a todos os níveis da inteligência humana que até agora foi camuflada como um problema inconsequente ou inexistente. É urgente.
Dr. Fernando Buen Abad Domínguez
Diretor do Instituto de Cultura e Comunicação
Universidade Nacional de Lanús
Tradução de CS

Leia original em

Tags:

Artigos relacionados

O capitalismo, do jeito que vai, caminha pra um desastre
O capitalismo, do jeito que vai, caminha pra um desastre Saiu outro livro do Thomas Piketty, o economista francês cujo livro anterior, O Capital no Século 21, causou ... 35 views Fri, 27 Sep 2019, 17:03:44
Duas conferências de Walden Bello em Lisboa
Duas conferências de Walden Bello em Lisboa   Walden Bello, activista e teórico da desglobalização e da dependência, professor de sociologia na State ... 32 views Thu, 26 Sep 2019, 14:50:05
O Grande Paradoxo: o Liberalismo Destrói a Economia de Mercado – Parte...
O Grande Paradoxo: o Liberalismo Destrói a Economia de Mercado – Parte...   Seleção e tradução de Francisco Tavares O Grande Paradoxo: o Liberalismo Destrói a Economia de Mercado – Pa... 51 views Fri, 20 Sep 2019, 00:22:37
 Sim, eu apoio a Coreia do Norte!
Sim, eu apoio a Coreia do Norte! – Notas sobre anticolonialismo, imperialismo e hegemonia por Jones Manoel [*] No distante ano de 2013, tive contato ... 166 views Mon, 16 Sep 2019, 00:56:59
Humanismo urgente - Por Fernando Buen Abad
Humanismo urgente - Por Fernando Buen Abad Humanismo urgente   “Salvar a humanidade”: moral e ética do século XXI (também)    Por Fernando B... 56 views Fri, 13 Sep 2019, 22:49:11
Governar para a confiança
Governar para a confiança (Ricardo Paes Mamede, in Diário de Notícias, 03/09/2019) A confiança é fundamental para o desenvolvimento das e... 115 views Wed, 04 Sep 2019, 23:46:23

Teoria

  • Criado em .
  • Visualizações: 91

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Últimos posts

Itens com Pin
Atividades Recentes
  • Vasco Graça updated his profile
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
Aqui ainda não existem atividades