• Inicio
  • Artigos
  • Mundo
  • O TERRORISTA "BOM", A NATO E O TRÁFICO DE ÓRGÃOS
  • in 'O Lado Oculto'
  • Mundo

O TERRORISTA "BOM", A NATO E O TRÁFICO DE ÓRGÃOS

O secretário-geral da NATO com o traficante de órgãos humanos: um quarto de século de aliança

2020-07-08

Hashim Thaci, “presidente” do Kosovo, ia a caminho de Washington em 24 de Junho encontrar-se com Trump quando, após mais de dez anos de denúncias, chegou finalmente a notícia de que foi indiciado por crimes de guerra, entre os quais assassínios étnicos e tráfico de órgãos internos das vítimas. Deu meia volta e voltou para casa, aguardando o que acontecerá agora ao processo num tribunal especial de Haia. Thaci é há mais de duas décadas um peão fiel da estratégia NATO, dos Estados Unidos e da União Europeia que destruiu a Jugoslávia, amputou e devastou a Sérvia, assassinou dezenas de milhares de civis, ocupou o Kosovo e voltou a “balcanizar” os Balcãs. Como chefe do Exército de Libertação do Kosovo, organização terrorista “islâmica” que instaurou um Estado mafioso no Kosovo, Hashim Thaci é, por assim dizer, um terrorista “bom”, um gangster do “lado certo”, um atlantista devoto. Com ele será julgada – caso o processo tenha continuidade - toda metodologia da NATO para limpeza étnica, ocupação e “independência” ilegal do Kosovo, incluindo o bombardeamento da Jugoslávia em 1999. 

Nicolas J. S. Davies, Global Research/O Lado Oculto

Quando o presidente norte-americano Bill Clinton lançou 23 mil bombas sobre o que restava da Jugoslávia em 1999 e a NATO invadiu e ocupou a província jugoslava do Kosovo, as autoridades norte-americanas apresentaram a guerra como uma “intervenção humanitária” para proteger a população albanesa, a maioria étnica no território, de um genocídio às mãos do presidente jugoslavo Slobodan Milosevic. Trata-se de uma narrativa que, peça a peça, se vem desmoronando desde então.

Em 2008 a promotora internacional Carla del Ponte acusou o então primeiro-ministro do Kosovo, Hashim Thaci, apoiado pelos Estados Unidos e a União Europeia, de usar a campanha de bombardeamentos norte-americanos como cobertura para matar centenas de pessoas e vender os seus órgãos internos no mercado negro internacional de transplantes. As acusações da procuradora italiana pareceram então demasiado macabras para ser verdadeiras. No passo dia 24 de Junho, porém, Thaci – agora presidente do Kosovo – e nove outros ex-dirigentes do Exército de Libertação do Kosovo (ELK), apoiado pela CIA, foram finalmente indiciados por esses crimes de há 20 anos por um tribunal especial de crimes de guerra em Haia.

A partir de 1996, a CIA e outras agências de espionagem ocidentais trabalharam secretamente com o ELK para instigar e alimentar a violência e o caos no Kosovo. A CIA rejeitara os principais dirigentes nacionalistas do Kosovo em favor de gangsters e contrabandistas de heroína como Thaci e companheiros, recrutando-os como terroristas e membros de esquadrões da morte para assassinar polícias jugoslavos ou qualquer um que se lhes opusesse como “representantes” dos albaneses do Kosovo.

O braço longo da CIA

Como aconteceu desde a década de cinquenta, país após país, a CIA desencadeou no território uma guerra civil suja pela qual políticos e meios de comunicação ocidentais logo responsabilizaram as autoridades jugoslavas. Porém, no início de 1998 até o enviado norte-americano Robert Gelbard qualificou o Exército de Libertação do Kosovo como “grupo terrorista”; e o Conselho de Segurança da ONU condenou os “actos de terrorismo” praticados pelo ELK e também “todo o apoio externo à actividade terrorista no Kosovo, incluindo finanças, armas e treino”.

Logo que a guerra terminou e o Kosovo foi ocupado com êxito pelas forças norte-americanas e da NATO, fontes da CIA elogiaram abertamente o papel da agência no fabrico da guerra civil como episódio para preparar terreno à intervenção da NATO.

Em Setembro de 1998, a ONU informou que 230 mil civis tinham fugido da guerra civil, principalmente através da fronteira com a Albânia, e o Conselho de Segurança aprovou a resolução 1199 determinando um cessar-fogo, a constituição de uma missão internacional de acompanhamento, o retorno dos refugiados e a busca de uma solução política para o conflito. Um novo enviado dos Estados Unidos, Richard Holbrooke, convenceu o presidente jugoslavo Milosevic a concordar com um cessar-fogo unilateral e a introdução de uma missão de “verificação” de dois mil membros da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE). Os Estados Unidos e a NATO, porém, começaram imediatamente a elaborar planos para uma campanha de bombardeamento de modo a “reforçar” a resolução da ONU e o cessar-fogo unilateral da Jugoslávia.

Holbrooke convenceu o presidente da OSCE, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Polónia, Bronislaw Geremek, a nomear William Walker, ex-embaixador dos Estados Unidos em El Salvador durante a ditadura e a guerra civil neste país, para chefiar a chamada “Comissão de Verificação do Kosovo” (KVM). Os Estados Unidos contrataram imediatamente 150 mercenários do grupo de segurança Dyncorp para formar o núcleo da equipa de Walker, cujos 1380 membros usavam equipamentos de GPS para mapear as estruturas militares jugoslavas na perspectiva de uma campanha de bombardeamento já planeada pela NATO. O adjunto de Walker, Gabriel Keller, ex-embaixador de França na Jugoslávia, acusou Walker de sabotar a KVM; mais tarde, fontes da CIA admitiram que a KVM foi “uma frente da CIA” para estabelecer uma coordenação com o Exército de Libertação do Kosovo e espiar a Jugoslávia. 

A encenação, a NATO e o terrorismo

O incidente que serviu de pretexto para os bombardeamentos e invasão da NATO foi um tiroteio na aldeia de Racak, onde o ELK tinha criado uma base para emboscar patrulhas policiais e enviar esquadrões da morte com o objectivo declarado de matar “colaboradores locais”. Em Janeiro de 1999 a polícia jugoslava atacou a base do ELK em Racak deixando 45 mortos.

Depois do tiroteio, a polícia jugoslava retirou-se da aldeia e então o Exército de Libertação do Kosovo voltou a ocupá-la e forjou uma cena de modo a poder apresentá-la como um massacre de civis. Quando William Walker e uma equipa da KVM visitaram Racak no dia seguinte validaram a história do “massacre” e transmitiram-na para o mundo, tornando-se o padrão da narrativa que justificou o bombardeamento da Jugoslávia e a ocupação militar do Kosovo.

As autópsias realizadas por uma equipa internacional de médicos legistas revelaram vestígios de pólvora nas mãos de quase todos os cadáveres, confirmando que tinham disparado armas. Foram quase todos mortos por várias balas, como é próprio de uma troca de tiros, e não por disparos certeiros como nas execuções sumárias; e apenas uma vítima foi baleada à queima-roupa. Os resultados das autópsias, porém, só foram publicados muito tempo depois e um médico legista finlandês acusou Walker de ter feito pressões para que fossem alterados.

Dois experientes jornalistas franceses e uma equipa de operadores de câmara da Associated Press (AP) contestaram a versão dos acontecimentos em Racak posta a circular pelo ELK e por Walker. O artigo de Christophe Chatelet no Le Monde foi publicado sob o título: “Os mortos em Racak foram realmente assassinados a sangue frio?” E Renaud Girard, veterano correspondente na Jugoslávia, concluiu a sua matéria em Le Figaro com outra pergunta crítica: “O ELK tentou transformar uma derrota militar numa vitória política?”

A NATO ameaçou imediatamente bombardear a Jugoslávia e a França concordou em acolher negociações de elevado nível. Mas em vez de convidar os principais dirigentes nacionalistas do Kosovo para as negociações em Rambouillet, a secretária de Estado norte-americana, Madeleine Albright, voou com uma delegação chefiada pelo comandante do ELK, Hashim Thaci, até então reconhecido pelas autoridades jugoslavas como um gangster e um terrorista.

Albright apresentou aos dois lados um projecto de acordo em duas partes, civil e militar. A parte civil concedia ao Kosovo uma autonomia da Jugoslávia sem precedentes, o que foi aceite por Belgrado. O acordo militar, porém, teria forçado a Jugoslávia a aceitar uma ocupação militar da NATO, não apenas no Kosovo mas sem limites geográficos, deixando efectivamente todo o país sob presença das tropas da aliança.

Quando Milosevic recusou os termos de Albright para a rendição incondicional, os Estados Unidos, a NATO e a União Europeia alegaram que ele rejeitava a paz, pelo que a guerra seria a única resposta, o “ultimo recurso”. A questão não voltou sequer ao Conselho de Segurança da ONU para ser legitimada, porque Washington e os seus aliados sabiam muito bem que a Rússia, a China e outros países a rejeitariam. Quando o ministro britânico dos Negócios Estrangeiros, Robin Cook, disse à secretária de Estado norte-americana que o governo de Londres “tinha problemas com os nossos advogados” relacionados com os planos da NATO contra a Jugoslávia a resposta de Albright foi: “arranjem outros advogados”.

Em Março de 1999, as equipas da KVM foram retiradas do terreno e os bombardeamentos começaram. Pascal Neuffer, um observador suíço da KVM, declarou:

“A situação no território nas vésperas do bombardeamento não justificava uma intervenção militar. Poderíamos, certamente, ter continuado o nosso trabalho. E as explicações dadas à imprensa afirmando que a missão fora comprometida por ameaças sérvias não correspondem ao que eu vi. Digamos que fomos evacuados porque a NATO decidiu bombardear”.

Matança e devastação

A NATO matou milhares de civis no Kosovo e no resto da Jugoslávia ao bombardear 19 hospitais, 20 centros de saúde, 69 escolas, 25 mil residências, centrais eléctricas, uma estação de TV nacional, a embaixada da China em Belgrado e outras missões diplomáticas. Depois de invadirem o Kosovo, as Forças Armadas dos Estados Unidos montaram o acampamento militar de Bondsteel, tornada uma das suas maiores bases na Europa no seu novo território ocupado. O comissário de direitos humanos do Conselho da Europa, Álvaro Gil-Robles, visitou Camp Bondsteel em 2002 e qualificou-o como “uma versão reduzida de Guantánamo”, um sítio secreto da CIA para detenções e torturas ilegais que não podem ser oficialmente admitidas.

Para o Kosovo, porém, as provações não terminaram quando os bombardeamentos pararam. Muito mais pessoas fugiram das bombas da NATO do que da chamada “limpeza étnica” que a CIA montara para preparar terreno aos bombardeamentos. Um total de 900 mil refugiados regressaram a uma província ocupada e destruída, governada agora por gangsters e senhores estrangeiros.

Sérvios e outras minorias do da província tornaram-se cidadãos de segunda classe, condenados a vínculos precários com lares e comunidades onde as suas famílias viveram durante séculos. Mais de 200 mil sérvios, ciganos e de e outras minorias fugiram da ocupação da NATO e do governo do ELK quando estes substituíram a limpeza étnica por eles próprios encenada anteriormente por uma verdadeira e cruel limpeza étnica.

A base militar de Bondsteel tornou-se o maior empregador do território; e os empreiteiros ao serviço dos militares norte-americanos enviaram kosovares para trabalhar no Afeganistão e no Iraque ocupados. Em 2019 o PIB per capita do Kosovo foi de 4458 dólares norte-americanos, o menor de todos os países da Europa com excepção da Moldávia e da Ucrânia, devastada pela guerra decorrente do golpe fascista patrocinado pelos Estados Unidos e a União Europeia.

Uma “sociedade mafiosa”

Em 2007, um relatório da inteligência militar alemã descreveu o Kosovo como uma “sociedade de mafia” onde “o Estado foi capturado” por criminosos. O documento identificou Hashim Thaci, então chefe do Partido Democrata, como o exemplo dos “laços mais estreitos entre os principais responsáveis pelas decisões políticas e a classe criminosa dominante”. Em 2000, 80% do comércio de heroína na Europa era controlada por gangs do Kosovo; e a presença de milhares de tropas dos Estados Unidos e da NATO alimentou uma explosão de prostituição e tráfico sexual, controlados igualmente pela nova classe dominante do Kosovo.

Em 2008, Thaci foi designado primeiro-ministro e o Kosovo declarou unilateralmente a independência em relação à Sérvia, com o apoio tácito dos Estados Unidos e a União Europeia. (A dissolução da Jugoslávia, através da separação entre a Sérvia e o Montenegro, acontecera em 2006). Os Estados Unidos e 14 aliados reconheceram imediatamente a independência do Kosovo e 97 países, cerca de metade das nações do mundo, seguiram os seus passos. A Sérvia e a ONU, porém, não reconheceram a separação, deixando o Kosovo num limbo diplomático a longo prazo.

O traficante-presidente ao encontro de Trump

Quando no passado dia 24 de Junho o tribunal apresentou as acusações sobre tráfico de órgãos humanos e outras acções criminosas contra Thaci este encontrava-se a caminho de Washington para uma reunião na Casa Branca com o presidente Trump e o presidente Vucic da Sérvia para tentar debater o impasse diplomático no Kosovo. Quando as acusações foram anunciadas, porém, o avião deu meia volta sobre o Atlântico, Thaci regressou a casa e a reunião foi cancelada.

As acusações de assassínio e tráfico de órgãos humanos contra Thaci foram feitas pela primeira vez em 2008 por Carla del Ponte, procuradora-chefe do Tribunal Penal para a ex-Jugoslávia (ICTFY), num livro que escreveu depois de deixar o cargo. Del Ponte explicou mais tarde que o ICTFY foi impedido de formular a acusação contra Thaci e seus co-réus devido à falta de cooperação da NATO e da missão da Missão da ONU no Kosovo. Numa entrevista feita para o documentário The Weigtht of Chains 2, de 2014, Carla Del Ponte explicou que “a NATO e o ELK, como aliados de guerra, não poderiam agir um contra o outro”.

A organização Human Rights Watch e a BBC seguiram as alegações de del Ponte e encontraram provas de que Thaci e os seus companheiros assassinaram cerca de 400 detidos sérvios durante os bombardeamentos da NATO em 1999. Os sobreviventes descreveram campos de detidos na Albânia onde os prisioneiros foram torturados e mortos, um edifício amarelo onde os órgãos das pessoas eram removidos e uma vala comum nas proximidades, não assinalada.

Um investigador britânico de Conselho da Europa, Dick Marty, entrevistou testemunhas, reuniu provas e publicou um parecer que está em poder do Conselho da Europa desde 2011, mas o parlamento do Kosovo bloqueou até 2015 o plano para criação de um tribunal especial em Haia. As Câmaras de Especialistas do Kosovo e o gabinete de um procurador independente começaram finalmente a trabalhar em 2017. Os juízes têm agora seis meses para analisar as acusações do procurador e decidir se o julgamento deve prosseguir. 

A propaganda como História

Uma parte central da narrativa ocidental sobre a Jugoslávia foi a diabolização do seu presidente Milosevic, que resistiu ao desmembramento durante os anos noventa. Os dirigentes ocidentais qualificaram Milosevic como “um novo Hitler” e o “Açougueiro dos Balcãs”, mas é verdade é que ele ainda se debatia para provar a inocência quando morreu em circunstâncias estranhas numa cela em Haia, em 2006.

Dez anos depois, no julgamento do dirigente sérvio da Bósnia Radovan Karadzik, os juízes aceitaram as provas da acusação segundo as quais Milosevic se opôs fortemente ao plano e aos métodos de Karadzic para criar uma república sérvia na Bósnia. Os magistrados condenaram Karadzik por ser totalmente responsável pela guerra civil resultante, ilibando postumamente Milosevic das alegadas responsabilidades pelas acções dos sérvios da Bósnia – que era a mais séria das acusações que existiam contra ele. 

Mas a infindável campanha dos Estados Unidos para pintar todos os seus adversários como “ditadores violentos” e “novos Hitlers” prossegue como uma espécie de máquina de diabolização em piloto automático, agora contra Xi, Putin, Maduro, Khamenei, anteriormente contra o falecido Fidel Castro e qualquer outro dirigente estrangeiro que se posicione contra as ordens imperiais do governo dos Estados Unidos. Essas campanhas de difamação servem como pretextos para sanções brutais e guerras catastróficas contra Estados mundiais e também como armas políticas para atacar e neutralizar qualquer político norte-americano que defenda a paz, a diplomacia e o desarmamento.

À medida que a teia de mentiras lançadas por Clinton e Albright se vai desmoronando, a verdade por detrás dessas mentiras expande-se cada vez mais; e a guerra contra a Jugoslávia emerge como um caso para estudo sobre os métodos que os dirigentes norte-americanos usam para conduzir à guerra. De várias maneiras, o Kosovo estabeleceu um modelo que os dirigentes dos Estados Unidos seguem desde então para mergulhar o mundo numa guerra sem fim. A lição que os dirigentes dos Estados Unidos extraíram do seu “êxito” no Kosovo diz-lhes que a legalidade, a humanidade e a verdade não são realmente caminhos para o caos e as mentiras fabricadas pela CIA; por isso, desdobram-se na estratégia de mergulhar os Estados Unidos e o mundo numa guerra sem fim. 

Como no Kosovo, a CIA continua em actividade fabricando pretextos para novas guerras e gastos militares ilimitados com base em acusações sem bases, operações secretas, inteligência politizada e falsificada. Nos Estados Unidos permite-se que os políticos do sistema se cubram com a fama de serem duros com “ditadores” e “bandidos” enfrentando os problemas a tiro em vez de controlarem os verdadeiros instigadores da guerra e do caos: os militares norte-americanos e a CIA.

Mas se a população do Kosovo consegue responsabilizar os gangsters apoiados pela CIA que mataram o seu povo, venderam partes dos seus corpos e sequestraram o território com os seus crimes será esperar demasiado que ....

.

Conteúdo exclusivo.

O conteúdo que está a tentar visualizar é exclusivo para Assinantes.

Veja o original em 'O Lado Oculto' na seguinte ligação:

https://www.oladooculto.com/noticias.php?id=827

Artigos relacionados

No Kosovo, só se enganou «quem quis ser enganado»
No Kosovo, só se enganou «quem quis ser enganado» Vinte anos volvidos sobre os bombardeamentos da NATO na Jugoslávia, o AbrilAbril colocou algumas questões ao major-general Raul Cunha, que recentemente publicou o livro Kosovo, a Incoerência de Uma Independência Inédit... 107 views Mon, 23 Dec 2019,

Comentários (0)

Rated 0 out of 5 based on 0 voters
There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
Rate this post:
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Jugoslávia

  • Criado em .
  • Visualizações: 85
O TERRORISTA "BOM", A NATO E O TRÁFICO DE ÓRGÃOS
Note 0 sur 5 Pour 0 votes

Publicações mais recentes

Filtrar por categoria
13, agosto 2020

Será que há milhões de uigures detidos na China?

em Mundo

por resistir.info

– As proclamações contra Pequim de uma ONG apoiada pelos EUA e de um "investigador guiado por Deus" por Ajit Singh e Max Blumenthal As proclamações de que a China deteve milhões de muçulmanos uigures…
13, agosto 2020

“Pandemia de sem-abrigo” nos EUA. Há 30 milhões de pessoas sob risco de despejo

em Mundo

por ZAP in ZAP

(CC0/PD) abhishek goel / Pexels   Nos Estados Unidos da América avizinha-se uma “pandemia de sem-abrigo”. Até ao final de setembro, 30 milhões de norte-americanos estão em risco de despejo devido à covid-19.   Nos…
13, agosto 2020

PJ investiga ameaças a 3 deputadas, à SOS Racismo e aos familiares. “Têm 48 horas para sair de Portugal”

em Portugal

por ZAP in ZAP

José Sena Goulão / Lusa A Polícia Judiciária está a investigar um e-mail enviado a um grupo de dez pessoas em que é dado um prazo de 24 horas para que as mesmas abandonem “território…
13, agosto 2020

Talvez fosse melhor zerar o Novo Banco

em Portugal

por in 'Estátua de Sal'

(Francisco Louçã, in Expresso Diário, 12/08/2020) Agora, no mais fresco destes escândalos, descobre-se que a Comissão Europeia obrigou a venda de um dos ativos do banco, uma companhia seguradora, que o candidato escolhido foi um…
13, agosto 2020

Cofina oferece 35 milhões pela totalidade do capital da dona da TVI

em Portugal

por Pedro Miguel Coelho

Se a história do negócio da aquisição da Media Capital por parte da Cofina fosse uma telenovela, seria daquelas com várias temporadas. Depois de ter desistido do negócio, a holding detentora do Correio da Manhã…
13, agosto 2020

Sindicato vai processar Ryanair por assédio laboral e discriminação

em Portugal

por Lusa in ZAP

miqmat / Flickr   O Sindicato Nacional de Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) vai processar a Ryanair por assédio laboral e discriminação, exigindo a restituição de créditos laborais, após a resolução de contratos…
13, agosto 2020

QUANDO OS TRATADOS SE ASSINAM PARA SEREM VIOLADOS

em Mundo

por in 'O Lado Oculto'

Os aviões Tornado da Força Aérea italiana, com base em Ghedi, podem usar armas nucleares - sob comando dos Estados Unidos 2020-08-12 É suposto que a assinatura dos tratados internacionais implica o respectivo cumprimento. Nisso…
13, agosto 2020

Regresso às aulas na Alemanha

em Portugal

por António Duarte

Na Alemanha, o novo ano lectivo já começou, embora nem todos estados tenham já iniciado as aulas. O que possibilita, informa o Público, que aqueles que começam mais tarde olhem atentamente para os constrangimentos que…
13, agosto 2020

Assad: novas sanções contra Síria são estratégia americana de assédio para estrangular povo sírio

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© REUTERS / SANA A Lei César, conjunto de sanções contra a Síria impostas pelos EUA, não são ato isolado, mas parte de estratégia para estrangular o povo, disse nesta quarta-feira (12) o presidente sírio,…
13, agosto 2020

Medusas deixam praias de Cascais e concentram-se no Magoito

em Cascais

por CASCAIS24

Por Redação 12 agosto 2020 A interdição a banhos nas praias de São Pedro do Estoril e de Carcavelos foi levantada esta quarta-feira, à tarde, com o içar da Bandeira Verde, disse, a Cascais24, o…
13, agosto 2020

Juan Carlos e o franquismo

em Mundo

por Carlos Esperança in 'PONTE EUROPA'

      Não interessa quando ou onde se nasce ou morre, importa saber como se vive e o legado que se deixa no campo ético, político ou social.   A guerra civil espanhola foi…
13, agosto 2020

Mordeu GNR à civil que lhe travou fuga depois de furto em supermercado

em Cascais

por CASCAIS24

  Por VALDEMAR PINHEIRO 12 agosto 2020 Um militar da GNR, à civil, 41 anos, foi mordido no antebraço esquerdo ao travar, esta terça-feira, ao final da tarde, a fuga de um homem suspeito de…
13, agosto 2020

Protestos na Bielorrússia: o que está por trás da bandeira da oposição?

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© AP Photo / Sergei Grits A Bielorrússia tem sido governada desde 1994 por Aleksandr Lukashenko, que foi reeleito com 80% dos votos neste domingo (9), motivo pelo qual o país europeu tem presenciado fortes…
13, agosto 2020

GUERRA AO CORONAVÍRUS OU GUERRA AOS POBRES?

em Mundo

por Manuel Banet, ele próprio

      Oiça John Pilger, denunciando a hipocrisia dos que fazem demagogia com elogios ao NHS, mas que contribuíram para desmantelar o prestigiado sistema público de saúde do Reino Unido e continuam a fazê-lo…
13, agosto 2020

Tragédia anunciada: Amazônia continua ardendo

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

  A Amazônia 1024 × 576brasileira continua sofrendo com o descaso das autoridades públicas, enfrentando novos grandes focos de incêndio que consomem a floresta, símbolo da diversidade da natureza do país. Em 2020, durante o…
13, agosto 2020

Bielorrússia: Violência sobre manifestantes pacíficos deve ser investigada

em Mundo

por Jornal Tornado in 'O TORNADO'

Amnistia Internacional Depois de conhecidos os resultados das eleições na Bielorrússia, manifestantes pacíficos que saíram às ruas foram alvo de violência policial. A Amnistia Internacional pede a libertação imediata de manifestantes pacíficos e ativistas políticos,…
13, agosto 2020

Vencer o Medo por Edgar Silva

em Portugal

por Abril de Novo Magazine

    Edgar Silva lançou, recentemente, uma nova obra - «Vencer o Medo» - que aborda o importante papel da Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos (CNSPP) durante a ditadura em Portugal. O estudo…
13, agosto 2020

O cumprimento dos objetivos traçados

em Portugal

por jorge rocha in 'Ventos Semeados'

A herança de Mariano Gago continua a potenciar-se de acordo com os últimos números publicados pela Direção-Geral de Estatísticas de Educação e Ciência: em 2019 superou-se o máximo histórico da despesa total em investigação e…
13, agosto 2020

Covid19: Todas as críticas à vacina russa

em Mundo

por Página Global

      Ela não chegou à decisiva fase 3 de testes. Não está disponível documentação sobre provas anteriores. Aplicá-la colocaria em risco as populações. Mas que teria levado Putin, conhecido pelo cálculo estratégico refinado,…
13, agosto 2020

A vacina Sputnik V como salvadora da humanidade

em Mundo

por Página Global

    Kirill Dmitriev    O êxito russo no desenvolvimento da vacina para COVID-19 tem raízes históricas O "momento Sputnik" aconteceu. A vacina russa Sputnik V foi lançada, tornando-se a primeira vacina contra a COVID-19 registrada…
13, agosto 2020

O fantasma das nacionalizações e a inépcia do Estado-accionista passivo

em Portugal

por Nuno Ivo Gonçalves in 'O TORNADO'

  Depois da revolução de Abril o sector público empresarial consolidou-se e cresceu, tendo estado por momentos em discussão em que medida iria crescer e qual o instrumento, se a aquisição por processos de direito…
13, agosto 2020

Mais de 97.000 crianças nos EUA testaram positivo para COVID-19 na segunda metade de julho

em Mundo

por XINHUA Português

Washington, 10 ago (Xinhua) - Mais de 97.000 crianças americanas testaram positivo para COVID-19 nas últimas duas semanas de julho, de acordo com novos dados da Academia Americana de Pediatria Associação de Hospitais Infantis. A…
13, agosto 2020

Andam nazis impunes à solta em Portugal

em Portugal

por Página Global

Sem lugar para dúvidas e mais tolerâncias/cobardias perante o que está a acontecer nos ataques da extrema-direita à democracia.   São nazi-fascistas-racistas-xenófobos que de dia para para dia estão a descarregar com maior descaramento e…

Últimos posts (Conversando à beira-mar)

Itens com Pin
Atividades Recentes
  • LEGALIZAÇÃO DAS CASAS DE PROSTITUIÇÃO

    Um debate que provavelmente vai ganhar dimensão.
    Legalização da prostituição - petição apresentada na A.R
    Gravação da reunião na Assembleia da República
    0
    0
    0
    0
    0
    0
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
  • Homicidal Cops Caught On Police Radio
    #TheJimmyDoreShow
    Homicidal Cops Caught On Police Radio
    42 219 visualizações
    •05/06/2020
    0
    0
    0
    0
    0
    0
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
Aqui ainda não existem atividades

página no Facebook

[an error occurred while processing this directive]
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate