• Entrada
  • Artigos
  • Mundo
  • Bolsonaro e o ocaso da teoria política moderna

Bolsonaro e o ocaso da teoria política moderna

– A teoria política moderna fundamenta-se em algumas premissas que a crise da sociedade burguesa plenamente desenvolvida se encarrega de solapar.

por Mauro Luis Iasi [*]
 
 
"Outrora, o bem dos particulares produzia o tesouro público; agora, porém, o tesouro público torna-se patrimônio dos particulares. A República é uma presa; sua força não passa do poder de alguns cidadãos e da licença de todos."
Montesquieu

 A teoria política moderna se fundamenta em algumas premissas que a crise da sociedade burguesa plenamente desenvolvida se encarrega de solapar. A ordem burguesa nascente preocupava-se com o Estado – considerado como necessário e inevitável para a existência da vida em sociedade –, mais precisamente, com as maneiras de evitar que a forma política torna-se um poder que se volta contra os cidadãos controlando-os ao invés destes o controlarem.

A teoria política, desde Locke, Montesquieu e outros, buscava meios para garantir que o poder político não se distanciasse dos cidadãos, impedindo o despotismo. Naquele momento tratava-se da crítica à Monarquia Absoluta. Com o desenvolvimento da sociedade capitalista e da ordem burguesa, contudo, tais mecanismos deslocam-se para evitar a "tirania das massas", tal como esta se apresenta de forma nítida nas ideias defendidas pelo jornal O Federalista – notadamente na pena de pensadores como John Jay, Alexander Hamilton e James Madison, também chamados de "pais da Constituição" estadunidense.

Resumidamente, podemos afirmar que o mecanismo essencial desse suposto controle se funda na divisão de poderes. Ou seja, trata-se da premissa segundo a qual quem governa não pode fazer a lei, quem faz a lei não governa e aquele que julga não pode governar ou fazer leis. Nos clássicos como Locke e Montesquieu, esta divisão assume uma forma funcional. Já os chamados federalistas estadunidenses e seu pragmatismo, vão além e estabelecem pesos e contrapesos de maneira que um poder possa ser limitado pelo outro.

Os dirigentes dos recém-criados Estados Unidos da América, se embasam, além de Montesquieu, numa velha máxima de Maquiavel segundo a qual só o poder pode limitar o poder. Diferente da tradição política clássica, os estadunidenses compreendiam as facções (quer representem a minoria ou a maioria da sociedade, impelidos por sentimentos e interesses contrários em relação aos outros cidadãos e a coletividade social, como pensava Madison) como fenômenos inevitáveis, uma vez que derivariam da natureza humana (competitiva, cruel e brutal). Desta maneira, defendem não o controle, mas a liberdade das facções, de forma que a luta entre as muitas vontades fosse o meio pelo qual nenhuma delas poderia se impor às demais. Como o próprio Madison afirmava, uma vez que as causas não podem ser evitadas é necessário controlar os efeitos.

O receio dos federalistas não era a usurpação aristocrática, mas o risco de um governo popular, de maneira que uma facção majoritária pudesse impor sua vontade aos grupos isolados. O que está por trás dessa engenharia política é o "direito à escravidão" das ex-colônias do sul em relação aos Estados industrializados do Norte.

A forma encontrada para tanto é um aprofundamento da divisão de poderes tal como descrita acima, acrescida de freios e contra freios a fim de evitar que a chegada ao governo de uma facção não lhe conferisse poder de impor seus interesses sobre os demais. Um presidente eleito por uma maioria teria de governar com a representação parlamentar das outras fações, existirá uma câmara alta – o Senado – com outro critério de formação e, em princípio, mais conservador. Mesmo em uma eventual formação de maioria parlamentar, o executivo tem que se ater à ordem legal expressa na Constituição e garantida por juízes de uma corte suprema que não são eleitos, mas indicados por outros presidentes e com mandato vitalício (no caso dos EUA).

Para garantir-se que uma maioria popular nem sequer chegue à Presidência, as eleições são indiretas, por um complexo processo que filtra o voto popular na formação de um colégio delegados que de fato escolhem o presidente.

É inegável que tal engenharia deu aos EUA uma estabilidade, isto é, evitou a menor chance da formação de uma "tirania popular". No entanto, toda forma política só pode ser a expressão da materialidade na qual repousa, de maneira que a estabilidade ou instabilidade não se produz unicamente pela virtude ou coerência da formulação política, mas também e fundamentalmente em função do bom andamento das formas econômicas que a sustentam.

Diante do vendaval político que assola nosso país, o partido das câmeras e seu maior representante insiste que o risco de autoritarismo (que eles próprios ajudaram a criar e dar asas) não tem chance de se estabelecer porque afinal "nossas instituições são sólidas". Caso uma peça se desvie, como é o caso do miliciano que atualmente ocupa a cadeira presidencial, os outros poderes lhes imporiam o limite. É o mesmo argumento utilizado quando do afastamento ilegal e casuístico da presidente Dilma Rousseff. Entretanto, o bolsonarismo parece apresentar problemas à aplicação do enredo normal do funcionamento das instituições.

O desqualificado na Presidência explicita um projeto que se choca com os outros poderes e aponta para uma alternativa ditatorial, por atos, palavras e convicções. A Rede Globo prefere caracterizar tal comportamento como dúbio, seguindo as palavras do presidente do STF. Entretanto, o comportamento do capitão expulso do exército é tudo menos dúbio. É evidente que ele prepara uma ruptura institucional e que não considera possível governar sob o limite dos poderes constituídos, sejam parlamentares ou judiciários.

Então, por que os poderes que deveriam limitá-lo não agem? Comecemos pelo Parlamento. A forma de operação da relação entre o Executivo e o Legislativo deixou de funcionar há muito tempo. Para governar é preciso maioria, ou uma bancada de sustentação e alianças. A maneira de garantir essa maioria é a distribuição de cargos e outras facilidades, digamos assim. E isso vale para qualquer um – direita, centro, com ou sem pretensões populares e mesmo a extrema direita como agora – a despeito do prognóstico otimista de Merval Pereira, segundo o qual Bolsonaro inauguraria uma saudável prática política de não negociar com facções parlamentares.

O problema é que se tal engenharia, chamada de "presidencialismo de coalisão" funcionou bem em tempos ditos normais, acabou por se transformar em uma constante ameaça aos governantes uma vez que se emancipou da legalidade e constitucionalidade para afastar um mandatário. Quem deveria interferir aqui para zelar por tal suposta constitucionalidade não o fez, pelo contrário entrou no acordo, com o Supremo, com tudo, dirigiu e ungiu de suposta legalidade o casuísmo.

Como os afastados compunham um governo de centro esquerda (para ser generoso na classificação) comprometido com um pacto social que desarmou a classe trabalhadora de sua autonomia necessária, preferindo apoiar-se na mesma institucionalidade que se movia para derrubá-los, caíram sem reação alguma. Tudo isso dava aos porta-vozes da ordem a impressão segura de que as instituições estavam funcionando. E estavam, para aquilo que foram criadas: evitar a menor possibilidade de um governo popular (ainda que aquele governo que caia já não o fosse).

Mas, então, o que explica que esse mecanismo parece não funcionar agora, em um governo de extrema direita? Neutralizado o parlamento, pelo menos por enquanto, graças ao trabalho impecável da gelatina da República, o homem sem esqueleto Rodrigo Maia e a boa e velha prática da formação de maiorias no mercado de cargos, verbas e aparelhos por onde se opera a corrupção e o favoritismo eleitoral, restaria o caminho judicial. Considerando a quantidade e natureza dos crimes de responsabilidade cometidos e mesmo os indícios de crimes comuns, qualquer outro já teria caído. O que afinal mantém o inominável miliciano em seu cargo?

Não é o poder que dispõe como chefe do Executivo, pois como ele mesmo rosnou, parece que a Presidência dá menos poder do que parece àqueles que a disputam. É aqui que a teoria política burguesa encontra seu ocaso. Quando vemos o impasse entre os poderes, cai a mascara e se revela que há poderes que não se submetem nem aos pesos, nem aos contrapesos e que se movem sem freios.

O Judiciário afirma que vai investigar esquemas que podem chegar ao presidente. O presidente e seus ministros dizem que não reconhecem e não aceitaram o resultado de tal julgamento. Primeiro, é preciso aclarar que esta crise só se estabelece por que um dos poderes prevaricou: o Parlamento. É ele que por direito deveria fiscalizar e se for o caso, como é evidente que é, julgar o presidente. Caso houvesse um impasse, caberia ao Judiciário entrar em cena para dizer de competências e procedimentos. Como o Parlamento estava à venda e foi comprado, restou outro poder que diante do impasse não pode recorrer a não ser a si mesmo.

O que revela a máscara que caiu? Se não é o próprio poder executivo, quem é esse poder que cria o impasse diante do Judiciário? É aquele que a teoria política moderna, em certo sentido sem que tenha ouvido de fato as bases da teoria clássica, resolveu deixar do lado de fora do fenômeno político: a força.

O interessante é que a teoria política moderna inaugurada com Maquiavel é aquela que exatamente chama a atenção para esse fator. Este aspecto contudo foi sendo depurado até que chegamos em Hannah Arendt e Jürgen Habermas que consideram a força como um recurso extra-político, de maneira que onde há política não há força e onde entra a força cessa a política, num claro recuo em direção a Aristóteles.

Ocorre que uma força, ainda que desconsiderada, existe. Os militares não estão, a não ser formalmente, submetidos à Constituição, pois a força pode impor um novo ordenamento jurídico, no velho dilema já descrito por Maquiavel entre o profeta armado e o desarmado. Bolsonaro se mantém porque alega ter apoio dos militares e seus generais no governo parecem não desmenti-lo.

Segundo declarações recentes do fabricador de fake news no poder, estariamos perto da hora do acerto de contas. Seria mais um blefe? Pode ser, e pode não ser. O blefe faz parte do jogo político, mas a resolução do impasse não se realiza por blefes, e sim quando as cartas são colocadas na mesa. O PT e seus aliados prometeram parar o país ou incendiá-lo, mas nada parou e os próprios derrubados se empenharam no papel de bombeiros.

O Judiciário está colocando suas cartas na mesa e começa a fechar o cerco, principalmente com a prisão do Queiroz e com o que pode vir daí até a família do presidente. Tudo isso alimentando as investigações em curso poderia culminar na cassação da chapa, o que não passa pelo Congresso. Os militares governistas (não sabemos se com respaldo ou não dos militares na ativa) dizem que não aceitaram um "julgamento político" (como se o último não o fosse).

O problema é que Bolsonaro pode ou não ter o apoio das Forças Armadas, mas certamente tem o respaldo de corporações militares e da milícia, podendo portanto reagir de alguma forma. O Supremo não pode impor sua decisão a não ser pela força da lei, que diante da força das armas vale tanto como o caráter de alguém contra a munição de um fuzil ou a inocência diante da convicção de um juiz corrupto.

A dúvida que persiste é a seguinte: se Bolsonaro não está blefando e tem apoio militar, por que não desfecha seu golpe? A meu ver este impasse se resolve fora do campo visível e remete a um outro poder, este determinante: o grande capital. A divisão que agita a forma política é uma expressão de uma outra, a grande burguesia ainda não se decidiu pela continuidade ou retirada de seu mais recente serviçal, sobre a oportunidade e possibilidade de substituí-lo e o que colocar em seu lugar.

Pela primeira vez, concordo com Bolsonaro. Aproxima-se a hora que as cartas serão colocadas na mesa. Nesta hora acaba a possibilidade de blefe e quem tiver o maior jogo leva tudo.

22/Junho/2020
[*] Professor adjunto da Escola de Serviço Social da UFRJ, pesquisador do NEPEM (Núcleo de Estudos e Pesquisas Marxistas), do NEP 13 de Maio e membro do Comitê Central do PCB. É autor do livro O dilema de Hamlet: o ser e o não ser da consciência (Boitempo, 2002) e colabora com os livros Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil e György Lukács e a emancipação humana (Boitempo, 2013), organizado por Marcos Del Roio. Colabora para o Blog da Boitempo mensalmente, às quartas. Na TV Boitempo, apresenta o Café Bolchevique, um encontro mensal para discutir conceitos-chave da tradição marxista a partir de reflexões sobre a conjuntura.

O original encontra-se em blogdaboitempo.com.br/2020/06/22/bolsonaro-e-o-ocaso-da-teoria-politica-moderna/ e em pcb.org.br/portal2/25730/o-ocaso-da-teoria-politica-moderna/

 

Ver original em 'RESISTIR.INFO' na seguinte ligação:

https://resistir.info/brasil/iasi_22jun20.html

Tags:

Artigos relacionados

Mais Valia Relativa
Mais Valia Relativa Rolando Astarita   é professor de economia na Universidade de Buenos Aires.    Uma conseqüênci... 78 views Mon, 22 Jun 2020, 16:52:16
Boaventura: as hierarquias que estão em xeque
Boaventura: as hierarquias que estão em xeque     Fracasso norte-americano revela como se tornou frívola a arrogância do norte diante do sul. E a idei... 182 views Thu, 04 Jun 2020, 16:29:39
 O que é 'capital fictício'?
O que é 'capital fictício'? por Marx Memorial Library O "ouro das fadas" nas fábulas infantis é dinheiro mágico – uma fortuna que logo se desfaz... 65 views Wed, 13 May 2020, 14:17:49
Em jeito de reflexão sobre a reação de um grande amigo ao meu texto “2...
Em jeito de reflexão sobre a reação de um grande amigo ao meu texto “2...    Por Francisco Tavares em 12/05/2020   Sobre o texto que escrevi “25 de Abril hoje, 2020”, diz-... 81 views Wed, 13 May 2020, 14:47:02
 O capital em coma induzido
O capital em coma induzido por José Martins [*] Daqui para a frente os capitalistas de todo o mundo sentirão mais intensamente o gosto amargo d... 97 views Wed, 06 May 2020, 15:00:21
Leitura #8 - Manter o poder conquistado
Leitura #8 - Manter o poder conquistado   Os primeiros tempos da Revolução de Outubro são de uma extraordinária dureza. O Imperialismo recusa a oferta... 56 views Tue, 28 Apr 2020, 17:05:56

Teoria

  • Criado em .
  • Visualizações: 52

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Filtrar por categoria
08, julho 2020

CAPTURADO. Suspeito de ter morto avó em Cascais apanhado em Almada

em Cascais

por CASCAIS24

SEGURANÇA Por Valdemar Pinheiro 08 julho 2020 O homem suspeito de, a 17 de maio último, ter assassinado à facada a avó, no Bairro dos Pescadores, em Cascais, foi capturado por agentes da Esquadra de…
08, julho 2020

SATA pede auxílio ao Estado no valor de 163 milhões de euros

em Portugal

por Lusa in ZAP

EK056 / Flickr   A SATA, companhia aérea detida a 100% pela Região Autónoma dos Açores, precisa do valor até ao final do ano para pagar dívidas.   A SATA pediu um auxílio ao Estado…
08, julho 2020

Maternidade sob controle

em Mundo

por resistir.info

por Andrea Natalia Rivera Rosario     Os porto-riquenhos são sem dúvida a raça mais suja, preguiçosa, degenerada e ladra entre os homens que alguma vez habitaram esta esfera.   O que a ilha precisa…
08, julho 2020

Apesar da propaganda de Bolsonaro, OMS reforça ineficácia da hidroxicloroquina contra a Covid-19

em Mundo

por Brasil24/7

  247 - A Organização Mundial da Saúde (OMS) se manifestou nesta terça-feira minutos após Jair Bolsonaro dizer que foi infectado pelo coronavírus reafirmando que a hidroxicloroquina não tem eficácia contra a Covid-19. Ainda que…
08, julho 2020

Coronavírus: Brasil tem 1.254 mortes em 24 horas e se aproxima dos 67 mil óbitos

em Mundo

por Brasil24/7

  Revista Fórum - O Brasil registrou mais 1.254 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas, segundo a atualização divulgada nesta terça-feira (7) pelo Ministério da Saúde. Desde o início da pandemia, 66.741 pessoas morreram…
08, julho 2020

Trump anuncia início do processo formal para saída da OMS

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© AP Photo / Andrew Harnik O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta terça-feira (7) ao Congresso e à ONU que iniciou o processo para a retirada formal do país da Organização Mundial…
08, julho 2020

Alguns de vossemecês são muito estúpidos, caramba

em Portugal

por Valupi in Aspirina B

  Pedro Marques Lopes – Uma ministra não pode vir dizer, como ela disse, "que não, isto não há problema nenhum com os transportes". Ou seja, como é que ela sabe? Portanto, o confinar foi…
08, julho 2020

Imunidade de grupo não vai travar pandemia, diz estudo espanhol

em Mundo

por ZAP in ZAP

Sebastião Moreira / Lusa   Um estudo espanhol, que abrangeu mais de 60 mil pessoas, colocou em causa a viabilidade da imunidade de grupo como forma de combater a pandemia de covid-19, estimando que apenas 5%…
08, julho 2020

DA DESTRUIÇÃO DE ESTÁTUAS AOS FOCOS DE INFECÇÃO DA COVID – UMA REFLEXÃO SOBRE AS TRAJECTÓRIAS DA NOSSA JUVENTUDE – COMO A COVID -19 IRÁ MUDAR O MUNDO, por MARTIN…

em Mundo

por joaompmachado in 'A Viagem dos Argonautas'

  How Covid 19 will change the world, por Martin Wolf Financial Times, 16 de Junho de 2020 Selecção e tradução por Júlio Marques Mota     © James Ferguson   A sociedade que irá…
08, julho 2020

OMS admite transmissão pelo ar e recomenda evitar aglomerações

em Mundo

por Filipe Sousa

07/07/2020   A Organização Mundial de Saúde (OMS) admitiu hoje haver novas provas de que o novo coronavírus se transmite pelo ar e recomendou medidas como evitar espaços fechados e uso de máscara. Depois de…
08, julho 2020

UMA CRISE ECONÓMICA, COM CONSEQUÊNCIAS SOCIAIS, QUE O GOVERNO AINDA NÃO COMPREENDEU OU QUE TENTA DISFARÇAR, MAS QUE PODE TER EFEITOS AINDA MAIS DEVASTADORES FACE AO COMPORTAMENTO GOVERNAMENTAL: o governo…

em Portugal

por joaompmachado in 'A Viagem dos Argonautas'

 Eugénio Rosa, edr2@netcabo.pt , 6/7/2020 Ver original em 'A viagem dos Argonautas' na seguinte ligação: https://aviagemdosargonautas.net/2020/07/07/uma-crise-economica-com-consequencias-sociais-que-o-governo-ainda-nao-compreendeu-ou-que-tenta-disfarcar-mas-que-pode-ter-efeitos-ainda-mais-devastadores-face-ao-comportamento-governamental-o-gove/
08, julho 2020

Salgado acusa Banco de Portugal de “deslealdade” e “desonestidade”

em Portugal

por Lusa in ZAP

José Sena Goulão / Lusa   Na contestação à coima aplicada pelo supervisor por violação de normas de prevenção de branqueamento de capitais, a defesa de Ricardo Salgado acusou o Banco de Portugal de ter…
08, julho 2020

Bloco deixa recado ao PS: voto do Suplementar não estará garantido para o OE2021

em Portugal

por ZAP in ZAP

partidosocialista / Flickr Mariana Mortágua, Bloco de Esquerda Depois de o PCP ter rompido o espírito de acordos à esquerda, foi a vez de o Bloco de Esquerda deixar avisos para 2021.   Em entrevista…
08, julho 2020

De Miguel Carvalho

em Portugal

por Vitor Dias in "O Tempo das Cerejas"

Um trabalho notável 608 páginas   Ver original em "O Tempo das Cerejas" (aqui)
08, julho 2020

Perda de habitat pode aumentar doenças que passam de animais para humanos, prevê ONU

em Mundo

por ZAP in ZAP

Um novo relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) alertou que podem surgir mais doenças que passam de animais para humanos, como a covid-19, à medida que os habitats são devastados pela exploração da vida…
08, julho 2020

“Estavam prontos para bater”. Atleta Ricardo dos Santos vai processar polícia londrina

em Mundo

por Lusa in ZAP

rdss400 / Instagram Ricardo dos Santos O atleta português Ricardo dos Santos disse na segunda-feira que não demorou mais de 20 segundos a parar o carro, quando lhe foi pedido pelas autoridades em Londres, e…
08, julho 2020

Norte-americanos estão se afastando do 1º mundo, analisa mídia

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© REUTERS / Mike Segar A sociedade norte-americana é cada vez mais desigual, e vários de seus indicadores socioeconômicos parecem cada vez mais distantes dos bons resultados obtidos pelos países europeus de alta renda. É…
08, julho 2020

Racismo, a estratégia de um troll

em Portugal

por span itemprop="author creator" itemprop="name" data-byline-name=""

Este conceito é bastante utilizado politicamente, ajudando a eleger governos um pouco por todo o mundo. Com o recurso a estas técnicas, candidatos apagados ou de baixo relevo conseguem ganhar notoriedade. Créditos / DriverMax Em…
08, julho 2020

Torpedo bipartidário contra o Acordo para o Afganistão, Manlio Dinucci

em Mundo

por Manlio Dinucci in Rede Voltaire

Centenas de milhares de vítimas civis, mais de 2.400 soldados americanos mortos (e mais um número desconhecido de feridos), cerca de 1 trilião de dólares gastos: este é, em síntese, o orçamento dos 19 anos…
08, julho 2020

“Fracasso” no combate à covid-19. Diretora de Saúde de Israel demite-se

em Mundo

por Lusa in ZAP

Gali Tibbon / Afp Pool   Siegal Sadetzki, diretora dos serviços públicos do Ministério da Saúde de Israel, denunciou o “fracasso” das autoridades em retardar a propagação da covid-19 no país, apresentando a sua demissão.…
08, julho 2020

Soleimani foi assassinado de forma “ilegal e arbitrária”, considera perita da ONU

em Mundo

por ZAP in ZAP

(h) Iranian Supreme Leader's Office / EPA   A relatora especial da ONU, Agnes Callamard, considera que os Estados Unidos não apresentaram provas suficientes para justificar o ataque.   Uma especialista da ONU concluiu que…
08, julho 2020

«Tudo mudou na escola, mas a barreira dos Exames ficou»

em Portugal

por AbrilAbril

O AbrilAbril conversou com três estudantes, activistas do movimento «Exames não», sobre as desigualdades que pautaram os últimos meses, no percurso escolar de muitos jovens. Acção de protesto contra os Exames Nacionais em Setúbal, 26…
08, julho 2020

EUA sancionam hoje 'Irã e Venezuela' e amanhã 'China, Rússia e Alemanha', afirma parlamentar

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© Sputnik / Aleksei Filippov Um político venezuelano opina que o que Washington está fazendo com países como Irã ou Venezuela poderá ser aplicado no futuro a outros países se não houver resposta às ações…
08, julho 2020

A Nova SBE não é o Welton College

em Portugal

por Ladrões de Bicicletas (Nuno Serra)

«Com questões desta magnitude em causa - que raio de faculdade pública é esta em que os contratos de patrocínio são secretos, o diretor é administrador de um dos bancos mecenas e um professor aparece…

Últimos posts (Cascais)

Itens com Pin
    Atividades Recentes
    Aqui ainda não existem atividades

    Últimos posts (País e Mundo)

    Itens com Pin
      Atividades Recentes
      • LEGALIZAÇÃO DAS CASAS DE PROSTITUIÇÃO

        Um debate que provavelmente vai ganhar dimensão.
        Legalização da prostituição - petição apresentada na A.R
        Gravação da reunião na Assembleia da República
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      • Homicidal Cops Caught On Police Radio
        #TheJimmyDoreShow
        Homicidal Cops Caught On Police Radio
        42 219 visualizações
        •05/06/2020
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      Aqui ainda não existem atividades
      LOGO4 vert01
      A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
      Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
      exceto quando expressamente assinadas por esta.
       

      SSL Certificate
      SSL Certificate