A casa grande já teme o caos

Siga o Brasil 247 no Google NewsAssine a Newsletter 247

 

 

Uma vez mais o caminho é iluminado pelas ruas e pelo que este país tem de melhor: o “povão”, tão bem representado pelas torcidas dos grandes clubes de futebol de São Paulo, que, lecionando o que precisa ser feito Brasil afora, sem pedirem audiência a partidos recatados e a lideranças cautelosas, tomaram para a democracia a avenida Paulista, até este último domingo (31/5) o santuário da elite bolsonarista, cantando de galo em terreiro abandonado pelas forças populares e democráticas. Cantando de galo exatamente por isso, porque estava só: quando não divisa adversário, todo covarde alardeia destemor.

Penso estar diante de fato histórico da maior importância para nosso destino imediato, certamente o mais relevante dos tempos recentes: a entrada na cena política do povo brasileiro, este ator mal querido pelos senhores do poder; ele chega em momento preciso, sem abre-alas, marcando seus próprios passos e fazendo seu caminho, forçando espaço e impondo sua voz. Que amanhã possa impor sua vontade. Que ao movimento espontâneo de hoje siga-se a ação organizada em plano nacional. Se assim se der o desenrolar dos fatos, poderemos apostar que dias melhores virão.

Enfim descobrimos que a sociedade está viva e que o povo-massa não se acovarda.

O povo nas ruas – nas ruas como possível, em face da pandemia, e nas onipresentes redes sociais – alterará substantivamente a correlação de forças do jogo político, e pode fazer malograr o acordo de elites, a conciliação pelo alto, a velha solução prussiana tão presente em nossa História e já em curso, agora em nome da “pacificação” nacional, codinome da conservação do statu quo, depois que os direitos dos trabalhadores foram surrupiados. A casa grande já teme o caos; este não está mais sob a batuta do capitão, suas milícias e seus celerados, pois já caminha livre, alimentado pelo rotundo desastre da política econômica. Em face do imponderável, que são os riscos decorrentes de qualquer explosão social, o “mercado”, antes indiferente à crise institucional buscada pelo capitão (o Ibovespa fechou a semana em alta) cuida agora de proteger seus ganhos e trata de intervir e administrar a “saída”, assegurando-se de que, quaisquer que sejam as alternativas conjuradas por um processo sem prévio controle, elas precisam estar escoimadas da contaminação das pressões populares.

O acordo traficado pelas elites precisa ser denunciado para morrer na praia.

Em nome da “salvação nacional”, que a todos mobiliza, a casa grande propõe um pacto nacional que deságua na preservação de um bolsonarismo bem comportado, confundindo, para melhor fazer passar o contrabando, forma e conteúdo.

 

Com o risco de insistir no óbvio, é preciso lembrar que o que nos afeta, fundamentalmente, não são os métodos do capitão; no caso presente a forma é o outro lado de sua natureza política. Precisamos nos ver livres é de sua política, mais que de seus maus modos. O que se coloca como necessidade urgente e ingente, agônica, é livrar o país da ameaça representada pela presença do capitão na presidência da república e comandante–chefe de forças armadas com larga tradição de intervenção política e parca cultura histórica.

O que nos aflige, ademais do projeto golpista protofascista escancarado pelo capitão e seus íntimos, é a desmontagem da economia nacional, levada a cabo passo a passo, peça por peça, com imperturbável frieza, pelo agiota alçado ao posto de “superministro”. Por aí está sendo asfaltado o caminho que inevitavelmente construirá o caos: a recessão, o desemprego e a fome têm encontro marcado para o segundo semestre. O establishment, talvez escaldado pelas revoltas que incendeiam os EUA de Trump, eriça as sobrancelhas, pois nem mesmo o capitão, nem mesmo as forças armadas, nem mesmo o império, nem mesmo todos juntos, podem garantir que, desencadeada a convulsão social perseguida pelos aprendizes de feiticeiros, seus interesses e privilégios de classe serão mantidos irrigados como hoje são.

Mas nossas elites são mesquinhas, e agora se revelam tolas, elas que vêm sendo espertas em todos os golpes de Estado que entulham a república. Propõem à democracia uma composição com os inimigos da democracia, como se nós, os que sabemos o que significa a repressão, não conhecêssemos a novela do sapo que tentou salvar o escorpião, condenando-se à morte.

 

Os termos do acordo fatal são propostos pelo inefável O Globo em editorial (“Os democratas precisam conversar”) do último domingo. Sua importância está não apenas em suas letras; elas se tornam relevantes quando sabemos que as organizações Marinho se orgulham de expressar os interesses das classes dominantes.

O editorial diz que “a sociedade precisa encontrar a saída de uma situação em que as crises provocadas pelo presidente se sucedem”. Ninguém discorda. Temente do caos (mais precisamente: temente que do caos se louvem as forças populares), pede a “reaproximação [na defesa das liberdades] das forças políticas que têm diferenças no campo da economia, na área social e outras, mas compartilham zonas de intercessão”. Dentre as forças chamadas não se encontram os mais interessados – os trabalhadores. Mas indica o objetivo do ajuntamento: a pacificação nacional. Em torno de quê? Ora vejam! Do bolsonarismo: “Esta via política não deve excluir Bolsonaro, que precisa fazer um gesto pelo entendimento”. Para quê? Para que, diz o editorial, o presidente possa “executar sua agenda”. Mas que agenda? Exatamente a agenda que precisa ser defenestrada, essa que desestrutura o Estado, abre as portas ao autoritarismo e aspira ao fascismo. Trata-se da agenda que destrói nossa economia, o neoliberalismo paleontológico do “posto Ipiranga” que já levou o país da estagnação à recessão e agora nos está levando da recessão à depressão, com a qual nos depararemos antes do final do ano e de cujas funestas consequências não nos livraremos antes de meados da década, ainda que não demoremos a nos livrar do bolsonarismo.

Para quem tem o mando o que interessa é sua conservação. Tanto faz se o regime é monárquico ou republicano, democrático ou autoritário, de esquerda ou de direita, corrupto ou não. O fundamental é a conservação do poder, se possível sem riscos. Nossas carcomidas elites, que prepararam a ascensão do capitão (conhecendo-o de perto), que fizeram do ex-juiz e ex-ministro um regra dois para 2022, que já admitiram mesmo trocar o capitão sem modos pelo general mais comedido, nem isso admitem: querem mesmo que nada mude. A “saída” da vez propõe o concubinato da democracia, das liberdades e da “governabilidade” exatamente com quem detona a democracia, investe contra as liberdades e inviabiliza, por método, a governabilidade – o capitão, coiteiro de criminosos, cúmplice de milicianos, o pivô aglutinador da súcia que tomou de assalto nossa história. Implícito está, na proposta veiculada pelo O Globo, que todos os crimes – delitos penais, civis, administrativos, políticos – cometidos pela horda bolsonarista serão varridos para debaixo do tapete, e tudo permanecerá como dantes no castelo de Abranches.

Esta “saída” pode até ser aceita tanto pelo congresso quanto pelo judiciário – pois o papel histórico de ambos, nas crises institucionais, tem sido homologar as soluções traficadas pelas elites civis, empresariais e militares com a assessoria dos procuradores do império; assim foi sempre e nesses termos é que se deu o pacto da redemocratização de 1985. Com o povo nas ruas cobrando a redemocratização, a sociedade mobilizada pela campanha das Diretas Já, a casa grande, um grupelho de auto nomeados príncipes, meia dúzia de políticos conservadores e meia dúzia de generais, negociaram a “transição”, de que resultou a morte da constituinte autônoma e da revisão da anistia, com a consequente impunidade dos militares acusados dos crimes de tortura e assassinato. De que resultou a tutela militar sobre o primeiro governo da “nova república”. Deu no que deu: a emergência, tantos anos passados, da escória dos porões da ditadura. O ícone dos fardados no poder e fora dele não é o general Geisel, mas Sílvio Frota, quando não o facínora Ustra.

Não há e não pode haver negociação com o crime. Com a corrupção, com a traição aos interesses do país. Não há negociação possível, muito menos coabitação com o banditismo, com as milícias, com o armamentismo, com a tragédia social, com a dilapidação de nossas reservas, com a destruição de nossa riqueza ambiental. O adversário não é o capitão, essa execrável pessoa física, mas sua política, seu projeto e o que ele representa como atraso ideológico: a emergência dos valores políticos da extrema-direita com a qual a democracia não dialoga.

O pacto proposto é espúrio. A única esperança que nos resta de vê-lo abortado é a reação das grandes massas, os 70% de brasileiros que se opõem ao bolsonarismo e que, aos poucos, e animados pelos torcedores antifascistas, começam a sair da zona de conforto – espremida entre a pandemia e a ameaça fascista – e descobrir que a ação não apenas é necessária e inadiável, como, principalmente, é possível.

O que o clã Marinho nos oferece é o acordo das elites, para salvarem-se na crise que elas mesmas ajudaram a criar, inclusive com seus jornais e a manipulação política e ideológica que tem seu ponto de partida na desestabilização do governo Dilma Rousseff, seguida pela posse do perjuro Temer, a eleição e o governo Bolsonaro, a consolidação do regime de golpe de Estado permanente. Ninguém – imprensa, judiciário, congresso, forças armadas – pode hoje posar de inocente.

Ver o original em 'Brasil24/7' na seguinte ligação:

https://www.brasil247.com/blog/a-casa-grande-ja-teme-o-caos

Tags:

Artigos relacionados

Especialistas denunciam manobras do governo Bolsonaro para privatizar ...
Especialistas denunciam manobras do governo Bolsonaro para privatizar ...  Rede Brasil Atual - O Supremo Tribunal Federal (STF) analisa uma liminar para impedir a venda pela estat... 30 views Wed, 08 Jul 2020, 00:26:17
Brasil | Chegou a hora do plano de retirada dos militares
Brasil | Chegou a hora do plano de retirada dos militares     "Se os militares se acomodarem, na inércia de ficar e conferir o que acontece, correm o risco de ver... 182 views Sat, 20 Jun 2020, 13:43:39
A inconteste maioria
A inconteste maioria Enio Verri Líder do PT na Câmara dos Deputados Ontem, um eloquente e necessário diálogo entre os l... 74 views Mon, 08 Jun 2020, 17:22:21
Guru de Bolsonaro chama presidente de ‘inativo e cobarde’ e diz que de...
Guru de Bolsonaro chama presidente de ‘inativo e cobarde’ e diz que de...   Em um vídeo divulgado no último sábado (6), o escritor Olavo de Carvalho disse que vai derrubar o governo ... 63 views Sun, 07 Jun 2020, 17:56:17
Coronavírus: com mais de 468 mil casos confirmados, Brasil tem 28 mil ...
Coronavírus: com mais de 468 mil casos confirmados, Brasil tem 28 mil ...   247 - As secretarias estaduais de saúde divulgaram, até a manhã deste sábado (30), cerca de 468.33... 77 views Sat, 30 May 2020, 22:45:51
Brasil supera 25.000 mortes e 400.000 casos confirmados da COVID-19
Brasil supera 25.000 mortes e 400.000 casos confirmados da COVID-19 Rio de Janeiro, 27 mai (Xinhua) -- O número de mortes no Brasil causadas pela doença do novo coronavírus (COVID-19) ... 81 views Thu, 28 May 2020, 16:18:08

Brasil

  • Criado em .
  • Visualizações: 49

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Filtrar por categoria
12, julho 2020

Médicos franceses pedem mais respeito ao uso da máscara

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© REUTERS / CHARLES PLATIAU Um grupo de 14 médicos da França pediu neste sábado (11) o estabelecimento de medidas mais duras para o uso de máscaras, em meio a receios de um novo aumento…
11, julho 2020

Diáspora da Guiné-Bissau reúne centenas em Lisboa para denunciar situação no país

em Portugal

por Lucas Rohan

11/07/2020   Cerca de cinco centenas de cidadãos guineenses a viver em Portugal participaram hoje numa manifestação em Lisboa para contestar a atual situação política na Guiné-Bissau e para pedir o respeito pela Constituição e…
11, julho 2020

PRÉ-HISTÓRIA DA COVID-19 NOS ESGOTOS DE BARCELONA

em Mundo

por in 'O Lado Oculto'

2020-07-11 Cientistas da Universidade de Barcelona detectaram genomas do novo coronavírus SARS-CoV-2 nos esgotos da cidade no dia 12 de Março de 2019, isto é, nove meses e meio antes da declaração das autoridades chinesas…
11, julho 2020

Esquerda latino-americana quer participação de Portugal e tenciona convidar António Guterres

em Mundo

por Lucas Rohan

11/07/2020   O Grupo de Puebla, fórum latino-americano que reúne líderes da esquerda de 17 países, pretende incluir Portugal para ganhar projeção ibero-americana e tenciona convidar António Guterres para impulsionar uma agenda progressista numa região…
11, julho 2020

Impossíveis de cumprir. Directores preocupados com novas regras para as escolas

em Portugal

por ZAP in ZAP

Miguel A. Lopes / Lusa   As orientações da Direcção Geral de Saúde (DGS) para as escolas com vista ao regresso das aulas presenciais, em Setembro, estão a preocupar os directores dos estabelecimentos de ensino.…
11, julho 2020

De que serve a Bondade - Bertolt Brecht

em Mundo

por Voar Fora da Asa

De que serve a Bondade   1   De que serve a bondadeQuando os bondosos são logo abatidos, ou são abatidosAqueles para quem foram bondosos? De que serve a liberdadeQuando os livres têm que viver…
11, julho 2020

Não, não vai correr bem

em Portugal

por in 'Estátua de Sal'

(Comentário ao artigo: O conhecido azedume do 'comentarismo' de MST parece ter emparelhado com as o feroz 'opinamento' de José Miguel Júdice contra ALGUNS ministros que, tanto um como o outro, afirmam querer ver arredados…
11, julho 2020

Um branqueador do fascismo no ISCTE

em Portugal

por jorge rocha in 'Ventos Semeados'

Passou-me ao lado e ainda bem: pelos vistos a RTP2 deu tempo de antena a um professor do ISCTE, que acaba de publicar um livro sobre o Chega onde defende a tese esdrúxula de não…
11, julho 2020

Diretor da Nova SBE tem exclusividade mas ganha 143 mil euros no Santander

em Portugal

por Administração web

Direção da faculdade de Economia da Universidade Nova implica exclusividade mas Daniel Traça é administrador do Banco Santander, um dos mecenas da escola, tendo auferido 143 mil euros em 2019. Reitor permitiu acumulação, mas anuncia…
11, julho 2020

Diretor da Nova SBE tem exclusividade mas ganha milhares no Santander

em Portugal

por Filipe Sousa

Fernanda Câncio - 10/07/2020   Direção da faculdade de Economia da Universidade Nova implica exclusividade mas Daniel Traça é administrador do Banco Santander, um dos mecenas da escola, tendo auferido 143 mil euros em 2019.…
11, julho 2020

CRISE DO COVID 19 E A INCAPACIDADE DAS SOCIEDADES NEOLIBERAIS EM LHE DAREM RESPOSTA – LVIII – UMA RECESSÃO COMO NENHUMA OUTRA, de JOHN MAULDIN

em Mundo

por joaompmachado in 'A Viagem dos Argonautas'

      A Recession Like No Other, por John Mauldin Mauldin Economics, 26 de Junho de 2020 Selecção e tradução de Júlio Marques Mota   A recessão provocada pelo Coronavirus Optando por não gastar…
11, julho 2020

O trabalho de um consultor que ou é ingénuo ou propõe que algo mude para que tudo fique na mesma...

em Portugal

por in 'Alpendre da Lua'

  «É crucial prestar atenção às pequenas e médias empresas (PME), porque representam mais de 95% do tecido empresarial português e empregam mais de 75% das pessoas. A saída da economia do estado de coma,…
11, julho 2020

Por que são tão irrisórias as respostas dos palestinos à proposta de anexação israelense?

em Mundo

por resistir.info

por Adnan Abu Amer  O exército israelense está a preparar-se para anexar a Margem Ocidental (Cisjordania) e para as reacções dos palestinos, embora seja provável que os apelos para que se tomem medidas contra o…
11, julho 2020

Resolução do Conselho Nacional aprovada pelo Plenário de Sindicatos

em Portugal

por CGTP-IN

O Plenário Nacional de Sindicatos da CGTP-IN reunido, hoje, dia 10 de Julho de 2020, no Cinema S.Jorge, em Lisboa, aprovou a Resolução: "LUTAR CONTRA A EXPLORAÇÃO, PELA VALORIZAÇÃO DOS TRABALHADORES, POR UM PORTUGAL COM…
11, julho 2020

Pastor Milton Ribeiro é o novo ministro da Educação do Brasil

em Mundo

por Filipe Sousa

Paulo Saldaña e Ricardo Della Coletta e Gustavo Uribe - 10/07/2020   Bolsonaro nomeia pastor Milton Ribeiro, ligado ao Mackenzie, para comandar o MEC. Indicação partiu de Jorge de Oliveira, ministro-chefe da Secretaria Geral da…
11, julho 2020

Brasil chega a 70.398 óbitos por Covid-19 com 1.214 mortes em 24h

em Mundo

por Brasil24/7

Nas últimas 24 horas, mais 45.048 pacientes foram diagnosticados com a doença e 1.214 óbitos foram registrados     247 - Dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), aponta que nesta sexta-feira (10)…
11, julho 2020

Bolsonaro anuncia professor e pastor Milton Ribeiro como novo ministro da Educação

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© Folhapress / Futura Press Após semanas de indefinição, o presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta sexta-feira (10) o quarto nome a ocupar o cargo de ministro da Educação: o do pastor e professor Milton Ribeiro.…
11, julho 2020

Sem privacidade nem descanso. Em Hong Kong, 400 mil mulheres são obrigadas a viver com o patrão

em Mundo

por MC in ZAP

ArtHouse Studio / Pexels   Em Hong Kong, cerca de 400 mil mulheres que arranjam emprego como governantas são forçadas a viver com os seus empregadores. A maioria não tem descanso nem privacidade – e…
11, julho 2020

“Ultra Simplex.” Procedimentos podem ser decididos por videoconferência

em Portugal

por ZAP in ZAP

António Pedro Santos / Lusa   Um novo programa “ultrasimplificado” vai permitir maior rapidez em procedimentos administrativos obrigatórios da administração central e local.   Esta sexta-feira, o Governo apresentou um programa “ultrasimplificado” para permitir maior…
11, julho 2020

Super juiz do Tribunal de Menores denunciado por dona de casa de prostituição fala em “cabala feminista”

em Portugal

por ZAP in ZAP

Piotr Adamowicz / Canva   A promotora de uma petição que defende a legalização da prostituição, em Portugal, e que é dona de uma casa onde se prestam serviços sexuais, terá revelado ao Ministério Público…
10, julho 2020

Trabalhadores da CP em greve nacional no dia 24 de julho

em Portugal

por Lusa in ZAP

Giacomo Giugiaro / Flickr   Os trabalhadores das bilheteiras e revisores da CP cumprem dia 24 de julho uma greve nacional, exigindo a retirada da proposta de regulamento de carreiras apresentada pela empresa.   Os…

Últimos posts (Cascais)

Itens com Pin
    Atividades Recentes
    Aqui ainda não existem atividades

    Últimos posts (País e Mundo)

    Itens com Pin
      Atividades Recentes
      • LEGALIZAÇÃO DAS CASAS DE PROSTITUIÇÃO

        Um debate que provavelmente vai ganhar dimensão.
        Legalização da prostituição - petição apresentada na A.R
        Gravação da reunião na Assembleia da República
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      • Homicidal Cops Caught On Police Radio
        #TheJimmyDoreShow
        Homicidal Cops Caught On Police Radio
        42 219 visualizações
        •05/06/2020
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      Aqui ainda não existem atividades
      LOGO4 vert01
      A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
      Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
      exceto quando expressamente assinadas por esta.
       

      SSL Certificate
      SSL Certificate