• Entrada
  • Artigos
  • Mundo
  • Emmanuel Macron diz que é tempo de pensar o impensável. Entrevista ao Financial Times
  • franciscogtavares in 'A Viagem dos Argonautas'
  • Mundo

Emmanuel Macron diz que é tempo de pensar o impensável. Entrevista ao Financial Times

Seleção e tradução de Francisco Tavares

 

Emmanuel Macron diz que é tempo de pensar o impensável. Entrevista ao Financial Times

O presidente da França acredita que a pandemia do coronavírus transformará o capitalismo – mas os líderes têm de agir com humildade

 

Por Victor Mallet em Paris e Roula Khalaf em Londres

Financial Times em 16 de abril de 2020 (ver aqui)

Texto 39. Emmanuel Macron diz que é tempo de pensar o impensável 1

 

“Estamos todos a embarcar no impensável”, diz Emmanuel Macron, inclinado para a sua secretária no Palácio do Eliseu, em Paris, depois de um assistente ter limpo a superfície e os braços da sua cadeira com um toalhete desinfectante.

Até agora, o senhor Macron tinha tido sempre um grande plano para o futuro.

Depois de ter ganho o poder numa surpreendente vitória eleitoral em 2017, o hiperativo Presidente francês anunciou uma montanha de propostas ambiciosas de reforma da UE que deixaram perplexos os seus parceiros europeus mais cautelosos. No ano passado, quando presidiu ao grupo das grandes economias do G7, tentou reconciliar os EUA e o Irão e fazer a paz entre a Rússia e a Ucrânia. O seu governo legislou furiosamente para modernizar a França.

A pandemia do coronavírus, porém, deixou até o Sr. Macron à procura de soluções para uma crise de saúde global que matou quase 140 000 pessoas e perguntando-se como salvar a economia francesa e mundial de uma depressão comparável à do crash de 1929.

“Todos nós enfrentamos a profunda necessidade de inventar algo novo, porque é tudo o que podemos fazer”, diz.

 

Macron sobre a… China

Texto 39. Emmanuel Macron diz que é tempo de pensar o impensável 2

Pessoal médico avisa espectadores em Wuhan em Janeiro, quando o coronavírus ainda não tinha sido identificado © Getty

 

“Não sejamos tão ingénuos a ponto de dizer que ela [China] tem sido muito melhor a lidar com isto. Há claramente coisas que aconteceram que desconhecemos.”

 

 

 

 

Ele ainda tem planos, como é óbvio. Ele quer que a UE lance um fundo de investimento de emergência de centenas de milhares de milhões de euros, através do qual os membros relutantes do Norte teriam de apoiar a Itália e a Espanha, onde muitos milhares de pessoas morreram de Covid-19. E quer que as nações mais ricas ajudem África com uma moratória imediata sobre os pagamentos bilaterais e multilaterais da dívida.

Mas talvez pela primeira vez, um senhor Macron incaracteristicamente hesitante parece inseguro sobre se ou quando é que as suas propostas darão frutos. “Não sei se estamos no início ou no meio desta crise – ninguém sabe”, diz ele. “Há muita incerteza e isso deve tornar-nos muito humildes”.

É um sinal de “distanciamento social” e perturbação das viagens em tempos de pandemia extraordinária que o normalmente ocupado Eliseu tem agora apenas um esqueleto de pessoal no local e que o editor do FT assiste à entrevista através do link de vídeo. O normalmente táctil Sr. Macron, – de quem foi dito que “podia seduzir uma cadeira” -, é obrigado a cumprimentar os seus convidados de longe, no salon doré, a sala dourada que dá para os relvados do palácio em direção aos Campos Elísios.

Esta sala foi utilizada pela primeira vez como gabinete do Presidente francês pelo General Charles de Gaulle. Em dois discursos à nação, há um mês, Macron adotou deliberadamente o tom do seu modelo presidencial, declarando guerra total ao vírus, impondo alguns dos controlos mais rigorosos da Europa à liberdade de circulação das pessoas para retardar a propagação da doença e declarando que o seu governo pouparia empregos e empresas “custe o que custar”. Atrás da sua secretária está um exemplo emoldurado de um título anglo-francês de primeira guerra mundial de 1915, no valor de 500 dólares.

Texto 39. Emmanuel Macron diz que é tempo de pensar o impensável 3

Emmanuel Macron: “Todos nós enfrentamos a profunda necessidade de inventar algo novo, porque é isso que nos resta fazer” © Magali Delporte/FT

No entanto, nas últimas semanas, a retórica belicosa deu lugar a uma visão mais refletida sobre a forma de lidar com a pandemia, acompanhada de admissões de falhas logísticas que deixaram os médicos, enfermeiros e trabalhadores essenciais franceses desesperadamente sem máscaras de proteção e de testes para medir a propagação do vírus.

Ao contrário de outros líderes mundiais, desde Donald Trump, nos EUA, até Xi Jinping, na China, que estão a fazer regressar aos seus países ao ponto onde estavam antes da pandemia, o senhor Macron, de 42 anos, diz ver a crise como um acontecimento existencial para a humanidade que irá mudar a natureza da globalização e a estrutura do capitalismo internacional.

Enquanto líder europeu liberal num mundo de nacionalistas estridentes, o Sr. Macron diz esperar que o trauma da pandemia junte os países em ações multilaterais para ajudar os mais fracos durante a crise. E quer utilizar um cataclismo que levou os governos a dar prioridade às vidas humanas em detrimento do crescimento económico como uma abertura para enfrentar catástrofes ambientais e desigualdades sociais que, segundo ele, já ameaçavam a estabilidade da ordem mundial.

Mas não esconde a sua preocupação de que o contrário possa acontecer, e que os encerramentos de fronteiras, as perturbações económicas e a perda de confiança na democracia reforcem a mão de autoritários e populistas que tentaram explorar a crise, desde a Hungria ao Brasil.

 

Macron sobre… o ambiente

Texto 39. Emmanuel Macron diz que é tempo de pensar o impensável 4

Enchentes fortes em Moçambique após um ciclone no ano passado © Emidio Josine/AFP/Getty

 

“O risco climático parece muito distante, porque afecta a África e o Pacífico. Mas quando chega a si, é hora de acordar.”

 

 

 

 

“Penso que é um choque antropológico profundo”, diz ele. “Parámos metade do planeta para salvar vidas, não há precedentes para isso na nossa história”.

“Mas isso vai mudar a natureza da globalização, com a qual temos vivido nos últimos 40 anos…. Tivemos a impressão de que já não existiam fronteiras. Era tudo uma questão de circulação e acumulação cada vez mais rápidas”, diz ele. “Houve verdadeiros êxitos. Livrou-se dos totalitários, houve a queda do Muro de Berlim há 30 anos e, com altos e baixos, tirou centenas de milhões de pessoas da pobreza. Mas, sobretudo nos últimos anos, aumentou as desigualdades nos países desenvolvidos. E era evidente que este tipo de globalização estava a chegar ao fim do seu ciclo, estava a minar a democracia”.

O senhor Macron ficou nervoso quando perguntado se os esforços erráticos para travar a pandemia de Covid-19 não tinham exposto as fraquezas das democracias ocidentais e salientado as vantagens de governos autoritários como a China.

Não há comparação, diz ele, entre países onde a informação flui livremente e onde os cidadãos podem criticar os seus governos e aqueles onde a verdade foi suprimida. “Dadas estas diferenças, as escolhas feitas e o que é hoje a China, que eu respeito, não sejamos tão ingénuos a ponto de dizer que ela tem sido muito melhor a lidar com isto”, diz ele. “Não sabemos. Há claramente coisas que aconteceram e que desconhecemos”.

Texto 39. Emmanuel Macron diz que é tempo de pensar o impensável 5

Manifestantes contra a reforma das pensões marcham em Paris. Emmanuel Macron passou dois anos a liberalizar o mercado de trabalho, a reduzir a carga fiscal sobre os trabalhadores e os empresários e a tentar simplificar os caros sistemas de pensões franceses © Kiran Ridley/Getty

O Presidente francês insiste em que o abandono das liberdades para combater a doença constituiria uma ameaça para as democracias ocidentais. “Alguns países estão a fazer essa escolha na Europa”, afirma, numa aparente alusão à Hungria e à decisão de Viktor Orban de governar por decreto. “Não podemos aceitar isso. Não podemos abandonar o nosso ADN fundamental com base na existência de uma crise de saúde”.

O senhor Macron está especialmente preocupado com a UE e o euro. Batendo repetidamente com as mãos na secretária para sublinhar os seus pontos, diz que tanto a União como a moeda única serão ameaçadas se os membros mais ricos, como a Alemanha e os Países Baixos, não mostrarem mais solidariedade para com as nações afectadas pela pandemia do sul da Europa.

Essa solidariedade deveria assumir a forma de ajuda financeira financiada por dívidas mutualizadas – anátema para os decisores políticos neerlandeses e alemães, que rejeitam a ideia de os seus contribuintes reembolsarem empréstimos a gregos ou italianos.

O senhor Macron adverte que a incapacidade de apoiar os membros da UE mais duramente atingidos pela pandemia ajudará os populistas a vencer em Itália, Espanha e talvez em França e noutros lugares.

 

Macron sobre… as ameaças à democracia

Texto 39. Emmanuel Macron diz que é tempo de pensar o impensável 6

Viktor Orban utilizou a crise para reivindicar poderes de emergência na Hungria © Tamas Kovacs/AP

 

“Não podemos aceitar isso. Não podemos abandonar o nosso ADN fundamental com base na existência de uma crise de saúde.”

 

 

 

 

“É óbvio porque as pessoas vão dizer: ‘Que grande viagem é esta que vocês [a UE] estão a oferecer? Estas pessoas não te protegerão numa crise, nem nas suas consequências, não têm solidariedade para contigo”, diz, parafraseando argumentos populistas que os políticos usarão sobre a UE e os países do Norte da Europa. “Quando os imigrantes chegam ao teu país, dizem-te para os manter. Quando se tem uma epidemia, dizem-nos para lidar com ela. Eles são muito simpáticos. São a favor da Europa quando isso significa exportar para ti os bens que produzem. São a favor da Europa quando isso significa mandar vir a vossa mão-de-obra e produzir as peças de automóvel que já não fabricamos em casa. Mas não são a favor da Europa quando isso significa ‘partilhar o fardo’ “.

Para o senhor Macron, os membros mais ricos da UE têm uma responsabilidade especial na forma como lidam com esta crise. “Estamos num momento de verdade, que consiste em decidir se a União Europeia é um projeto político ou apenas um projeto de mercado. Eu penso que se trata de um projeto político… Precisamos de transferências financeiras e de solidariedade, quanto mais não seja para que a Europa se mantenha”, afirma.

Em todo o caso, argumenta Macron, a atual crise económica desencadeada pelo Covid-19 é tão grave que muitos membros da UE e da zona euro já estão de facto a desrespeitar as injunções previstas nos tratados europeus contra os auxílios estatais às empresas.

A capacidade dos governos de abrir as torneiras orçamentais e monetárias para evitar falências em massa e salvar postos de trabalho será pertinente para o próprio futuro político incerto do Sr. Macron em França.

Texto 39. Emmanuel Macron diz que é tempo de pensar o impensável 7

Emmanuel Macron sobre a pandemia do coronavírus: “Parámos metade do planeta para salvar vidas, não há precedentes para isso na nossa história”.

Com a economia nacional a diminuir 8% este ano e com milhões de trabalhadores temporariamente despedidos ainda a serem pagos graças a um esquema oficial de “desemprego parcial” de 24 mil milhões de euros, o Governo espera um défice orçamental para 2020 de 9% do produto interno bruto, o mais elevado desde a segunda guerra mundial.

Embora muitas vezes aclamado no estrangeiro pelo seu enérgico internacionalismo liberal, Macron foi recentemente tratado pelos opositores nacionais, da extrema-esquerda à extrema-direita – nomeadamente os manifestantes coletes amarelos anti-establishment – como um presidente dos ricos, um antigo banqueiro de investimentos Rothschild que quer impor o capitalismo de mercado livre aos seus cidadãos relutantes.

Na realidade, o senhor Macron já tinha começado a abrandar o seu esforço de reforma antes da pandemia, face à forte oposição de uma esquerda ressurgente e aos vestígios do movimento coletes amarelos. Após dois anos ocupados a liberalizar o mercado de trabalho, a reduzir a carga fiscal sobre os trabalhadores e os empresários e a tentar simplificar os dispendiosos sistemas de pensões do país, voltou atrás no ano passado na redução da dimensão da função pública e depois, no mês passado, suspendeu totalmente as reformas durante o tempo da crise do coronavírus.

Tentou adotar causas ambientais e suavizar a sua imagem para cortejar a esquerda e os Verdes antes das eleições de 2022, que espera sejam mais um segundo turno eleitoral contra Marine Le Pen, líder do partido de extrema-direita Rassemblement National.

O Covid-19 pode oferecer uma oportunidade para defender que está a tentar humanizar o capitalismo. Isso inclui, na sua opinião, pôr fim a um mundo “hiper-financializado”, maiores esforços para salvar o planeta da devastação do aquecimento global e reforçar a “soberania económica” francesa e europeia, investindo em casa em setores industriais como o das baterias para veículos elétricos, e agora em equipamento médico e medicamentos, nos quais a UE se tornou demasiado dependente da China.

 

Macron sobre… a Europa

Texto 39. Emmanuel Macron diz que é tempo de pensar o impensável 8

Emmanuel Macron com a chanceler alemã Angela Merkel © Philippe Wojazer/Reuters

 

 

“Estamos num momento de verdade, que consiste em decidir se a União Europeia é um projeto político ou apenas um projeto de mercado.”

 

 

Há uma constatação, diz o Sr. Macron, de que, se as pessoas pudessem fazer o impensável para as suas economias para abrandar uma pandemia, poderiam fazer o mesmo para travar as alterações climáticas catastróficas. As pessoas compreenderam “que ninguém hesita em fazer escolhas muito profundas e brutais quando se trata de salvar vidas”. É o mesmo para o risco climático”, diz. “Grandes pandemias de síndromes de problemas respiratórios como as que estamos a viver agora costumavam parecer muito distantes, porque pararam sempre na Ásia. Bem, o risco climático parece muito distante porque afeta a África e o Pacífico”. Mas quando chega a si, é hora de acordar”.

O Sr. Macron comparou o medo de sufocar que vem com o Covid-19 aos efeitos da poluição atmosférica. “Quando sairmos desta crise, as pessoas deixarão de aceitar respirar ar sujo”, diz. “As pessoas vão dizer … ”Não concordo com as escolhas das sociedades onde vou respirar esse ar, onde o meu bebé vai ter bronquite por causa disso. E lembrem-se que pararam tudo por causa desta coisa do Covid, mas agora querem fazer-me respirar ar poluído!””.

Tal como alguns dos seus antecessores – e ao contrário de alguns dos seus homólogos de outras democracias ocidentais – o Sr. Macron é abertamente intelectual, sempre repleto de ideias e projetos que, por vezes, irritam os seus homólogos europeus mais sóbrios.

Texto 39. Emmanuel Macron diz que é tempo de pensar o impensável 9

Chega a Dresden, Alemanha, um doente com coronavírus de França. O Presidente francês diz que a UE será ameaçada se os membros mais ricos do Norte não mostrarem mais solidariedade para com as nações afectadas pela pandemia do Sul da Europa © Robert Michael/dpa

Entre os livros empilhados ao acaso – ou talvez com arte – atrás da sua secretária estão obras do falecido presidente socialista François Mitterrand e do Papa Francisco, as cartas trocadas por Flaubert e Turgenev e alguns exemplares da autobiografia de Macron, Revolução: Reconciliar a França, preparada para a campanha eleitoral de 2017.

No entanto, quando lhe perguntam o que aprendeu sobre liderança, admite francamente que é demasiado cedo para dizer onde é que esta crise global vai levar. Macron diz ter convicções profundas sobre o seu país, sobre a Europa e o mundo, sobre a liberdade e a democracia, mas, no final, as qualidades que são necessárias face à marcha implacável dos acontecimentos são a humildade e a determinação.

“Nunca imaginei nada porque sempre me coloquei nas mãos do destino”, diz ele. “Tens de estar disponível para o teu destino… por isso é aí que me encontro, pronto para lutar e promover aquilo em que acredito, mantendo-me disponível para tentar compreender o que parecia impensável”.

 

 

Texto 39. Emmanuel_Macron_tells_the_FT_coronavirus_is_Europes_moment_of_truth_hd

Ver original em 'A viagem dos Argonautas' na seguinte ligação:

https://aviagemdosargonautas.net/2020/05/30/2227189/

Tags:

Artigos relacionados

Trabalhadores da Saúde em França nas ruas por melhores salários e cond...
Trabalhadores da Saúde em França nas ruas por melhores salários e cond... Os profissionais da Saúde deram sequência ao protesto de dia 16, manifestando-se esta terça-feira em várias cidades. É... 26 views Thu, 02 Jul 2020, 01:01:46
Os prometedores sinais que vêm d’além-Pirenéus
Os prometedores sinais que vêm d’além-Pirenéus A imprensa francesa dá os ecologistas como os grandes vencedores da segunda volta nas eleições municipais de ontem... 73 views Tue, 30 Jun 2020, 02:55:21
França diz que não há ligação entre origem da COVID-19 e laboratório d...
França diz que não há ligação entre origem da COVID-19 e laboratório d...    Paris, 29 jun (Xinhua) -- A França anunciou recentemente que não tem informações para corroborar com... 56 views Tue, 30 Jun 2020, 00:27:03
Ecologistas e abstenção “histórica” ganham eleições municipais em Fran...
Ecologistas e abstenção “histórica” ganham eleições municipais em Fran... Cugnot Mathieu / EPAO presidente francês, Emmanuel Macron.A segunda volta das eleições municipais em França,... 53 views Tue, 30 Jun 2020, 02:42:06
Socialista Anne Hidalgo é reeleita à prefeitura de Paris com cerca de ...
Socialista Anne Hidalgo é reeleita à prefeitura de Paris com cerca de ...   Da RFI - A prefeita do Partido Socialista, Anne Hidalgo, venceu as eleições municipais em Paris ne... 76 views Mon, 29 Jun 2020, 00:40:03
A esquerda alia-se aos Irmãos Muçulmanos na 4ª cidade de França
A esquerda alia-se aos Irmãos Muçulmanos na 4ª cidade de França A lista comum de formações da esquerda na segunda volta (turno-br) das eleições municipais de Toulouse (4ª cidade de... 64 views Sat, 27 Jun 2020, 23:32:56

França

  • Criado em .
  • Visualizações: 34

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Filtrar por categoria
02, julho 2020

Brasil: O FBI e a Lava Jato

em Mundo

por resistir.info

– A proximidade entre a PF e procuradores do Brasil com o FBI incluía "total conhecimento" das investigações sobre a Odebrecht – Agente que atuou em investigações da Lava-Jato no Brasil tornou-se chefe da Unidade…
02, julho 2020

EUA | Os distúrbios raciais e a tentação separatista

em Mundo

por Página Global

    Thierry Meyssan*   Os distúrbios raciais que se estendem hoje pelos EUA não ameaçam a integridade do território, mas poderão abrir a via para um confronto cultural entre as comunidades que partilham o…
02, julho 2020

CARTA DE BRAGA – “de pandemias, colibris e xadrez” por António Oliveira

em Portugal

por clara castilho in 'A Viagem dos Argonautas'

  Atrás desta pandemia, como talvez já tenha havido atrás de outras, está o modo como temos visto acumularem-se riquezas, dinheiros e bens materiais, usando mesmo as virtuais e actuais formas para as juntarem e…
02, julho 2020

Vladimir Putin vai poder governar a Rússia até 2036

em Mundo

por ZAP in ZAP

premier.gov.ru O presidente da Rússia, Vladimir Putin Os eleitores russos devem aprovar, com larga maioria, as emendas constitucionais que permitem ao Presidente Vladimir Putin concorrer a outros dois mandatos, de acordo com os primeiros resultados…
02, julho 2020

Incêndios na Amazónia brasileira batem recorde de 13 anos em junho

em Mundo

por Rute Coelho

01/07/2020   O Brasil registou 2.248 focos de incêndio na Amazónia em junho deste ano, a maior taxa registada para aquele mês desde 2007, informaram hoje fontes oficiais. Dados recolhidos pelo Instituto Nacional de Pesquisas…
02, julho 2020

OIT: desemprego bate recorde e já atinge 41 milhões na América Latina e no Caribe

em Mundo

por Brasil24/7

  247 - A Organização Internacional do Trabalho (OIT) afirmou, nesta quarta-feira, 1º, que a pandemia do coronavírus colocou América Latina e Caribe "em uma crise econômica e social sem precedentes", deixando "um recorde de…
02, julho 2020

Brasil ultrapassa a marca de 60 mil mortes por COVID-19, informa Ministério da Saúde

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© Folhapress / André Melo Andrade/Immagini De acordo com o balanço do Ministério da Saúde divulgado nesta quarta-feira (1º), o Brasil ultrapassou a marca de 60 mil mortes pela COVID-19. De acordo com a pasta,…
02, julho 2020

Jovem de 15 anos caiu nas rochas do Farol da Guia e foi resgatada com sucesso pela Estação Salva-Vidas

em Cascais

por CASCAIS24

Jovem, estabilizada, aguarda sob olhar atento dos Bombeiros e da Polícia Marítima chegada da embarcação Salva-Vidas Por Redação 01 julho 2020 Uma jovem, 15 anos, foi resgatada com sucesso, esta quarta-feira, à tarde, pela Estação…
02, julho 2020

Portugal com ‘stock’ e acesso imediato a medicamento remdesivir – Infarmed

em Portugal

por Felipe Sousa

01/07/2020     O Infarmed assegurou hoje que Portugal tem ‘stock’ disponível e reserva para uso imediato do medicamento remdesivir, que tem sido usado contra a covid-19, e que o laboratório não antecipa constrangimentos no…
02, julho 2020

FHC diz que não votou em Bolsonaro, mas é contra "derrubar quem foi eleito"

em Mundo

por Brasil24/7

(Comentário: É pena que este ex-presidente e ex membro da 'radical' Teoria da Dependência não tenha tido identica posição aquando do golpe que depôs a presidenta Dilma Roussef)   247 - O ex-presidente Fernando Henrique…
02, julho 2020

PSD defende saída da ministra da Saúde, PS elogia ação “positiva e atenta”

em Portugal

por Lusa in ZAP

Mário Cruz / Lusa   O vice-presidente do PSD David Justino considerou hoje na TSF que a ministra da Saúde não tem condições para continuar no cargo, uma visão rejeitada pelo presidente do PS, que…
02, julho 2020

COMO É QUE SOMOS FEITOS ESCRAVOS DA BANCA E MEGA-CORPORAÇÕES?

em Mundo

por Manuel Banet

      O endividamento excessivo é o factor que vai condicionar negativamente - daqui para a frente- a saúde económica, e a saúde «senso sticto», das populações de quase todos os países. Os Estados,…
02, julho 2020

Crimes de Israel perante o Tribunal Penal Internacional

em Mundo

por Página Global

#Escrito em português do Brasil No mesmo contexto, deve-se enfatizar que o Estado da Palestina depositou o instrumento de adesão ao Tribunal Penal Internacional como Estado Parte, que entrou em vigor em 1 de abril de 2015.…
02, julho 2020

Já eles estão preparados para falar sobre tudo

em Portugal

por António Duarte

«Seja pela idade avançada, seja pela falta de preparação técnica, os professores não estão preparados para ensinar à distância. Esta é uma das conclusões de um estudo realizado pela Universidade Nova de Lisboa. O digital…
02, julho 2020

Biden não vai fazer comícios por causa da pandemia

em Mundo

por Lusa in ZAP

Jim Lo Scalzo / EPA   Joe Biden, candidato democrata à Casa Branca, vai seguir “as ordens dos médicos” que impedem a realização de comícios devido à pandemia da covid-19.   O candidato democrata à…
02, julho 2020

António Costa recusa ideia de PS como “partido pop up”

em Portugal

por Lusa in ZAP

Manuel De Almeida / Lusa   António Costa sublinhou que, na luta pela igualdade e liberdade, faz todo o sentido que o partido volte às raízes e às memórias.   Esta terça-feira, o secretário-geral do…
02, julho 2020

Bolsonaro subestimou a COVID-19 e Brasil paga a conta, avalia chefe da Cruz Vermelha

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© AP Photo / Andre Borges O presidente da Federação Internacional da Cruz Vermelha, Francesco Rocca, declarou que o presidente Jair Bolsonaro subestimou a pandemia do novo coronavírus, e agora a população paga o preço,…
02, julho 2020

Amanhã, videoconferência Práxis/Zero: «Emergência Climática»

em Portugal

por Ladrões de Bicicletas (Nuno Serra)

«Um novo contrato social e ambiental é preciso. É para isso indispensável a convergência e integração da questão social e da questão ambiental, a junção das forças e dos ativismos destes dois mundos, do trabalho…
02, julho 2020

Sondagem sem grandes surpresas

em Mundo

por Vitor Dias in "O Tempo das Cerejas"

EUA: como são vistos os dois candidatos aqui Porque Biden tem o carisma de uma lesma,Trump ganha-lhe em energia e coragem. Mas Biden ganha a Trump em honestidade, em cuidar das necessidades das pessoas comuns…
02, julho 2020

Casal ferido em capotamento de ligeiro na Marginal em Carcavelos

em Cascais

por CASCAIS24

Veículo capotou na rotunda, na Marginal (Foto Bombeiros de Carcavelos e São Domingos de Rana) Por Redação 01 julho 2020 Um veículo ligeiro despistou-se e capotou, provocando ferimentos nos dois ocupantes, um casal com cerca…
02, julho 2020

Portugal regista mais três mortes e 313 novos casos de Covid-19

em Portugal

por Gonçalo Lopes

Gonçalo Teles - 01/07/2020   O número de pessoas infetadas pela doença é agora 42.454. No entanto, Lisboa e Vale do Tejo registou 70% dos novos casos. Estão confirmadas 1579 mortes devido à Covid-19 em…
02, julho 2020

EUA pode atingir 100 mil casos diários (e Trump está cada vez “mais e mais irritado” com a China)

em Mundo

por ZAP in ZAP

The White House from Washington, DC / Wikimedia   Os Estados Unidos podem ver o número de casos diários de Covid-19 aumentar de novo dos 40 mil para 100 mil a menos que haja intervenções…
02, julho 2020

“Coronavírus está a crescer”. Primeira-ministra rejeita abrir fronteiras da Nova Zelândia

em Mundo

por ZAP in ZAP

appaloosa / Flickr   A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, tem recebido pedidos dos seus opositores políticos para reabrir as fronteiras do país, algo que tem rejeitado, classificando a sugestão como “francamente perigosa”.  …
02, julho 2020

O início da Covid-19

em Mundo

por Jorge Seabra

Este é o primeiro de uma série de artigos em que Jorge Seabra se debruça sobre o desenvolvimento da primeira fase da Covid-19, em Portugal e no mundo, começando pela China. CréditosRoman Pilipey / EPA…

Últimos posts (Cascais)

Itens com Pin
    Atividades Recentes
    Aqui ainda não existem atividades

    Últimos posts (País e Mundo)

    Itens com Pin
      Atividades Recentes
      • LEGALIZAÇÃO DAS CASAS DE PROSTITUIÇÃO

        Um debate que provavelmente vai ganhar dimensão.
        Legalização da prostituição - petição apresentada na A.R
        Gravação da reunião na Assembleia da República
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      • Homicidal Cops Caught On Police Radio
        #TheJimmyDoreShow
        Homicidal Cops Caught On Police Radio
        42 219 visualizações
        •05/06/2020
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      Aqui ainda não existem atividades
      LOGO4 vert01
      A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
      Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
      exceto quando expressamente assinadas por esta.
       

      SSL Certificate
      SSL Certificate