• Entrada
  • Artigos
  • Mundo
  • A esquerda Peter Pan e o discurso dionisíaco do fascismo bolsonarista

A esquerda Peter Pan e o discurso dionisíaco do fascismo bolsonarista

Siga o Brasil 247 no Google NewsAssine a Newsletter 247

 

 

Efetivamente a internet é terra de ninguém. Concordo com Umberto Eco quando ele diz que a “internet promoveu o idiota da aldeia” a portador da verdade, citando ainda outra frase muito conhecida, o gênio reacionário Nelson Rodrigues previa que os idiotas ainda iriam dominar o mundo, não porque não fossem idiotas, mas porque são muitos. Este prolegômeno, meio desabafo, meio nariz de cera, é para ilustrar minha revolta quando vejo coisas na internet como grupos feministas de esquerda discutindo “sororidade” com Sara Winter. Tem uma parte da esquerda Peter Pan que simplesmente não quer crescer e tem uma projeção narcisista sobre o mundo, como se fossem eternos professores do maternal, que com palavras doces e carinho vão “converter” todo mundo, numa epifania, ao “caminho da razão”.

Só lembrar às companheiras que o nome da figura não é Sara Winter, o nome da nazifascista é Sara Fernanda Giromini, o apelido que ela mesmo se deu é homenagem a uma ativista e espiã nazifascista inglesa. Sim, uma esquerda Peter Pan, que recusa-se a crescer, quer oferecer flores e sororidade a uma militante assumida do nazifascismo. Isto é um ultraje a mulheres que lutaram arriscando sua vida contra o nazifascismo, como Vera Zasulich, Clara Zetkin, Simone de Beauvoir, Pagu, Olga Benário, Krupskaya, e tantas outras, que em lugar de sororidade diriam que com fascistas não se dialoga. O fascismo se destrói, se derrota, se necessário, de armas na mão. Como a famosas frase da atiradora russa Lyudmila M. Pavlichenko, que quando perguntada sobre quantos homens ela havia matado na guerra respondeu, “eu não atiro em homens, atiro em fascistas”.

Uma das grandes tragédias da esquerda brasileira é que, depois da perda, primeiro, do monopólio ideológico do PCB, depois, da hegemonia ideológica do Partidão, não foi oferecida uma crítica sistemática para entender o capitalismo brasileiro e gerar um projeto alternativo de país. A crítica “pós-marxista” oferece o nada como filosofia para interpretar o mundo. O mundo é sempre uma interpretação, uma ideologia, uma figura invertida (como diria Marx) nas nossas cabeças. A necessária crítica à falta de dialética ao marxismo que chega ao Brasil, (vejam Konder, em A derrota da dialética) seguiu-se uma reação na esquerda de aversão à dialética e adesão a discursos pós-modernos. A criança foi jogada fora junto com a água do banho. Mas a tragédia é ainda maior.

Nélson Werneck Sodré fez duas observações muito argutas sobre as dificuldades enfrentadas pelo marxismo no Brasil. Uma é que, quando o marxismo chega ao Brasil, não tínhamos um proletariado de terceira geração, na verdade, poucos eram os proletários de segunda geração. Assim, a crítica operária e proletária era algo em status nascendi. A segunda era o baixíssimo nível filosófico acadêmico no Brasil, que, via de regra, segue modas que, em geral, já saíram de cartaz na França, na Alemanha, nos Estados Unidos, e que chegam ao Brasil como pálidos ecos do que foram em seus países de origem.

Assim, à perda do monopólio e depois da hegemonia do pensamento da Segunda e da Terceira Internacional, organizado no Brasil pelo PCB, não se seguiu um pensamento metódico catalisador de um Bloco Orgânico capaz de promover um novo projeto de nação. O projeto do PT, vitorioso em 2002, não possui um discurso ideológico unificador, fora da ideia do antagonismo entre um projeto desenvolvimentista autônomo, versus o entreguismo pseudo moralista histórico da direita. Foi o suficiente para garantir a vitória eleitoral e a governabilidade por 3 mandatos, mas insuficiente para formar uma aliança hegemônica de classes capaz de levar à frente às reformas estruturais, que não podem ser feitas sem enfrentamentos de classe. A ideologia de consenso durou o tempo em que foi possível arrancar pequenas concessões da elite, sem mexer na estrutura hierárquica de dominação, enquanto a alta das commodities não ameaçou baixar a taxa de lucro da burguesia dependente nacional. Na primeira crise econômica internacional, não debelada internamente, a elite brasileira golpeou este consenso, para manter sua taxa de lucro, aumentando a mais-valia absoluta, em detrimento de qualquer projeto de crescimento nacional.

Pode parecer grego o que estou falando acima, e é. É grego porque simplesmente passamos 13 anos não discutindo ideologia e falando de resultados, evitando falar de luta de classes. A história é imperdoável, não é possível fazer as mudanças estruturais que o país necessita sem fazer um discurso minimamente ideológico e transformar o grego em português, numa linguagem que as massas entendam e adiram a estas. Não digam que é impossível pois esta tradução das tarefas políticas de médio e longo prazo já foram traduzidas em lutas e programas, não só em Cuba, mas no Chile de Allende, e o nível médio de discussão política em outros países da América Latina é mais elevado do que o nosso, não porque o povo seja diferente, mas porque a falsa ideia de “um pragmatismo político” (que de pragmático não tem nada) não é hegemônica. Esconder o discurso ideológico para se tornar palatável é uma bomba relógio nos nossos colos. Dá certo durante um prazo de tempo muito curto. A esquerda necessita voltar a falar em ideologia e dizer claramente que tem um projeto popular de emancipação nacional, em lugar de ficar falando apenas de ampliação do consumo.

 

E o que isto tem que ver com discurso dionisíaco de Bolsonaro? Já vou explicar, enquanto a esquerda tenta neuroticamente esconder seus símbolos e discursos (lembram da ideia patética do marqueteiro de plantão escondendo o vermelho da campanha no segundo turno de Haddad contra Bolsonaro?), tornar mais palatável e “popular” sua propaganda; a direita saiu do armário e se arma ideologicamente. Vivemos uma dupla tragédia no Brasil. Temos uma direita armada belicamente, organizada nas milícias bolsonaristas, que são hegemônicas nas policiais militares e que agora começam a se armar fora delas, e temos uma direita também armada ideologicamente, com discurso assumidamente ideológico. Do outro lado temos uma esquerda desarmada belicamente e sem nenhuma possibilidade de se armar e, pior, desarmada ideologicamente, com um discurso Peter Pan namastê.

O discurso populista de Bolsonaro dialoga com o povo brasileiro, que não vive na Praça Salvador, uma espécie de reduto cool de esquerda, está para o pensamento tautológico e auto-suficiente da esquerda brasileira, assim como Los Gatos na Califórnia está para um confortável reduto gay. É uma esquerda que fala para dentro e disputa entre si a popularidade no PCI (Partido Comunista de Ipanema), numa Fla x Flu eterno, PSOL x PT, a hegemonia na classe média educada e que não gosta de palavrões. Enquanto isto, o bolsonarismo explora a potência de uma fala que dialoga com a linguagem popular (como a esquerda fazia na década de 60 – veja a linha “maldita” do Pasquim). Antes que pensem que isto é uma apologia ao machismo ou a homofobia na linguagem bolsonarista, é uma constatação que a direita criou uma estética que visa a falar diretamente com as massas, mexendo com o imaginário do homem comum.

Enquanto nos digladiamos em processos de auto-censura e punição da linguagem, iludidos por uma pós fenomenologia que defendia que “discurso é poder”, algo que já passou de moda pelo menos há 40 anos na França; os comunicadores bolsonaristas estabelecem uma ligação direta com a população, usando o linguajar dos homens e das mulheres que andam de trem. A gente sequer para ler ou pensar na crítica do “homem civilizado” castrado e controlado pelo capitalismo, feita de Nietzsche a Adorno, passando por Benjamin e Debord. Estamos presos a fórmulas bem comportadas e discutimos entre nós mesmos em intermináveis rodas catárticas de conversa. E não conseguimos mais falar a linguagem popular, porque não entendemos que o ser humano é esta luta permanente entre o dionisíaco e o apolíneo, entre a castração civilizada e a vontade de potência. A esquerda ficou limpinha, cheirosa, apolínea, com uma linguagem muito parecida com a dos escoteiros mirins.

 

A linguagem da direita fala diretamente ao dionisíaco do trabalhador cansado e explorado. Só vemos selvageria na linguagem de bolsonaro e não entendemos o seu elemento comunicacional direto popular. Por incrível que pareça, a linguagem de Bolsonaro joga na catarse. A nossa na censura.

Até mesmo para responder aos ataques fascistas das redes bolsonaristas nos pedem sensatez. Passamos todo o tempo a ideia do cidadão controlado pela indústria do espetáculo, asseado, arrumado, penteado, carente de aprovação do politicamente correta. A direita nos roubou a estética do inconformismo e consegue passar a estética do outsider, captando os elementos de angústia e revolta dos explorados. E a gente sequer entendeu isto. Assim o bolsonarismo tem captado a atenção de jovens rebeldes que antes viam na esquerda a expressão da sua revolta. O discurso limpinho, cheiroso, asseado, bem comportado, pouco atrai estes jovens. Perdemos a estética do maldito e do outsider e sequer avaliamos como isto é importante, como esta se incorpora na estética de Bolsonaro para se vender como um “revoltado” para as massas populares.

É óbvio que não é só isto temos outras questões a resolver. A esquerda foi picada por uma mistura oligofrênica entre um pragmatismo de quinta, que nada tem de pragmático, um cretinismo parlamentar eleitoreiro, que não organiza minimamente o povo (enquanto a direita tem células em cada bairro disfarçadas de igrejas neopentecostais da terceira onda) e discursos “anti-autoritários” pós modernos, que são ecos muito modorrentos de filosofias que saíram de modas na Europa, estamos paralisados ideologicamente. O “horizontalismo” estilo Peter Pan, a falta de organicidade, leitura e formação, a falta de quadros de vanguarda com o mínimo de leitura do mundo, a falta de investimento em criação de quadros orgânicos de esquerda, capazes de fazer uma leitura melhor da realidade, nos jogou no oportunismo, no arrivismo e no aventureirismo.

O discurso extremista de uma esquerda minoritária, que ainda está na Segunda Revolução Industrial fordista, que quer reorganizar o “partido bolchevique no Brasil” e tomar o palácio de inverno, não é consolo ou salvação. O discurso histérico do “vamos para as ruas” todo o tempo, sem leitura de correlação de forças, tática ou estratégia, nem chega a ser uma alternativa à burocratização e ao cretinismo parlamentar.

Enquanto a Europa passou pelo desencantamento do mundo, com a crítica ao progresso (Benjamin, Adorno, Sartre), o Brasil apenas importou estes discurso. Sem fazer os embates reais, inclusive entre o chamado marxismo ortodoxo e os vieses revolucionários de esquerda marxista, sem a aventura surrealista na arte, sem uma disputa de pensamento entre alternativas marxistas e os embates destas contra as tendências não marxistas, o Brasil copia ecos teóricos dos países dominantes no sistema e transforma o lugar de fala, necessário, numa recusa a juntar todas as forças na luta de classes contra o capital.

É óbvio que a luta identitária veio para ficar. Não estou entre os marxistas “anti-identitários”. Acredito mesmo que anti-identitários e identitários anti luta de classes padeçam de uma mesma doença dialética. Estes, porque veem as árvores, mas não conseguem identificar a floresta. Não dá para fazer luta anti machista, anti racista consequente que não seja, ao fim e ao cabo, uma luta anticapitalista. O capitalismo é a estrutura nodal que mantém o colonialismo, o machismo, o racismo, a homofobia. Já os marxistas anti identitários não conseguem entendem a importância estratégica de juntar todas estas lutas, numa luta anticapitalista, e querem montar uma orquestra, sem juntar os instrumentistas. Todavia, não há luta revolucionária sem ideologia revolucionária.

A recusa sistemática, com a desculpa de autoritarismo contra qualquer sistema ideológico, de uma análise global do sistema capitalista – que só pode ser feita através de um método dialético, que análise a conjunção de todos os elementos do sistema, estruturais e superestruturais – é a recusa a fazer a luta anticapitalista. É o que Guy Debord chama de protesto permitido pela indústria cultural, é o protesto amestrado, destinado a tornar-se produto vendável do sistema, que no máximo, tautologicamente, irá lacrar (esquerda organizada para lutar no BBB da Globo, por exemplo) e circular na internet. Este protesto amestrado não vai ameaçar nunca as estruturas de dominação. O mal dialético como elemento destrutivo da análise, o negativo como força permanente de dissolução, o dionisíaco (vontade de potência), como elemento não amestrado pela civilização castradora (que quer transformar o ser humano num parafuso), a crítica corrosiva e antissistêmica, a denúncia da inconciliabilidade dos interesses de classe, de incontrolabilidade e da ameaça de destruição que o capitalismo hoje faz do planeta e à humanidade; todos estes fatores não cabem nos ritos horizontais, sem organização centralizada da esquerda Peter Pan namastê. É necessário uma dialética sistemática global de esclarecimento, a única capaz de arrastar conjuntamente todos os oprimidos para lutar organizadamente contra a derrubada do capital.

Ou a esquerda redescobre a dialética, ou vai no máximo ficar lacrando na internet presa ad eternum na Terra do Nunca da crítica que o capitalismo tolera, como crítica bem-comportada e politicamente correta à “má-educação da direita”, como produto vendável de rebeldia permitida pró Capital. A esquerda Peter Pan namastê é a esquerda que a direita ama.

Artigos relacionados

Jair Bolsonaro diz que está com sintomas de Covid-19
Jair Bolsonaro diz que está com sintomas de Covid-19 Filipe Sousa - 06/07/2020   A CNN Brasil noticiou que foi o p... 46 views Tue, 07 Jul 2020, 02:06:14
FHC diz que não votou em Bolsonaro, mas é contra "derrubar quem foi el...
FHC diz que não votou em Bolsonaro, mas é contra "derrubar quem foi el... (Comentário: É pena que este ex-presidente e ex membro da 'radical' Teoria da Dependência não tenha tido identica posiç... 90 views Thu, 02 Jul 2020, 02:01:43
Bolsonaro faz agrado a militares aumentando salários
Bolsonaro faz agrado a militares aumentando salários  247 - Em completa contradição com o quadro de dificuldades econômicas do país e de crescimento da pobrez... 39 views Tue, 30 Jun 2020, 00:55:52
Ter fé na força de um povo que resiste como a água de um rio que corre
Ter fé na força de um povo que resiste como a água de um rio que corre Impossível não pensar em prestar homenagem a Gilberto Gil pela passagem de seus 78 anos, nesta sexta-feira (26). R... 27 views Sun, 28 Jun 2020, 23:05:57
Ato virtual democrático reúne representantes de ampla oposição a Bolso...
Ato virtual democrático reúne representantes de ampla oposição a Bolso...   247 - Um ato virtual está marcado para esta sexta-feira (26), que poderá representar a mais ampla,... 69 views Wed, 24 Jun 2020, 14:37:30
Quem são os 50 mil mortos?
Quem são os 50 mil mortos? Os mortos têm rostos. O vírus não é democrático. Negros, pobres e periféricos têm mais chances de morrer.&nb... 52 views Mon, 22 Jun 2020, 16:43:41

Brasil, Esquerdas

  • Criado em .
  • Visualizações: 44

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Filtrar por categoria
07, julho 2020

Jair Bolsonaro diz que está com sintomas de Covid-19

em Mundo

por Filipe Sousa

Filipe Sousa - 06/07/2020     A CNN Brasil noticiou que foi o próprio presidente brasileiro que confirmou a informação e que está a tomar hidroxicloroquina. Jair Bolsonaro cancelou a agenda presidencial para o resto…
07, julho 2020

Impedir a reprivatização da Efacec

em Portugal

por AbrilAbril

A indústria transformadora continua a ser o esteio das economias mais desenvolvidas, seja a nível europeu ou mundial, como atesta a realidade económica dos últimos 150 anos. Créditos / NTech News A constatação levou o…
07, julho 2020

Mensagem aos leitores de Hong Kong

em Mundo

por resistir.info

– Como vendemos a União Soviética e a Checoslováquia por sacos de plástico por Andre Vltchek Esta foi uma história que, durante meses, quis partilhar com os jovens leitores de Hong Kong. Parece-me ser agora…
07, julho 2020

MISTÉRIO. Mulher desaparecida há mais uma semana depois de receber herança

em Cascais

por CASCAIS24

Por Valdemar Pinheiro 06 julho 2020 Uma mulher, na casa dos 60 anos, alegadamente "bafejada" por uma herança familiar, está dada como desaparecida em Cascais desde há oito dias, em circunstâncias que as autoridades estão…
07, julho 2020

Vírus pode ter estado adormecido antes de surgir na China, diz investigador de Oxford

em Mundo

por ZAP in ZAP

Massimo Percossi / EPA   O novo coronavírus pode ter estado adormecido algures no mundo antes de ter surgido na China, defendeu o investigador da Universidade de Oxford, Tom Jefferson, apontando para várias descobertas de…
07, julho 2020

Na morte de Custódia Chibante

em Portugal

por Abril de Novo Magazine

Maria Custódia Chibante, resistente antifascista do Couço e ex-presa política, morreu quinta-feira, dia 2 de Julho. Natural do Couço, concelho de Coruche, era filha de uma camponesa e um pedreiro, não conseguindo cumprir o seu…
07, julho 2020

Sem política nacional de enfrentamento, Brasil chega a 65.487 óbitos pela Covid

em Mundo

por Brasil24/7

  Reuters - O Brasil registrou nesta segunda-feira mais 620 óbitos em decorrência da Covid-19, atingindo um total de 65.487 mortes relacionadas à doença respiratória provocada pelo novo coronavírus, informou o Ministério da Saúde. O…
07, julho 2020

EUA: instabilidade política e o retorno da Guerra Fria

em Mundo

por Leonardo Igor

  Desde o início de seu governo, Donald Trump tem sido caracterizado por uma série de elementos de instabilidade e ingovernabilidade: não apenas o impeachment, mas as mudanças permanentes em seu gabinete, sua disputa com…
07, julho 2020

Com quase 700 mil casos de Covid-19, Índia é o 3º país mais afetado do mundo

em Mundo

por Brasil24/7

  Reuters - A Índia ultrapassou a Rússia ao atingir o número de 700 mil casos do novo coronavírus, o terceiro maior do mundo, de acordo com os dados mais recentes, e o surto não…
07, julho 2020

Os doutores Salgado e Mexia: fantasmas de um flirt passado do ISEG

em Portugal

por Ladrões de Bicicletas (Diogo Martins)

 A última semana trouxe a debate a crescente ingerência do dinheiro das grandes empresas privadas na universidade pública. O tema veio a discussão na sequência de uma notícia na revista Sábado, que dava nota da…
07, julho 2020

Crescimento “preocupante” de casos de covid-19 no Luxemburgo (e a “culpa” pode ser de portugueses e cabo-verdianos)

em Mundo

por ZAP in ZAP

(CC0/PD) 12019 / Pixabay   O Luxemburgo está a assistir, nas últimas semanas, a um crescimento significativo no número de novas infecções por covid-19. A ministra da Saúde fala numa subida “preocupante”. Muitas destas novas…
07, julho 2020

Agência de rating espanhola baixa perspetiva de Portugal de “estável” para “negativa”

em Portugal

por Lusa in ZAP

(Comentário: E anda o Primeiro Ministro de Portugal a falar castelhano...Com 'amigos' destes! Ou será que há espanhóis a prepararem-se para comprar o que resta da indústria lusa a preço de saldos?) (dr) Museu do…
07, julho 2020

A política económica reacionária e perigosa de Emmanuel Macron. Por Romaric Godin

em Mundo

por franciscogtavares in 'A Viagem dos Argonautas'

Seleção e tradução de Francisco Tavares  Por Romaric Godin Publicado por  em 1 de julho de 2019 (ver aqui)   Com ou sem remodelação, o curso da política económica do final do quinquénio já está…
07, julho 2020

Aprender menos e ter melhores notas

em Portugal

por António Duarte

Os professores do ensino superior alertaram esta segunda-feira para o risco de os alunos que este ano fazem os exames nacionais terem melhores resultados, mas estarem pior preparados para frequentar as universidades e institutos politécnicos. No arranque…
07, julho 2020

PIRATARIA EM LONDRES COM O OURO DA VENEZUELA

em Mundo

por in 'O Lado Oculto'

2020-07-06 Gabriela Kuenhle*, America Latina en Movimiento/O Lado Oculto O direito nacional e internacional deixou de contar. O actual espectáculo legal montado no Tribunal de Comércio de Londres sobre as reservas de 30 toneladas de…
07, julho 2020

Governo autoriza pagamento aos bombeiros e liberta verba de quatro milhões

em Portugal

por ZAP in ZAP

Nuno André Ferreira / Lusa   O Governo anunciou, esta segunda-feira à tarde, que foi libertada a verba necessária para que a ANEPC possa cumprir as suas obrigações para com os bombeiros que integram o…
07, julho 2020

Portugal Temido | Contagem decrescente?

em Portugal

por Página Global

    Júlio Machado Vaz* | Jornal de Notícias | opinião Se o primeiro-ministro puxou as orelhas à ministra da Saúde, teria certamente razão". A candura menineira e risonha de Marta Temido enternece. Há nela…
07, julho 2020

Mais de 100 bispos em todo o mundo assinam manifesto contra os abusos das empresas na era Covid

em Mundo

por Rute Coelho

06/07/2020   No documento, os líderes católicos mundiais dizem que as empresas “irresponsáveis são cúmplices de atos de violência e sofrimento” e apelam a que os Estados “ponham termo a esta situação” O manifesto assinado…
07, julho 2020

Espanha dá passo atrás: Restringe 200 mil pessoas na Catalunha e 70 mil na Galiza

em Mundo

por ZAP in ZAP

(CC0/PD) OrnaW / Pixabay   O governo da Catalunha ordenou, este sábado, um novo confinamento de uma zona com 200.000 habitantes, nas proximidades de Mérida, no nordeste espanhol. Com a identificação de um novo surto…
07, julho 2020

Trump diz que 99% dos casos de covid-19 são “inofensivos”. FDA recusa-se a apoiar a afirmação

em Mundo

por ZAP in ZAP

O chefe da autoridade do medicamento norte-americana, FDA – Food and Drug Administration, Stephen Hahn, recusou-se a apoiar a alegação do Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, de que 99% dos casos de covid-19…
07, julho 2020

Em 2019, procurador dos EUA revelou relacionamento clandestino e ilícito com Lava Jato

em Mundo

por Brasil24/7

  Em entrevista ao jornal Estadão em 11 de maio de 2019, o procurador do Departamento de Justiça dos EUA Daniel Kahn, chefe da área de investigação de corrupção fora dos EUA, revelou a existência…
07, julho 2020

Mais seis mortos e 232 casos de covid-19 em Portugal

em Portugal

por Página Global

    Portugal regista, esta segunda-feira, mais seis mortos associados à covid-19 e 232 novos casos de infeção, 195 dos quais na região de Lisboa e Vale do Tejo. Há mais 149 doentes recuperados.  …

Últimos posts (Cascais)

Itens com Pin
    Atividades Recentes
    Aqui ainda não existem atividades

    Últimos posts (País e Mundo)

    Itens com Pin
      Atividades Recentes
      • LEGALIZAÇÃO DAS CASAS DE PROSTITUIÇÃO

        Um debate que provavelmente vai ganhar dimensão.
        Legalização da prostituição - petição apresentada na A.R
        Gravação da reunião na Assembleia da República
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      • Homicidal Cops Caught On Police Radio
        #TheJimmyDoreShow
        Homicidal Cops Caught On Police Radio
        42 219 visualizações
        •05/06/2020
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      Aqui ainda não existem atividades
      LOGO4 vert01
      A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
      Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
      exceto quando expressamente assinadas por esta.
       

      SSL Certificate
      SSL Certificate