• Entrada
  • Artigos
  • Mundo
  • Michael Roberts sobre Marx vs. Keynes e porque é que Marx estava mais próximo da verdade
  • joaompmachado in 'A Viagem dos Argonautas'
  • Mundo

Michael Roberts sobre Marx vs. Keynes e porque é que Marx estava mais próximo da verdade

 

 

SCIENTIFICALLY ERRONEOUS AND WITHOUT APPLICATION TO THE MODERN WORLD, por Michael Roberts

Marx200,  26 de Junho de 2017

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

 

Michael Roberts sobre Marx vs. Keynes e porque é que  Marx estava mais próximo da verdade

 

Michael Roberts é um economista financeiro que trabalhou na City de Londres durante mais de 30 anos.  No seu livro, “ pdfThe Great Recession: a Marxist view(878 KB)”, ele previu o crash financeiro global.  O seu último livro, pdfThe Long Depression(11.82 MB) (Haymarket 2016), analisa as causas da estagnação contínua na economia mundial desde 2009.

Em 1926, John Maynard Keynes, já então o mais célebre economista e escritor político do seu tempo, reviu as ideias concorrentes da economia convencional (a que chamou “laisser-faire”) e a sua alternativa revolucionária (o marxismo).  No seu livro “Laisser-faire and Communism”, Keynes, um contemporâneo dos líderes bolcheviques Lenine e Trotsky, procurava desconsiderar e rejeitar  a revolução soviética que tinha chocado os grupos dominantes do resto do mundo apenas alguns anos antes.

O seu ataque foi o seguinte : como poderia algo que valesse a pena sair do comunismo, baseado como estava nas ideias e teorias de Karl Marx?  “Como posso aceitar a doutrina [comunista]”, escreveu Keynes, “que estabelece como sendo a sua bíblia, acima e além da crítica, um livro de texto obsoleto que sei não só estar cientificamente errado, mas também sem interesse ou aplicação ao mundo moderno”?  E mais: “Mesmo que precisemos de uma religião, como podemos encontrá-la no lixo turvo da livraria vermelha? É difícil para um filho educado, decente e inteligente da Europa Ocidental encontrar aqui os seus ideais, a menos que primeiro tenha sofrido um estranho e horrendo processo de conversão que mudou todos os seus valores (Keynes, Laissez-Faire e Comunismo, citado em Hunt 1979: 377).

Keynes escreveu cerca de 60 anos após a primeira publicação de O Capital de Marx.  À medida que se aproxima o 150º aniversário da primeira publicação do Capital, podemos concordar com o julgamento condenatório das ideias de Marx por parte de Keynes? O Capital de Marx foi uma crítica à economia política do seu tempo, mas é também uma análise implacável da natureza do que hoje chamamos capitalismo.  Com base numa teoria do valor do trabalho, Marx tentou mostrar como o trabalho é explorado, embora as trocas nos mercados apareçam ser baseadas na igualdade.  Acima de tudo, a análise de Marx sugere que o capitalismo tem contradições irreconciliáveis que só podem ser ultrapassadas através da substituição da produção privada para obter lucro pela produção para satisfazer necessidades através da propriedade e controlo coletivos.

Keynes aceitou a teoria da utilidade marginal dominante

Em contraste com esta teoria “ilógica e obsoleta” do valor do trabalho, Keynes aceitou a teoria da utilidade marginal dominante.  Quando esta se tornou a explicação dominante para os preços da produção numa economia, substituindo a teoria do trabalho na última década de 1870, Engels observou: “A teoria da moda agora e aqui mesmo  é a de Stanley Jevons, segundo a qual o valor é determinado pela utilidade e, por outro lado, pelo limite da oferta (isto é, o custo de produção), que é apenas uma forma confusa e sinuosa de dizer que o valor é determinado pela oferta e pela procura. Economia vulgar em toda a parte”! (22 MECW, vol.48, p.136).

A teoria da utilidade marginal rapidamente se tornou insustentável, mesmo nos círculos principais, porque o valor subjectivo não pode ser medido e agregado, pelo que a base psicológica da utilidade marginal foi rapidamente abandonada, mas sem abandonar a teoria em si-mesma.  Assim, Keynes continuou a manter uma teoria de preços cientificamente errada, que era insustentável, enquanto a teoria do valor objetivo e testável de Marx se baseava no tempo de trabalho gasto.

Para Marx, o motor da acumulação de capital é o lucro.  O lucro é a determinante do sistema.  Marx explicou no  Capital e noutras obras que havia uma tendência inerente à diminuição da rentabilidade ao longo do tempo e que esta pressão descendente sobre a rentabilidade acabaria por provocar uma queda da massa de lucros e dai  uma crise e um colapso do sistema. Pensem em como é que  uma crise capitalista causada pela queda dos lucros pode ser resolvida se Marx estiver certo. A única forma de acabar com ela seria se um número suficiente de capitalistas entrasse em falência, se um número suficiente de máquinas e instalações antigas fossem encerradas e se um número suficiente de trabalhadores fosse despedido. Então, eventualmente, os custos de produção e investimento seriam suficientemente reduzidos para aumentar a rentabilidade da produção para que os capitalistas que ainda sobrevivessem começassem a investir novamente. No entanto, passado algum tempo (talvez anos, ou mesmo décadas), a lei da rentabilidade voltaria a exercer o seu poder e toda a “porcaria”, como Marx lhe chamou, recomeçaria. Temos, assim, ciclos de expansão e de colapso.

Em contrapartida, Keynes, negando que os lucros provêm do trabalho não remunerado do processo de produção, considerou que é a “procura efectiva” global que provoca crises, em especial quedas no investimento e no consumo que conduzem a reduções no emprego, nos salários e nos lucros. Quem tem razão?  A teoria keynesiana sugere que basta “gerir” a economia que começa a entrar em recessão e tudo correrá bem. Esta gestão económica seria: dinheiro fácil a taxas de juro baixas e estímulo orçamental  através do aumento das despesas públicas e dos défices orçamentais. Bem, veja-se o que aconteceu no final dos anos 60, quando a economia keynesiana fazia furor  e a gestão da economia pelos governos  estava na ordem do dia. Até o Presidente Nixon declarou então que agora somos “todos keynesianos”.  No final dos anos 70, os estrategas do capital tinham abandonado Keynes e optado por aquilo a que agora chamamos políticas “neoliberais” de redução da dimensão do governo, privatização, enfraquecimento dos sindicatos, liberalização dos mercados (incluindo os mercados financeiros) e imposição de uma austeridade monetária e orçamental a rigor  (ou pelo menos em parte – a austeridade não se aplicava à defesa e às guerras!) Porquê? Porque as políticas keynesianas não tinham conseguido evitar novas crises, na verdade, a maior recessão económica mundial do capitalismo desde a guerra foi em 1974-75 e depois houve uma recessão mais profunda e mais prejudicial em 1980-2. Como poderia ter havido  estas novas crises se a gestão económica keynesiana estava em funcionamento por todo o lado? A economia keynesiana não tinha resposta.

As políticas keynesianas podem mesmo atrasar a recuperação capitalista

O que poderia a economia marxista oferecer para explicar a crise dos anos 70 em que o keynesianismo tinha falhado?  Marx disse que a chave para compreender o modo de produção capitalista estava na natureza da produção para vender mercadorias num mercado com fins lucrativos. O lucro era a chave. Marx diz: vamos começar pelos lucros. Se os lucros caíssem, então os capitalistas deixariam de investir, despediriam trabalhadores e os salários cairiam e o consumo diminuiria. E não eram apenas as quedas dos anos 70.  Se analisarmos as mudanças no investimento e no consumo antes de cada recessão ou do colapso  na economia americana do pós-guerra, verificamos que a procura para consumo desempenhou pouco ou nenhum papel de liderança na provocação de um colapso. É o investimento que constitui o fator de oscilação crucial. Veja-se a última Grande Recessão. Um movimento à baixa dos lucros das empresas arrastou o investimento  e o PIB até dois anos mais tarde e a recuperação dos lucros fez o mesmo no período posterior a 2009. As políticas destinadas a reduzir as taxas de juro, ou mesmo a fazer avançar algumas despesas públicas, nomeadamente as políticas keynesianas, não evitariam estas quedas e nem mesmo  fariam avançar a retoma da economia. Com efeito, mais despesas com a segurança social e os subsídios de desemprego poderiam fazer subir os impostos e a contração de empréstimos adicionais poderia fazer subir as taxas de juro. E mais investimentos governamentais que substituíssem ou interferissem no investimento do sector privado poderiam, na realidade, ser prejudiciais para a rentabilidade do capital. Assim, as políticas keynesianas poderiam mesmo retardar  a recuperação capitalista.

Na verdade, as políticas de austeridade da maioria dos governos não são tão sem sentido  como pensam os keynesianos. Os keynesianos dizem: porque é que o sector capitalista não vê que é do seu interesse que os governos gastem mais, e não menos, numa recessão?  Mas as políticas neoliberais resultam da necessidade de baixar os custos, sobretudo os custos salariais, mas também os custos fiscais e de juros, e da necessidade de enfraquecer o movimento laboral para que os lucros possam ser aumentados. Trata-se de uma política perfeitamente racional do ponto de vista do capital, razão pela qual as políticas keynesianas nunca foram introduzidas de forma alguma nos anos 30 ou na atual Longa  Depressão. Só o pensamento  económico  de Marx poderia explicar os anos 70, e não Keynes. De certo modo, os estrategas do capital também o reconheceram. O seu objetivo era aumentar a rentabilidade do capital a todo o custo como única saída – não voltar à “gestão da procura” keynesiana.

Na verdade, o próprio Keynes não estava do lado dos trabalhadores numa solução para um colapso. “Ao salientar o nosso ponto de partida do sistema clássico, não podemos ignorar um importante ponto de acordo. … com uma determinada organização, equipamento e técnica, os salários reais e o volume de produção (e, portanto, de emprego) estão unicamente correlacionados, de modo que, em geral, um aumento do emprego só pode ocorrer com o acompanhamento de uma diminuição da taxa de salários reais. Assim, não contesto este facto vital que os economistas clássicos têm (com razão) afirmado como inatacável”. Assim, para Keynes a redução dos salários reais fez parte da solução para um colapso , tal como acontece com as medidas de austeridade neoliberais.

Keynes também tinha uma teoria de rentabilidade decrescente.  Mas ele via o declínio da taxa de lucro não como apontando para uma transformação revolucionária no modo de produção, mas sim como representando um abrandamento progressivo no antagonismo entre os capitalistas e a classe trabalhadora.  À medida que o capital se torna “menos escasso” em relação ao trabalho, a taxa de lucro cairá e os salários reais aumentarão. Mais do produto total irá, portanto, para a classe trabalhadora e menos para os capitalistas – a desigualdade irá diminuir. Como o “valor de escassez” do capital se dissipou, de acordo com Keynes, o crescimento económico iria desaparecer. As taxas de juro cairiam para zero ou muito perto de zero, provocando a gradual extinção dos odiosos “capitalistas do dinheiro”. Isto deixaria os capitalistas industriais e comerciais capazes de obter um pouco mais de lucro, assumindo riscos “empresariais”.  Salários em alta, lucros em alta – num mundo “estacionário” de superabundância. Em 1931, no auge da Grande Depressão, Keynes disse aos seus alunos da Universidade de Cambridge, muitos dos quais se sentiam atraídos pelas teorias “obsoletas” de Marx, que não deviam preocupar-se.  A Grande Depressão iria passar: era um “problema técnico” que podia ser corrigido.  “Tiro a conclusão de que, não havendo guerras importantes nem um aumento importante da população, o problema económico pode ser resolvido, ou pelo menos estar à vista de uma solução, dentro de cem anos. Isto significa que o problema económico não é – se olharmos para o futuro – o problema permanente da raça humana”. O futuro a longo prazo sob o capitalismo através da expansão da tecnologia, e assumindo que não haverá mais guerras (!) e controlo populacional, seria um mundo de lazer com uma semana de 15 horas e superabundância para todos, muito antes do 200º aniversário de Marx.  Isto é o oposto do que Marx previu. Quem estava certo?

O nível de pobreza nas economias “ricas” e modernas é ainda elevado

Desde  que Keynes rejeitou as teorias de Marx a verdade  é que, o capital financeiro, longe de ser remetido para a história, nunca foi tão poderoso a nível global; e a desigualdade de riqueza e rendimentos dentro das economias nacionais e a nível global nunca foi tão extrema, desde que o capitalismo se tornou o modo de produção dominante. Além disso, a maioria das pessoas no mundo ocidental ainda trabalha 40 horas por semana e o nível de pobreza nas economias “ricas” e modernas ainda é elevado. No resto do mundo, o desemprego, o trabalho suado e a pobreza são a experiência mais frequente. Não existe aí nenhum mundo de tempos livres . Para Keynes, o capitalismo era o único sistema possível de organização social humana que dava poder económico e político a pessoas como ele. O marxismo e o comunismo eram uma ameaça a essa crença. “Como posso adotar um credo que, preferindo a lama ao peixe, exalta o proletariado grosseiro e coloca-o acima da burguesia e da intelectualidade, que com todos os seus defeitos, expressam  a qualidade de vida e seguramente trazem consigo as sementes de toda a realização humana”?

Em Laisser-faire and Communism, Keynes concluiu: “Na sua maior parte, penso que o capitalismo, sabiamente gerido, pode provavelmente tornar-se mais eficiente para atingir fins económicos do que qualquer sistema alternativo ainda à vista”; enquanto o socialismo “é, de facto, pouco melhor do que a sobrevivência empoeirada de um plano para enfrentar os problemas de há cinquenta anos, com base numa má compreensão do que alguém disse há cem anos”. À medida que nos aproximamos de Marx 200, as provas dizem o contrário. Marx estava mais próximo da verdade.

 

THREE FAVOURITE TEXTS ON THE TOPIC:

Paul Mattick Snr, Marx and Keynes: the limits of the mixed economy, Horizon Books Boston 1969
Geoff Pilling, The crisis of Keynesian economics; a Marxist view, Croom Helm, London 1987
John Maynard Keynes, The General Theory of Employment, Interest and Money, Macmillan, Cambridge, 1936

 

__________

Para ler este trabalho de Michael Roberts no original clique em:

https://marx200.org/en/debate/scientifically-erroneous-and-without-application-modern-world

 

Ver original em 'A viagem dos Argonautas' na seguinte ligação:

https://aviagemdosargonautas.net/2020/05/06/marx-ontem-e-hoje/

 

Baixar:

pdfThe Great Recession(878 KB)

pdfThe Long Depression Marxism and the Global Crisis of Capitalism(11.82 MB)

Artigos relacionados

Marxismo e atualidade do pensamento de Althusser
Marxismo e atualidade do pensamento de Althusser   A crítica ao pensamento althusseriano deve ser restrita a ele, ou seja, a Althusser e seu legado.... 84 views Tue, 07 Jul 2020, 00:38:09
A economia neo liberal
A economia neo liberal Francisco Muñoz Gutiérrez O primeiro que no século 20 disse na Espanha que a justiça é uma piada foi um prefeito de... 86 views Sat, 20 Jun 2020, 22:00:26
Teme-se o pior
Teme-se o pior (Miguel Sousa Tavares, in Expresso, 13/06/2020)Miguel Sousa Tavares1 Incapaz de conter a sua euforia perante a... 127 views Sat, 13 Jun 2020, 13:25:49
 O problema da dívida externa
O problema da dívida externa por Prabhat Patnaik [*]Existe um enorme problema com a acumulação de dívida externa no terceiro mundo e a recente c... 40 views Sun, 07 Jun 2020, 16:41:29
 O mundo em encruzilhadas
O mundo em encruzilhadas por Prabhat Patnaik [*] O Financial Times de Londres é um dos jornais burgueses mais "respeitáveis" do mundo. Agor... 86 views Tue, 02 Jun 2020, 15:25:52
A conversa tem de continuar
A conversa tem de continuar Um soldado norte-americano de origem alemã traduz um nazi num julgamento em Itália.    Também a histór... 152 views Fri, 15 May 2020, 11:55:49

Economia política, Teoria

  • Criado em .
  • Visualizações: 110

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Publicações mais recentes

Filtrar por categoria
14, julho 2020

Ensino híbrido é tendência para a vida escolar no mundo pós-pandemia

em Portugal

por Gonçalo Lopes

    14/07/2020   O chamado blended learning crescerá após pandemia, diz especialista Com o surgimento da pandemia, professores e alunos tiveram que se acostumar e se reinventar na forma de aprender e de ensinar. Aposta…
14, julho 2020

Após novo recorde de desflorestação na Amazónia, governo demite investigadora

em Mundo

por AbrilAbril

Lubia Vinhas, coordenadora-geral de Observação de Terra do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), foi exonerada esta segunda-feira, 3 dias após um alerta de destruição ambiental histórica. Há 14 meses consecutivos que se regista um…
14, julho 2020

Costa sai de Haia sem promessas e deixa achega ao primeiro-ministro holandês

em Portugal

por ZAP in ZAP

Bart Maat / EPA   “Ou saímos todos ao mesmo tempo deste problema, ou ficamos todos no problema”, disse António Costa após a reunião com o primeiro-ministro holandês sobre o plano de recuperação europeu.  …
14, julho 2020

PSD e BE contra reforço do apoio aos mais vulneráveis na capital

em Portugal

por AbrilAbril

Apesar do voto dos dois partidos, a proposta dos vereadores do PCP na Câmara de Lisboa, com vista ao reforço das respostas da emergência social em Lisboa, no âmbito do surto epidémico, foi aprovada. CréditosMiguel…
14, julho 2020

Portugal | O centrão em construção

em Portugal

por Página Global

    Manuel Carvalho Da Silva| Jornal de Notícias | opinião   Os exercícios de convergência que o PS/Governo e o PSD vêm concretizando indicam-nos que, provavelmente, estamos a caminho de sermos governados pelo centrão…
14, julho 2020

“Desconfinar não é desarmar”. Jovens não respeitam regras e estão a propagar covid-19 em Setúbal

em Portugal

por Lusa in ZAP

pedrosimoes7 / Flickr   O coordenador da Proteção Civil Municipal de Setúbal, José Luís Bucho, manifestou-se esta segunda-feira preocupado com os excessos cometidos pela população jovem no concelho, que acusa de desrespeitar as regras e…
14, julho 2020

Uma década perdida

em Portugal

por Ladrões de Bicicletas (Nuno Serra)

Os dados da população residente em 2019, divulgados há dias pelo INE, confirmam a tendência cumulativa de esvaziamento demográfico do interior norte e sul, com perdas acima dos 6% na última década e que chegam…
14, julho 2020

Barraqueiro quer impor mais 9 meses de lay-off

em Portugal

por AbrilAbril

(Comentário: O monopólio dos transportes privatizados do sr Humberto Pedrosa,  que se estende do que foi a Rodoviária Nacional até à TAP passando pelos comboios e metro, nunca olhou a meios para acumular fortuna. Por…
14, julho 2020

Ajuste direto de 348 mil euros não evitou falhas graves no Portal das Matrículas

em Portugal

por ZAP in ZAP

António Cotrim / Lusa   O Ministério da Educação fez um ajuste direto de 348 mil euros para responder à demanda do Portal das Matrículas. Mesmo assim, a plataforma acabou por apresentar vários problemas e…
14, julho 2020

Quase 10 milhões de crianças podem abandonar a escola por causa da Covid-19

em Mundo

por AbrilAbril

Uma ONG estima que, no final deste ano, 9,7 milhões de crianças «podem ver-se obrigados a abandonar a escola para sempre», em função do aumento da pobreza e dos cortes orçamentais associados à pandemia. No…
14, julho 2020

TRUMP, BOLSONARO E O DEEP STATE

em Mundo

por Página Global

Nos EUA, o Estado Profundo – leia-se CIA, NSA, Clintons, Bolton, Wall Street, etc – está numa luta feroz contra Trump e quer impedir a sua reeleição a todo custo.  Este facto tem reflexos externos,…
14, julho 2020

Dois contra (quase) todos. O fim dos debates quinzenais uniu o PS e o PSD mais do que nunca

em Portugal

por ZAP in ZAP

(Comentário: Em vez da transparência de debaterem as políticas de forma escrutinável pelo Povo  por alguma razão preferem, agora, o secretismo dos encontros à porta fechada...Pacheco Pereira já há muito tinha explicado que uma das…
14, julho 2020

EUA pressionaram países a aceitar centenas de voos de deportação com infetados

em Mundo

por ZAP in ZAP

The White House   O Serviço de Imigração e Controlo de Fronteiras (ICE) dos EUA já fretou centenas de voos de deportação de imigrantes infetados com covid-19 desde o início da pandemia, segundo uma investigação…
14, julho 2020

Podemos estar a combater o coronavírus da forma errada

em Mundo

por ZAP in ZAP

Hugo Delgado / Lusa   Os novos dados tornados públicos, nos últimos dias, sobre a transmissão do coronavírus podem significar que o foco do combate à propagação da infecção está errado – e que a…
14, julho 2020

O Presidente búlgaro denuncia o «carácter mafioso» do governo Borissov

em Mundo

por in Rede Voltaire

A presidência búlgara foi alvo de buscas por ordem do Primeiro-Ministro, Boiko Borissov (à esquerda na foto), em 9 de Julho de 2020. Uma multidão veio imediatamente para a rua a fim de apoiar o…
14, julho 2020

EUA : a derrapagem do racismo igualitário, Thierry Meyssan

em Mundo

por Thierry Meyssan in Rede Voltaire

Isto poderá parecer humorístico, mas é infelizmente um slogan puritano a tomar ao pé da letra : « Os homens negros são uma espécie em perigo » (Black Men are an endangered species). Os Puritanos…
14, julho 2020

Duarte Cordeiro não se ilude e rejeita aproximação do PSD ao Governo. “É oposição”

em Portugal

por Lusa in ZAP

Fernando Veludo / Lusa   O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares afirma que, pela sua parte, não se ilude e que o PSD é mesmo oposição ao Governo, e argumenta que Rui Rio nunca…
14, julho 2020

China inicia construção de base de produção de vacinas contra COVID-19 (FOTO)

em Mundo

por in 'Sputnik Brasil'

© REUTERS / Anton Vaganov A construção de uma planta de produção de vacinas contra a COVID-19 começou no sábado (11) na Zona Franca de Ningbo, China, devendo entrar em funcionamento em março de 2021.…
14, julho 2020

Ministério da Educação quer continuar com a telescola (e a RTP está disponível)

em Portugal

por ZAP in ZAP

André Kosters / Lusa #EstudoEmCasa – A Escola na Televisão O Ministério da Educação está a preparar três cenários para o próximo ano letivo. Dois deles incluem a transmissão de conteúdos educativos através da telescola.…
14, julho 2020

O Exército dos EUA contra Trump

em Mundo

por in Rede Voltaire

A Arma de Infantaria do Exército dos Estados Unidos (U.S. Army) enviou um correio electrónico a todo o seu pessoal civil e militar, denunciando o supremacismo branco. Segundo este “e-mail”, o facto de celebrar o…
14, julho 2020

Scotturb despede mas abre concursos

em Cascais

por AbrilAbril

Para a Fectrans, é obrigação da empresa readmitir os trabalhadores que despediu com o argumento do fim do contrato a prazo. Autocarro da Scotturb no EstorilCréditosRúdisicyon / CC BY-SA 4.0 A denúncia é feita pela…
14, julho 2020

O dinheiro compra mais felicidade do que nunca, conclui estudo

em Mundo

por ZAP in ZAP

(CC0/PD) sallyjermain / Pixabay   Muitos fatores determinam a felicidade, mas um provocou considerável controvérsia ao longo dos anos: dinheiro. As opiniões dividem-se, mas um novo estudo vem tirar as teimas.   Enquanto o velho…
14, julho 2020

OMS alerta: “Demasiados países estão a ir na direção errada”

em Mundo

por Lusa in ZAP

unisgeneva / Flickr   A Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou esta segunda-feira que “demasiados países estão a ir na direção errada” no que respeita ao combate à pandemia da covid-19.   Em conferência de…
14, julho 2020

Distraído pela pandemia e os roubos dos gestores da saúde, o Brasil sofre um golpe mortal

em Mundo

por Brasil24/7

"O noticiário distrai a população com os desvios criminosos dos gestores da saúde, pseudo-licitações e superfaturamentos, que não passam de migalha inexpressiva, se comparados ao gigantesco escândalo que é o fim da Petrobras", escreve a…

Últimos posts (Cascais)

Itens com Pin
    Atividades Recentes
    Aqui ainda não existem atividades

    Últimos posts (País e Mundo)

    Itens com Pin
      Atividades Recentes
      • LEGALIZAÇÃO DAS CASAS DE PROSTITUIÇÃO

        Um debate que provavelmente vai ganhar dimensão.
        Legalização da prostituição - petição apresentada na A.R
        Gravação da reunião na Assembleia da República
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      • Homicidal Cops Caught On Police Radio
        #TheJimmyDoreShow
        Homicidal Cops Caught On Police Radio
        42 219 visualizações
        •05/06/2020
        0
        0
        0
        0
        0
        0
        Publicação sobre moderação
        Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
      Aqui ainda não existem atividades
      LOGO4 vert01
      A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
      Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
      exceto quando expressamente assinadas por esta.
       

      SSL Certificate
      SSL Certificate