• Início
  • Artigos
  • Mundo
  • Hong Kong, a história que não irá ler

mundo001Diversos pontos de vista sobre assuntos de caráter global/mundial.

Bolívia | Morales considera um "golpe de Estado" a proclamação da senadora Añez

 
 
Evo Morales, que renunciou ao cargo de Presidente da Bolívia, considerou que a proclamação da senadora Jeanine Añez como Presidente interina do país é um "golpe de Estado", acusando-a de violar a Constituição Política do Estado (CPE).
 
"O golpe mais astuto e hediondo da história aconteceu. Uma senadora de direita proclama-se presidente do senado e depois presidente interina da Bolívia sem quórum legislativo, rodeada por um grupo de cúmplices e liderada pelas Forças Armadas e polícia, que reprimem o povo", escreveu Evo Morales na rede social Twitter, depois de chegar ao México, que lhe concedeu asilo político.
 
Morales disse ainda que esta ato viola a Constituição Política do Estado, bem como as normas internas da Assembleia Legislativa.
 
"Denuncio perante a comunidade internacional que o ato de autoproclamação de uma senadora como presidente viola o CPE da Bolívia e as normas internas da Assembleia Legislativa. Consuma-se o golpe sobre o sangue de irmãos mortos pela polícia e pelas forças militares usadas para o golpe", acrescentou.
 
 

A senadora da oposição Jeanine Áñez assumiu a Presidência interina da Bolívia, depois da renúncia de Evo Morales, numa sessão parlamentar que decorreu sem a presença de representares do Movimento para o Socialismo.
 
Segundo a Associated Press, a senadora do principal partido da...

Bolívia

Continuar a ler

  • Criado em .
  • Visualizações: 2
  • XINHUA Português
  • Mundo

Porta-voz condena firmemente ato criminal de atear fogo a um civil em Hong Kong

Beijing, 13 nov (Xinhua) -- Yang Guang, porta-voz do Departamento dos Assuntos de Hong Kong e Macau do Conselho de Estado da China, condenou firmemente nesta terça-feira o ato criminal de alguns amotinadores que atearam fogo a um civil em Hong Kong e pediu ações imediatas para prender os desordeiros e castigá-los de acordo com a lei.

Na segunda-feira na área Ma On Shan nos Novos Territórios de Hong Kong, um grupo de desordeiros discutiu com um residente de 57 anos de idade que se opunha a sua conduta de vandalização, o golpeou e depois derramou sobre ele um líquido inflamável e ateou fogo.

Com severas queimaduras no corpo, o homem foi levado ao hospital onde se encontra em estado crítico.

As ações de atear fogo a um homem e as tentativas de assassinato à luz do dia são espantosas e inumanas, e atropelaram gravemente os limites da lei, a moral e a civilização humana, disse o porta-voz chinês.

"Expressamos nossa forte indignação e condenação contra essa atrocidade, assim como nossa sincera preocupação com o ferido e sua família", disse Yang.

O oficial indicou que não se permitirá que a violência cause estragos em Hong Kong e que as conspirações dos disruptores anti-China na região não terão êxito.

"Apoiamos firmemente o governo, a polícia e os órgãos de aplicação da lei da Região Administrativa Especial de Hong Kong na tomada de ações mais poderosas, decididas e efetivas para sancionar as atividades ilegais e criminais, pôr fim à violência e ao caos e restabelecer a...

China

Continuar a ler

  • Criado em .
  • Visualizações: 1
  • in 'Estátua de Sal'
  • Mundo

Espanha. Conheça os 10 pontos do pré-acordo entre PSOE e Unidos Podemos

(In Expresso Diário, 12/11/2019)

(Se o PSOE tivesse reforçado a sua força eleitoral podendo dispensar o apoio da esquerda para formar Governo, as opções políticas de Sanchez seriam as que decorrem dos dez pontos do acordo agora conseguido? A resposta é, sem qualquer dúvida, negativa. De facto, não há nada melhor do que colocar os socialistas em minoria, mas com hipóteses de governar, para que eles adoptem políticas mais justas e distributivas, como se viu cá com a Geringonça, e como se está, apenas agora, a ver em Espanha. O que agora foi acordado já o poderia ter sido antes, mas Sanchez quis sujeitar o país a mais umas eleições perseguindo a quimera de dispensar o apoio do Podemos. Não havia necessidade.

Enfim, os partidos socialistas europeus só conseguem seguir políticas de esquerda contrariados, e quando a realidade faz imperar o pragmatismo sobre a casmurrice. Até porque a União Europeia não gosta muito destes “casamentos”, e está continuamente a mandar “avisos à navegação”, para que os governos socialistas não se esqueçam de que o mantra da austeridade ainda vigora, e que a TINA, (there is no alternative), continua de boa saúde.

Acresce que a ascensão da extrema-direita, que a teimosia de Sanchez realizando eleições veio a potenciar, também deu uma ajuda para a realização deste acordo.

Nada como ver o fogo a aproximar-se para que se recorra a tudo quanto é extintor. Esperemos que não seja tarde demais e que as chamas não sejam já incontroláveis vindo, mais...

Espanha

Continuar a ler

  • Criado em .
  • Visualizações: 4

EUA votam "não" à resolução anti-nazista da ONU há 11 anos consecutivos

 
 
Israel, rompendo com os EUA nesta questão extremamente séria, apoia a resolução anti-nazista da ONU. O Reino Unido se abstém, levantando questões de duplicidade
 
 
Parece irónico que a maioria dos co-patrocinadores do Projeto de Resolução A / C.3 / 74 / L.62: “Combate à glorificação do nazismo, do neo-nazismo e de outras práticas que contribuem para fomentar formas contemporâneas de racismo, discriminação racial, Xenofobia e intolerância relacionada ”são nações atualmente sob sanção pelos Estados Unidos, e algumas pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas: Bielorrússia, China, Cuba, República Popular Democrática da Coréia, Nicarágua, República Árabe da Síria, Venezuela, Zimbábue e outros, não sob sanção, incluindo Israel. Esta resolução foi apresentada pela Federação Russa.
 
A União Soviética, da qual a Rússia era a maior nação, sofreu aproximadamente 30 milhões de mortes como resultado do nazismo durante a Segunda Guerra Mundial e, é claro, todo o país foi destruído. Fontes diplomáticas altamente colocadas envolvidas nas discussões que levaram a esta décima primeira resolução da ONU confirmaram que a resistência a essa resolução era muito forte pelas delegações da Lituânia, Estônia, Ucrânia e Polônia, que acabaram se abstendo. A abstenção de toda a União Europeia é particularmente bizarra, considerando que o território deles era o mais barbaramente subjugado pelos nazistas e cujos países ocupados...

Extrema direita, ONU

Continuar a ler

  • Criado em .
  • Visualizações: 2
  • jorge rocha in 'Ventos Semeados'
  • Mundo

Acordo em Espanha: um caminho que se está a fazer!


Excelente a notícia do acordo entre o PSOE e o Unidas-Podemos no país vizinho. Trata-se de novo fôlego ao que foi a lusa maioria parlamentar da precedente legislatura: no contexto europeu, e depois de exemplos múltiplos de coligações de todas as direitas - inclusive com as suas expressões mais radicais! -, é altura das esquerdas deixarem-se de escrúpulos e tomarem consciência da imprescindível convergência nos seus denominadores comuns para prosseguirem nos seus intuitos transformadores.

 

A luta não é fácil, porque o campo adversário não olha a meios para fazer vingar os seus objetivos - vide o sucedido esta semana na Bolívia com o golpe de Estado, que obrigou à renúncia de Evo Morales! - mas acaso persistam na repetição de erros passados, as esquerdas estarão condenadas a fracassar.

 

Foi por isso mesmo que dos resultados eleitorais não dei grande importância às maioritárias teses, que enfatizavam a quase «derrota» de Pedro Sánchez em contraponto com a «vitória» do falangista basco. Como repeti em várias ocasiões, a soma do PSOE e do UP sobrepunha-se à do PP, do Vox e do Ciudadanos, O que pressuporia quanto o próximo governo irá tentar: uma trégua com os independentistas a troco provavelmente da libertação dos presos políticos, ganhando fôlego para, a médio prazo, encontrar as condições propícias à revisão constitucional, que transforme a unidade espanhola numa nova entidade federal. Uma governação competente e com resultados percecionáveis pela...

Espanha

Continuar a ler

  • Criado em .
  • Visualizações: 19
  • XINHUA Português
  • Mundo

Xi diz que amizade e justiça são mais valiosas que interesses em intercâmbios entre países

Atenas, 12 nov (Xinhua) -- O presidente chinês, Xi Jinping, afirmou nesta terça-feira na capital grega que os países devem valorizar a amizade e a justiça por cima dos interesses compartilhados em seus intercâmbios.

A rosa está em sua mão, o aroma na minha, disse Xi, citando um provérbio, em sua reunião com o ex-primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras.

Xi disse que aprecia muito os esforços feitos por Tsipras na promoção da amizade e cooperação entre a China e Grécia quando servia como primeiro-ministro grego.

A China apoiou com firmeza o governo e o povo gregos na abordagem dos impactos da crise financeira, e promoveu a cooperação prática entre os dois países, disse Xi.

O presidente chinês disse que está contente em ver que a economia grega saiu dos apuros e retornou ao crescimento, e que a cooperação entre a China e a Grécia produziu resultados importantes, especialmente o novo progresso no projeto do Porto de Piraeus, que obteve resultados mutuamente benéficos.

Xi assegurou também acreditar que a construção conjunta do Cinturão e Rota entre a China e a Grécia ajudará o país europeu a cumprir o objetivo de transformar-se em um centro regional de transporte e logística, e injetará forte ímpeto na cooperação entre a China e os países da Europa Oriental e Central, e que a colaboração bilateral terá mais amplas perspectivas.

Xi acrescentou que espera que Tsipras e seu partido continuem apoiando o desenvolvimento das relações entre a China e a Grécia.

Por sua...

China, Grécia

Continuar a ler

  • Criado em .
  • Visualizações: 14

CGTP-IN condena o golpe na Bolívia

bolivia

A CGTP-IN condena o golpe de Estado na Bolívia e expressa a sua solidariedade ao Presidente Evo Morales, afastado ilegitimamente e em total desrespeito democrático pela vontade popular.

A CGTP-IN denuncia e condena a campanha de descredibilização e ataque a Evo Morales por parte das forças mais reaccionárias da Bolívia e do imperialismo norte-americano, as quais atentam contra a sua liberdade, direitos e garantias democráticas, forma de cercear a soberania do povo boliviano e de procurar fazer andar para trás o progresso social e a valorização dos trabalhadores alcançados com o seu governo desde 2006.

Apesar dos esforços de Evo Morales para acabar com a onda de violência, nos quais se insere a sua decisão de convocar novas eleições, o processo golpista concretizou-se com o olhar conivente das forças armadas e da polícia e com a intervenção de grupos estrangeiros e a ingerência externa. Uma espiral de violência que incluiu ataques aos membros do governo e de organizações sindicais e populares, agressões racistas contra indígenas, trabalhadores e todos os que têm oposto ao golpe.

A CGTP-IN condena os ataques e a violência golpista na Bolívia, sublinhando o retrocesso que estes visam causar aos direitos dos trabalhadores e do povo, em cuja defesa se concretizou o uso dos sectores estratégicos da economia ao serviço do desenvolvimento soberano do país e da justiça social. A Bolívia é hoje um território livre de analfabetismo; tem um desemprego mais reduzido; foi alargado...

Bolívia

Continuar a ler

  • Criado em .
  • Visualizações: 20

ESPANHA: SANCHEZ E IGLESIAS ALCANÇAM ACORDO DE GOVERNO

Pedro Sánchez y Pablo Iglesias antes de reunirse el pasdo 11 de junio en el Congreso.
Segundo notícia de hoje de El País, os líderes do PSOE (Sanchez) e Unidos/Podemos (Iglesias)  chegaram hoje a um acordo de governo, que está delineado e foi divulgado nas suas grandes linhas. Este acordo será a base para a apresentação do novo governo nas Cortes, tendo boas probabilidades de ser um governo com viabilidade para os 4 anos da legislatura.
Se houver um desempenho na realização deste acordo, com os vários pontos programáticos, é caso para felicitar as forças em causa (PSOE e PODEMOS) e o povo de Espanha, porque me parecem ter o bom-senso fundamental das transformações possíveis e para melhoria do povo, especialmente os mais carenciados.

                       
Pode-se inverter o tacanho provérbio português e dizer: «De Espanha, bons ventos e bons exemplos»!

Ver o original em 'Manuel Banet' (clique aqui)

Espanha

  • Criado em .
  • Visualizações: 24

Brasil | Clã Bolsonaro está todo na mira das autoridades

 
 
CLÃ BOLSONARO. "Jair, Flávio, Carlos e Eduardo. Clã Bolsonaro está todo na mira das autoridades. Desde esta semana, o deputado tenta evitar perda do mandato por ter falado no regresso da ditadura e o presidente e o vereador são alvo de notícia-crime no Supremo por interferência nas investigações do Caso Marielle. O senador já era suspeito de lavagem de dinheiro e associação criminosa num esquema de assessores fantasmas." (Diário de Notícias, Portugal)
 
CARLOS EDUARDO SILVEIRA, no Clipping Internacional, em Carta Maior

Ver o original em 'Página Global' na seguinte ligação:

https://paginaglobal.blogspot.com/2019/11/brasil-cla-bolsonaro-esta-todo-na-mira.html

Brasil

  • Criado em .
  • Visualizações: 17

Plano EUA: Derrubar ou assassinar Evo Morales - os mesmos do costume

 
 
Chomsky denuncia que Estados Unidos tinham plano A e plano B para a Bolívia: derrubar ou assassinar Evo Morales
Um dos maiores intelectuais do mundo, Noam Chomsky denuncia a participação dos Estados Unidos na derrubada do governo de Evo Morales, citando inclusive a hipótese de assassinato
 
BEIJING – AUGUST 13: (CHINA OUT) Noam Chomsky lectures during the ceremony for the Conferment of the Honorary Doctorate at Peking University on August 13, 2010 in Beijing, China. (Photo by ChinaFotoPress/Getty Images) (Foto: Foto: ChinaPress)
 
Do site Aporrea – 10 de noviembre de 2019.- El politólogo Noam Chomsky denuncia que EE.UU. está detrás del golpe de Estado de la oposición en Bolivia para derrocar al presidente Evo Morales.
 
“El golpe es promovido por la oligarquía boliviana (…) y cuenta con el total apoyo del Gobierno de Estados Unidos, que desde hace mucho tiempo está ansioso por expulsar a Evo Morales y a su movimiento del poder”, advirtió el reconocido politólogo estadounidense.
 
En un comunicado emitido el sábado, Chosmky alertó que el centro de operaciones de la embajada de Estados Unidos en La Paz (capital boliviana) ha dejado entrever dos planes en el país suramericano: “el ‘plan A’, un golpe de Estado, y el ‘plan B’, el asesinato de Morales”, indicó.
 
Pátria Latina
 
Leia mais em Pátria Latina

Bolívia

Continuar a ler

  • Criado em .
  • Visualizações: 27

América Latina: a ultradireita contra-ataca

 
 
Na Bolívia, golpe de Estado. No Brasil, tentativa de encarcerar Lula de novo. Derrotados no Outubro Rebelde, protofascistas querem o troco. Mas rebeldia no Chile expõe seu ponto vulnerável: o rabo preso com a devastação neoliberal
 
Antonio Martins | Outras Palavras | Imagem: Emil Nolde, “Soldados” (1913)
 
Última lição do dia: os homens, eles voltam sempre. É preciso estar sempre de olhos abertos… Na peça Os Saltimbancos, recriada por Chico Buarque, o aviso é dado pelo Jumento, personagem de fina inteligência. Os Bichos espantaram os Barões e têm, enfim, onde dormir. Mas ainda não podem descansar em paz, porque prepara-se a revanche. Na América Latina, um Outubro Rebelde abalou os governos neoliberais do Chile e do Equador, destronou Maurício Macri na Argentina e continua a sacudir o Haiti. Novembro, porém, começou em refrega. Na Bolívia, um golpe militar que estava em fermentação desde 23 de outubro derrubou ontem Evo Morales, seu vice, a presidente do Senado e o da Câmara. Gravações vazadas pelo jornal El Periodico (e reproduzidas no Brasil pela revista Fórum) indicam que em sua preparação participaram assessores de Jair Bolsonaro e senadores norte-americanos. Agora, o país está acéfalo, aterrorizado por milícias. Dois governadores, um ministro e a irmã do presidente tiveram suas casas queimadas. Meios de comunicação independentes foram atacados e tirados do ar. Num dos...

América Latina

Continuar a ler

  • Criado em .
  • Visualizações: 15
  • Ladrões de Bicicletas (João Ramos de Almeida)
  • Mundo

Lítio

 
Agora só uma curiosidade: a Bolívia ou o Chile, cada um desses países tem o dobro das reservas chinesas de lítio, que, por sinal, são o dobro das reservas da Argentina ou da Austrália que, por sinal, são mais de 10 a 15 vezes as reservas portuguesas.

Não, não tem nada a ver...

Para conhecer os planos do governo de Evo Morales sobre o lítio, e como pretendia construir toda a cadeia de criação de valor - não apenas de exportação da matéria bruta extraída como em Portugal - pode ler-se aqui.

Até lembra o famoso caso Mattei sobre a tentativa no rescaldo da II guerra mundial de quebra do monopólio do petróleo norte-americano, através da criação de uma refinação própria, a cargo de uma entidade pública italiana, reestruturando a AGIP criada no regime fascista (ENI). Imagina-se o desfecho: um suspeito desastre de avião em que o gestor público morre e com ele esse projecto.

Recomenda-se um velhinho filme de Francesco Rosi, com o actor Gian Maria Volontà, cujo trailer de 10 minutos se deixa aqui, para quem gosta de ouvir italiano.




Ver original em 'Ladrões de Bicicletas' (aqui)

Colômbia, Capital

  • Criado em .
  • Visualizações: 26
  • Jornal Tornado in 'O TORNADO'
  • Mundo

Um golpe para saquear a América do Sul

Assim como Butch Cassidy (Paul Newman) e Sundance Kid (Robert Redford), do filme lendário sobre dois ladrões do Velho Oeste que decidem ir para a Bolívia no auge da mineração de ouro, o imperialismo norte-americano mais uma vez deu as caras naquele país.

 

 

O golpe contra o governo do presidente Evo Morales tem todas as características da política de implantação de governos autoritários para que as riquezas nacionais sejam saqueadas, arrancando do povo direitos e conquistas.

Essa deposição violenta de um governo legitimado pela Constituição e pelas urnas se enquadra no figurino da ofensiva da Casa Branca para reinstalar a sua ordem intervencionista na América do Sul, interrompida com o ciclo de governos patrióticos, eleitos com programas populares e democráticos. O golpe boliviano é mais um capítulo dessa série de terror, com cenas bem conhecidas na região e que deixou cicatrizes profundas naquele povo. Tal como indaga o historiador Eugênio Resende de Carvalho (doutor em História Social e das Ideias e diretor da Faculdade de História da UFG), seria a Bolívia uma nação amaldiçoada pelas próprias riquezas naturais?

Agora, as mesmas forças políticas, com os mesmos ideais, mesclam expedientes das rupturas “modernas”, como a que houve no Brasil, com o uso da violência e das Forças Armadas – típico das quarteladas que infestam a história daquele país. Desde que os Estados Unidos impuseram sua hegemonia na região no pós-Segunda Guerra...

Bolívia

Continuar a ler

  • Criado em .
  • Jornal Tornado in 'O TORNADO'
  • Mundo

“Evo querido, estamos com você”, afirma Roger Waters

O roqueiro Roger Waters somou sua voz àqueles que se solidarizam com o presidente deposto da Bolívia, Evo Morales, e desejou breve retorno para junto de seu povo. “Você levou a democracia a todos os cantos da sua terra”, afirmou.

 

 

O presidente Evo Morales conquistou um novo apoio em face do golpe civil-policial que provocou sua queda da presidência da Bolívia e o levou ao exílio no México. Roger Waters, músico e compositor inglês, ex-integrante da banda Pink Floyd, gravou um vídeo em que se solidariza com Morales e deseja seu breve retorno para junto de seu povo. “Que seu exílio seja curto”, afirma.

“Você levou a democracia a todos os cantos da sua terra e é por isso que agora eles estão tentando despojar o seu povo, por ganância”, diz o ex-baixista da mítica banda de rock progressivo. O criador da ópera-rock The Wall afirmou que “hoje o mundo, a verdade e a história estão do seu lado, esperando que você possa retornar o mais rápido possível à sua casa, à sua amada Bolívia”. Nesse sentido, Waters acrescentou que “não duvido que seja o melhor para o seu povo e para você, é claro, mas também para todos nós”.

Ele também disse que “onde quer que você esteja, meu coração estará com você, assim como milhões de corações de milhões de pessoas em todo o mundo que acreditam nos direitos humanos, na democracia, na igualdade e na liberdade do povo”; e ele não hesitou em apontar que a Bolívia “caiu no terror, fascismo e totalitarismo”.

Tendo...

Bolívia

Continuar a ler

  • Criado em .
  • Visualizações: 13
  • in 'Sputnik Brasil'
  • Mundo

Trump declara estar disposto a reunir-se com 'ditadores' sempre que seja conveniente para os EUA

Presidente dos EUA, Donald Trump, discursa durante reunião do Clube Econômico de Nova York, em 13 de novembro de 2019
© AP Photo / Seth Wenig

O presidente dos EUA, Donald Trump, declarou não ver problemas em reunir-se com ditadores, desde que isso seja conveniente aos interesses dos EUA: “Eu me reúno com todos”.

O presidente norte-americano aproveitou a reunião do Clube Econômico de Nova York para se gabar dos resultados de sua política econômica e dizer que é muito procurado por líderes mundiais:

"Quando me encontro com os líderes dos países que nos visitam - reis, rainhas, primeiros-ministros, presidentes e ditadores - encontro-me com todos eles", disse Trump em um discurso no Clube Econômico de Nova York.

"Todos querem vir cá", acrescentou. "Ditadores, ok, que venham. O que for bom para os Estados Unidos. Queremos ajudar o nosso povo", complementou.

 

​Segundo o jornal The Hill, o presidente detalhou os índices econômicos da economia norte-americana, que tem mostrado alguns resultados positivos, como o baixo índice de desemprego.

Ver o original em 'Sputnik Brasil' na seguinte ligação::

https://br.sputniknews.com/americas/2019111314767858-trump-declara-estar-disposto-a-reunir-se-com-ditadores-sempre-que-seja-conveniente-para-os-eua/

USA

  • Criado em .
  • Visualizações: 11
  • Jorge Bateira in 'O TORNADO'
  • Mundo

Alemanha em crise

Num quadro de recessão, face à necessidade de reestruturar o seu modelo industrial, e confrontada com a emergência climática, qual será o caminho da Alemanha?

 

 

Snacks de economia política #14

Alemanha em crise

Num quadro de recessão, face à necessidade de reestruturar o seu modelo industrial, e confrontada com a emergência climática, qual será o caminho da Alemanha? Deixa cair os seus limites constitucionais ao défice? Muda o Tratado Orçamental? Deixa cair o euro?

 

#snacksdeeconomiapolitica

Para saber mais:

 
 
 
 

 

Ver todos

 

Parceria editorial Rádio Transforma / Jornal Tornado


 
 
 

Ver original no jornal 'TORNADO' na seguinte ligação:

https://www.jornaltornado.pt/alemanha-em-crise/

Economia política

  • Criado em .
  • Visualizações: 15
  • IntelNomics in 'O TORNADO'
  • Mundo

O Governo Sanchez-Iglesias nas mãos dos Republicanos da Catalunha

O PSOE e o Podemos divulgaram um pré-acordo em 10 pontos para formar um “governo de coligação”. A soma dos seus votos no Parlamento não chega, porém, para aprovar o governo que venha a sair deste acordo.

 

 

Depois das posições assumidas pelos diversos partidos, tudo indica que só a abstenção do grupo parlamentar da Esquerda Republicana de Catalunha poderia viabilizar o governo que Sanchez e Iglesias anunciam neste pré-acordo (que mais parece um ingénuo e simplório enunciado de boas intenções). A ironia desta conjuntura política reside no facto de, para vir à luz do dia, o “governo de Espanha” não poder dispensar o acordo dos independentistas catalães e de serem os republicanos da ERC a decidir do governo da Monarquia…

O que a ERC irá fazer ainda não se sabe (neste momento em que escrevemos) mesmo se o ponto 9 (que trata da questão catalã) esteja longe de ser do seu agrado (e isto é o mínimo que se pode dizer). Mas uma coisa ficou já clara: a revolta da Catalunha fez explodir a arquitectura política do actual Estado Espanhol. E é esse o problema desta crise e que vai obrigar o PSOE (e outros) a (re)definir-se e ter de optar entre “castelhanismo” e “federalismo”…

O Comunicado PSOE/Podemos em 10 pontos

“El PSOE y Unidas Podemos hemos alcanzado un preacuerdo para conformar un Gobierno progresista de coalición que sitúe a España como referente de la protección de los derechos sociales en Europa, tal y como los ciudadanos han decidido en...

Espanha

Continuar a ler

  • Criado em .
  • Visualizações: 15
  • XINHUA Português
  • Mundo

Especial: Cúpula do BRICS no Brasil atesta relevância atual do bloco

Por Janaína Camara da Silveira

Brasília, 11 nov (Xinhua) -- Para especialistas brasileiros sobre o BRICS, que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, o bloco mostra sua importância e resiliência em um momento em que o mundo discute questões que giram ora em torno do multilateralismo, ora em torno do protecionismo.

Nesta semana, nos dias 13 e 14 de novembro, a capital brasileira, Brasília, será sede da 11ª Cúpula dos BRICS, ocasião em que os presidentes de todos os países do bloco estarão presentes.

Para o professor de Direito da Fundação Getúlio Vargas (FGV) do Rio de Janeiro e da Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense (UFF), onde coordena o Núcleo de Estudos dos Países BRICS, Evandro Menezes de Carvalho, e para o professor adjunto de Relações Internacionais da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em São Paulo, e autor do livro BRICS e o Futuro da Ordem Global, Oliver Stuenkel, o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) é uma instituição que atesta o trabalho prático e conjunto dos países membros.

"O grupo BRICS tomou uma dimensão institucional de relações entre países do Sul Global. Não só oferece uma plataforma para institucionalizar tais relações, como estabelece laços entre governos onde não havia interlocução", afirma Stuenkel.

Para o professor, os BRICS permitiram que não apenas presidentes ou chanceleres, mas também ministros da economia, educação e outros, pudessem dialogar regularmente sobre desafios internos e sobre como fortalecer...

BRICS

Continuar a ler

  • Criado em .
  • Visualizações: 2
  • XINHUA Português
  • Mundo

Chefe da ONU demonstra preocupação com situação na Bolívia

Nações Unidas, 10 nov (Xinhua) -- O secretário-geral da ONU, António Guterres, expressou no domingo sua profunda preocupação com a situação na Bolívia, após semanas de agitação que culminaram na renúncia do presidente Evo Morales.

 

Morales, cuja vitória na reeleição provocou semanas de protestos em meio acusações de fraude, anunciou sua renúncia no domingo, depois que os militares exigiram sua saída.

 

O chefe da ONU pediu a todos os envolvidos na Bolívia que se abstenham de violência, reduzam a tensão e exercitem o máximo de contenção, disse Stephane Dujarric, porta-voz de Guterres, em um comunicado.

 

Guterres exigiu que todos os envolvidos a respeitarem o direito internacional, notadamente os princípios fundamentais dos direitos humanos, afirmou o comunicado.

 

O secretário-geral também apelou a todos os envolvidos que se comprometam a alcançarem uma solução pacífica da crise atual e a garantir uma nova execução transparente e credível das eleições, disse o documento.

Ver original em "XINHUA Português" na ligação seguinte:

http://portuguese.xinhuanet.com/2019-11/12/c_138548352.htm

ONU, Bolívia

  • Criado em .
  • Visualizações: 21

Pinochet reinstala-se em La Moneda

A distopia chilena.
por Juan Pablo Cárdenas S. [*]

O fantasma do ex-ditador percorre os corredores de La Moneda. Com grande acerto jornalístico, a televisão alemã ofereceu ao mundo uma reportagem audiovisual em que reproduz a declaração de guerra de Sebastián Piñera ao protesto social, quase nos mesmos termos em que o fez Pinochet décadas atrás. A exposição de ambas as imagens é eloquente e fala de como e actual morador do Palácio Presidencial é filho dilecto do Tirano que com idênticas palavras e recursos criminais manda reprimir o clamor de justiça e equidade.

É compreensível. Sebastián Piñera deve a Pinochet a oportunidade de se ter convertido num multimilionário durante esses fatídicos anos de ditadura, assim como na sua hora final o ex-governante deve ter agradecido ao actual mandatário por ir visitá-lo a Londres e advogar pela sua impunidade, quando o Tribunal Internacional de Haia poderia tê-lo condenado exemplarmente perante a história pelos seus crimes de lesa humanidade.

Não há dúvida: Piñera é parte do legado de Pinochet, da sua Constituição e regime neoliberal, os quais têm por fim seus dias contados. Hoje é a imensa e sustentada rebelião popular que exige à política uma Assembleia Constituinte e o fim dos horrores cometidos pelo capitalismo ultra desapiedado. Advertindo ao mundo para que nunca mais possa impor-se um regime económico de tantas iniquidades como o que adoptou o Regime cívico militar e recebeu o beneplácito dos governos "democráticos" que o seguiram.

Tal...

Chile

Continuar a ler

  • Criado em .
  • Visualizações: 18
  • in 'Sputnik Brasil'
  • Mundo

Militares não teriam legitimidade para tomar poder na Bolívia, diz especialista

Manifestação contra Evo Morales na Bolívia em 9 de novembro de 2019.
© REUTERS / Carlos Garcia Rawlins

Seria muito "improvável" e "sem legitimidade" os militares tomarem o poder na Bolívia, pois haveria muita pressão e "interna e internacional", avalia o professor de Economia Política da UFRJ Eduardo Crespo.

O presidente boliviano renunciou ao cargo no domingo (10) por pressão das Forças Armadas do país, que enfrenta uma onda de protestos e violência desde as contestadas eleições de 20 de outubro, vencidas por Morales sob denúncias de fraude. Nesta terça-feira, a parlamentar oposicionista e segunda vice-presidente do Senado Jeanine Áñez declarou-se presidente do país.

Após a saída do chefe de Estado e da renúncia dos políticos que o seguiam na linha sucessória, todos de seu partido, o MAS (Movimento para o Socialismo), a Bolívia vive um vácuo de poder. Segundo Crespo, três cenários seriam possíveis. O primeiro, e considerado por ele o mais "improvável", é os militares assumirem o controle do governo, embora para ele “atualmente nada seja impossível na América Latina”.

Comparação com Argentina de Perón

O segundo, que o professor também avalia com ceticismo, é a convocação de novas eleições sem a presença da legenda de Evo Morales, que tem a maioria no Congresso. "Seria muito complicado realizar eleições sem a presença de metade da população. Isso foi o que aconteceu na Argentina em 1955, quando [Juan Domingo] Perón caiu. Em 1958 há novas eleições, mas sem o partido peronista, o que levou a 18 anos de uma guerra...

Bolívia

Continuar a ler

  • Criado em .
  • Visualizações: 17

A importância da Bolívia na nova estratégia dos EUA no continente

A política externa do governo Barack Obama teve uma característica clara: escalar a confrontação com os seus rivais do tabuleiro global nas proximidades de seus territórios ou em territórios distantes dos Estados Unidos. Três casos tiveram papel especial neste sentido: a guerra na Síria, o golpe na Ucrânia e a pressão contínua sobre a República Popular Democrática da Coreia (RPDC).

A Síria tem importância estratégica para a Rússia. Além de ser um dos principais importadores de armas do país, ela abriga a Base Naval russa de Tartus, um ponto estratégico no Mar Mediterrâneo, com acesso a importantes países europeus (Itália, Espanha, Grécia) e a países como Israel e Turquia. Manter a estabilidade do país é fundamental para a Rússia, e a busca por uma mudança de regime no país, por parte dos Estados Unidos, foi brutalmente frustrada, ainda que a guerra não tenha acabado.

A Ucrânia, por sua vez, faz fronteira direta com a Rússia. Com um governo mais ou menos alinhado a Moscou, liderado por Viktor Yanukovich, e representante de uma visão plural para o país – que incluía os russos étnicos e falantes de russo – o país representava uma lacuna na muralha de países ligados à OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) que circundam a Rússia. Em 2014, um golpe derrubou Yanukovich, e preencheu essa lacuna. Mas a chegada ao leste do país do governo recém empossado foi frustrada pelo estalar de uma série de rebeliões nos departamentos de Lugansk e Donetsk, que jogaram o país em...

USA, Bolívia

Continuar a ler

  • Criado em .
  • Visualizações: 26

Últimos posts

Itens com Pin
Atividades Recentes
  • Vasco Graça updated his profile
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
Aqui ainda não existem atividades
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate