• Róber Iturriet Avila in 'Outras Palavras'
  • Mundo

Os interesses do “mercado” e os nossos

Às vésperas das eleições, aristocracia financeira volta argumentar que seus projetos interessam a toda a sociedade. Até economistas liberais — como David Ricardo (na imagem) —  sabem como este discurso é falso

Por Róber Iturriet Avila

Em tempo de disputa política eleitoral, as narrativas do “interesse geral” são explicitados nas manchetes. O “mercado” — traduzido como sintoma da “economia” — tem suas preferências. O que seria bom para a “economia”? Impõe-se a clarificação de tais conceitos.

Nosso sistema é de economia de mercado: capitalismo. A “economia” envolve preços, lucros, salários, juros, renda, produção, taxa de câmbio, déficit, superávit, exportação, importação, etc. O “mercado” é a instituição em que se articulam os negócios. As relações de oferta e de demanda, os preços, a produção, o consumo, são relações de mercado. Há reconhecidamente, nestas relações, interesses contraditórios. Seja quando se analisa pela ótica consumidor/produtor, seja quando se analisa pela ótica trabalhador/empresário.

Entretanto, no discurso comum, a referência ao “mercado” e à “economia” é traduzida como o índice da Bolsa de Valores de São Paulo e a preferência dos investidores no sistema financeiro. O interesse manifesto, nesse caso, é daqueles que vivem de aplicações financeiras, ou seja, de sua propriedade, os rentistas, e também o interesse daqueles que vivem de lucros, os empresários (setor produtivo). Geralmente o que se transmite como o “mercado” é na verdade o “mercado financeiro”.

Há um relativo consenso de que é de “interesse geral” a elevação da atividade econômica, pois ela gera lucros, salários, empregos, juros, impostos, consumo etc. Não é possível ignorar, entretanto, que nos interesses da “economia” há contradições. Autores de matriz liberal, como o clássico David Ricardo, reconhecem que “aquilo que se pagasse como salário teria a máxima importância em relação aos lucros, pois, evidentemente, estes últimos seriam altos ou baixos, exatamente na proporção em que os primeiros fossem baixos ou altos” (RICARDO, 1996, p.33). “Todo aumento de salários — ou, o que é a mesma coisa, toda queda nos lucros […]” (RICARDO, 1996, p.41). Em assim sendo, nem sempre os interesses são convergentes. A elevação do nível de salários interessa a quem recebe salário, mas não a quem o paga.

A expressão desta contradição é mensurada pelas contas nacionais. A proporção de lucros e salários no PIB é simétrica, conforme expressa o gráfico abaixo. Claramente, há períodos em que a participação dos salários cai e, simetricamente, a dos lucros sobe, sendo o inverso verdadeiro.

Gráfico 1 – Distribuição funcional da renda 1995-2015 (% PIB)

Neste sentido, é de interesse daqueles que pagam os salários e obtêm lucros que os primeiros caiam. Dito de outra maneira, eles desejam a redução dos custos empresariais. Não apenas via salários, mas também via tributos, os quais financiam serviços públicos que distribuem renda de forma indireta — assegurando direitos tais como educação, saúde, previdência, assistência social, políticas de moradia. Mesmo que no Brasil a arrecadação de impostos seja regressiva, seus gastos, sabidamente, distribuem renda. O Gráfico 2 demonstra que os gastos em saúde, educação, previdência social, programa bolsa família e benefício de prestação continuada reduzem a desigualdade e auxiliam na elevação do PIB. Já os gastos em juros da dívida pública ampliam a desigualdade.

 Gráfico 2 – Efeitos dos gastos públicos no crescimento econômico e na distribuição de renda – Brasil – 2006

Fonte: Castro (2018)

Nessa medida, aqueles que não utilizam os serviços públicos, não têm interesse em gastos nos serviços sociais. É de interesse daqueles que vivem de lucros e da rentabilidade financeira que os salários não se elevem e que os gastos públicos caiam; assim, os tributos e custos empresariais poderão também cair.

A agenda econômica e política do “mercado” (financeiro) é, portanto, a da redução dos serviços públicos, da flexibilização da legislação trabalhista, da reforma da previdência, da privatização dos serviços públicos, em uma palavra: da liberalização.

Os interesses do “mercado” (financeiro) são então contraditórios aos interesses daqueles que vivem de seu trabalho, daqueles que procuram trabalho, daqueles que utilizam os serviços públicos e também daqueles que não possuem riqueza acumulada, ou seja, da esmagadora maioria da população brasileira.

O discurso do que é bom para a “economia” e para o “mercado” é travestido de “interesse geral”, quando na verdade, é o interesse específico da minoria rica do país que vive de aplicações financeiras e, muitos deles, não trabalham e possuem riqueza herdada. O mercado financeiro e a imprensa brasileira auxiliam a narrar os interesses específicos da minoria rica como sendo os interesses gerais e como aquilo que é bom para a “economia”. Dominam o discurso comum expressando sua vontade como a vontade da nação.

Referências:
CASTRO, Jorge Abrahão. Política social no Brasil: distribuição de renda e crescimento econômico. In: ANFIP; FENAFISCO. A reforma tributária necessária: diagnóstico e premissas. Brasília: ANFIP, FENAFISCO; São Paulo: Plataforma Política Social, 2018.
RICARDO, David. Princípios de economia política e tributação. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

Ver o original em 'Outras Palavras' na seguinte ligação:

https://outraspalavras.net/brasil/os-interesses-do-mercado-e-os-nossos/

 

Artigos relacionados

O Salário Mínimo como alavanca do crescimento salarial
O Salário Mínimo como alavanca do crescimento salarial Diogo Martins Foi ontem publicado o estudo “Quando a Decisão Pública Molda o Mercado: Salário Mínimo em Tempos de E... 30 views Fri, 11 Oct 2019, 15:36:26
O sistema financeiro existente não se irá manter
O sistema financeiro existente não se irá manter Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 3. O governador do Banco de Inglaterra diz na conferência de Jackson ... 33 views Thu, 03 Oct 2019, 15:09:30
Stiglitz: EUA e UE alimentam a crise económica
Stiglitz: EUA e UE alimentam a crise económica     Nobel de Economia aponta: ricos protegem seus mercados, mas querem os de outros países abertos. Alte... 33 views Tue, 01 Oct 2019, 13:32:56
Portugal | Porque não há investimento
Portugal | Porque não há investimento     Manuel Carvalho Da Silva * | Jornal de Noticias | opinião   O INE divulgou há dias uma atuali... 38 views Mon, 30 Sep 2019, 16:34:43
Crescimento da economia deve implicar uma «justa distribuição da rique...
Crescimento da economia deve implicar uma «justa distribuição da rique... Valorizando a importância do crescimento económico – divulgado pelo INE –, a CGTP-IN sublinha a necessidade de «romper... 37 views Sat, 28 Sep 2019, 11:38:37
BCE estimula economia europeia
BCE estimula economia europeia Na sua reunião mensal de 12 de Setembro o Banco Central Europeu (BCE) decidiu baixar as taxas de juro de referênci... 23 views Tue, 17 Sep 2019, 14:23:23

Economia política, Teoria

  • Criado em .
  • Visualizações: 94

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location

Últimos posts

Itens com Pin
Atividades Recentes
  • Vasco Graça updated his profile
    Publicação sobre moderação
    Item de fluxo publicado com sucesso. Item passa a ser visível no seu fluxo.
Aqui ainda não existem atividades
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate