• Ladrões de Bicicletas (João Ramos de Almeida)
  • Portugal

Neoliberais, aliás hoje liberais

Escreva um comentário
Arrepia ouvir o candidato Mayan afirmar que, em Portugal, nunca se aplicaram as ideias liberais - leia-se neoliberais - e que, até hoje, apenas vivemos em... socialismo! 

 

Na base deste argumento só podem estar duas coisas: ou um ingénuo e ignorante estado de pureza intelectual que apenas reconhece a aplicação de uma teoria quando levada a cabo pelos seus autores; ou então o olhar vicioso de quem não quer assumir responsabilidades pelas suas ideias na triste realidade dos nossos dias, contribuindo para a reformatação das velhas ideias, que beneficiam, apenas alguns à custa da maioria. Sim, porque se trata de muito velhas ideias. E nem sempre bem acompanhadas.

Quem ler o livro de Diogo Freitas do Amaral O Antigo Regime e a Revolução, de 1995, fica com duas impressões. 

A primeira, é que os neoliberais - ou os que hoje se dizem liberais para evitar a má fama dos neoliberais - conviveram bem com a ditadura fascista. 

As suas ideias mostraram-se em Portugal, pela primeira, numa página económica do jornal Diário de Notícias, de Fevereiro  de 1971 a Março de 1974 [!], em que pontuavam Diogo Freitas do Amaral e outros. Nessa coluna, defendia-se

 

..."com clareza e persistência uma política económica neoliberal do tipo europeu, que pela primeira vez era exposta e explicitada à opinião pública portuguesa, mostrando que era possível e oportuna uma terceira via que rejeitasse simultaneamente o corporativismo herdado de Salazar e o socialismo inspirado em Marx" (pag109). "O Expresso, apesar de, nos saber centristas e giscardianos, começou a chamar-nos a nova direita"(pag.110).
 

Inteligentemente, eram contra a ditadura, mas apenas por já não encontravam motivos para a sua  manutenção no regime marcelista (sublinhados são meus):

"O regime autoritário concebido e dirigido por Salazar tinha podido justificar-se perante os portugueses, pela instabilidade e desordem crónicas da 1ª República (...). Mas restabelecida a autoridade do Estado, assegurada a ordem nas ruas, recuperados por completo os grandes desequilíbrios económicos e financeiros, reparadas as ofensas à consciência católica do país, conduzida com êxito inegável a política externa durante a guerra civil de Espanha e a 2ª guerra mundial [!] - que outros motivos poderiam justificar a continuação de uma ditadura de direita na Europa dos anos 50?"

Apesar disso, esses jovens viviam tranquilos a sua vida de universitários ou profissionais liberais, sem sobressaltos ou angústias. Não se organizavam para antagonizar a ditadura. Almoçavam em Monsanto, discutiam ideias de como melhorar o regime. Não se arrepiavam com os presos políticos, com as medidas de segurança transformadas em prisão nas celas da PIDE. A ditadura tinha um lado de vida normal para quem não levantava um dedo contra ela. Freitas do Amaral era amigo de Marcello Caetano, era chamado a aconselhá-lo, mesmo até aos últimos dias do regime. O próprio Marcello Caetano convidou Freitas do Amaral e António Sousa Franco - que também lá veio a colaborar na página económica - para dirigir o Gabinete de Estudos da recém formada Acção Nacional Popular (partido único). Freitas do Amaral declinou a adesão à ANP. 

Se Caetano tinha as suas pechas contra a PIDE, mantinha-a com um regime à margem mesmo da lei, como polícia ideológica contra o socialismo e o comunismo, que, através da prisão e tortura de antifascistas - e de sobremaneira dos militantes do "autodesignado partido comunista português", como dizia a PIDE - salvaguardava a ordem económica de alguns grupos económicos, impedindo que os trabalhadores se organizassem e, com isso, que fosse mantida imperturbável a normal produção. 

E esses jovens neoliberais - hoje liberais - poderia, pois, querer uma evolução do regime, mas longe da sua ideia, derrubá-lo.

Segunda impressão. Será que estamos assim tão longe do que foi então vivido?  

Esse entrosamento desses jovens neoliberais - hoje liberais - com o dito Antigo Regime explica a sua atitude bastante crítica e pouco à-vontade para com o novo regime democrático, instaurado em revolução. Quando se dá o 25 de Abril, assustaram-se logo com a dimensão do "desfile que o PCP organizou" no 1º de Maio de 1974 que toda gente viveu como a maior explosão de liberdade alguma vez vivida.  

Dizia Sá Machado a Freitas do Amaral:

"Que diabo, eu sempre fui democrata e sempre sonhei ver um dia o meu país restituído à liberdade. Mas se o 25 de Abril nos dá, logo na primeira semana, aquele espectáculo deprimente da Avenida da Liberdade [?!] cheia de milhares de bandeiras vermelhas com a foice e o martelo, onde é que isto irá parar? Ou as forças democráticas se organizam e combatem virilmente a ameaça totalitária que já está à vista, ou estamos perdidos." 

 

Mas nem precisavam. Essa ala neoliberal - hoje liberal - é então até convidada pelo próprio MFA a formar um partido liberal. Cria-se então o CDS. Mas é perceptível que se sentem como peixes fora de água, que se vêem -  sem que Freitas do Amaral consiga perceber a razão dessa desconfiança - olhados de soslaio por todos e acusados de "fascistas". Receiam pela sua eminente ilegalização e pedem ajuda à Internacional conservadora. Sentem-se perseguidos por espíritos antidemocráticos que não os querem a partilhar a democracia. Mas porquê? Não eram eles juristas tão bem preparados e tão elogiados pela chefia do MFA... ? 

O seu livro está cheio de descrições de derivas totalitárias e antidemocráticas do processo revolucionário - que, na sua opinião, teriam origem no PCP ou no MFA infiltrado pelo PCP. Os vários golpes de Spínola são criticados, mas omite-se a adesão do CDS, por exemplo, ao 28 de Setembro. Denunciam-se ataques aos "partidos democráticos" que, afinal, apenas queriam implantar um regime ocidental, baseado na Declaração Universal dos Direitos dos Homens, e... impedir a Revolução de Outubro em Portugal.

O que é interessante sentir, no final, é a dimensão do fosso entre o que se passou no pós-25 de Abril e os tempos presentes. E, por isso e ao mesmo tempo, como é que as ideias que defendiam esses jovens neoliberais - ou hoje liberais - se aproximam, afinal, do que vivemos hoje. O próprio Freitas do Amaral já o reconhecia... em 1995: 

"Em 1975, era o projecto [de Constituição] do PCP o que mais se aproximava e o projecto do CDS o que mais se afastava da realidade política então vivida (...); hoje em dia, vinte anos passados, o projecto do PCP foi completamente ultrapassado, quer pela evolução dos acontecimentos em Portugal, quer pelo desmoronamento do sistema comunista na URSS, na Europa de Leste e noutras zonas do globo, enquanto o projecto do CDS se tornou quase no retrato fiel da realidade vivida em Portugal e no mundo na fase histórica actual"

Algo que nos faz pensar.  Talvez, fruto da deriva neoliberal hoje liberal verificada desde os anos 80 - com Cavaco Silva rodeado de Miguel Beleza, Braga de Macedo e Vítor Gaspar na progressiva integração europeia e monetária; com Vítor Constâncio a desarticular a Constituição de 1976, nomeadamente a reversão das nacionalizações aproveitada por Cavaco Silva para inaugurar as privatizações aos velhos grupos económicos; com António Guterres rodeado de Sousa Franco a alargar  ainda mais as privatizações e aderir de alma à moeda única em que nos encontramos enredados; com José Sócrates rodeado de Teixeira dos Santos (embaixador da Alemanha em Portugal, Sócrates dixit) a pugnar por mais austeridade; com Passos Coelho/Paulo Portas rodeados de Vítor Gaspar e Paulo Núncio (o da lista VIP e do RERT II de que beneficiou Ricardo Salgado e Zeinal Bava entre muitos) a defender ir além da troica na redução do Estado e dos impostos; com António Costa a aceitar os ditames europeus - talvez dizia, a realidade de hoje não se distancie tanto, do ponto de vista económico-social e da atitude do poder político face aos trabalhadores progressivamente desprotegidos, daquilo que se viveu antes do 25 de Abril. 

Veja-se o gráfico acima sobre o peso das remunerações salariais no PIB (preços de mercado). E conclua-se forçosamente: algo está mal neste reino do... socialismo. E que a receita não resolveu os problemas estruturais nacionais, mas contribuiu para a desigualdade social em que se alimenta a extrema-direita.

Os nossos liberais de hoje defendem ainda menos Estado e ainda menos impostos (leia-se, menor distribuição da riqueza com os trabalhadores), ainda mais iniciativa privada alicerçada na propriedade privada (leia-se, preponderância das organizações empresariais na condução da sociedade), gritam a plenos pulmões contra o socialismo e a ditadura do colectivismo já arredado há décadas (leia-se, o regime que tenha em conta os interesses dos mais pobres e dos trabalhadores). Como alívio da alma, apenas se contrapõe a doutrina social da Igreja Católica que, face à realidade que se vive, até surge como herege e nem é aplicada!

Tudo isso faz pensar o que poderá ser o Novo Regime caso essa direita neoliberal, hoje liberal - PSD, CDS, IL e C - cheguem ao Governo. 

E o que poderá ter feito o PS se aliar, em tantos assuntos, a essa direita.

 
 

Ver original em 'Ladrões de Bicicletas' (aqui)

Artigos relacionados

Mais de metade do trabalho extra fica por pagar
Mais de metade do trabalho extra fica por pagar Mesmo num ano (2020) em que se regista uma diminuição do trabalho nocturno e aos fins-de-semana, fruto da crise associada à pandemia, os patrões voltam a não pagar a maior parte do trabalho suplementar. Créditos / S... 12 views Mon, 01 Mar 2021,
Coisas do «Público»
Coisas do «Público»  A jornada de luta  que nunca existiu     Se não me engano, folheio o PDF do «Público» de hoje e não encontro nenhuma referência à jornada nacional de luta ontem promovida pela CGTP em diver... 30 views Sat, 27 Feb 2021,
Medidas urgentes de apoio aos trabalhadores e famílias
Medidas urgentes de apoio aos trabalhadores e famílias No momento em que se assinala um ano desde o início do surgimento do surto epidémico no nosso país, a CGTP-IN faz um balanço do caminho seguido e do impacto que as opções e medidas tomadas pelo Governo e tantas vezes... 13 views Wed, 24 Feb 2021,
Fiequimetal não aceitará a desvalorização dos salários na EDP
Fiequimetal não aceitará a desvalorização dos salários na EDP Como terminou, sem qualquer avanço, a mais recente reunião de negociação da tabela salarial para 2021 nas empresas do Grupo EDP, a Fiequimetal exige que a administração altere a sua atitude «vergonhosa». Logotipo da... 14 views Sat, 20 Feb 2021,
Falso bipolar
Falso bipolar Os malabarismos de uma direita que parece que é contra a austeridade, mas que afinal é a favor.    Ao ler a sua mais recente crónica, fica-se sem saber o que defende o colunista do jornal Público, aqu... 11 views Sun, 14 Feb 2021,
Hotelaria: repetem-se as violações ao direito a férias
Hotelaria: repetem-se as violações ao direito a férias Os patrões do sector, incluindo grandes grupos económicos, estão a aproveitar o novo confinamento para «mandar os trabalhadores de férias neste período». Créditos / Sindicato da Hotelaria do Norte O alerta ... 16 views Sun, 17 Jan 2021,

Trabalho, Direita

  • Criado em .
  • Visualizações: 48
Say something here...
Cancel
symbols left.
Log in with ( Sign Up ? )
or post as a guest
Loading comment... The comment will be refreshed after 00:00.

Be the first to comment.

LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.