Retrato de um país a caminho do abismo

Escreva um comentário

Baixos salários, riqueza criada insuficiente e a cair, um estado cada vez mais endividado: o retrato de um país a caminho do abismo que é necessário também não esquecer nas decisões políticas

 

Neste estudo analiso as consequências da crise causada pela pandemia a nível dos salários dos trabalhadores e da riqueza criada em Portugal (PIB) comparando com as médias dos países da União Europeia assim como o aumento vertiginoso do endividamento do Estado que depois terá de ser pago por todos os portugueses com os impostos que têm de suportar. É um outro lado da crise cujos efeitos não podem ser também esquecidos nas decisões políticas, pois a atual crise não é apenas uma grave crise de saúde pública cujas consequências no SNS, devido à escassez de meios causado pela  suborçamentação crónica (subfinanciamento) a que tem sido sujeito, inclusive em 2021, têm sido dramáticas quer para os doentes do COVID 19, quer para os outros doentes que não têm sido tratados, quer ainda a sobrecarga para os profissionais de saúde em número insuficiente.

Neste estudo, para se poder compreender os efeitos da crise atual quer a nível social (rendimentos dos trabalhadores) quer a nível económico (criação de riqueza), procura-se traçar um quadro claro da situação em que se encontrava o país antes da pandemia, comparando com a de outros países da União Europeia, até para que fique claro que as consequências serão mais dramáticas para os portugueses se a situação não for gerida com cuidado e de uma forma muito racional e planeada, pois o país não aguenta mais improvisos. Este estudo é apenas um alerta para um outro lado da crise que, por vezes, é ignorado.

 

 
 
 

Estudo

Baixos salários, riqueza criada insuficiente e a cair, um estado cada vez mais endividado: o retrato de um país a caminho do abismo que é necessário também não esquecer nas decisões políticas

Para se poder compreender os efeitos da crise atual quer a nível social (rendimentos dos trabalhadores) quer a nível económico (criação de riqueza) é importante ter um quadro claro da situação em que se encontrava o país antes da pandemia, até para se poder conhecer para onde estamos a caminhar nestas duas áreas vitais para a vida dos portugueses. Este estudo é apenas um alerta de um outro lado da crise para reflexão.

 

Os salários em Portugal correspondem a metade da média dos países da U. E., mas os portugueses são obrigados a pagar em muitos bens preços europeus (combustíveis, gás, etc.)

O gráfico 1, com os últimos disponibilizados pelo Eurostat mostra a grande diferença entre os salários pagos em Portugal e os salários praticados nos países da União Europeia.

 

Gráfico 1 – Salário horário médio em Portugal (laranja) e salário horário médio nos países da União Europeia (azul) Fonte: Eurostat

 

Antes da crise, o salário horário médio em Portugal era já menos de metade do salário horário médio nos países da União Europeia. Entre 2006 e 2018, a percentagem que o salário médio hora pago aos trabalhadores portugueses representava em relação ao salário médio hora na União Europeia diminuiu de 52,3% para apenas 48,9%.

Portugal continua a ser um país de muito baixos salários o que determina que a sua economia tenha uma baixa intensidade tecnológica e de conhecimento e seja extremamente frágil como a experiência tem e está a mostrar. E é com estes baixos salários que os trabalhadores portugueses estão a enfrentar as consequências dramáticas da crise, nomeadamente a perda de rendimentos.

O quadro 1, com dados do INE mais recentes, confirma as baixas remunerações que são pagas no setor privado em Portugal em 2020, o que torna a situação ainda mais difícil mesmo para aqueles que têm trabalho.

 

Quadro 1 – Remuneração horária bruta total – Dados declarados pelas empresas à Segurança Social – INE

 

A remuneração bruta total é muito baixa em Portugal (6,05€/hora segundo o INE em 2020). Em junho de 2020, quando comparado com idêntico mês de 2019, verifica-se já uma redução 18,4% na remuneração hora bruta total que resulta do facto das entidades patronais, aproveitando a crise que as afeta, começarem já a pressionar as remunerações para as baixar ainda mais com o objetivo de transferir os custos da crise para os trabalhadores. Ainda não há luz no túnel. E acentua-se a insegurança com a ameaça de novo confinamento.

 

A riqueza criada em Portugal era já insuficiente antes da pandemia e caiu com a crise

Mesmo antes da crise, o PIB (riqueza criada) por habitante em Portugal já era muito inferior à média dos países da U.E. como revela os dados do Eurostat do gráfico 2. Baixos salários geram baixa riqueza criada.

 

Gráfico 2 – PIB (riqueza criada) anula por habitante em média na União Europeia (azul) e em Portugal (laranja) – Fonte: Eurostat

 

Em 2010, o PIB por habitante em Portugal correspondia a 66,6% do PIB médio por habitante dos países da União Europeia e ,em 2019, tinha descido para 64,7%. Portugal no lugar de convergir para a média da U.E. estava a divergir. A riqueza criada por habitante no nosso país é cada vez mais insuficiente.

 

Gráfico 3 – PIB (criação de riqueza) por trabalhador em Portugal por trimestre Fonte: INE

 

Antes da crise, cada trabalhador em Portugal criava por trimestre riqueza (PIB) avaliada entre 11.869€ (1º Trimestre de 2019) e 11.990€ (4º Trimestre de 2019) o que, comparado com a média dos países da U.E. correspondia a cerca de 64,7%. Com a grave crise causada pela pandemia que levou ao fecho de uma parte significativa da economia, a queda da riqueza criada por trabalhador foi brusca e acentuada (-13,6% no 2º Trim.2020 quando comparado com o trimestre homólogo de 2019).

Com o desconfinamento no 3º Trim. 2020 registou-se uma certa recuperação da economia já que o PIB por trabalhador aumentou, entre o 2º Trimestre e o 3º Trim.2020, de 10.282€ para 11.553€ (+12,3%), o que mostra que o teletrabalho é um mito. Com a ameaça de novo confinamento causada pela nova onda do COVID 19, a concretizar-se, a contração da economia será maior que a do 2º Trim.2020, pois a economia está mais fragilizada e muitas empresas, que conseguiram sobreviver ao 1º confinamento, é de prever que já não consigam agora.

Ficaremos com um país e uma economia mais destruída e com maior desemprego. E os apoios não resolvem o problema.

 

Um estado cada vez mais endividado, cuja divida terá de ser paga com os nossos impostos

Para apoiar as empresas e as famílias a divida pública tem aumentado assustadoramente. Segundo o Boletim Estatístico do Banco de Portugal de jan.2021, entre dez.2019 e out.2020, portanto em apenas 10 meses, a divida das Administrações Públicas aumentou de 310.466 milhões € para 330.000 milhões €, e a divida na ótica de Maastricht subiu de 249.985 milhões € para 268.143 milhões €. No fim de set.2020, a divida das Administrações Públicas já correspondia a 160,8% do valor do PIB e a de Maastricht a 130,8%.

Um aumento da taxa de juro  criará uma situação insustentável ao país pois os encargos com uma divida desta dimensão (em 2021, 5.487 milhões€) poderão tornar-se incomportáveis.  

Ver a publicação original em 'Tornado' na seguinte ligação:

https://www.jornaltornado.pt/retrato-de-um-pais-a-caminho-do-abismo/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=retrato-de-um-pais-a-caminho-do-abismo

Artigos relacionados

Princípios: Artigo desmascara “anacronismo” das políticas industriais
Princípios: Artigo desmascara “anacronismo” das políticas industriais Artigo mostra como a pandemia explicitou as contradições da divisão do mundo em cadeias globais de valor (CGV), mostrando a importância de fortalecimento das cadeias produtivas internas, demandando políticas ... 15 views Thu, 04 Feb 2021,
Votos de um Natal em Paz
Votos de um Natal em Paz Contra a miserável política social do nosso país que tem deixado na valeta milhares de cidadãos, defendo neste vídeo uma sociedade justa e solidária. Recordo a expressão do Papa Francisco: “ninguém se salva sozi... 100 views Tue, 22 Dec 2020,
Economix, 2ª edição
Economix, 2ª edição     Acabou de ser publicada a 2ª edição em português de Economix, o livro de banda desenhada que tenho aconselhado a quem quer uma introdução divertida à ciência económica. Fica abaixo o texto... 56 views Wed, 16 Dec 2020,
“Um tsunami de dívidas”. O mundo deve a si mesmo 277 mil milhões de dólares
“Um tsunami de dívidas”. O mundo deve a si mesmo 277 mil milhões de dólares QuinceCreative / Pixabay   Prevê-se que até ao final deste ano, a dívida da economia mundial atinja os 277 mil milhões de dólares. A pandemia de covid-19 é um dos fatores responsáveis.   A pandemia ... 98 views Mon, 30 Nov 2020,
Dólar perde liderança mundial pela 1ª vez desde 2013
Dólar perde liderança mundial pela 1ª vez desde 2013     © Foto / Pixabay/PublicDomainPictures No mês de outubro, o euro suplantou o dólar como moeda preferida para pagamentos globais pela primeira vez em sete anos. A muda... 85 views Wed, 25 Nov 2020,
Ímpeto de recuperação econômica da China se manterá, diz Bloomberg News
Ímpeto de recuperação econômica da China se manterá, diz Bloomberg News     Beijing, 18 nov (Xinhua) -- Com base no desempenho econômico da China em outubro, analistas disseram que o ímpeto de recuperação do país se manterá nos próximos meses, noticiou a Bloomberg. Os analis... 23 views Thu, 19 Nov 2020,

Economia política

  • Criado em .
  • Visualizações: 57
Say something here...
Cancel
symbols left.
Log in with ( Sign Up ? )
or post as a guest
Loading comment... The comment will be refreshed after 00:00.

Be the first to comment.

LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.