• in 'A Estátua de Sal'
  • Mundo

O nosso pior erro político

Escreva um comentário

(Wolfang Munchau, 23/01/2021)

Com a sua desastrosa política de aquisição de vacinas, a UE cometeu o erro final: deu às pessoas uma razão racional para se oporem à integração europeia.


Parece que fui um pouco precipitado quando previ que a austeridade ficaria como o pior erro político da UE durante a minha vida. Em certo sentido, esta previsão sobre a época da crise da zona euro revelar-se-á provavelmente correcta. A austeridade desencadeou divergências económicas que serão difíceis de inverter.

Mas a política de vacinas da UE deve tornar-se num candidato forte a esse título. A 22 de Janeiro, a UE tinha vacinado apenas 1,89% da sua população, enquanto que o Reino Unido tinha vacinado 9,32%. Além disso, a taxa diária de aumento é mais rápida no Reino Unido. As vacinações britânicas não só começaram mais cedo, como a diferença ainda está a aumentar.

Não se pode culpar os erros logísticos. O que aconteceu é que a UE não conseguiu assegurar vacinas suficientes. Isso, por sua vez, atrasou a passagem. Os números anunciados pela Comissão não são  entregas. Já em Novembro, o chefe do Moderna avisou que a UE estava a arrastar as negociações. A AstraZeneca, que está a distribuir a vacina de Oxford, disse que as entregas à UE vão demorar mais tempo do que o anteriormente previsto. A Pfizer, que distribui a vacina alemã BioNTech, está agora a avisar a UE de estrangulamentos no fornecimento devido a problemas com um local de produção na Bélgica.

O que aconteceu aqui é que a UE fez um acordo comercial Brexit com a indústria farmacêutica: tentou assegurar uma vantagem percetível de preço a curto prazo à custa de tudo o resto. Em vez de dar prioridade à rapidez e segurança dos fornecimentos a qualquer preço, a UE deu prioridade ao preço. A UE pagou 24% menos pela vacina Pfizer do que os EUA, por exemplo. Para a vacina Oxford/AstraZeneca, a diferença de preço é de 45%. O Reino Unido pagou quase de certeza muito mais. Não é de admirar que os fabricantes estejam a dar prioridade às encomendas por ordem de chegada, sendo as dos primeiros a chegar, as primeiras a serem servidas,  e dos países que pagam o preço total. A diferença de preço é macroeconomicamente irrelevante. Mas se a escassez de vacinas levar a bloqueios mais longos, o efeito indireto dessa política de vistas curtas será enorme.

A certa altura, o custo deste erro político será também mensurável em termos de vidas humanas. Isto não é possível agora porque não conhecemos a futura propagação do vírus. Sabemos que a variante  do Reino Unido chegou ao continente, mas ainda não libertou toda a sua força pandémica. No cenário mais benigno, o actual confinamento pode evitar o pior. No pior cenário, o atraso da vacinação será uma calamidade que poderia custar dezenas de milhares de vidas.

Então porque é que os governos da UE transferiram a responsabilidade pela aquisição de vacinas para a UE em primeiro lugar? Angela Merkel raciocinou que a coesão da UE teria sido prejudicada se a Alemanha tivesse adquirido fornecimentos privilegiados da vacina BioNTech. O que ela não considerou é que a UE está mal equipada para esta tarefa. Até hoje, o ADN da UE é o de um cartel de produtores. A sua prioridade não é garantir o abastecimento, mas reduzir os custos e alcançar algum equilíbrio entre os interesses franceses e alemães. A triangulação é o que Bruxelas faz para viver. Fazer tudo o que for preciso [1], não faz parte da sua cultura.

Numa perspectiva mais ampla, a catástrofe da vacina é o culminar de uma tendência que começou com o Tratado de Maastricht. Até então, a UE fez apenas algumas coisas bem: a união aduaneira, a zona de viagens Schengen, e, em menor medida, o mercado único. As competências da UE têm vindo a alargar-se progressivamente desde então, mas os resultados são na sua maioria decepcionantes. No início dos anos 2000, a UE estava obcecada com a Agenda de Lisboa para as reformas estruturais, que trouxe poucos benefícios concretos. O mesmo sucedeu com o programa de investimentos Juncker  uma década depois. A catástrofe da vacinação difere apenas num aspeto: será culpada pela perda de vidas humanas.

Haverá, sem dúvida, pedidos de demissão. Mas para mim, a questão mais importante são as conclusões que os cidadãos da UE tirarão desta situação. Para começar, a UE acaba de apresentar um argumento retrospectivo a favor do Brexit. O Reino Unido não teria procedido às vacinas tão rapidamente se se tivesse submetido à mesma política. A última coisa que a UE pode querer fazer é dar às pessoas uma razão racional, não ideológica, para o eurocepticismo.

Acaba de o fazer.

__________

[1] Nota do Tradutor. Trata-se de uma alusão à frase de Mario Draghi sobre fazer tudo o que fosse possível para salvar o euro.

__________

 

 

Ver a publicação original em "A Estátua de Sal" na seguinte ligação:

https://estatuadesal.com/2021/01/28/o-nosso-pior-erro-politico/

Artigos relacionados

Brasil ultrapassa marca de 254 mil mortes por COVID-19
Brasil ultrapassa marca de 254 mil mortes por COVID-19     © AP Photo / Andre Penner A média móvel de mortes dos últimos sete dias bateu novo recorde e chegou a 1.180. Com 50.840 novos diagnósticos registrados em um dia, a quanti... 5 views Sun, 28 Feb 2021,
Já foram administradas 837.887 vacinas em Portugal
Já foram administradas 837.887 vacinas em Portugal José Coelho /Lusa   Um total de 837.887 vacinas contra a covid-19 foram administradas em Portugal desde 27 de dezembro, quando foi dada a primeira dose, indicou o Ministério da Saúde este sábado.   ... 8 views Sun, 28 Feb 2021,
Moscou promete reagir às novas sanções da União Europeia e não descarta resposta assimétrica
Moscou promete reagir às novas sanções da União Europeia e não descarta resposta assimétrica Para a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, as sanções contra a Rússia pelo caso Navalny são um "circo"     Sputnik - No início desta quarta-feira (2... 19 views Wed, 24 Feb 2021,
Vacina contra a Covid-19 com dificuldade em prevenir a "doença racial" nos EUA
Vacina contra a Covid-19 com dificuldade em prevenir a "doença racial" nos EUA   #Publicado em português do Brasil Qin Chuan | Diário do Povo Online | opinião A Associated Press divulgou recentemente um relatório mostrando que a proporção de minorias como os afro-americanos e hispânicos... 12 views Wed, 24 Feb 2021,
Presidência da UE. Portugal quer salário mínimo europeu que permita “vida digna”
Presidência da UE. Portugal quer salário mínimo europeu que permita “vida digna” António Cotrim / Lusa A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho Portugal procurará obter uma orientação geral sobre a diretiva dos salários mínimos adequados que “permita apoi... 18 views Mon, 22 Feb 2021,
Índia: a prioridade estratégica portuguesa
Índia: a prioridade estratégica portuguesa Sem querer abusar de paralelos, é uma espécie de redescoberta do caminho marítimo para a Índia, que podemos rebaptizar como estratégia para uma aliança democrática mundial e que ele, com incontestável perícia... 17 views Mon, 22 Feb 2021,

União Europeia, Vacinas

  • Criado em .
  • Visualizações: 54
Say something here...
Cancel
symbols left.
Log in with ( Sign Up ? )
or post as a guest
Loading comment... The comment will be refreshed after 00:00.

Be the first to comment.

LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.