Autenticar
x
ou
x
x
Registar
x

ou
Search - AcyMailing
Search - Remove Shortcode
Phoca Gallery Search
plg_search_kunena
plg_search_docman
Search - Albums
plg_search_weblinks
Pesquisa - Categorias
Pesquisa - Contactos
Pesquisa - Artigos
Pesquisa - Sinais
Pesquisa - Etiquetas

farol002 

OUVIR MÚSICA

Clique aqui para abrir

uma janela de música

A abstenção local

  • Vasco Graça
  • Avatar de Vasco Graça Autor do tópico
  • Desligado
  • Membro Iniciado
  • Membro Iniciado
Mais
24 Ago. 2017 18:44 - 24 Ago. 2017 18:47 #22 por Vasco Graça
Vasco Graça criou o tópico: A abstenção local


A abstenção é um sintoma negativo da cidadania. Reflete o desinteresse dos cidadãos e das cidadãs em assumirem a sua quota parte de responsabilidade pela vida comum.

Sabemos que Cascais é apontado como o concelho que nas últimas eleições autárquicas teve o segundo mais elevado índice de abstenção em todo o país. 62% dos cascaenses não se pronunciaram e, consequentemente, a Coligação PSD/CDS obteve uma maioria absoluta tendo apenas o apoio expresso de 16% dos eleitores recenseados.

Todavia se olharmos os dados da abstenção verificamos um facto mais preocupante.



O alheamento dos habitantes de concelho pela 'coisa pública' manifesta-se sobretudo quando se trata de decidir sobre a política em Cascais.

Quando se trata de votar para as eleições nacionais (nomeadamente as legislativas) os cascaenses participam bastante mais tendendo mesmo a ter uma abstenção inferir à média nacional.

Estes dados, numa primeira leitura, evidenciam que o 'mal' da abstenção em Cascais não decorre essencialmente de um desinteresse constante dos cascaenses pelas opções políticas mas, sobretudo, radica no seu desinteresse pelo exercício da política em Cascais.

O problema está essencialmente no exercício (desinteressante? intimidatório? fechado? inútil?) da política em Cascais e não tanto no estar dos cidadãos e cidadãs que habitam em Cascais.

Porquê?

Vale a pena refletirmos sobre este tema.
Última Edição: 24 Ago. 2017 18:47 por Vasco Graça.
  • Vasco Graça
  • Avatar de Vasco Graça Autor do tópico
  • Desligado
  • Membro Iniciado
  • Membro Iniciado
Mais
29 Ago. 2017 20:17 - 29 Ago. 2017 20:18 #23 por Vasco Graça
Vasco Graça respondeu ao tópico A abstenção local
O discurso instituído tende a fazer crer que ao nível local existe maior participação cívica e que há mais conhecimento das realidades políticas.
É certo que as razões para a abstenção são diversas mas os dados tendem a demonstrar que os cidadãos se interessam menos pela política local do que pela nacional. De facto abstêm-se mais sempre que se trata de eleições autárquicas do que quando são legislativas.

Este fenómeno de uma maior abstenção nas eleições autárquicas é uma realidade nacional com resultados sensivelmente parecidos na generalidade dos concelhos.
Mas em Cascais este diferencial e o desinteresse pelas eleições autárquicas é bastante maior do que na média nacional.
Última Edição: 29 Ago. 2017 20:18 por Vasco Graça.
  • Vasco Graça
  • Avatar de Vasco Graça Autor do tópico
  • Desligado
  • Membro Iniciado
  • Membro Iniciado
Mais
30 Ago. 2017 01:28 #24 por Vasco Graça
Vasco Graça respondeu ao tópico A abstenção local
Sobre este tema, João Serôdio Gomes, no facebook, avança com algumas hipóteses para o facto de abstenção em Cascais ser mais elevada nas eleições autárquicas do que nas legislativas.

Refere sobretudo:
"- Cascais não é um concelho politicamente mediático com é o caso de Lisboa, Porto e até Oeiras. É raro ver notícias nos principais meios de comunicação sobre as eleições em Cascais.
- Cascais é um concelho urbano com mais de 200.000 habitantes. Em concelhos pequenos todos se conhecem o que facilita a participação.
- O poder instalado não promove a discussão dos diversos temas, podendo gerar a ideia de que não havendo discussão é porque não há problemas.
"

Certamente são argumentos a ponderar. Na verdade os concelhos urbanos maiores tendem a ter maior abstenção nas autárquicas do que nas legislativas enquanto que, nos concelhos mais pequenos, dá-se o inverso- as autárquicas têm menor abstenção do que as legislativas.
O fenómeno de maior abstenção nas autárquicas atinge também as cidades mais 'mediatizadas' como as referidas pelo autor do post (Lisboa, Porto, Oeiras).
Todavia o fenómeno é muito mais acentuado no caso de Cascais.

Será necessário estudar os dados com mais pormenor mas sou levado a concordar com o argumento de João Serôdio Gomes quando diz "acredito que muitas pessoas estejam desiludidas com os políticos que temos, achando que são todos iguais". No entanto penso que esta desilusão com a política local (ou com os políticos locais) é muito mais complexa do que a dicotomia Partidos vs. Movimentos independentes.
É um tema para continuar a refletir.
  • Vasco Graça
  • Avatar de Vasco Graça Autor do tópico
  • Desligado
  • Membro Iniciado
  • Membro Iniciado
Mais
08 Out. 2017 00:23 #27 por Vasco Graça
Vasco Graça respondeu ao tópico Ainda a abstenção local (2017)
Em Cascais a abstenção de 2017 situou-se em valores pouco superiores ao habitual neste concelho tratando-se de eleições autárquicas mas desceu relativamente a 2013.
A abstenção foi este ano de 56,5% quando há quatro anos fora de 62%.
Os cadernos eleitorais contavam com mais 5048 novos eleitores mas o número de votantes cresceu em 11776.
Mesmo assim Cascais continua a ser dos concelhos 'recordistas' de abstenção em eleições locais situando-se, em 2017, quase 12% acima da média nacional.
Os dados não perecem ir na linha do que defendeu Carlos Carreiras quando afirmou, em entrevista recente, que 2/3 da abstenção de 2013 seriam potenciais votos favoráveis ao PSD/CDS.
O Partido Pessoas-Natureza-Animais com os seus 4152 votos (subida de 100% dado que não concorreu em 2013) parece ter sido quem mais votos terá ido buscar à anterior abstenção.
O Bloco de Esquerda teve, relativamente a 2013, uma subida de 35,3%.
A coligação 'Viva Cascais' (PSD/CDS) subiu 26,9% relativamente a 2013 (7516 votos)
O Partido Socialista (considerando a atual incorporação do movimento 'Ser Cascais') cresceu 17,6% (3367 votos)

Portanto, apesar do dado positivo da descida da abstenção (até numa percentagem superior à descida nacional da abstenção) não se verifica uma alteração política significativa com essa descida.
Aparentemente continua a ser o PS que mais é prejudicado com a abstenção. Registe-se que o PS obteve com José Luís Judas (quando o colégio eleitoral era muito mais reduzido) cerca de 32500 votos e mesmo nas últimas eleições legislativas (há dois anos) contou com 29600 votos. Agora, apesar da coligação com o 'Ser Cascais' (que tinha 4982votos) obteve 22492 votos. Parece haver aqui uma margem muito relevante de votantes no PS que ficaram na abstenção.
Provavelmente a subida do PS terá resultado menos de uma recuperação junto do abstencionismo e mais do apelo ao 'voto útil' junto do eleitorado da CDU que teve alguma descida nos seus votos habituais.
Creio poder-se considerar que mesmo o bom desempenho de Gabriela Canavilhas na campanha eleitoral não tiveram um efeito suficientemente mobilizador junto da abstenção tanto mais que até o eleitorado que agora votou no PS para as Assembleias de Freguesia foi superior (mais 1245 votos) do que o que votou no PS para a Câmara Municipal.
Idênticas considerações poderiam ser feitas quanto ao movimento 'Também és Cascais' que, com os seus cerca de 1600 votos (um número idêntico ao que haviam obtido o PTP mais o PPM em 2013) parece não ter conseguido penetrar no eleitorado abstencionista.

Estes são alguns dados reais relativos ao abstencionismo em Cascais. Provavelmente diversas leituras poderão ser feitas.
Tempo para criar a página: 0.610 segundos

- Plataforma Cascais no Facebook