Autenticar
x
ou
x
x
Registar
x

ou
Search - AcyMailing
Search - Remove Shortcode
Phoca Gallery Search
plg_search_kunena
plg_search_docman
Search - Albums
plg_search_weblinks
Pesquisa - Categorias
Pesquisa - Contactos
Pesquisa - Artigos
Pesquisa - Sinais
Pesquisa - Etiquetas

farol002 

OUVIR MÚSICA

Clique aqui para abrir

uma janela de música

176 palestinianos feridos em protestos contra decisão dos EUA

Há mais de um mês que os palestinianos protestam contra o reconhecimento, pelos EUA, de Jerusalém como capital de Israel. Esta sexta-feira, voltaram a registar-se fortes confrontos com as forças israelitas e pelo menos 176 palestinianos ficaram feridos.

Protestos dos palestinianos contra a decisão dos EUA de reconhecer Jerusalém como capital de Israel voltaram a ser fortemente reprimidos
Protestos dos palestinianos contra a decisão dos EUA de reconhecer Jerusalém como capital de Israel voltaram a ser fortemente reprimidosCréditos / newsit.gr

Na Faixa de Gaza cercada, centenas de palestinianos voltaram a aproximar-me da vedação fronteiriça e atiraram pedras contra os soldados israelitas que disparavam latas de gás lacrimogéneo contra eles. Pelo menos 41 ficaram feridos ao serem atingidos com fogo real, segundo referiu o Ministério palestiniano da Saúde.

De acordo com o Crescente Vermelho também se registaram fortes confrontos na Margem Ocidental ocupada, nomeadamente em Al-Bireh (perto de Jerusalém), em Ramallah, Belém, Qalqiliya, Jericó e Nablus.

Alguns manifestantes contra a decisão anunciada por Donald Trump a 6 de Dezembro último incendiaram pneus e lançaram pedras contra as forças de ocupação, que recorreram a gás lacrimogéneo, granadas atordoantes, balas de aço revestidas de borracha e fogo real.

No total, 176 palestinianos ficaram feridas nos confrontos desta sexta-feira, revelou o Ministério da Saúde – 47 ao serem atingidos por fogo real e 129 após a inalação de gás e fumo. Desde o anúncio norte-americano relativo a Jerusalém, 17 palestinianos foram mortos pelas forças israelitas, indica a PressTV.

Repúdio geral

A decisão anunciada por Washington sobre o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel e sobre a mudança da embaixada de Telavive para a cidade ocupada, no passado dia 6 de Dezembro, valeu fortes críticas à administração norte-americana a nível internacional e esteve na origem de manifestações contra os Estados Unidos e Israel em vários pontos do mundo.

A 21 de Dezembro, a Assembleia Geral das Nações Unidas votou favoravelente, de forma esmagadora, uma resolução em que se apelava aos Estados Unidos da América que recuassem na decisão sobre Jerusalém. As ameaças e pressões da embaixadora norte-americana junto da ONU, Nikki Haley, não tiveram grande efeito.

Funerais de dois adolescentes palestinianos

Também esta sexta-feira, milhares de pessoas participaram nas cerimónias fúnebres de dois adolescentes mortos pelos soldados israelitas no dia anterior, um na Cisjordânia e o outro na Faixa de Gaza.

Amir Abdelhamid Abu Mousaed, de 16 anos, foi morto a tiro quando protestava contra a «decisão norte-americana» junto à vedação fronteiriça em Gaza. De acordo com o Ministério da Saúde, apresentava várias feridas de bala no peito e veio a falecer no Hospital al-Aqsa Martyrs, na localidade de Deir al-Balah.

Ali Omar Nimr Qino, de 17 anos, foi também morto a tiro, depois de as tropas israelitas terem disparado sobre um grupo de manifestantes na aldeia de Burin, a sudoeste de Nablus, na Margem Ocidental ocupada.

/n

Ver original aqui.

Imprimir Email

  • Visualizações: 4

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 3)
Share Your Location
Digite o texto apresentado na imagem abaixo. Não está claro?

- Plataforma Cascais no Facebook

Para estar informado(a)

Registo para receber a informação da Plataforma Cascais

captcha