Autenticar
x
ou
x
x
Registar
x

ou
Search - AcyMailing
Search - Remove Shortcode
Phoca Gallery Search
plg_search_kunena
plg_search_docman
Search - Albums
plg_search_weblinks
Pesquisa - Categorias
Pesquisa - Contactos
Pesquisa - Artigos
Pesquisa - Sinais
Pesquisa - Etiquetas

farol002 

OUVIR MÚSICA

Clique aqui para abrir

uma janela de música

Em política não se morre (com facilidade)

DO AVESSO

Em política poucos são os que morrem. Alguns descem aos mausoléus, amortalham-se como podem e regressam quando querem. São múmias com pactos apurados, como Paulo Portas e Miguel Relvas, ou airosos trapezistas quase bonacheirões, como Santana Santa Casa Lopes, que parecia alérgico ao sol mas, subitamente volta à luz do dia.

Há ainda os que acusam outros síndromas, como Rui Rio, que ficou à espera do seu momento num vão de escada mais ou menos lúgubre, ou António José Seguro, que conta os dias até transformar o seu tempo de martírio numa cavalgada de Valquiria. Sim, escolha propositada, o termo – é que no nórdico antigo valkyrja significa “a que escolhe os mortos”. Ou mais inteligentes, como Fernando Nogueira, um ex-presidente do PSD de que já (quase) ninguém se lembra e que fez uma boa vida desde a sua (parcial) retirada destas coisas. Ou Luís Amado, cuja metamorfose ao jeito Ranidae (família das rãs, em biologia), levou, como a Cinderela, de escrava das meias-irmãs, isto é de Ministro, a noiva de príncipes, entenda-se: a Banqueiro.

Na plateia destes espectáculos ficam dois tipos de espectadores.

Os ignorantes, que desdenham, dizem com garbo e idiotice que não lhes interessa este tipo de coisas e que são capazes de opinar mesmo quando passaram o dia de voto nas eleições no casamento de um casal amigo – de costas voltadas para o País, que tomou por inimigo. E aqueles que formam opinião com o material que lhes vai chegando, através de uma imprensa duvidosa, ou de redes sociais muito mais incríveis.

Conhecendo, como espectador, a figura de Miguel Relvas, não se estranha que tenha pedido uma entrevista ao jornal Público. (Seria lógico que fosse o contrário, mas, no caso, sendo quem é, duvida-se muito).

Relvas é como certos colchetes de soutien antigo, pequeno, resistente, muito difícil de tirar do caminho e até perigoso, pois um colchete desses quando enferruja pode picar e provocar o tétano. Em qualquer dos casos, é sempre uma barreira para chegar ao que interessa, por ter interesses muito próprios.

O colchete, perdão, o ex-ministro que deixou de o ser por indecente e má figura – apareceu numa entrevista. Com honras de diretor de jornal a dialogar com ele, sem fazer aquelas perguntas estranhas, de que é que vive, já devolveu o dinheiro que a União Europeia lhe pediu da Tecnoforma, sempre se inscreveu para acabar o curso? Mas sabemos que o próprio já disse, por exemplo, que é “”despropositado e malicioso associar o meu nome a eventuais atos concretos de aplicação dos programas, realizados pela empresa[Tecnoforma]”, e que o procurador do DCIAP  disse que “o único crime que poderia ser imputado a Miguel Relvas, mas não foi, seria o de abuso de poder, uma vez que havia vários indícios nesse sentido. Mas para que houvesse acusação era necessário que a investigação reunisse prova suficiente do crime…

José António Cerejo do Público foi desmentido pelo próprio em “direito de resposta” e que agora surge a entrevista e… Sabemos algumas coisas, das possíveis de saber. E somos doutos a ignorar o que não sabemos, não há dúvida.

Deste lado, na plateia, queríamos mais. Mas não há.

Há uma entrevista engraçada. E sabendo que Relvas põe, desde sempre, redes sociais, assessores de comunicação e jornalistas em grande azáfama, a coisa não é surpreendente.

Mig, que apoia Santana, sabe que o Partido não vai ter um líder para os próximos dois anos, mas um passadiço, desses de tábua velha – não sei se de laranjeira – que se poem sobre a lama. É que em política poucos são os que morrem e esses dois anos são fulcrais para os que vão renascer. Santana andará por lá, perderá daqui a dois anitos, e dois toca a trabalhar.

Na entrevista, Mig retira crédito e apoio ao seu amigo e associado P.P. Coelho. Tenta voltar à carga de uma velha angústia: “temos um PM que não ganhou as eleições”, esquecendo-se que quem deu o poder ao PM foi uma maioria que ganhou as eleições, bem somados os resultados. Não fala em geringonça, belo termo de outro associado, mas chama engenhoca à ideia – de Rui Rio? – de um bloco Central. Preconiza um PS vencedor, sem maioria absoluta, a governar com o BE, isto é, assume a derrota do novo líder laranja daqui a dois anos. E admite que o pequeno CDS da mais pequena Cristas é hoje o líder da oposição. Refere um dos clássicos como ator, com papel decisivo, no futuro do seu partido – o já antes destituído Marques Mendes. E aponta, por descargo de consciência, alguns dos mais novos, como entidades laranjas do futuro.

Delicadamente, Mig endeusa o Presidente. E põe os olhos em si próprio, como uma Kardashian ao espelho, ou Kim Jung-un e Trump ávidos dos seus botõezinhos – desses que disparam…migs e nos podem tramar a todos.

Por opção do autor, este artigo respeita o AO90
http://www.jornaltornado.pt/politica-nao-morre-facilidade-miguel-relvas//n

Ver original aqui

Imprimir Email

  • Visualizações: 3

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 3)
Share Your Location
Digite o texto apresentado na imagem abaixo. Não está claro?

- Plataforma Cascais no Facebook

Para estar informado(a)

Registo para receber a informação da Plataforma Cascais

captcha