Autenticar
x
ou
x
x
Registar
x

ou
Search - AcyMailing
Search - Remove Shortcode
Phoca Gallery Search
plg_search_kunena
plg_search_docman
Search - Albums
plg_search_weblinks
Pesquisa - Categorias
Pesquisa - Contactos
Pesquisa - Artigos
Pesquisa - Sinais
Pesquisa - Etiquetas

farol002 

OUVIR MÚSICA

Clique aqui para abrir

uma janela de música

Opinião

Marina de Cascais: A clave de dó

Authors: Teresa Gago in Cascais24

MarinaTeresaGago

A situação a que chegou a marina de Cascais é a expressão da incapacidade de diversos governos, nacionais e municipais, para se relacionarem com o mar. A ausência de uma estratégia atlântica tem permitido que a marina se venha transformando num “mono à beira mar” que estimula os apetites dos promotores imobiliários, a pretexto de uma alegada falta de sustentabilidade económico-financeira.

 

Lembrando factos históricos…

Poucos se recordarão que na génese da marina de Cascais se encontra o governo de Cavaco Silva (Decreto-Lei 335/91 de 7 de Setembro) e o mandato autárquico de Georges D’Argeant. Foi o mesmo governo PSD que conferiu à ENATUR os poderes de concedente, em representação do Estado Português, para a concessão da construção e exploração da marina (Decreto-lei 14/94, de 20 de Janeiro) a qual, a 21 de setembro de 1995, celebrou o contrato de concessão, por pelo menos 50 anos, com a empresa MarCascais, SA.  

Curiosamente, foi também durante um governo do PSD, o de Durão Barroso (Decreto-Lei 232/2003 de 27 de Setembro), que o Estado transferiu a posição jurídica da ENATUR para a Câmara de Cascais, liderada à época por António Capucho, “para libertar a Enatur, em fase de privatização, deste encargo” (Diário de Notícias 22/07/2003). 

 

Adensando a trama…

Desde o ano de abertura da marina (1999) se constatou que existiriam dificuldades com a exploração privada daquele espaço. Os pescadores, os proprietários das amarrações e os comerciantes queixavam-se dos excessivos valores de condomínio e de estacionamento. Foi desde então que se tornou evidente a necessidade da afirmação de um projeto público, de dimensão pelo menos municipal, capaz de potenciar as diversas atividades ali existentes com vista ao desenvolvimento da economia do mar. Embora a situação não fosse da responsabilidade de José Luís Judas, em fim de mandato e de forma injusta, rebentou-lhe nas mãos.

 

Foi novamente com o PSD no poder em Cascais que se voltou a polemizar a marina como espaço económico-estratégico de interesse privado, ressurgindo o (já entediante) argumento da falta de sustentabilidade financeira. Em primeiro lugar, surgiu o projeto da torre hoteleira de 100 metros (em 2006) e, em segundo lugar, a iniciativa de criação de um porto de cruzeiros e paquetes de luxo (em 2012) que segundo, Carlos Carreiras, iria “trazer vantagens brutais”. O resultado destas excentricidades teve como únicos méritos: (i) o de mobilizar a população em defesa da marina e da entrada marítima de Cascais e (ii) o de denunciar a estratégia do PSD/CDS para transformar a marina num espaço não democratizado e exclusivista.

TeresaGagoAinda em 2012, em ano pré-eleitoral, a Câmara de Cascais aprovou que a MarCascais deveria apresentar uma proposta de remodelação da marina” até ao ano de 2014 e, pese embora nada saibamos sobre o cumprimento, ou não, desta diretiva municipal, Pedro Garcia, administrador da concessionária, mostrava-se, à época, favorável à ideia de ali fixar hotelaria e residências turísticas (Correio da Manhã 28/05/2012).

Com efeito, através do PDM imposto pela coligação PSD/CDS, em 2015, a dita “remodelação da marina” transformou-se numa “reconversão e requalificação urbanística” em que se permite a construção de “novos edifícios e ampliação dos edifícios existentes (PDM, sub-UOPG 7.4). 

 Trata-se de transformar em vários ‘caixotes’ de apartamentos de luxo a anterior ambição de uma torre.

 Em seguida, de forma conveniente em 2017, a maioria camarária também impôs uma “misteriosa” mudança do controlo acionista da entidade concessionária (reunião de Câmara de 5 de Junho, ponto 42). Na verdade, foi objetivamente autorizado que interesses imobiliários tomassem conta da gestão quotidiana deste importante espaço público, fazendo segredo de qual o projeto subjacente.

 

Concluindo o enredo…

Apesar das polémicas geradas em torno da marina de Cascais não se sabe, atualmente, o que se perfila para o lugar. Sabe-se, isso sim, que o discurso institucional da falta de viabilidade económico-financeira da gestão privada tem vindo a impregnar a opinião pública (e partidária), propositadamente fazendo crer que não existem alternativas senão a da conversão para unidades de habitação turísticas, com aumento de construção.

 À semelhança de uma qualquer marina algarvia, parece entender-se que a descaracterização da identidade social e histórica da vila de Cascais é a via escolhida para a prossecução do desenvolvimento turístico. É escusado lembrar que os efeitos deste tipo de crescimento imobiliário (de cariz especulativo) como fonte geradora de riqueza pretere as populações locais, não cria sustentabilidade social, “privatiza” o espaço público, configura mais um atentado ambiental e não é gerador de mais-valia pública.

 Ou seja, qualquer projeto cujo fito seja a mera resolução contabilística da viabilidade económico-financeira não só desresponsabilizará o poder autárquico, como subtrairá interesse, intervenção e utilidade pública. Como vem sendo hábito, os argumentos economicistas e discursos fatalistas estereotipados são utilizados para esconder: (i) a destruição do ido projeto “Cascais Atlântico” (ii) o desinvestimento na cultura e no desporto; (iii) a desconsideração pelo património material e imaterial da náutica tradicional; (iv) o abandono da embarcação histórica, o galeão do sal, “Estou p´ra Ver”; (v) a tacanhez da gestão pública exclusivamente dependente dos interesses privados e (vi) a inépcia política para a administração do espaço público. 

 Para que a marina de Cascais seja elevada, de facto, a eixo de desenvolvimento local é fundamental que exista investimento, escrutíneo e fruição pública. É do interesse comum contribuir para “o aproveitamento das potencialidades turísticas da zona, o fomento dos desportos e turismo náuticos e a criação de melhores condições de abrigo para a frota piscatória local” (Decreto-lei 14/94, de 20 de Janeiro). 

 Para que o mar se possa tornar gerador de riqueza local e para que Cascais possa investir de uma forma social e ecologicamente sustentavel numa economia do mar, a marina de Cascais é um equipamento estratégico público fundamental. Para fomentar a sua efetiva integração na vila dever-se-ia começar por garantir que o “paredão” que se inicia na praia dos pescadores fosse totalmente pedonável (não “fechado” pelo Clube Naval de Cascais), afirmando-o o como caminho público. 

 

Posfácio…

Nesta fase de campanha eleitoral conviria que se tornasse claro o que é pretendido para a marina de Cascais. A lealdade do debate democrático assim o exige! Os cascaenses merecem poder escolher em consciência!

Estarei na luta com todo(as) os(as) que quiserem contrariar o dito popular “água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”, ou neste caso particular, “argumento mole em câmara indecisa, tanto bate até que privatiza”.

 

Leia original aqui

Imprimir Email

  • Visualizações: 1309

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 3)
Share Your Location
Digite o texto apresentado na imagem abaixo. Não está claro?

- Plataforma Cascais no Facebook

Para estar informado(a)

Registo para receber a informação da Plataforma Cascais

captcha