Autenticar
x
ou
x
x
Registar
x

ou
Search - AcyMailing
Search - Remove Shortcode
Phoca Gallery Search
plg_search_kunena
plg_search_docman
Search - Albums
plg_search_weblinks
Pesquisa - Categorias
Pesquisa - Contactos
Pesquisa - Artigos
Pesquisa - Sinais
Pesquisa - Etiquetas

farol002 

OUVIR MÚSICA

Clique aqui para abrir

uma janela de música

Breves apontamentos sobre incêndios: incompetências e negógios.

vlcsnap 2016 09 15 20h22m41s44O debate nacional sobre os incêndios que anualmente destroem a floresta está por fazer.

Entretanto nos últimos dez anos Portugal teve uma área ardida que é quase o triplo da de Espanha que tem um território cinco vezes maior.

A competência pública florestal que existia foi destruída e proliferaram os negócios privados com os incêndios. Hoje há uma teia de complexos e diversificados esquemas de negócio mais ou menos lícito à custa do empobrecimento nacional.

A culpabilização do 'clima',  a hipercentração discursiva no heroísmo dos bombeiros e a sobrevalorização da pequena criminalidade associada vão servindo para camuflar uma problemática que é muito séria e reclama uma tomada de consciência por parte de todos os cidadãos.

Mas a informação alargada e rigorosa sobre o assunto é escondida se não mesmo perseguida.

A seguinte reportagem da RTP é um pequeno contributo para olhar um grande problema.

  • Visualizações: 63

Conversando sobre...o Brasil

23 de Setembro (sexta feira) ~ 21,15h

Associação Humanitária dos Bombeiros de Parede

 Amandio SilvaAmândio Silva, um cidadão da Parede antifascista e combatente pela democracia, recentemente regressado do Brasil fará uma breve exposição e animará o debate que se espera muito participado e diversificado sobre a situação social e política no Brasil.

O 'roteiro' previsto para a apresentação refere os seguintes pontos:

- Divisão de poderes: Executivo, Legislativo, Judiciário
- O Congresso Nacional: sua composição, proliferação de partidos
- Ascensão e declínio do PT-Partido dos Trabalhadores
- Análise do processo de impedimento de Dilma Roussef
- Consequências previsíveis da orientação da equipa Temer
- Eleições presidenciais antecipadas?

Será uma conversa informada mas informal sobre um tema importante que tem despertado merecida atenção em Portugal e no Mundo.

Todos/as os cidadão/ãs que queiram participar estão convidados/as e serão bem vindos

 

Alguns artigos neste site relacionados:

“E por isso, como no passado, resisto”

Artistas e intelectuais brasileiros exigem respeito

Como é que se diz «processo de ajustamento» em brasileiro?

Ela Wiecko demite-se do cargo de vice-PGR

Onde erramos?

Senado consuma golpe de estado no Brasil

E agora, Brasil?

Portugal… a Temer

Michel Temer pode “pedalar”

Leonardo Boff alerta sobre plano para 'recolonizar a América Latina'

Eduardo Cunha cassado e inelegível até 2027 Tornado

A esquerda e a governabilidade: reflexões sobre a armadilha pemedebista

  • Visualizações: 381

O Universalismo Europeu

Universalismo EuropeuNum tempo em que as questões da relação entre povos e pessoas com diferentes culturas e religiões estão na ordem do dia há que chamar a razão esclarecida acima dos 'achismos' mais ou menos emotivos sugeridos pela superficialidade mediática e pela inculcação ideológica dominante.

O contributo de Immanuel Wallerstein para a reflexão sobre o tema é relevante.

"Em O universalismo europeu: a retórica do poder, Immanuel  Wallerstein  desmonta  passo  a  passo a  argumentação  pretensamente  universal  dos poderosos,  à  qual  se  refere  como  universalismo europeu.  O  sociólogo  norte-americano  penetra a fundo  suas  três  principais  manifestações: 1)  a  intervenção  militar em  países  ditos  em  crise promoveria a  democracia e  defenderia  os  direitos humanos,  2)  a  dominação,  ou  a  tutela,  seria  uma forma  de  desenvolver  povos  atrasados;  e  3)  0 império  das  potências  sobre  o  globo  seria  inevitável e  às  outras  nações  não  haveria alternativa  a  não  ser submeter-se ao jugo dos que dominam o mundo"

Ver/baixar: pdf O Universalismo Europeu (1.76 MB)

  • Visualizações: 88

September 11

Em Setembro assinalam-se vários 'setembros', como nos recorda um artigo publicado há dias. Do Setembro das 'Torres Gémeas' muito se tem dito e, provavelmente, muito terá sido omitido. Do Setembro chileno menos se disse e mais se pretende fazer esquecer. Afinal em 1973 ficou (definitivamente?) comprometida a crença de que era possível mudar significativamente o poder pela via das eleições democráticas. Ficou a verificação, dramaticamente confirmada, que os grandes interesses económico-financeiros e o poder geoestratégico hegemónico quando têm o seu predomínio verdadeiramente questionado não olham a meios para recuperar o mando. Esse é um facto que, infelizmente, não se restringe ao passado e do qual abundam exemplos recentes.

Talvez por isso valha a pena relembrar a 'curta metragem' com que Ken Loach  assinalou a relação entre os dois '11 de Setembro'.

 

  • Visualizações: 103

Leonardo Boff alerta sobre plano para 'recolonizar a América Latina'

Leonardo Boff, um dos fundadores da Teologia da Libertação, alerta que os Estados Unidos com governos aliados tentam um processo de recolonização neoliberal na América Latina.

 

na03fo01Em entrevista ao diário Página 12, o ex-sacerdote franciscano brasileiro considera que há uma nova guerra fria que se trava entre Estados Unidos e China. Este último país está entrando na América Latina e Brasil pertence ao Grupo BRICS.

Então, ao atacar o Brasil atacam a China e seus enormes investimentos, sustenta Boff. E argumenta: só no ano passado o gigante asiático investiu 54 bilhões de dólares para a ferrovia que une o Atlântico com o Pacífico, assim como em portos e infraestrutura.

Com isso, obviamente, quer favorecer as exportações ao seu mercado, explica o filósofo e escritor.

Para Boff, Washington vê com maus olhos o avanço das relações de países latino-americanos com Beijing, 'porque eles querem controlar o continente'.

'A ideia chave do Pentágono é dupla. Por um lado, um só mundo, um só império. Pelo outro, cobrir todos os espaços', opina.

E adverte: 'A nós assusta muito que Estados Unidos negocie com Mauricio Macri duas bases militares, uma na Patagônia e outra nos limites entre Brasil, Paraguai e Argentina, próxima do maior aquífero de água doce do mundo'.

Assinala que assim como no Paraguai, Honduras e Brasil, a tendência neoliberal se confirma com as políticas de Mauricio Macri. 'Na Argentina, o Estado assume hoje uma política privatista e não discute mais com a sociedade. Fala com as empresas'. Boff opina que não se pode analisar Argentina ou Brasil unicamente a partir de um dos dois países, nem analisar as duas maiores nações da América do Sul sem analisar a tentativa dos Estados Unidos de alinhá-las a sua estratégia imperial.

Brasil tem um mercado - explica - de mais de 200 milhões de habitantes. Em 13 anos do Partido do Trabalhadores no governo ficou demonstrado que há dois projetos em jogo. Os dois querem ser democráticos. Mas a democracia neoliberal é para poucos. Faz políticas ricas para os ricos e pobres para os pobres, acrescenta.

O teólogo resenha que o Banco Mundial já afirmou que a maior acumulação de capital se faz no Brasil.

'São os capitalistas mais antipopulares e mais antissociais, têm grande parte das fortunas fora do país, em paraísos fiscais, e operam por sociedades off shore', acrescenta em sua tese.

É um exemplo, justamente, dos dois tipos de democracia. A reduzida, de Estado mínimo e mercado máximo, com ataque aos projetos sociais. O outro tipo de democracia, que no Brasil foi o de Lula, é o da democracia inclusiva, aberta a todos, conclui Boff.

jha/mh/mm


Entrevista completa aqui (Página 12).

  • Visualizações: 111

Vamos ao Teatro em Cascais!

0023Vamos todos ao Teatro, ver "A Tempestade de Shakespeare" os actores agradecem e merecem! 

A encenação do Grande Mestre Carlos Avilez!

 

Teatro M. Mirita Casimiro, Cascais
Até 4/8 || 3.ª a sáb., 21h; dom., 16h 
€10

  • Visualizações: 65

"A humilhação não pode ser uma tradição académica"

publicado in  in GERINGONÇA

0026

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior teve a gentileza de nos receber para falarmos sobre praxes académicas. Fica aqui um apanhado da conversa que tivemos com Manuel Heitor, em exclusivo para a Geringonça.


As posições que tem assumido nesta questão têm suscitado críticas por parte de alguns que defendem as tradições académicas.

A tradição académica só pode estar associada à cultura científica e a movimentos de liberdade e emancipação dos jovens pelo conhecimento e não deve ser confundida com quaisquer manifestações de abuso, humilhação e subserviência a que assistimos na praxe académica. A humilhação não pode ser uma tradição académica. E não há praxes “boas” nem “más”: qualquer iniciativa baseada na humilhação dos mais novos pelos mais velhos deve ser combatida. A valorização das tradições académicas não pode legitimar que se humilhe a autoestima dos mais novos. Temos de conseguir valorizar socialmente a entrada no ensino superior sem recorrer à humilhação.

Quando diz “valorizar socialmente”, considera que esse fenómeno tem uma dimensão social?

O processo das praxes é um processo muito complexo em si, por estar a ser valorizado socialmente em muitos meios e ambientes, nomeadamente em famílias em que os jovens representam a primeira geração que teve a oportunidade de aceder ao ensino superior. Há jovens, sobretudo nesses meios, que são eventualmente estimulados para serem “praxados”. E por isso importa tentar perceber as raízes sociais desses movimentos, para melhor lançarmos movimentos efetivos de promoção da cultura cientifica que contrariem essas perceções e atitudes. É precisamente com esse intuito que solicitei um estudo de caráter sociológico sobre a realidade das praxes em Portugal.

Que contributos espera que esse estudo ofereça?

Continue a leitura

  • Visualizações: 415

Para entender a crise financeira

Vivemos ainda hoje a sucessão de consequências da crise financeira de 2008.

Em Portugal temos mais clara, que nunca, a realidade de uma Banca e de um modelo de financiarização que nada deve ao rigor e à credibilidade.

Uma das melhores caraterizações da(s) 'crise(s) financeira(s)' ficou plasmada nesta rábula que, anos mais tarde, continua atual.

  • Visualizações: 65

O discurso histórico de Putin em Sochi

Esta é uma visão da situação mundial que vale a pena conhecer. Fornece-nos um conjunto de dados e perspetivas a ter presenta na nossa própria análise.

O documento que transcrevemos foi obtido em "odiario.info"

VladimirPutin_ValdaiNo dia 24 de Outubro de 2014, Vladimir Putin pronunciou em Sochi, no Clube Valdai de Discussão Internacional, um discurso histórico que foi praticamente ignorado pelos grandes media dos Estados Unidos e da União Europeia.
Foi uma resposta contundente e oportuna à agressiva estratégia de dominação mundial do imperialismo norte-americano, ampliada pelo presidente Barack Obama.
Transcrevemos abaixo na íntegra esse importante Documento, que não perdeu atualidade. Ao relembrar que os EUA destruíram o Sistema de Segurança Coletiva Universal existente, Putin advertiu Obama de que a Rússia não está disposta a submeter-se ao «Império do caos americano» imposto por Washington

Transcrevemos abaixo na íntegra o discurso de Putin:

«Já foi dito que este clube tem novos organizadores. Incluem organizações não-governamentais russas, grupos de especialistas e universidades. Pensou-se também em alargar as discussões para incluir não apenas assuntos relativos à Rússia mas também à economia e políticas globais.

A organização e o conteúdo apoiam a influência do clube como um fórum de discussões e especializações. Ao mesmo tempo, espero que o «espírito Valdai» permaneça — esta atmosfera livre e aberta e a oportunidade de expressão de opiniões francas e diversas.

Deixem-se afirmar que também não vou desapontar-vos e falo de uma maneira franca e direta. Por vezes parecerei brusco, mas se não falar com franqueza sobre o que penso, não vale a pena estarmos neste encontro. Seria então melhor continuar as reuniões diplomáticas, onde ninguém diz algo de interesse e lembrando as palavras de um famoso diplomata, sabem que os diplomatas têm língua para não falar a verdade.

Juntamo-nos por outras razões. Juntamo-nos para falar francamente uns com os outros. Precisamos de ser hoje francos e diretos não para fazer negócios mas para ir ao fundo do que realmente está a acontecer no mundo, tentar entender porque está o mundo a ficar menos seguro e mais imprevisível, e porque são cada vez maiores os riscos à nossa volta.

Continue a leitura

  • Visualizações: 68

Lembrança de uma amiga que partiu

Um espaço de nada

Por íntima deslocação do sujeito

Para espaços de outrem

Nascem as catástrofes humanas

E as maravilhosas aventuras

 

Entre catástrofes e aventuras

Um espaço de nada

Um nada de tempo

Variações de ser

 

2016 09 04 0.jpg 10Aquando da morte de Isabel Barreno talvez os media e as entidades públicas pudessem olhar com alguma seriedade uma das várias causas por que lutou empenhadamente: o ensino da língua portuguesa no estrangeiro.

Talvez as televisões tivessem uma boa (ainda que certamente breve) razão para substituírem a retórica lamechas e mentirosa sobre os orgulhosos e saudosos emigrantes com que nos infestaram durante o mês de Agosto por um racional minimamente inteligente e verdadeiro.

Poderiam começar por ler 'Um Imaginário Europeu' que começa assim:

"Como ensinar português a crianças que têm vergonha de ser portuguesas ?

Como lhes retirar essa vergonha se ela é simultaneamente incutida pela sociedade francesa, onde nasceram e crescem, e pela sociedade portuguesa, que visitam e escutam através de familiares, amigos, conhecidos e desconhecidos ?
500 9789722113656 um imaginario europeuExagero dirão muitos. Ou equaciono a questão pelo seu lado mais negativo. A maioria das crianças portuguesas ou lusodescendentes que vivem em França não terá - ou já não terá - vergonha das suas origens portuguesas, diz-se. Mesmo quando a auto-estima é baixa, e os resultados escolares fracos.  As crianças já ouvem falar de Portugal, ou já o conhecem, de uma outra forma, diz-se.

É muito possível. Mas, chegada a Paris em 1997, para dirigir os serviços da Coordenação do Ensino de Português, rapidamente me dei conta, com acontece com todos os que para aqui vêm trabalhar, da imagem negativa de Portugal vigente nestas paragens gaulesas. Uma imagem cujo conteúdo é ainda predominantemente fornecido pelos estereótipos construídos com base na emigração maciça dos anos sessenta e setenta, sem nenhuma actualização posterior: país inteiramente rural, de pobreza e resignação extremas, do qual as pessoas têm que fugir para conseguir padrões de vida menos terceiro-mundistas. "

 

 

http://caras.sapo.pt/famosos/2016-09-04-Morreu-Maria-Isabel-Barreno

https://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/morreu-maria-isabel-barreno-uma-das-tres-marias-1743111

  • Visualizações: 122

Intimidação e subsidiodependencia são duas 'ferramentas' do poder em Cascais.

0007A descrição de acontecimentos relativos à construção do Pavilhão Desportivo de Sassoeiros, recentemente publicada por Rui Ribeiro, no seu blogue 'Pensar Mais Cascais' vale a pena ser lida.

Ilustra algo que todos quantos conhecem a governação de Cascais há muito aprenderam: as ameaças e o uso arbitrário dos subsídios são instrumentos usados quotidianamente pela maioria absoluta instalada na Câmara.

O recurso a 'serviços de informação' e aos Tribunais como ameaça chantagista (tudo pago à custa dos elevados impostos dos munícipes) são, também, práticas correntes desta maioria.

A explicitação destas realidades está bem visível quando o autor afirma:

 "Miguel Pinto Luz começou por afirmar que estavam preocupados com o teor de um blogue denominado “Agenda Cascais 31”  http://agendacascais31.blogspot.pt/ e que tinham encomendado uma investigação sobre o(s) autor(es) com a intenção de os processar. Tal investigação, que envolveu avaliações da origem do IP com equipamento de rastreio,(...)

É engraçado que a mesma acusação de autoria do blogue, num prazo de 15 dias, foi feita a duas outras pessoas que conheço!
Mas, na verdade, o apoio devido e prometido pela CMC ao Clube de Futebol de Sassoeiros passou a ser uma moeda de troca para suster a crítica ao Presidente Carreiras e aos seus vereadores Pinto Luz e Nuno Piteira!(...).
 
Com a devida vénia aqui fica o texto integral sobre um triste episódio da nossa vivência cidadã em Cascais.
 
 

Continue a leitura

  • Visualizações: 426

- Plataforma Cascais no Facebook

Para estar informado(a)

Registo para receber a informação da Plataforma Cascais

captcha