Autenticar
x
ou
x
x
Registar
x

ou
Search - AcyMailing
Search - Remove Shortcode
Phoca Gallery Search
plg_search_kunena
plg_search_docman
Search - Albums
plg_search_weblinks
Pesquisa - Categorias
Pesquisa - Contactos
Pesquisa - Artigos
Pesquisa - Sinais
Pesquisa - Etiquetas

farol002 

OUVIR MÚSICA

Clique aqui para abrir

uma janela de música

População não abdica dos CTT

Vigílias dos utentes dos CTT na cidade de Lisboa e no concelho de Loures marcam a agenda de protestos desta quinta-feira contra o encerramento dos serviços públicos.

População e autarcas, designadamente o presidente da Câmara Municipal do Seixal, manifestaram-se esta quarta-feira contra o encerramento do posto dos CTT em Aldeia de Paio Pires              Miguel A. Lopes / Agência Lusa

A primeira acção de protesto foi dinamizada ao início da tarde pelo Movimento de Utentes dos Serviços Públicos (MUSP), junto à estação das Olaias, no Areeiro, uma das três que os CTT pretendem encerrar na cidade de Lisboa.

Pelas 17h, aComissão de Utentes dos ServiçosPúblicos da União de Freguesias de Camarate, Unhos e Apelação, no concelho de Loures, realiza uma vigília contra o encerramento da estação dos Correios de Camarate.

A estação dos CTT de Camarate integra a lista de 22 estações que o grupo pretende encerrar a nível nacional. A população contesta o fecho da estação, bem como o argumento avançado pela empresa de que as estações visadas têm «pouco movimento».

A comissão de utentes admite que esta estação serve cerca de 35 mil habitantes e atende diariamente uma média de 200 pessoas, em particular idosos e empresas locais.

A «degradação do serviço prestado», designadamente o atraso na entrega da correspondência, é outra das queixas manifestadas pela população.

«Novo ataque ao serviço público»

Para amanhã, o MUSP tem agendadas vigílias junto às restantes estações dos CTT que a administração pretende encerrar na capital. Pelas 10h, está marcada uma concentração junto à do Socorro, na freguesia de Santa Maria Maior. Uma hora depois, realiza-se uma acção junto à estação da Junqueira, em Alcântara.

O movimento apela aos utentes para que lutem contra o «novo ataque ao serviço público de proximidade prestado pelos CTT (...), integrado no processo de destruição do serviço postal público e universal iniciado com a privatização», posta em marcha pelo governo do PSD e do CDS-PP.

Em Abrantes, no distrito de Santarém, a Comissão de Utentes dos Serviços Públicos do Concelho pôs a circular um abaixo-assinado em defesa da estação dos Correios na freguesia de Alferrarede. No texto introdutório sublinha-se que os «CTT privatizados ligam mais aos lucros do que ao serviço que deviam prestar às populações».

 

Ver original aqui.

  • Visualizações: 17

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 3)
Share Your Location
Digite o texto apresentado na imagem abaixo. Não está claro?

- Plataforma Cascais no Facebook

Para estar informado(a)

Registo para receber a informação da Plataforma Cascais

captcha