Partidos

Os quatro piscas

(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 17/05/2019)

Daniel Oliveira

(Daniel Oliveira defende que as decisões zigzagueantes do PS podem ser compreendidas à luz das ambições pessoais de António Costa em aceder a um cargo europeu de relevo, eventualmente a Presidência do Conselho Europeu. A ser verdade, e se o conseguir, vai deixar uma multidão de orfãos no PS, e mesmo noutros sectores de esquerda. Sobretudo se o seu sucessor, na liderança do PS, for o truculento Santos Silva como também o Daniel profetiza.

É que, a ser assim, nesse dia o PS entrará irremediavelmente na via da pasokização. As tendências europeias demoram a chegar cá mas acabam sempre por marcar presença.

Comentário da Estátua, 17/05/2019)


 

A mensagem de apoio de António Costa a Emmanuel Macron não mereceu interesse dos jornalistas. Estamos numa campanha para as europeias e seria um disparate perder tempo a falar da Europa. Costa apresenta a coisa como uma aliança progressista que vai de Macron a Tsipras. Chamar de progressista a uma aliança que junta o mais impopular Presidente da história recente de França, responsável por uma reforma ultraliberal da lei laboral, e o homem que, traindo o voto do seu povo, aplicou um programa de austeridade muitíssimo mais violento do que o de Passos, é obra. O Alexis Tsipras progressista foi aquele que Costa acusou, em 2015, de combater a Europa de forma “tonta”. Este é apenas um náufrago.

No comício de Estrasburgo em que Costa participou através de um vídeo estavam os Ciudadanos espanhóis, o Partido Liberal alemão, o Em Marcha! de Macron, vários partidos de centro-direita, e, da ala mais à direita dos socialistas, apenas o Partido Democrático italiano. Nesta aproximação ao centro-direita, Costa deu um passo inédito: transferiu o apoio ao PS francês, partido a quem o PS deve muito na sua história, para o centro-direita. Mário Soares deve estar a dar voltas na campa.

Costa tem dito que o caminho português é um exemplo para a Europa. E é assim que a esquerda europeia olha para cá. Estranharão que quem se faz exemplo de unidade à esquerda traia a sua própria família política na Europa para se aliar ao centro e à direita. Qual dos Costas se enganou? O europeu ou o nacional? Nenhum deles.

Costa alimentou uma crise com um discurso para a direita, apoia Macron contra o PS francês para ganhar o centro na Europa e canta o “Bella Ciao” para entreter a esquerda. Já não pisca para a direita e para a esquerda, põe os quatro piscas ao mesmo tempo

Há quatro anos, acreditei que António Costa tinha sabido juntar os seus interesses pessoais a um olhar estratégico sobre o futuro dos socialistas, de maneira a dar-lhes espaço para não ficarem dependentes da direita para governar, salvar o PS do destino dos seus congéneres europeus e mudar o rumo da governação, com a construção de um bloco maioritário à esquerda. A fabricação da crise dos professores matou essa ilusão. Muitos olharam para ela pelo seu valor circunstancial – o conflito com a Fenprof – ou pelo seu objetivo tático – conquistar votos à direita.

Mas o objetivo estratégico era mais relevante: romper unilateralmente e de forma não explícita, e portanto sem custos, a geringonça. Costa está a abandonar os seus aliados externos e internos para se deslocar para o centro. E Augusto Santos Silva é o teórico desta estratégia. Acredita que será ele o Tony Blair português, sucedendo a Costa se ele for para a Europa.

António Costa sonha, talvez com excesso de otimismo, com a presidência da Conselho Europeu. Como se viu com Barroso ou Constâncio, a carreira europeia é o sonho dos políticos sem rumo mas com ambição. Internamente, precisa de se descolar da esquerda e, ainda assim, garantir um bom resultado nas eleições. Na Europa, precisa de estar no barco do centro e do centro-direita que não está com o PPE. Não é o escombro dos socialistas que lhe dará qualquer futuro. A solidariedade socialista fica para consumo interno, com a participação do candidato holandês à presidência da Comissão Europeia, Frans Timmermans, na campanha. Como há quatro anos, as alianças têm uma utilidade pessoal.

António Costa alimentou uma crise com um discurso para a direita, apoia Macron contra o PSF para ganhar o centro na Europa e canta o “Bella Ciao”, como hino da candidatura europeia, para entreter a esquerda, que fica apenas com a melodia. Já não pisca para a direita e para a esquerda, põe os quatro piscas ao mesmo tempo.

Estando nós em campanha para as europeias, seria normal que isto estivesse no centro do debate político. Isto, e o facto de Paulo Rangel e Nuno Melo apoiarem, para presidente da Comissão Europeia, Manfred Weber, o homem que pediu sanções para Portugal quando nos reerguíamos da crise. Como a comunicação social é viciada na irrelevância, é possível fazer um discurso cá dentro e outro lá fora. Juntar a esquerda cá dentro e fazer uma geringonça de centro-direita lá fora. Ser patriota cá dentro e apoiar quem nos tentou lixar lá fora. Porque é que ninguém liga às europeias? Porque elas não têm nada a ver com a Europa, com Portugal e com nada.Voltar ao topo

Ver original em 'A Estátua de Sal' (aqui)

Jerónimo afirma que "chantagem" do PS revelou convergência com a direita

O secretário-geral do PCP disse hoje, em Benavente, que a "operação de chantagem de demissão do Governo" veio mostrar a convergência do PS com a direita e o "fito" de alcançar vantagem eleitoral.

Jerónimo de Sousa discursava no final de um almoço que reuniu cerca de 300 pessoas em Benavente (distrito de Santarém), no qual fez um apelo ao reforço do voto na Coligação Democrática Unitária (CDU, que junta o PCP aos Verdes e à Intervenção Democrática) num ano de "importantíssimos combates eleitorais".
"Aquilo a que assistimos nos últimos dias à volta da demissão do Governo a pretexto da reposição do direito à progressão de carreiras dos professores e restantes trabalhadores com carreiras especiais é bem revelador [...] de como PS, PSD e CDS continuam irmanados na obediência à submissão às imposições da União Europeia, colocando-as à frente dos direitos dos trabalhadores e da resposta aos problemas nacionais", afirmou.

Para Jerónimo de Sousa, a "ameaça de demissão do Governo a cinco meses de eleições é denunciadora dos seus propósitos" e foi feita "com o fito de obtenção de uma possível vantagem eleitoral, a pensar que a precipitação das eleições pudesse deixar o PS perto da maioria absoluta".


O líder comunista considerou "particularmente reveladores" os argumentos utilizados pelo Governo e pelo PS, ao "repor o velho discurso da política do PEC e do 'pacto de agressão', embrulhado na apocalíptica ameaça da insustentabilidade financeira" e de que "não há alternativa".

Jerónimo de Sousa afirmou que depois da "ameaça" de demissão do primeiro-ministro, António Costa, foram muitos os que pediram ao PCP para não deitar o Governo abaixo e não deixar a direita regressar, até invocando, em relação às reivindicações, que "não se pode ter tudo ao mesmo tempo", o que o levou a "partilhar uma reflexão".

"Então, o mesmo Governo que diz, acompanhado depois pela direita, que não há possibilidade, segundo os critérios da União Europeia e as disponibilidades orçamentais, que concretizar esta medida não tinha sustentabilidade orçamental, financeira. Ai não? Então, camaradas, vamos lá a contas", desafiou, apontando o que se passou com o Novo Banco.

"Reparem, a mesma verba que anunciaram para os professores -- que é falsa, porque é para todos os setores da Administração Pública --, é precisamente a verba que o Novo Banco está a receber sem nenhuma preocupação por parte da União Europeia, do Governo do PS, da direita, de que isso iria atrasar as contas públicas".

"Ou seja, dois pesos e duas medidas. Quando se trata do grande capital, dos banqueiros e da banca, mãos rotas para os amigos. Quando se trata de direitos dos trabalhadores, aqui d'el rei que não tem sustentabilidade orçamental", declarou.

Para o líder comunista, a "operação de chantagem de demissão do Governo" e o que se passou a seguir veio mostrar a "convergência" do PS com o PSD e o CDS e confirmar que o que permitiu alguns avanços na reposição de direitos "não foi o PS, mas as circunstâncias e a correlação de forças na Assembleia da República".

Advertindo que uma maioria do PS nas próximas eleições irá travar esse avanço, Jerónimo de Sousa afirmou que a CDU não aceitará um "caminho de retrocesso", apelando à votação no partido já nas eleições europeias do próximo dia 26 para que haja um reforço dos deputados "que defendem os trabalhadores e o povo" e não dos que "vão obedecer às imposições europeias, como PS, PSD e CDS".

Lusa | Notícias ao Minuto

Ver o original em 'Página Global' na seguinte ligação:

https://paginaglobal.blogspot.com/2019/05/jeronimo-afirma-que-chantagem-do-ps.html

PSD, CDS-PP e PS chumbaram renacionalização dos CTT

Na hora de votar a recuperação da empresa estratégica nacional, PS, PSD e CDS-PP votaram contra, enquanto o PAN se absteve.

CréditosTiago Petinga / Agência Lusa

Os projectos de lei do BE, pela nacionalização dos CTT, e do PCP, que defendia o regime de recuperação do controlo público dos Correios, tiveram votação idêntica. As bancadas do PS, PSD e CDS-PP, juntamente com o deputado não inscrito, Paulo Trigo Pereira, rejeitaram os diplomas e o PAN absteve-se.

Na votação do projecto de resolução do PEV pela reversão da privatização dos CTT, a única diferença foi o voto do deputado não inscrito, que votou favoravelmente o diploma, em sintonia com as bancadas do BE, PCP e PEV. 

O contrato dos CTT para o serviço postal universal termina no final de 2020. Apesar dos contínuos encerramentos que ameaçam vastas zonas do território, havendo já 33 concelhos sem serviço postal, no mês de Janeiro o primeiro-ministro António Costa refugiu-se na duração do contrato de concessão e no papel que o regulador deve exercer para concluir que «não nos devemos precipitar porque temos que cumprir as regras». 

A raposa, a tartaruga e a lebre

(Vítor Matos, in Expresso Diário, 16/02/2019)

costa_rio_cristas

António Costa organizou uma festa de propaganda em Gaia a lançar Pedro Marques para Bruxelas. Foi uma montra. Rui Rio organizou a Convenção da Comissão Estratégica Nacional (CEN) para o mesmo dia, para ouvir a sociedade civil e preparar o programa do partido. Seria uma montra de ideias. Assunção Cristas antecipou-se e agiu de véspera para marcar a agenda com a moção de censura, apontando a Costa – é um “nado morto”, disse o primeiro-ministro – mas o efeito é para acertar em Rio. A política é para gamers. Este fim-de-semana a competição foi entre o astuto Costa, a velocista Cristas e o fundista Rio.

Os socialistas abriram este sábado a nova fase de uma campanha que começou com a aprovação do Orçamento. As Europeias são o aquecimento para as legislativas e António Costa começa a pôr no terreno a história que quer contar para conter as dificuldades do momento ao mesmo tempo que põe gelo nos pulsos dos parceiros.

“Prometemos com conta, peso e medida”, disse o secretário-geral do PS perante o partido. É o mote para contrapor à contestação social e amainar reivindicações, mas também fala para esquerda e direita. É a moderação como trunfo. Este é o discurso. O resto é ação.

O primeiro-ministro é uma raposa. Com a remodelação, Costa – o hábil – mexe as peças do seu xadrez a preparar o novo ciclo suportado em algumas caras novas e num Governo que só precisará de ajustamentos na próxima legislatura (os ministros da Educação e Ensino Superior continuarão? Marta Temido manterá o lugar?) Os jovens ascendem a posições seniores fora da zona de conforto e Pedro Nuno Santos tem a sua prova de fogo num ministério com as Infraestruturas a cair aos bocados e sem o dinheiro dos fundos europeus que será autonomizado noutro ministério – para outro homem de confiança de Costa. O “pedronunismo” tem um ministério de desgaste. Não será fácil.

À direita, dois ritmos: uma lebre e uma tartaruga. O PSD vai devagarinho, cumprindo o calendário pré-estabelecido por Rui Rio, ao estilo de atleta fundista (só sprinta em caso de necessidade, como quando se viu apertado por Montenegro). Este sábado, a convenção do CEN em estilo de Estados Gerais, passou a ideia da política séria que o líder do PSD quer que seja a marca de água da sua diferença. Política sem politiquece, mas ainda com baixa intensidade, para Rio mostrar que não é como os outros, que procura o conteúdo, para contrastar com um PS em campanha eleitoral pura. O PSD há-de lá chegar. Mas uma convenção com painéis temáticos à porta fechada não dá um retrato de um partido aberto. Não fazemos ideia do que foi debatido em cada um dos 17 grupos temáticos, a não ser o que disseram depois oficiosamente alguns porta vozes. Na maior parte os casos, formularam ideias genéricas. Mas a iniciativa gera a expetativa de o PSD, daqui a uns meses ter um programa com bandeiras mobilizadoras.

O CDS é a lebre. Assunção Cristas tem pressa em aproveitar os espaços vazios que o PSD vai deixando. Se nem sempre a rapidez é a jogada avisada, no curto prazo rende. A moção de censura é um favor ao PS que serve para obrigar o PSD a posicionar-se. Cristas vai forçar Rio a contradizer-se seja qual for a sua opção: se votar a favor da moção de censura, o líder do PSD entra em contradição com a sua filosofia de não fazer oposição pela oposição em nome da tática e dos títulos de jornais; se votar contra, abre caminho a Cristas que vai assumir-se mais ainda como a única que se opõe verdadeiramente a Costa, encostando o PSD ao PS; caso se abstenha, dá a imagem de um líder fraco que não se quer comprometer nem melindrar o PS e continua a dar espaço ao CDS.

Rui Rio, porém, sem falar do assunto, voltou a mostrar este sábado qual é o seu guião: “A política só faz sentido se for para resolver os problemas das pessoas. Não tem qualquer utilidade quando é exercido em torno de guerras partidárias estéreis ou conduzida por temas virtuais, que podem alimentar notícias, mas que nada dizem ao cidadão”. Se estas frases servem de argumento, em breve saberemos como vai posicionar-se o PSD.

Os jogos começaram. Daqui a uns meses veremos qual dos personagens desta fábula escolheu a melhor estratégia.

 

Ver original em 'A Estátua de Sal' (aqui)

Por que razão o conflito interno no PSD é estrutural?

(Pacheco Pereira, in Público, 19/01/2019)

JPP

Pacheco Pereira

A forma actual deste conflito e a que é estrutural tem que ver com a composição dos quadros dirigentes de um partido, a sua carreira e fonte de poder.


Pesem embora os vaivéns da sorte e azar das direcções do PSD, a actual e as anteriores, há uma razão para que o conflito interno seja endémico e estrutural, ou seja, não acabe. Pode ser mais vocal e aberto, ou mais abafado e de intriga, mas está lá. Mesmo quando há manifestações unanimistas à albanesa — lembro-me de um congresso quando Santana Lopes era primeiro-ministro em 2004, o do “menino guerreiro” — o conflito está lá por baixo; aliás, não demorou muito a vir ao de cima. O poder atenua-o a maioria das vezes, mas é um lugar-comum dizer que isso sempre acontece. E não é apenas uma situação estável e “habitual”, mas tem conhecido um agravamento considerável nos últimos anos.

Por que razão isso acontece? É uma marca própria do PSD ou existe nos outros partidos de dimensão idêntica, em particular no PS? A resposta é sim — é um problema comum ao PS e ao PSD, mas a composição social, história e cultura política marcam diferenças, embora o fundo do conflito seja idêntico. Não tem que ver nem com política nem com ideologia, nenhuma das quais tem papel significativo, e mesmo os alinhamentos de esquerda e direita não são muito relevantes em conflitos que têm uma componente “oportunista”, ou seja, de oportunidade, posição e expectativas. A forma actual deste conflito e a que é estrutural tem que ver com a composição dos quadros dirigentes de um partido, a sua carreira e fonte de poder. A principal distinção tem que ver com carreiras internas, aparelhísticas, e carreiras que dependem do prestígio social externo, seja na economia, na cultura, na sociedade, na academia, seja no âmbito profissional. A mudança que tem ocorrido nos grandes partidos é o peso crescente de quadros com carreiras interiores e o escasso recrutamento e poder partidário dos militantes cujo poder vem do prestígio social e profissional. Os recrutamentos tecnocráticos de “independentes” para os governos são um efeito perverso desta situação.

Um partido como o PSD (e o PS) tem hoje um número significativo de quadros cuja carreira é puramente interior ao partido e às suas estruturas. Mesmo quando exercem cargos exteriores fazem-no na área da confiança política como comissários do partido para as áreas da saúde, educação, segurança social, emprego, juventude, ou no interior de governos e autarquias, na verdade como delegados políticos, os chamados “boys”, ou na administração de empresas municipais. Observam-se os curricula e todos têm um traço comum: quase nenhuma experiência profissional genuína, no Estado ou em empresas, percursos académicos medíocres ou inacabados, na maioria das vezes em escolas privadas cujo grau de exigência é pequeno, contrastando com uma sucessão de cargos políticos.

A fonte do seu poder é interior: é o lugar dentro das estruturas partidárias e os “lugares” que essa estrutura tem dentro e fora do partido. Qualquer perturbação quer nessa fonte de poder interno, quer na fatia de lugares que uma estrutura controla, desde deputados, secretários de Estado, delegados regionais disto ou daquilo, autarcas, gera enormes conflitos, muitos dos quais não chegam sequer ao conhecimento público, porque se passam em áreas remotas da vida partidária sem escrutínio mediático. Mas, dentro, toda a gente sabe que existem.

Seguem-se alguns exemplos de personalidades com uma parte activa nos conflitos partidários, a partir de curricula oficiais, nalguns casos de entradas na Wikipédia de que se percebe serem eles mesmos autores. Vão todos no masculino: A., “percurso associado ao mundo autárquico”, deputado; B., advogado, sem exercício da profissão, cargo autárquico, lugar numa administração de uma empresa municipal, deputado, secretário de Estado adjunto, numa área de controlo político; C., advogado, sem exercício da profissão, dirigente partidário juvenil, deputado; D., frequência universitária, dirigente partidário juvenil, autarca, administrador de várias empresas municipais, deputado; E., advogado, a sua firma de advogados tem uma parte importante de contratos com autarquias dirigidas pelo partido, dirigente partidário juvenil, deputado; F., licenciatura em Direito, “trabalho jurídico”, dirigente desportivo, vereador, deputado, etc., etc.

É interessante observar nestes curricula o carácter vago da descrição de funções profissionais, e o detalhe, muitas vezes obsessivo, da descrição de funções políticas. É também comum a enumeração de funções irrelevantes ou muito passageiras, dentro de um quadro de autoconsciência de quem os faz de que não tem um curriculum por aí além. É também nestes curricula que têm origem muitos “casos” de falsas declarações, com cursos fictícios, e títulos académicos inexistentes.

Significa isto que os conflitos endémicos dos partidos com acesso ao poder são entre quem “vive de dentro” e quem “vive para fora”? Só numa pequena parte, porque os partidos estão muito desertificados de quadros com prestígio social fora, e aí o PSD está pior do que o PS. O que se passa é que, com este tipo de composição interior, os conflitos tendem a ser entre grupos muito semelhantes nas fontes do seu poder, lutando entre si pelos lugares escassos, ou pelo lugar na hierarquia partidária que permite promover os “seus”. É também por isso que há uma crise na relação entre os partidos e os cidadãos, com a distanciação progressiva dos jogos de poder interno, e a capacidade de mediação e representação dos partidos políticos em democracia.

Este círculo vicioso só se rompe de fora para dentro, e nunca de dentro para fora.

 

Ver original em 'A Estátua de Sal' (aqui)

A comprovada incompetência dos políticos apartidários

A confissão do presidente da Câmara de Borba em como conhecia desde 2014 os riscos de derrocada na estrada, que viria a ser notícia neste ano de 2018 - com cinco vítimas mortais, que poderiam ter sido muitas mais, se tivesse ocorrido em dia e hora de maior tráfico rodoviário! - atesta a razão porque rejeito os entusiasmos mediáticos com movimentos de cidadãos, que concorram às autarquias, ou com outros de carácter inorgânico como os que organizaram a arruaça dos coletes amarelos. Uns e outros, por muito progressistas que se assumam, contribuem sempre para minar a necessária confiança, que os eleitores devem ter nos partidos. Como costumo dizer a quem contacto durante as campanhas eleitorais, se têm tantas críticas a fazer aos partidos, porque não fazem o que é lógico: aderirem ao da sua menor antipatia, para, por dentro, tentarem que melhor se ajustem às suas pretensões?
Mário Soares era enfático na defesa do princípio de não ser exequível uma Democracia sem partidos. Por isso defendia que eles deveriam ter meios para cumprirem o papel de proporem alternativas diversas quanto aos rumos da governação. Os movimentos, como os que deram a Borba um autarca comprovadamente incompetente, denotam um voluntarismo raramente ajustado às realidades quotidianas de uma gestão complexa como o pode ser um território condicionado por tantas variáveis. Bem podem os jornais e as televisões transformá-los em ambíguos heróis na sua constante desconsideração dos políticos partidários, que só o pudor os leva a reconhecer a evidência das suas falhadas agendas editoriais. Ao contrário do que defendem os diretores de informação dos media a função destes não é a de criticarem permanentemente a governação ou a oposição, como se alguém lhes atribuísse a responsabilidade de serem provedores dos seus imaginários leitores ou espectadores. Devem sublinhar tanto o negativo, como o positivo, mas sobretudo ser-lhes ia exigido imbuírem-se daquilo que há muito deixaram de ser : formadores de uma opinião pública informada e com pensamento crítico.

 

Veja o original em 'Ventos Semeados':

https://ventossemeados.blogspot.com/2018/12/a-comprovada-incompetencia-dos.html

O Governo em coligação negativa contra os professores

(Francisco Louçã, in Expresso Diário, 27/11/2018)

LOUCA3

A injunção parlamentar ao Governo para relançar as negociações com os professores é uma boa intenção e nada mais. A esquerda aprova-a pois quer forçar o Governo a portar-se como se fosse sensato e estivesse preparado para governar. Mas o Governo quer guerra e, como anunciou um dirigente socialista em entrevista na edição passada do Expresso, está convencido de que a “opinião pública” virou as costas aos professores e então é eleitoralmente vantajoso atacá-los. Por isso, o Governo nunca quis negociar de boa-fé com sindicatos que aceitavam um pagamento faseado, portanto com perdas para os professores, e decidiu um decreto-lei para envolver o Presidente e ser chumbado no Parlamento. Agora, aceita o ónus de uma votação do PS isolado para simplesmente recusar o princípio da negociação, o mesmo Governo que não se importará de argumentar noutras matérias que o Parlamento abdicou do poder legislativo visto que o cedeu à negociação em concertação social. Ou seja, o Governo quer arrastar a questão para 2019, mesmo correndo o risco de reforçar uma imagem de cinismo a comandar a política.

Para os professores, isto não chega a ser uma vitória. Foram trapaceados pela direita, que ajudou o PS a recusar a única restrição que afligia o Governo, que era a imposição de uma regra concreta de reposição de carreiras, em cinco ou sete anos. Sem essa regra, o apelo a novas negociações permite uma nova ronda de fingimento e fica-se por aí. Os professores ganharam um símbolo, isso não lhes basta para decidir a contenda. A coligação negativa entre o PS e a direita conseguiu para já um empate duvidoso.

Do episódio sobram, mesmo assim, duas lições que vão ser fundamentais no ano que vem. A primeira é que, como se verifica na questão dos professores ou no discurso comemorativo do terceiro aniversário do Governo, o PS está a correr riscos excessivos. A confiança demasiada é imprudente e, pior, coloca o Governo exatamente onde os seus parceiros queriam, a reclamar aventurosamente uma maioria absoluta que é a proposta política mais arrogante. O PS parece não perceber que, numas eleições em que uma vitória da direita é uma impossibilidade absoluta, o único resultado assustador que pode mobilizar a esquerda será o risco de uma maioria absoluta. Entretanto, para os professores, esta arrogância significa que não haverá negociação. Decerto, um Governo sensato teria tratado do assunto antes do Orçamento e evitaria arrastar a questão; pelo contrário, um Governo atrabiliário semeia a discórdia para tentar efeitos de curto prazo com a divisão da sociedade e um ataque rancoroso aos professores. É isso que os professores vão ter pela frente.

A segunda implicação deste episódio parlamentar é que o PSD está a queimar os navios ao chegar à costa: desembarca na praia do Governo e não consegue voltar para trás. Como se viu, anunciou propostas e atitude mas, ao chegar ao momento do voto, limitou-se a acomodar-se ao Governo sempre que se tratou de limitar os benefícios sociais. Assim, o PSD finge que ouve a sociedade votando a injunção parlamentar mas evita que ela tenha qualquer efeito. Esta política é demasiado arriscada, por se notar exuberantemente. A lógica deste PSD é que pretende evitar que o PS fique obrigado a negociar com a esquerda, mas desse modo conforma-se à sua própria derrota.

Assim, o paradoxo do momento presente é que todos acreditam estar a ganhar: o PSD acha que resulta ajudar o PS; o PS, assim, acredita na maioria absoluta; e é esse mesmo sinal de arrogância que leva a esquerda a convencer-se de que pode evitar tal maioria absoluta e a afirmar uma posição ofensiva.

 

Ver original em 'A Estátua de Sal' (aqui)

O centro e a política

Resultado de imagem para centro
Uma formação oportunista que concorreu às eleições autárquicas de Coimbra, e elegeu vereadores, abordou-me durante a campanha para, legitimamente, me convencer a votar na lista que apresentava.

Perguntei se eram de direita ou de esquerda e disseram-me que não eram uma coisa nem outra. Fiquei esclarecido. Eram de direita.

O que me surpreende é a quantidade de partidos que se reclamam do centro, como se tal abstração passasse de um ponto sem superfície ou volume e aí coubesse o que quer que fosse. Quando muito é uma linha, sem princípio nem fim e, sobretudo, sem princípios.

Na arte da dissimulação, à falta de um programa, há quem reivindique como virtude a ausência de ideias e a desfaçatez do logro.

Em democracia há direita e esquerda, com mais ou menos densidade, e nunca a imitar o vazio que é o ponto e que, em política, não chega a ser de interrogação. É o vazio onde se escondem todos os logros e albergam muitas ambições, uma estratégia para confundir incautos e ocultar a cobardia de quem não ousa definir-se.

Ver original em 'PONTE EUROPA' na seguinte ligação::

https://ponteeuropa.blogspot.com/2018/11/o-centro-e-politica.html

PSD a cair, PS a crescer. Costa embalado, Marcelo superstar

(Ângela Silva, in Expresso Diário, 16/11/2018)

costa_segue

PS continua a subir e o PSD a descer. O BE e o PCP aguentam-se sem oscilações dignas de nota. O partido de Assunção Cristas, que foi de férias em julho com 7,5% das intenções de voto e regressou em setembro com 7,7%, caiu agora para 7%.


Más notícias para a direita, portanto. A soma dos dois partidos nesta faixa do espetro político vale menos oito pontos do que o PS sozinho, já que o PSD voltou a cair e já só consegue reunir 26,8% das intenções de voto. Os socialistas subiram quatro décimas de setembro para novembro e estão com 41,8%, o que confirma uma caminhada lenta mas sustentada rumo à maioria absoluta.

O facto de os seus parceiros à esquerda se aguentarem sem grandes alterações – a CDU sobe uma décima relativamente ao último barómetro, de 6,9% para 7%, e o BE desce três décimas mas fica nos 7,7% – pode não facilitar as contas de António Costa para se bastar a si próprio, mas como o que decide as maiorias absolutas é, antes de mais, a diferença entre o primeiro e o segundo partido, a evolução do PSD, a manter-se, deixa mesmo tudo em aberto para o PS.

PSD A 15 PONTOS DO PS

A popularidade de Rui tem um saldo positivo de 9,8%, mas o partido não resiste ao desgaste dos casos e convulsões internas. Na semana em que o secretário-geral do partido foi apanhado com presenças em sessões parlamentares de onde esteve ausente, o PSD cai de 27,5% para 26,8% das intenções de voto. E fica a 15 pontos do Partido Socialista. Em 2005, quando José Sócrates ganhou a primeira maioria absoluta para o PS, com 45,03% de votos, a diferença para o PSD (que ficou com 28,7%) foi de 16 pontos.

A boa fase do PS de Costa coincide com a aprovação do último Orçamento da legislatura, que fez correr rios de tinta sobre ser ou não eleitoralista, e embora a popularidade do Governo esteja em negativos (-0,3%), a do primeiro-ministro continua a ser avaliada à parte. António Costa surge neste barómetro com um saldo positivo de 34,4%. A léguas dos parceiros da geringonça, já que Jerónimo de Sousa vê a sua popularidade nos 1,6%, acima de Catarina Martins, que não passa de 0,2%. Com melhor popularidade surge Assunção Cristas: a líder do CDS tem um saldo positivo de 3,5%.

O campeão da popularidade continua a ser Marcelo Rebelo de Sousa. O Presidente da República tem um saldo positivo de 64,8%, mais 1,2 pontos do que no anterior barómetro, em setembro. As críticas de que tem sido alvo por parte de alguns sectores da direita que o acusam de continuar a dar um apoio decisivo ao Governo, não parecem beliscar a relação de Marcelo com o eleitorado.


FICHA TÉCNICA

Estudo de Opinião efetuado pela Eurosondagem S.A. para o Expresso e SIC, de 7 a 14 de NOVEMBRO de 2018. Entrevistas telefónicas, realizadas por entrevistadores selecionados e supervisionados. O Universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando em lares com telefone da rede fixa. A amostra foi estratificada por Região (Norte – 20,4%; A.M. do Porto – 14%; Centro – 29,1%; A.M. de Lisboa – 26,5%; Sul – 10%), num total de 1.018 entrevistas validadas. Foram efetuadas 1.188 tentativas de entrevistas e, destas, 170 (14,3%) não aceitaram colaborar Estudo de Opinião. A escolha do lar foi aleatória nas listas telefónicas e o entrevistado, em cada agregado familiar, o elemento que fez anos há menos tempo, e desta forma aleatória resultou, em termos de sexo, (Feminino – 51,9%;0 Masculino – 48,1%) e, no que concerne à faixa etária, (dos 18 aos 30 anos – 16,7%; dos 31 aos 59 – 51,1%; com 60 anos ou mais – 32,2%). O erro máximo da Amostra é de 3,07%, para um grau de probabilidade de 95%. Um exemplar deste Estudo de Opinião está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

Ver original em 'A Estátua de Sal' (aqui)

Nova Sondagem: finalmente uma óptima notícia!

«O PS cai um ponto percentual para 38,9% das intenções de voto (...) Os socialistas são mesmo a força que mais cai relativamente ao barómetro político de Setembro.
Em sentido inverso, o partido liderado por Catarina Martins é o que mais sobe ao ganhar 1,3 pontos para 9,1%. As restantes forças políticas com assento parlamentar (o PAN não é avaliado no barómetro Aximage) praticamente não mexem relativamente à sondagem do mês passado que marcou a rentrée política.»
Claro que, no próximo barómetro da Eurosondagem, o PS terá mais e o Bloco menos: Oliveira e Costa é como o teste do algodão… Mas recordo que a Aximage foi quem mais cedo, e mais correctamente, previu os resultados das últimas legislativas.


..

Leia original aqui

O enlevo de Marques Mendes pela maioria absoluta

(Francisco Louçã, in Expresso Diário, 18/09/2018)

louca2

(Caro Francisco. Deste no 20. A direita que conta, a da finança e dos negócios mais opíparos,  prefere o Costa de calças de ganga ao Rio de smoking, ou à Cristas de vestido de noite. Só há um pequeno “irritante” – para usar uma expressão que se vulgarizou a propósito das relações com  Angola -, é preciso que o PS possa “respirar” o seu “europeísmo” sem o garrote da Geringonça. 

E o pequenote, “o bruxo de Fafe”, lá vai aos domingos fazendo o seu trabalhinho de sacristão da cúria financista. A oeste, nada de novo… ?

Comentário da Estátua, 18/09/2018)


Marques Mendes, um dos dois únicos comentadores políticos na televisão generalista de canal aberto e em horário nobre, a par de Paulo Portas (um terceiro, Júdice, passou recentemente para o canal cabo da sua estação), usa o seu poder com intensidade, arte e manha. Não seria de esperar nada de diferente e cumprimento-o por isso. Para mais, sendo tão conhecida a sua inclinação partidária, dado que foi presidente do PSD, é um comentador que não se esconde atrás de um biombo de santarrona imparcialidade. Essa assunção da sua cor política é uma forma de respeitar os espectadores.

Mas a surpresa vem do que diz. Naturalmente muito concentrado no acompanhamento do seu partido, que desconfiava de Santana Lopes e não gostava de Rui Rio sempre esteve bom de ver. Que por isso atende com alguma indiscreta volúpia aquelas viragens de sentimentos nas reuniões laranjas, tantas vezes sopradas pelos próprios para encherem as sinaléticas de algumas gazetas, isso também é evidente no seu comentário. O que menos se esperaria é o interesse e até o desvelo com que milita em prol da maioria absoluta do PS.

Esse empenho é indesmentível. Marques Mendes pode num domingo embandeirar em arco com uma sondagem que dá o PS a subir, mesmo que longe da miraculosa maioria, mas ignorará depois a sondagem seguinte, que sempre bafejara o partido mas que agora o dá por mais afastado dessa meta. Mendes carregará nas dissensões do seu próprio partido e, suprema ironia, indiscretamente até elogiará Santana pela escolha do enviesado nome de Aliança para a sua aventura, pois elas e ele favorecem o propósito maioritário. Mendes procurará informação, conselho e até conforto junto de fontes autorizadas do primeiro-ministro, pois isso lhe permite fazer anúncios antecipando medidas do governo, o que convém a uns e a outros, mas vai mais longe, assumindo ousadamente as dores das polémicas do executivo, vergastando os críticos de Costa e elogiando as manobras do executivo. Se o PS menospreza os seus parceiros, Mendes desprezará; se o PS os denigre, Mendes metralhará. Ele terá sempre o adjetivo mais afiado, a acusação mais grave e a sentença mais definitiva. Se há debate, Mendes ficará sempre costista, até mesmo cesarista se a tanto for impelido.

Vai nisto uma lógica coerente. A direita que conta, a dos chefes de empresas, da finança, dos bastidores e das pontes entre esses e a política, a dos fundos imobiliários, a das instituições europeias, toda essa gente já desistiu do PSD nestas eleições de 2019 e não leva a sério nem Assunção Cristas nem muito menos Nuno Melo.

Assunto encerrado, esses partidos ou o tal salvador que é convocado ritualmente pelas preces do Observador e de alguns iluminados filhos de Hayek e Reagan, nenhum deles tem préstimo para servir esta elite tão habituada aos carinhos do Estado, os primeiros por fraqueza e o outro por constrangedora inexistência. O PS é o único partido em que confiam para esses favores.

Só que, para cumprir, o PS tem que se livrar da corja de esquerda que obriga a entendimentos contra privatizações, ou a não acelerar as bondosas parcerias público-privado, ou que convoca os fundadores para proteger o Serviço Nacional de Saúde das benesses de um mercado tão ansioso. Aquela esquerda que só pensa em gastar dinheiro com políticas sociais e em diminuir os generosos benefícios fiscais que, como toda a gente sabe, são o motor do desenvolvimento, essa é a razão das nossas dificuldades. Contra tal plebe, o PS precisa da maioria absoluta para cumprir o desígnio de ser o que a direita deseja para o governo deste país à beira-mar plantado. E, sabedor, Mendes atira-se à tarefa, com alto gabarito. Até se arrisca ao paradoxo e suprema ironia de atacar Rio por não ser alternativa a Costa, enquanto defende a omnipotência de Costa contra qualquer putativa alternativa.

Mas que o faça com um ano de antecedência, não lho aconselharia, se bem que o PS cometa o mesmo erro. É precipitação, é tempo demais, as sarrafuscas de agora vão ficar esquecidas, nem se pode manter durante tanto tempo a telenovela. A emoção, a informação plantada, a dúvida, a insinuação, tudo isso tem que atuar depressa, atacar com estrépito, e quem é que aguenta tamanha intriga por um ano inteiro? Os advogados da maioria absoluta estarão um ano a desdizer-se, que isto vai tão bem e que por isso é preciso mudar de estilo de governação, que foi um sucesso e que por isso é precisa uma maioria absoluta para acabar com a confusão, que uma maioria absoluta não é nada parecida com a do anterior governo do PS, por ser aberta como a geringonça, e por isso mesmo ela tem que acabar. Tudo errado. A luta pela maioria absoluta devia ser discreta e mesmo Marques Mendes, que só pode falar com fanfarra pois vive numa televisão, devia entender que o seu costismo é pícaro demais. Como sempre, a ânsia de servir a causa maiorista pode ser contraproducente. Alguém quer um ano a ser industriado pela pose da salvífica maioria absoluta?

Por tudo isto, até sugiro a Catarina e a Jerónimo de Sousa que agradeçam a Marques Mendes. Enquanto ele prossegue a sua cruzada basta-lhes virarem-se para os eleitores e eleitoras e perguntarem candidamente: é mesmo isso que querem?

Ver original em 'A Estátua de Sal' (aqui)

Portugal | Uma oposição sem argumentos

Ana Alexandra Gonçalves* | opinião

Os partidos da oposição, PSD e CDS, têm manifestado uma incomensurável dificuldade em encontrar argumentos para fazer face à "geringonça", ao ponto de amiúde o PAN, outro dos partidos que não entrou na geringonça, e que conta apenas com um deputado, conseguir fazer melhor figura do que os deputados do PSD e CDS.

No entanto, e apesar da indisfarçável inépcia desses partidos, existem argumentos que chegam mesmo a pôr em causa os próprios acordos firmados entre PS, Bloco de Esquerda, PCP e Verdes. E não é de todo difícil encontrá-los. Eles estão bem visíveis em sectores como a Saúde, Educação e transportes públicos. Neste último particular, soube-se agora que a CP não têm dinheiro para garantir a manutenção e subsequente funcionamento de linhas desde o tão maltratado interior do país até Cascais. Em sectores como a Saúde, o desinvestimento do passado a par com a dificuldade que este Governo mostra em repor o investimento perdido compromete não só a saúde dos cidadãos como a sua dignidade. 

Estas dificuldades sentidas nos sectores referidos não só colocam em causa o futuro da geringonça como custarão votos ao Partido Socialista e o estrago só não é maior devido à também já referida inépcia dos partidos da oposição.

Se por um lado a oposição não sabe encontrar esses argumentos que fragilizam o Governo, cabe precisamente ao Executivo de António Costa não os oferecer de mão beijada. No entanto, outra dificuldade, como sabemos, se atravessa no caminho deste ou de qualquer outro governo: A UE, designadamente a Zona Euro e as duas restrições. 

*Ana Alexandra Gonçalves | Triunfo da Razão
 

Ver o original em 'Página Global' na seguinte ligação:

http://paginaglobal.blogspot.com/2018/09/portugal-uma-oposicao-sem-argumentos.html

A LEI É PARA CUMPRIR OU HÁ EXCEPÇÕES?

Authors: Rui Ribeiro in PENSAR MAIS CASCAIS

Por vezes pergunto-me se ainda haverá esperança para a sociedade portuguesa.
Enraizou-se de tal forma o hábito de não ligarmos ao que nos rodeia, não ligarmos aos outros, não pensarmos no todo, na comunidade, que permitimos que os “espertos” ocupem lugares chave na sociedade e nos conduzam à condição de súbditos, de escravos da pouca vergonha.
Sempre entendi que um Partido Político tem que ser uma entidade de bem, tem que defender um modelo claro de sociedade, de soluções para os problemas da comunidade, das pessoas, do território, do país.
Sempre entendi que um Partido Político não é uma coisa abstrata, é o espelho das pessoas que nele militam e especialmente dos que ocupam lugares dirigentes.
Sempre entendi que os dirigentes políticos dos Partidos Políticos têm que ser pessoas de bem, sérios, com pensamento político claro e bem explicado à comunidade que é chamada a acreditar neles e a votar nos diversos processos eleitorais.
Algum dos meus leitores tem lembrança da última vez em que sentiu isso em relação a um Partido Político ou a um dirigente de um Partido Político?
Pois, se quiserem fazer um processo de raciocínio sério não se lembram. Eu também não.
Deixámos de exercer o direito de exigir seriedade e cumprimento das promessas feitas aos nossos políticos há muito tempo. Deixámo-nos adormecer com este cantar das várias sereias que nos entram pelos olhos e ouvidos dentro.
Este problema nem é já um problema de esquerda ou de direita, de PS ou PSD, de BE de PCP, de PAN ou de CDS!
Este problema é sistémico e toca a todos!
Porque não somos exigentes, há muitos anos que os Partidos e os Políticos deixaram de sentir a necessidade de prepararem e apresentarem ao eleitorado um Programa que, após vitória eleitoral, é cumprido escrupulosamente.
Basta dizer mal do últimos a exercer o poder, criticar sem apresentar alternativas, e está feita a campanha eleitoral.
É tão pouco.
E o que mais me arrepia é que passámos a achar este tipo de comportamento normal.
Este meu desabafo surge porque tem sido muito comentado e foi primeira página de um Jornal o fato de Rui Rio ter decidido colocar uma ação em tribunal contra os candidatos do PSD às últimas eleições autárquicas que ultrapassaram os limites legais das despesas com as campanhas eleitorais.
Carreiras fala em caneladas nos colegas de Partido e Miguel Pinto Luz arrasa Rui Rio e culpa-o da falta de unidade partidária.
Também alguns amigos meus, militantes do PSD, vêm às redes sociais dizerem do seu descontentamento com a atitude de Rui Rio.
Depois de 30 anos de militância decidi apresentar a demissão do PSD, vai para quase cinco anos, devido a uma simples razão: um Partido que se permite ter uma secção a “funcionar” como a de Cascais, não pode ser um Partido sério e eu não posso estar lá dentro e ser conivente!
Por isso estas linhas não são de apoio a Rui Rio ou de desapoio, como não têm um significado de militância partidária.
Mas não consigo entender as críticas a Rio por cumprir a Lei.
Não consigo entender que se considere normal que os Partidos possam de forma habilidosa e despudorada, ultrapassar os limites das despesas de campanha quando sabemos que essa é claramente também uma manifesta injustiça para com as listas apresentadas por grupos de cidadãos independentes que não dispõem de apoios ocultos de interesses económicos, ou de empresas municipais, como desconfio que possa ter acontecido em CASCAIS!
Até posso acreditar que a atitude de Rui Rio se mistura entre o cumprimento da Lei e um ataque a alguma da oposição interna.
Mas não aceito os gritos de revolta quanto ao fato de se cumprir a Lei.
A Lei é para cumprir por todos ou é por quase todos?
Os Partidos e os Políticos estão acima da Lei?
Sei que os exemplos são muitos, este das despesas de campanha, as mudanças de morada para receber uns subsídios, o ataque às pensões vitalícias, demonstram que a Lei não é cega quando se trata da sua aplicação!
Pudesse Rio ser assim em todas as suas atitudes, e cortar a direito, e talvez emprestasse um pouco de seriedade à política nacional, que dela tem estado tão afastada!
Mas do atual sistema partidário e da esmagadora maioria dos seus atores, políticos de meia tigela, só espero mais do mesmo – a bandalheira sem vergonha!

Leia original aqui

Santana, o entretém de verão do país mediático

(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 20/08/2018)

Daniel

Daniel Oliveira

(Ó Daniel, o Expresso é assim tão pelintra que não tenha dinheiro para pagar a um revisor dos textos, como se fazia antigamente num qualquer jornal decente? Essa gralha do “uma derrotado” – ainda por cima a sair em caixa alta como citação sublinhada -, é de almanaque. Podem mandar os textos para a Estátua rever que sai tudo nos conformes… ?

Comentário da Estátua, 20/08/2018)


 É a distância do poder, que as próximas eleições tornarão ainda mais asfixiante para a direita, e não qualquer orfandade ideológica que explica a depressão na área do PSD. E a sabotagem dos deputados à direção eleita pelos militantes faz parte do processo de transição na liderança. Uma e outra coisa são um clássico, no PS e no PSD, com as pequenas nuances que as respetivas culturas partidárias impõem. Mesmo a multiplicação de protopartidos de direita liberal, com mais apoiantes nas redações de alguns jornais do que militantes, é apenas um pequeno espasmo desta crise passageira. Duvido que venha a ter grande impacto na geometria partidária portuguesa. Alguns dos candidatos a partidos, como a Iniciativa Liberal e uma tal de Democracia 21, terão o futuro de tantas outros projetos semelhantes do passado: mais notícias do que votos.

Um caso um pouco diferente, por envolver uma figura bastante mediática, é o da “Aliança”. Ainda assim, a excitação mediática parece-me precoce. Prognósticos só no fim do jogo, mas podemos olhar para os sinais. O facto de Pedro Santana Lopes não ter conseguido arrastar ninguém relevante do PSD, mesmo os que sabem que não terão emprego depois das próximas eleições, diz-nos qualquer coisa sobre a inconsistência deste seu projeto. Uma inconsistência ainda mais evidente quando conhecemos as principais linhas ideológicas do novo partido.

Parece que o novo Santana é um liberal na economia e propõe coisas como razoáveis deduções fiscais para os seguros privados de saúde – o que, tendo em conta que a política se faz de escolhas na utilização dos recursos disponíveis, quer dizer desvio de dinheiro do Serviço Nacional de Saúde para o sistema privado –, privatização de parte da segurança social e redução drástica da carga fiscal. Tal como aconteceu com Passos Coelho depois de chegar ao poder, o seu liberalismo acaba no dinheiro. Santana rejeita “visões utilitaristas e egoístas da vida humana”. Para quem queira tradução, é contra a eutanásia. Para quem queira tradução ainda mas clara, Santana, que tem uma visão meramente utilitarista de qualquer convicção, quer deixar claro que agora é um conservador nos costumes. Mas, ao contrário de Passos, Santana é, coisa que nunca tínhamos percebido até hoje, um eurocético.

Fica-se com a sensação que a declaração de princípios foi desenhada por um publicitário, que andou a ver onde havia nichos de mercado disponíveis. E, mais do que uma declaração de princípios, é uma resposta circunstancial ao espaço que Santana acha que Rui Rio deixou livre. É verdade que está ausente da política nacional a representação de sectores conservadores (na economia e nos costumes) e eurocéticos de direita que não estejam colados a uma extrema-direita marginal. Manuel Monteiro tentou e não conseguiu. Mas a “salganhada” santanista (roubando a expressão a José Eduardo Martins) não ocupa espaço nenhum, responde apenas a uma circunstância. A “Aliança” não deixará de ser aproveitada pelos descontentes com Rio nas próximas europeias, assim como o Livre foi aproveitado pelos descontentes com Seguro. Mas quando chegarem as legislativas ou há partido com bases ou há um balão vazio.

Se há coisa que a política portuguesa nos ensinou é que os partidos crescem ou em momentos de enorme convulsão política (PRD) ou em espaços políticos que de alguma forma já existem (BE). O Bloco de Esquerda foi o único partido que conseguiu furar o monopólio dos quatro fundadores da democracia portuguesa e manter-se na vida política porque representava uma massa de eleitores que sempre se situara à esquerda do PS sem se sentir representada pelo PCP. Existiu na extrema-esquerda, em vários pequenos partidos, em Otelo, com Pintasilgo. Existiu em movimentos radicais, em católicos progressistas, nas influências libertárias dos anos 60. Não foi nada disto que fez o BE chegar aos 10%. Nem sequer lhe deu 2% no início. Mas foi uma cultura política que já existia e que lhe deu raízes e consistência para ser mais do que um fogacho. Partidos de laboratório, com identidades desenhadas para responder a circunstâncias passageiras, morrem na praia. Sobretudo quando apenas respondem a opções táticas de um determinado protagonista.

Há quem, à direita, seja liberal na economia, seja conservador nos costumes e seja eurocético. Mas não há um espaço onde se junte tudo isto só porque Santana acha que estes nichos estão vagos. E não há, para compensar esta “salganhada” ideológica, um país santanista.

Há apenas um derrotado com vontade de voltar à ribalta apesar das suas repetidas derrotas e um exército de candidatos ao desemprego no PSD que, com o apoio de jornalistas desesperados por nem as eleições internas de um partido conseguirem determinar, vão aproveitando o verão para insuflar este balão cheio de nada.

Partidos que mudam o cenário político não resultam de amuos individuais ou de uma imprensa simpática. Resultam de convulsões como a que tivemos depois do bloco central ou da representação de culturas políticas com raízes mais profundas do que a superficialidade deste projeto denuncia. O resto é para entreter o verão do país político e mediático.

Ver original em 'A Estátua de Sal' (aqui)

Portugal | Aliança, Iniciativa Liberal e as boas notícias para a “geringonça”

Ana Alexandra Gonçalves* | opinião

Santana Lopes veio agitar as águas já por si revoltosas do PSD, desde a saída do grande líder Pedro Passos Coelho e da presidência do inócuo Rui Rio. Uma multiplicidade de vozes do PSD submergiram da também habitual mediocridade para criticar a iniciativa de Santana Lopes. José Eduardo Martins consegue mesmo afirmar que a dita iniciativa do ex-candidato à liderança do PSD e ex- de praticamente tudo é uma “salganhada ideológica”. José Eduardo Martins é a mesma pessoa que já afiançou o seu apoio a Pedro Duarte, desafiador da liderança do PSD.

Com efeito, a intenção já manifestada por Santana Lopes e que aposta no conservadorismo como ideologia não será tão desprovida de sentido como eventualmente possa parecer. De resto, existe quem procure avidamente esse conservadorismo e não o encontre nem no PSD, nem tão-pouco no cristão CDS, cuja liderança não passa de uma animação colorida sem qualquer espécie de conteúdo.

Na verdade, pouco vêem com bons olhos a decisão de Santana de sair do PSD para criar outro partido, um espaço político que, para todos os efeitos, pode vir a representar uma ameaça ao PSD e ao CDS, apesar desse espaço político, quase partido denominado Aliança, ser, aparentemente e para já, irrelevante, pelo menos a julgar pelas sondagens.

Mas não é só no PSD que as críticas surgem em catadupa. O recém-criado partido Iniciativa Liberal (IL) acusa Santana Lopes de se aproximar aos novos movimentos europeus entretanto já próximos do dito Iniciativa Liberal, assim como Santana Lopes é acusado de copiar o programa partidário do IL.

Tudo boas notícias para a “geringonça”.

Em rigor, o sucesso da famigerada “geringonça”, não poderia passar sem uma reação da direita. A confusão e as divisões da direita são, obviamente, uma boa notícia para os partidos à sua esquerda. Mas é sobretudo a ideologia que subjaz quer à futura Aliança de Santana Lopes, quer à Iniciativa Liberal – liberalização de tudo e mais alguma coisa, começando pela Segurança Social e Saúde – que vem não só lembrar a importância de uma esquerda unida, como pressionará PSD e CDS a endurecerem posições e adoptarem medidas semelhantes às destes partidos que, para já, parecem insignificantes.

Neste contexto a “geringonça” reforça a sua importância, podendo mesmo contar com estabilidade, coisa rara por estes dias nos partidos à sua direita.

*Ana Alexandra Gonçalves | Triunfo da Razão
 

Ver o original em 'Página Global' na seguinte ligação:

http://paginaglobal.blogspot.com/2018/08/portugal-alianca-iniciativa-liberal-e.html

Muitas Direitas cada vez mais Tortas

(Dieter Dellinger, 19/08/2018)

medalhas.PNG

Foto: Emblemas possíveis para os novos partidos da direita dita liberal.

A Aliança procura desesperadamente pessoas para assinarem o documento de fundação que deverá ter 7.500 assinaturas reconhecidas. Consta que Santana não tem tantos amigos no PSD e não conseguiu pescar muita gente no CDS e no PS terá arranjado apenas dois militantes.

Na mesma situação – em processo de fundação – estão dois partidos de direita, a “Democracia 21” ainda sem as assinaturas necessárias e a “Iniciativa LiberaL (IL) que dizem ter já entregue as 7.500 assinaturas no Tribunal Constitucional no final do ano passado sem que as televisões tivessem informado, ou eu não dei por isso. É dirigido por um tal Rodrigo Saraiva que diz que na opinião publicada já existe muita gente liberal e acrescenta “o liberalismo está a assumir-se sem complexos em Portugal”. Não duvido que a maior parte dos poucos jornais existentes no país sejam muito de direita e necessitam do termo “liberal” para não utilizarem a mais que desacreditado palavra direita, mas não são 7.500 papalvos e muito menos 3 x 7500 ou 22.500 idiotas.

Oficialmente, a Iniciativa Liberal é um partido com 300 militantes e 90 fundadores, pelo que as restantes assinaturas devem ter sido compradas. Chega-se a um drogado arrumador de carros e a troco de uns 20 euros ou mais o tipo põe a sua assinatura num papel e andando por aí devem ter arranjado assinaturas, mas não têm um único nome sonante que tenha sido deputado ou se tenha evidenciado em qualquer actividade. Parece que o patronato rejeita assinar papéis de qualquer partido e não é por medo, é porque acham a sua assinatura demasiado valiosa para um qualquer papel que um desconhecido lhe coloca na sua frente.

A “Democracia 21” aproximou-se de Santana, mas este rejeitou-a, apesar de ser dirigida por uma mulher, uma tal Sofia Ferreira que terá apoiado Passos Coelho e fala numa geringonça de direita e diz que já tem 5 mil assinaturas e até ao fim de Setembro terá 7.500. Considera-se liberal nos costumes e na economia.

Admito que o Correio da Manha que ganha muito com as publicidade proxeneta à prostituição seja um periódico apoiante porque deseja a “industrialização” da prostituição, isto é, o estabelecimento de grandes albergues de fornicação como há na Alemanha e na Holanda. Desde que dê dinheiro está tudo bem para o eng. Paulo Fernandes.

Tudo menos pagar impostos e TSU às trabalhadoras do jornal e depois dos grandes supermercados do sexo em que tudo se possa comprar, desde mulheres e homens aos mais diversos instrumentos. Talvez o CM consiga muitas assinaturas das suas clientes de publicidade. Basta pôr um “call center” a trabalhar nisso.

Ver original em 'A Estátua de Sal' (aqui)

Força, Pedro

Santa Aliança !
Viajo nas redes sociais e francamente não percebo porque tantos estimáveis cidadãos de esquerda perdem tempo a hostilizar o Aliança, ou seja, o novo partido que Pedro Santana Lopes se propõe erguer.

Na verdade, o ser-se de esquerda não devia impedir que se reconhecesse que o sistema partidário português está anquilosado e fossilizado e que, nesse sentido, a Aliança pode trazer pelo menos um módico de renovação e oferecer aos eleitores um populismo de direita mas de luva branca como o estilo de Santana Lopes profetiza.

E se alguém disser que este é um post de ficção política e que, na verdade, o que eu estou é a esfregar as mãos perante a perspectiva de um ainda maior enfraquecimento do PSD, desmentirei isso pronta e veementemente.

Ver original em "O Tempo das Cerejas" (aqui)

Portugal | “Aliança” vai ser mais um flop de Santana ou um escolho para o PSD?

As más línguas vinham dizendo que Santana Lopes estava em vias de formar um novo partido e lhe dera exatamente as suas iniciais PSL – Partido Social Liberal – mas assim não aconteceu, o pobre é só “Aliança” e mais à frente (em baixo) na prosa pode ler que ele é “personalista” e outras coisas mais. Mais ou más? Mais do mesmo e más na mesma? Não se vê que Santana Lopes possa trazer algo de novo, além daquilo que todos já vimos. Fartos de liberalismos que se associam ao esclavagismo e à exploração selvagem com olhos no vil metal estamos fartos. É o que se vislumbra por todo o mundo.
Santana tem sido useiro e vezeiro em fracassar. Nem por isso deixa de “andar por aí” em busca de quê? De tacho. Ou eles comem todos ou assim não vale. Sobre os propósitos do novo partido de “artes” velhas poderemos concluir mais tarde do que se trata, o que não queira isso dizer que é esperado por muitos que seja mais um flop de Santana. Mais um fracasso. Nele isso até nem destoa. Salva-o a simpatia e estas e aquelas coisas do feitio que até são positivas. Isso não significa que esteja mudado, porque o que se assoma por aí, no que se vai sabendo, é que se esta “Aliança” singrar será à conta de muito esvaziamento do PSD, assim como do CDS e do PS. Isso é o que Santana preconiza e intenta… Bem, lá virá mais um flop do Santana?
Leia no Expresso o que mais vier. (PG)
Partido de Santana Lopes já tem nome: “Aliança”

Personalista, liberal e solidário. Europeísta, mas sem cartilha. Conservador e mais apostado nos privados na previdência e saúde. Este é o novo partido de Santana. E arranca agora

em siglas, nem alusões ao seu próprio nome, nem referências ao carácter ideológico. Simplesmente Aliança. Assim será batizado o novo partido de Pedro Santana Lopes, que arranca já no início da próxima semana com a recolha de assinaturas para se constituir formalmente como força partidária.

O objetivo assumido foi evitar rótulos e preconceitos ideológicos infundados, diz Pedro Santana Lopes ao Expresso, apesar de se perceber que há uma base genética que tem que ver com as raízes do PSD. “Somos um partido personalista, liberalista e solidário.Europeísta, mas sem dogmas, sem seguir qualquer cartilha e que contesta a receita macroeconómica de Bruxelas”, explica.

Ver o original em 'Página Global' na seguinte ligação:

http://paginaglobal.blogspot.com/2018/08/portugal-alianca-vai-ser-mais-um-flop.html

Partido de Santana Lopes já tem nome: “Aliança”

(Miguel Santos Carrapatoso, in Expresso, 18/08/2018)

ALIANÇA

ESTE É O SÍMBOLO DO NOVO PARTIDO DE SANTANA. CHEGA PARA CONSTRUIR ALIANÇAS. “UNIR RESPEITANDO A DIFERENÇA E AS DIFERENÇAS” É UM DOS SLOGANS

(Será que desta vez é que é a sério e Santana avança mesmo? A ver vamos. Apesar de, das outras vezes nunca ter mostrado o símbolo do novel partido, desta vez já mostra, e tudo.

Aguardam-se os desenvolvimentos dos próximos capítulos da saga do “menino guerreiro”.

Comentário da Estátua, 18/08/2018)


Nem siglas, nem alusões ao seu próprio nome, nem referências ao carácter ideológico. Simplesmente Aliança. Assim será batizado o novo partido de Pedro Santana Lopes, que arranca já no início da próxima semana com a recolha de assinaturas para se constituir formalmente como força partidária.

À memória vem de imediato a Aliança Democrática, que juntou Francisco Sá Carneiro (PSD), Diogo Freitas do Amaral (CDS) e Gonçalo Ribeiro Telles (PPM), a primeira grande coligação de centro-direita a vencer eleições legislativas em Portugal. Ao Expresso, Pedro Santana Lopes prefere não fazer comparações e explica o porquê do nome: “Mostra que viemos para construir e para unir, na política e no país”.

O objetivo assumido foi evitar rótulos e preconceitos ideológicos infundados, diz o ex-primeiro-ministro ao Expresso, apesar de se perceber que há uma base genética que tem que ver com as raízes do PSD. “Somos um partido personalista, liberalista e solidário. Europeísta, mas sem dogmas, sem seguir qualquer cartilha e que contesta a receita macroeconómica de Bruxelas”, explica.

Santana reconhece que o caminho “será difícil”, mas recusa embarcar em fatalismos. “Podem acusar-me de tudo, menos de não conhecer a política e de não saber como se faz política”, argumenta. A ambição existe e o antigo militante social-democrata não a esconde: “Queremos garantir representação política que nos permita participar no processo de decisão, seja no Governo seja na oposição”.

LIBERALIZAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL E DA SAÚDE

O ADN do novo partido confunde-se com o de Santana Lopes e é bastante programático. Nos excertos da declaração de princípios, a que o Expresso teve acesso, está lá o europeísmo mais cético: “A União Europeia precisa de ser reformada e Portugal precisa de reforçar a sua atitude face à União”. Mas também contempla a preocupação com a cultura, a inovação e o mar: este é o “trinómio” da Aliança”. Assim como o combate à desertificação e ao abandono do território: a coesão territorial é um “imperativo absoluto”. E o reforço do papel do Estado na segurança e na justiça: “A celeridade da justiça e boas decisões judiciais são vitais para a confiança”.

É nas áreas da Segurança Social e da Saúde que a Aliança vai mais longe na sua declaração de princípios. O novo partido de Santana Lopes considera que a perda de capacidade do Estado para fazer face ao envelhecimento da população deve ser compensada por “esquemas de previdência alternativas e individualizados”. O mesmo para o Sistema Nacional de Saúde: “[Devemos estimular] o investimento em seguros de saúde eficazes”, com o Estado a acompanhar esse esforço dos portugueses “com deduções fiscais efetivas” e sem esquecer o papel do “terceiro sector”, nomeadamente a intervenção da Santa Casa da Misericórdia e de outras instituições que fazem parte da economia social.

Na economia, mesmo defendendo Orçamentos do Estado “equilibrados” e um rigoroso “controlo da despesa pública”, Santana Lopes aponta já dois caminhos prioritários: “Políticas de consolidação da dívida pública que não limitem tanto a margem de manobra orçamental” e uma “forte redução da carga fiscal”. “Taxas de esforço fiscal perto dos 60% constituem um atentado, [sobretudo] quando se sabe que grande parte desse esforço fiscal serve para sustentar um Estado que consome metade da riqueza nacional”, pode ler-se no texto fundador da Aliança.

Em matéria de direitos, liberdades e garantias, a Aliança é ainda pouco clara. Pelo menos nos excertos a que o Expresso teve acesso. Quando se despediu do PSD, Santana disse que saía porque queria “intervir politicamente num espaço em que não se dê liberdade de voto quando se é confrontado com a agenda moral da extrema-esquerda”. Ele foi um dos principais críticos da decisão de Rui Rio de dar liberdade de voto aos deputados quando a despenalização da eutanásia foi levada ao Parlamento. Agora, na Aliança, escreve: “Respeitamos a liberdade religiosa e valorizamos a dimensão espiritual da pessoa. Rejeitamos as visões utilitaristas e egoístas da vida humana”.

MACRON À PORTUGUESA COM CROWDFUNDING

O ex-primeiro-ministro prefere não desvendar, para já, quem o acompanha na nova aventura. Garante que tem recebido apoio de muitas pessoas, desde antigos simpatizantes do PSD e do CDS a “gente de todas as idades que nunca esteve na política”. “Estou genuinamente surpreendido com o apoio que temos recebido. Temos já assegurados representantes em todos os distritos, regiões autónomas e junto dos círculos de emigração”, assegura. A página do partido será lançada até ao arranque da próxima semana e Santana tem uma certeza: “A Aliança vai provocar a modernização acelerada de todos os partidos”.

À semelhança do que foram fazendo o Ciudadanos e o Podemos, em Espanha, ou o En Marche, de Emmanuel Macron, em França, a Aliança vai apostar nas plataformas digitais, menos dispendiosas do que as tradicionais estruturas partidárias: “Já me ofereceram espaços em sedes espalhadas por todo o país. Mas não faz sentido. Entrámos numa nova era de comunicação política”. Através da futura página do partido e da app que será entretanto criada, Santana quer receber “propostas, avaliações, criar um espaço de crowdfunding e de debate” para unir todos os simpatizantes, explica.

Está tudo a ser preparado ao mais ínfimo pormenor, diz Santana. A estratégia de comunicação foi delineada com base num “estudo comparado” que analisou as melhores práticas dos “partidos mais atualizados” e o nome do novo partido foi escolhido depois de avaliado por um focus group criado para o efeito.

No futuro, Santana, que integra e lidera um comité executivo composto por sete dirigentes, quer criar uma estrutura em que cada responsável falará sobre uma área diferente. A intenção é recusar a ideia de que este é ‘o partido de Santana Lopes’. “Isto não é um partido pessoal. É um projeto coletivo”, garante o ex-primeiro-ministro. Sobre o PSD, de Santana, nem uma palavra. Faz agora parte do passado.

SANTANA LOPES QUER CRIAR SENADO

Na mesma declaração de princípios, a Aliança de Santana defende a “modernização do sistema político português”, nomeadamente através da “criação do Senado, com a representação das diferentes regiões do país”, com o objetivo de aproximar eleitos dos eleitores. “Portugal teve câmara alta em muitos períodos da sua história constitucional, a generalidade dos Estados democráticos, em vários continentes, têm, igualmente, Parlamentos bicamerais. Será útil que Portugal procedesse a essa mudança, reduzindo o número de deputados em número superior ao da criação de lugares de senadores”, escreve o novo partido.

A ideia de um parlamentarismo bicameral (uma câmara baixa e uma câmara alta) é há muito defendida por Pedro Santana Lopes. No início de 2004, durante o Governo de Durão, PSD e CDS chegaram a avançar com uma proposta de revisão constitucional nesse sentido, que acabaria por não ter êxito. Muito contestada à esquerda, seria o PS a dar um golpe final nas aspirações da direita: “A revisão constitucional proposta pela maioria está morta e não vale a pena perder tempo”, vaticinou o então líder parlamentar dos socialistas, António Costa. A Aliança quer agora relançar a discussão.

Santana também não esquece a “tão falada e tão adiada” reforma do sistema eleitoral português, com a “introdução de círculos uninominais” compensada pela criação de um círculo nacional. Tudo para garantir uma “maior aproximação dos eleitores aos eleitos”. Resta saber que força terá Santana para levar os restantes partidos a ter esta discussão.

Ver original em 'A Estátua de Sal' (aqui)

Participe na Rede

LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate