• Início
  • Artigos
  • Portugal
  • Portugal | PSD pondera recuo na votação final do tempo de serviço dos professores

Obra de José Mário Branco "é um mundo" e é revisitada em álbum tributo

De Osso Vaidoso a Ermo, de Camané aos Walkabouts, são mais de dez os artistas que interpretam temas de José Mário Branco, num disco-tributo que sai no dia 24 pela Valentim de Carvalho.

"O objetivo era mostrar a plasticidade da música do Zé Mário Branco, é muito abrangente e inspirou muita gente de várias gerações. A obra dele é um mundo", afirmou à agência Lusa Rui Portulez, produtor executivo do álbum.
Com data de lançamento para o dia 24, véspera do 77.º aniversário do cantor e compositor, 'Um disco para José Mário Branco' apresenta 16 temas revisitados por outros tantos nomes, quase todos da música portuguesa.

A abrir surge o músico brasileiro Lucas Argel, que canta 'Queixa das almas jovens censuradas', e a fechar está o ator João Grosso a interpretar 'FMI'.

Para falar deste disco, Rui Portulez recuou a 2014, quando a Casa da Música, no Porto, acolheu um espetáculo por ele idealizado em torno do "maior cantor de intervenção/cantautor revolucionário" de Portugal, ainda vivo.


Na altura, no espetáculo participaram alguns dos músicos que entram agora no disco de homenagem, como João Grosso, Batida, e JP Simões, de quem é conhecida a versão de "Inquietação".

Para o álbum foram ainda convidados outros nomes que Rui Portulez sabia que tinham afinidades ou já tinha passado pelo repertório de José Mário Branco, como Osso Vaidoso, de Ana Deus e Alexandre Soares, e Primeira Dama.

Ermo compuseram 'Eram mais de cem', com música nova para letra de José Mário Branco, e o rapper Ruas escreveu 'Comboios parados', com um 'sample' da música 'Cantiga para pedir dois tostões'.

O produtor repescou ainda versões mais antigas que tinham já sido feitas, como 'Fado Penélope', por Camané, 'Loucura', por Mão Morta, e 'Década de Salomé', dos Peste & Sida.

Destaque ainda para a inclusão de 'Cantiga para pedir dois tostões', dos espanhóis Single, e 'Hard Winds Blowin', dos norte-americanos The Walkabouts, fruto de uma temporada que o músico Chris Eckman viveu em Lisboa.

A edição física do álbum inclui textos de quase todos os convidados, com impressões muito pessoais, memórias e opiniões sobre o universo musical de José Mário Branco.

"Depois de José Afonso, é este José o nome mais importante a fixar na música de intervenção, em particular, e como referência incontornável da música portuguesa, em geral", afirma Rui Portulez num dos textos que acompanham o álbum.

Nascido no Porto em 1942, José Mário Branco cumpriu em 2018 meio século de carreira, tendo editado um duplo álbum com inéditos e raridades, gravados entre 1967 e 1999. A edição sucede à reedição, no ano anterior, de sete álbuns de originais e um ao vivo, de um período que vai de 1971 e 2004.

Na altura, em declarações à Lusa, José Mário Branco dizia que não dá qualquer importância a efemérides e celebrações de datas redondas.

"Não são coisas que me motivem muito, tenho respeito pelo respeito das pessoas, mas essas histórias das efemérides...", afirmou.

O compositor não mostrava, então, pressas em gravar coisas novas, por preferir trabalhar para outros músicos - "Não me sinto menos interessado por não ser eu a cantar" - e a isto juntava ainda uma certa resistência em subir a um palco.

"Comecei a sentir-me um bocado museológico em cima do palco. Há uns tempos que eu não faço concertos nem recitais, mas felizmente não paro de trabalhar e de fazer coisas de que gosto imenso", disse.

Lusa | Notícias ao Minuto

Ver o original em 'Página Global' na seguinte ligação:

https://paginaglobal.blogspot.com/2019/05/obra-de-jose-mario-branco-e-um-mundo-e.html

Tags:

Artigos relacionados

“Tiveram a fineza de me apresentar todas as prisões do fascismo”
“Tiveram a fineza de me apresentar todas as prisões do fascismo” Com o falecimento de Ruben de Carvalho desaparece uma singular figura de intelectual militante, de homem de excepcional ... 52 views Wed, 12 Jun 2019, 17:09:16
NA MORTE DE UM CRIADOR COMUNISTA
NA MORTE DE UM CRIADOR COMUNISTA Um imenso adeus ao Rúben Embora infelizmente esperada mas nem por isso menos dolorosa e brutal, chega a notíc... 41 views Tue, 11 Jun 2019, 18:45:35
 Proteger o Património Cultural
Proteger o Património Cultural «Com as guerras do império norte-americano e seus sequazes no Médio-Oriente, Iraque e Síria, e no Afeganistão, a destrui... 86 views Sat, 11 May 2019, 11:42:58
Pete Seeger: De que lado você está?
Pete Seeger: De que lado você está? Esta canção, gravada por Pete Seeger em 1940, virou hino da luta sindical nos Estados Unidos. E mantém sua atualid... 23 views Thu, 09 May 2019, 10:01:54
45 ANOS DEPOIS DA ABSOLVIÇÃO NO PROCESSO DAS “TRÊS MARIAS”
45 ANOS DEPOIS DA ABSOLVIÇÃO NO PROCESSO DAS “TRÊS MARIAS” Foi a 7 de Maio de 1974 que terminou o processo instaurado pelo fascismo às autoras das “As Novas Cartas Portugues... 47 views Wed, 08 May 2019, 13:17:36
Feira do Livro de Grândola homenageia Fernando Namora
Feira do Livro de Grândola homenageia Fernando Namora A 33.ª edição da Feira do Livro de Grândola, no distrito de Setúbal, assinala o centenário do nascimento do escritor n... 41 views Tue, 07 May 2019, 10:42:23

Cultura

  • Criado em .
  • Visualizações: 66
Participe na Rede

Para estar informado(a)

Registo para receber a informação da Plataforma Cascais

captcha