Professores exigem respeito pela lei e a retoma das negociações

Centenas de professores manifestaram-se esta quinta-feira, em Lisboa, num protesto contra a intransigência do Governo em iniciar negociações com vista à recuperação de todo o tempo de serviço.

CréditosTIAGO PETINGA / LUSA

A manifestação foi convocada pela ampla frente sindical, reunindo um total de dez estruturas, entre as quais as mais representativas, a Federação Nacional de Professores (Fenprof/CGTP-IN) e a Federação Nacional da Educação (FNE/UGT).

Em nota de imprensa, a Fenprof afirma que os protestos resultam do facto de o Governo continuar sem dar início às negociações para a recuperação dos 9 anos, 4 meses e 2 dias de tempo de serviço cumprido, apesar de a lei do Orçamento do Estado para 2019 claramente o obrigar a tal.

Os protestos arrancaram esta manhã com uma concentração junto ao Ministério da Educação, em Lisboa, onde, a par de vários gritos de ordem, foi aprovada e entregue uma moção à tutela, tendo depois os docentes seguido em direcção à Presidência do Conselho de Ministros.

Entre os pontos, a moção aprovada exige do Governo que sejam imediatamente iniciadas negociações, com o vista à recuperação do tempo de serviço que foi congelado, bem como reafirma que este «só poderá incidir sobre o prazo e o modo e não sobre o tempo a recuperar (que terá de ser todo)».

Por outro lado, a moção também refere «outros problemas para os quais se exige solução, mas que o Governo continua a arrastar», nomeadamente a questão da aposentação, face ao cada vez maior envelhecimento do corpo docente. Os professores reivindicam a possibilidade da contabilização desse tempo, por opção do docente, para efeitos de aposentação ou para a dispensa de vaga de acesso ao quinto e sétimos escalão.

«O que os professores mais querem é um final de ano tranquilo»

Em declarações aos jornalistas, Mário Nogueira afirmou que este é o momento para voltar às negociações com a tutela, que «não pode continuar a adiar» a questão, como tem feito no passado, para o resto do ano.

O secretário-geral da Fenprof garantiu que aquilo que «os professores mais querem é um final de ano tranquilo», não tendo qualquer prazer no oposto. Todavia, a pretensão de não resolver a contagem do tempo desencadeará novas lutas, nomeamente «uma grande manifestação nacional e greves». «Queremos evitar isso, mas se tiver de ser, será», acrescentou.

Ver original em "AbrilAbril" na seguinte ligação:

https://www.abrilabril.pt/trabalho/professores-exigem-respeito-pela-lei-e-retoma-das-negociacoes

Artigos relacionados

Não pagamento de propinas não anula actos académicos
Não pagamento de propinas não anula actos académicos A Assembleia da República aprovou a proibição da nulidade de actos académicos por falta de pagamento de propinas. Os e... 67 views Sat, 11 May 2019, 13:46:47
ODiario.info » Entre 2015 e 2018 os salários reais diminuem em Portuga...
ODiario.info » Entre 2015 e 2018 os salários reais diminuem em Portuga... Contrariamente à ideia que o actual governo e os órgãos de comunicação social têm procurado fazer passar junto da opiniã... 50 views Thu, 09 May 2019, 10:25:58
Os professores no muro europeu
Os professores no muro europeu O que podemos pensar sobre a recuperação económica do país quando o governo afirma que não há dinheiro para pagar aos ... 44 views Wed, 08 May 2019, 19:41:33
A CHARADA DA «REPOSIÇÃO» DO TEMPO DE SERVIÇO DOS PROFESSORES
A CHARADA DA «REPOSIÇÃO» DO TEMPO DE SERVIÇO DOS PROFESSORES A maior parte das pessoas não compreende até que ponto todo este processo está ferido de profunda ilegalidade, que - ne... 79 views Tue, 07 May 2019, 10:10:51
Sapadores contestaram alterações ao estatuto em frente ao Parlamento
Sapadores contestaram alterações ao estatuto em frente ao Parlamento Mais de uma centena de bombeiros sapadores de Lisboa estiveram concentrados esta segunda-feira, em protesto contra a p... 48 views Tue, 07 May 2019, 10:47:26
Greve na Central de Cervejas arrancou com adesão de 100%
Greve na Central de Cervejas arrancou com adesão de 100% Os trabalhadores da Sociedade Central de Cervejas e Bebidas, em Vialonga, estão em greve até domingo para exigir aumen... 101 views Mon, 06 May 2019, 14:08:28

Trabalho, Conflitualidade social, Educação

  • Criado em .
  • Visualizações: 19
Participe na Rede

Para estar informado(a)

Registo para receber a informação da Plataforma Cascais

captcha